Crise Financeira no Horizonte. Parte I – Rebentam as primeiras bombas que sinalizam a vinda da próxima crise: 4. Os mercados financeiros – aprofundamentos – 4.4. Quem é que está a enriquecer com as ações GameStop? Os criadores e intermediários do mercado, nomeadamente a Robinhood. Por Cullen Roche

Logo tipo de WallStreetBets, um sítio subreddit, área de interesse criada pelos utilizadores onde são organizadas discussões na Reddit, um site deTamb´rrm  agregação de notícias sociais, classificação de conteúdos web e de discussão.

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota

Parte I – Rebentam as primeiras bombas que sinalizam a vinda da próxima crise

 

4. Os mercados financeiros – aprofundamentos

4.4. Quem é que está a enriquecer com as ações GameStop? Os criadores e intermediários do mercado, nomeadamente a Robinhood

 Por Cullen Roche

Publicado por em 29/01/2021 (Who’s getting rich off GameStop’s stock? The market makers and middlemen, including Robinhood, original aqui)

 

Isto não é um segredo: o modelo de negócio de Robinhood é atrair investidores mais pequenos e encorajar a negociação em bolsa. E as corretoras ganham dinheiro com essa negociação através da venda de dados do fluxo de ordens aos fundos de cobertura de risco.

 

Os verdadeiros milionários da GameStop. (Foto de ADRIAN DENNIS/AFP via Getty Images)

 

Adoraria falar sobre a mecânica da banca central ou dos fundos de índice, mas a única coisa que importa nos mercados financeiros é a GameStop.

1. Robin Hood ou Robinhood? A grande história do dia é que Robinhood, a plataforma de negociação, bloqueou as compras do título GameStop, um retalhista de videojogos. Isto essencialmente bloqueia potenciais novos compradores e força os atuais detentores do título a vender. O título caiu 70% a certa altura nessa notícia. Muita gente está indignada com isto. Sentem que Robinhood está a proteger os grandes fundos de cobertura contra novas perdas e a aproveitar-se dos pequenos investidores de retalho.

Bem, onde esteve este tempo todo? Este é literalmente todo o modelo de negócio de Robinhood. Eles não cobram comissões para negociar. Mas seduzem e encorajam as transações em bolsa. E ganham dinheiro com essa negociação … vendendo os seus dados de fluxo de ordens a grandes fundos de cobertura.

Falo frequentemente sobre como as empresas financeiras estão tão interligadas em tantos negócios intrincados que têm inevitavelmente algum nível de conflito de interesses. E uma empresa como a Robinhood tem conflitos à fartazana. Por necessidade. Os seus maiores clientes são na realidade grandes criadores de mercado e fundos de cobertura de risco. Mas estão a vender um serviço a pequenos investidores de retalho a quem se anunciam como a firma que tira dos ricos para dar aos pobres. Quando, na realidade, eles pegam no fluxo de ordens com origem nos pobres para os vender aos ricos.

Quem é que você pensa que está de facto a ficar rico com isto? A aritmética básica dos mercados diz-nos que os investidores ativos obtêm rendimentos mais baixos do que os investidores menos ativos. Não pode ser de outra forma. Pode não ver os custos. Mas eles estão lá, quer apareçam em spreads, comissões ou impostos.

Assim, embora haja algumas histórias de Redditors a ficarem fabulosamente ricos, o Redditor médio está provavelmente a perder a sua camisa, ou pelo menos a perder mais da sua camisa do que os investidores menos ativos.

Mas aqueles que definitivamente ganham dinheiro pelo caminho são os criadores e intermediários do mercado. Robinhood está a funcionar como intermediário, enriquecendo ao longo do caminho e vendendo fluxo de ordens para fundos de cobertura ao mesmo tempo que encoraja o comportamento irracional dos clientes, o que é garantido para gerar rendimentos médios mais baixos para esses utilizadores.

Muitas pessoas pensam que esta saga beneficiou de alguma forma os pequenos porque Melvin Capital, um grande fundo de cobertura de risco com uma estratégia de venda a descoberto, foi esmagado. É um bom título de imprensa quando vemos que um fundo de cobertura foi demolido por um fórum Reddit centrado nos pequenos investidores de retalho.

As pessoas que pensam que isto faz parte de algum processo de transferência de dinheiro dos ricos para os pobres não compreendem os cálculos macroeconómicos a longo prazo desta situação. Esta atividade está, no seu conjunto, a prejudicar os clientes de Robinhood e a beneficiar os intermediários que ganham dinheiro com uma atividade irracional. E se pensa que os maiores beneficiários individuais da GameStop são os pequenos investidores de Reddit , não está familiarizado com o topo executivo e o Conselho de Administração da GameStop.

Robin Hood? Não me parece.

