PORTUGAL, por ORLANDO MAÇARICO

Obrigado a Bourrichon e à Wikipedia

  • Endividamento da economia ronda os 750 mil milhões de euros;

  • Famílias tinham há dez anos cerca de 175€ mais, para gastar no Natal;

  • Portugueses são dos europeus com menos capacidade para pagar contas;

  • Portugal é o 5.º país da UE com mais pobreza entre quem trabalha;

  • Portugal tem mais de dois milhões de cidadãos no limiar da pobreza;

  • País onde 20% das crianças vivem em pobreza;

  • Nos últimos 5 anos aumentou em cerca de 160% o número de sem-abrigos em Portugal;

  • Mais de metade das 8200 pessoas em situação de sem-abrigo vive(?) na cidade sede do governo;

  • Governo de esquerda (?) prometeu 131 milhões de euros para sem-abrigo. Câmaras do Porto e Lisboa receberam zero;

  • Mãe sem-abrigo que abandonou bebé ficou em prisão preventiva;

  • Portugueses compraram 20 milhões de embalagens de ansiolíticos e antidepressivos em 2018;

  • Portugueses gastaram três milhões de euros num mês em medicamentos para dormir;

  • Portugal é o 5.º país da OCDE que mais consome ansiolíticos e antidepressivos atingindo já a taxa que duplica a de países como a Holanda, Itália e Eslováquia.

  • Consultas urgentes de psiquiatria podem levar 3 meses a marcar;

  • País com mais de 500000 cidadãos em estado de depressão;

  • País onde se espera 3anos por consultas de especialidade no SNS;

  • Mortes com drogas na estrada dispararam na última década. Percentagem de condutores que morreram com drogas no sangue quase duplicou desde 2010;

  • Mortalidade associada às drogas volta a subir. Overdose por cocaína subiram pelo 3.o ano consecutivo;

  • País onde os licenciados sem trabalho são o dobro da média da OCDE ;

  • País que notícia em todos os canais de TV que o Presidente da República visita plantação de tomates par mostrar que o país está a produzir;

  • Portugal importa 98% dos cereais que necessita para alimentação;

  • ” É penoso. Com tantos anos de apoio, ainda estamos entre os países atrasados”, disse recentemente a Comissária europeia portuguesa;

  • Portugal é o 4.º país da Europa com os combustíveis mais caros;

  • A fiscalidade na luz em Portugal é a 3.ª mais cara da Europa;

  • 1,7 milhões de portugueses passam frio em casa. Preço elevado do aquecimento trava aquecimento do lar;

  • País onde mais de 35000 idosos estão em risco nos lares ilegais;

  • Portugal, no que diz respeito a crianças à guarda do Estado, está na liga dos últimos (só 3% das crianças retiradas às famílias estão com famílias de acolhimento);

  • Portugal tem as mais elevadas taxas de mortes por acidentes de trabalho e na estrada;

  • Portugal está entre os país da UE com mais elevada taxa de corrupção ;

  • País onde cerca de 50% dos administradores de empresas acham que práticas de suborno e corrupção nos negócios acontecem de forma abrangente;

  • País onde o nepotismo e a corrupção se institucionalizaram;

  • País de estruturas económicas medíocres e tímidas;

  • País onde se vive ambiente de rarefação do Estado Social;

AINDA PORTUGAL

“Aquela foto do Ronaldo a sair de maca no ecrã gigante da ZON, fez lembrar Fátima” (disse um realizador, a propósito da lesão do jogador, no europeu de futebol);

“Ó mar salgado, quanto do teu sal são lágrimas de Portugal “(em artigo de opinião, assim se titulou as lágrimas de alegria pela vitória no europeu de futebol);

A fotografia e o nome do Eusébio no avião da selecção vitoriosa;

“A minha alegre casinha“ (versão pope, do Xutos, da simples e resignada “quatro paredes caiadas e um cheirinho a alecrim”) erigida à categoria de hino nacional da selecção de futebol de um povo que ainda lava no rio e talha …talha…talha…

Como poderia ter dito o poeta:

Mas o que é isto?!…

Que quadro de saudade!

Que nostalgia!

Que ânsia de simplicidade!

Que presente infame e vil!

(Será isto?)

Afinal, o que somos?

– Socialmente, uma colectividade pacífica de revoltados, a quem falta o romantismo cívico da agressão (ou a energia épica da ira) como disse o poeta?

Quem somos?

Maldito seja o riso de nossos governantes!

Leave a Reply