 

2. Fechado. Isso. Interdito? As pessoas estão indignadas com o bloqueio das transações em bolsa sobre a GameStop. Este é um tópico complexo. Uma empresa como Robinhood corre um grande risco, direto e indireto, de contraparte ao permitir certos tipos de transação na sua plataforma. Ninguém sabe a quantidade específica de risco de contraparte que tem, mas se Robinhood calcula que este produto poderia colocar em risco o seu negócio, então não tem porque permitir que se esteja a comprá-lo ou a vendê-lo.

Robinhood é apenas um intermediário, afinal de contas. A firma não é obrigada a fazer um mercado em tudo o que nós quisermos, e os regulamentos sobre títulos protegem Robinhood em matéria de discrição em relação àquilo a que nos podem dar acesso.

No entanto, isto é realmente uma grande confusão, porque obviamente têm deixado que as pessoas façam contratos com este produto. E por isso, impedi-lo agora parece uma vigarice. Mais uma vez, Robinhood está no negócio de encorajar a que as pessoas tenham comportamentos imprudentes. Toda a plataforma foi concebida para o encorajar a negociar mais e mais e a ser mais imprudente. Portanto, não nos devemos surpreender quando o comportamento imprudente de um cliente cria um problema de contraparte que obriga o intermediário a reconsiderar se realmente gosta deste comportamento imprudente.

Deveria Robinhood ter encerrado o acesso às transações sobre GameStop ? Não sei. Dirijo um website chamado Pragmatic Capitalism, e encorajo as pessoas a tratar a sua carteira como uma verdadeira carteira de poupança. Faço gestão de dinheiro para as pessoas e faço a minha própria cozinha alocando as poupanças das pessoas em carteiras super passivas. É o meu modo de conceber as coisas.

O modelo Robinhood é contrário a quase tudo aquilo em que acredito sobre a aplicação da poupança. Mas também dirijo um website chamado Pragmatic Capitalism. E sei que o capitalismo precisa de mercados líquidos e livres. Por isso, embora encoraje as pessoas a serem inteligentes e principalmente a tomarem posições financeiras passivas, também sei que para que haja posições inteligentes/passivas é precisa que haja posições estúpidas/ativas para se ter um mercado. Portanto, sim, quero que as pessoas tenham livre acesso a mercados livremente negociáveis, mas também sei que essas empresas precisam de algum nível de discrição na gestão do quão imprudentes os seus clientes podem ser.

Mas há aqui um problema maior. A GameStop tornou-se obviamente uma ação em esquema de pirâmide. Ou seja, sabemos que o valor intrínseco da GameStop não aumentou em 1.000% nas últimas semanas. Talvez o valor intrínseco fosse demasiado baixo antes disto, mas certamente não aumentou em 1.000%.

Portanto, tem um aspeto definitivo de pirâmide nas transações. E o problema com os esquemas em pirâmide é que quanto maior for o seu tamanho, mais dinheiro se consegue obter e mais se prejudicam as pessoas que entram mais tarde neste produto.

No caso da GameStop, trata-se de uma ação que foi negociada a $10 e que saltou para $100. Os primeiros investidores ficaram ricos, e mais investidores compram mais tarde. Por definição, há uma exposição mais longa à medida que o valor aumenta. E depois, é divulgada a notícia de que as pessoas vão conduzi-la até $1.000. Assim, as pessoas continuam a comprar e a aumentar o preço. Cada vez mais pessoas compram.

Mas a quem é que elas vendem? Como é que estas pessoas vão sair? Precisam de mais pessoas para se juntarem à pirâmide, é claro. Só que não é assim que isto acontece. Eventualmente as pessoas percebem que é um esquema em pirâmide, e quando tentam vender a outra pessoa, a pirâmide desmorona-se e as pessoas que mais se magoam são as pessoas que chegaram mais tarde. De certa forma, Robinhood está a agir de forma responsável ao parar o esquema da pirâmide antes que ainda haja mais pessoas a comprar e a magoarem-se.

De qualquer modo, este é um esquema difícil. Robinhood é um negócio privado, e eles podem controlar aquilo a que dão acesso aos seus clientes. Mas eles estão agora numa situação de forte confusão e de potencial exposição legal.

 

3. Medo de perder uma oportunidade do negociador de criptomoeda e contrapartes, contrapartes, contrapartes. Esta história é realmente sobre o risco das contrapartes. Na verdade, toda a história histórica da finança é sobre o risco de contraparte. Para cada comprador, há um vendedor. Para cada mutuário, há um emprestador. Há sempre dois lados para estas transações numa economia monetária.

Tem havido toneladas de tomadas de posição erradas sobre esta questão. Mas nenhuma pior do que a bitcoin BTCUSD, -0,67% em que os seus defensores falam sobre como isto significa que precisamos agora de “finança descentralizada”.

A finança descentralizada (DeFi) é um unicórnio. Não é uma coisa. No momento em que se cria um contrato de dívida ou se opera como intermediário numa transação financeira, há um risco de contraparte imediato. Por exemplo, as moedas criptográficas como Tether não são DeFi. Tether é uma moeda criptográfica que é inerentemente suportada pela capacidade do Tether de manter a sua ligação ao dólar. São tão descentralizadas como o banco central de Belize está com a sua ligação ao dólar. Por outras palavras, não há absolutamente nada que seja descentralizado sobre isto. É sobretudo apenas uma narrativa para trazer pessoas ingénuas, tal como, uhum, “Robinhood”.

Claro que se poderia criar uma plataforma de negociação em bolsa que desse às pessoas acesso a produtos financeiros sem tanta intervenção centralizada. Mas alguma entidade de regulação e supervisão terá de ser criada que necessariamente irá supervisionar muito do risco de contraparte que é inerente às transações nessa plataforma.

Ou então considere a realidade do mundo quando os negociadores de criptomoedas (bitcoiners) se apercebem de que a sua escassa oferta de dinheiro é na realidade um problema para a bitcoin porque, bem, as pessoas precisam de dinheiro para coisas e a bitcoin é detido principalmente por poucas pessoas. Bem, os mercados de crédito formar-se-ão a partir dessa moeda central. E o que acontece quando alguém começa a criar crédito? Eles assumem o risco de contraparte, por definição. E, de repente, as pessoas vão criar contratos de crédito para a bitcoin, que são contratos que não são descentralizados. É assim que todo o dinheiro funciona a longo prazo. Podemos tentar reduzir o nosso risco de contraparte, mas não o podemos eliminar.

Olhem, não tenho nada contra a bitcoin. Continuo a dizer que a bitcoin é uma das coisas mais interessantes que ocorreu na finança. E sim, a própria bitcoin é de facto descentralizada. Mas se a bitcoin é o centro do ecossistema criptográfico e se se quiser criar um sistema financeiro que se ramifica a partir dele e que dá às pessoas acesso a coisas como crédito e mercados de ações, então vai acabar por criar um sistema largamente centralizado. Portanto, este conto de fadas sobre um sistema financeiro totalmente descentralizado é exatamente isso, um conto de fadas.

O que temos, no final, é um monte de narrativas sobre como “Wall Street” é mau e como precisamos de Robinhood ou bitcoin para nos salvar disso, mas estas são apenas narrativas baseadas em mal-entendidos, ou, mais provavelmente, narrativas de pessoas que tentam vender-lhe uma nova plataforma centralizada que irá substituir a velha plataforma centralizada através da qual enriquecerão.

 

_______________

O autor: Cullen Roche é o fundador, em 2008, do blog Pragmatic Capitalism para fornecer uma perspectiva alternativa às finanças e à economia. É também o fundador, em 2012, da empresa de serviços financeiros Orcam Financial Group, LLC. Como analista financeiro independente com experiência em contabilidade financeira e gestão de carteiras, trouxe alguns pontos de vista únicos à forma como realizamos análises financeiras e económicas. Para além de prever a falência da habitação, atravessou a crise financeira que terminou em 2008 com +15% na parceria de investimento privado. Utilizou os seus conhecimentos em contabilidade e macroeconomia para analisar correctamente o impacto da Flexibilização Quantitativa (Quantitative Easing), que levou a taxas mais baixas e a uma inflação baixa ao contrário do que a maioria das pessoas previam. Iniciou a sua na Merrill Lynch em 2005, onde ajudou a supervisionar $500MM+ em activos sob gestão. Desiludido com as táticas de venda agressivas das grandes empresas de corretagem e achou que poderia servir melhor os clientes como consultor independente. Durante os 6 anos seguintes, dirigiu uma pequena parceria de investimento que tirou partido de irregularidades contabilísticas durante eventos corporativos. A estratégia gerou um retorno médio anual de 14% sem um único ano negativo, incluindo a crise financeira. Esta abordagem também deixou a sensação de que poderia servir melhor os seus clientes sem as elevadas taxas e as promessas de “bater o mercado” que sentia serem insustentáveis a longo prazo. Nos últimos anos, iniciou um serviço de gestão de ativos baseado em indexação de baixa taxa (Orcam Asset Management) que procura proporcionar um planeamento abrangente e gestão de carteiras a baixo custo, sem muitos dos conflitos e falhas que se veem no espaço típico de gestão de ativos de alta taxa. Além de mais de 15 anos de experiência em gestão de ativos, publicou dois dos trabalhos académicos de maior circulação em finanças e economia – Understanding the Modern Monetary System and Understanding Modern Portfolio Construction. Estes trabalhos centram-se numa explicação operacional do sistema financeiro, a fim de ajudar os investidores a construir carteiras realistas e a compreender melhor a economia. O seu popular livro “Pragmatic Capitalism” é a soma destes pontos de vista. Cullen Roche é licenciado em Finanças pela Universidade de Georgetown. (fonte: https://www.pragcap.com/meet-cullen-roche/ )

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Leave a Reply