A Guerra na Ucrânia — [Quem semeia ventos], colhe tempestades. Por Scott Ritter

Seleção e tradução de Francisco Tavares

14 m de leitura

[Quem semeia ventos], colhe tempestades

 Por Scott Ritter

Publicado por em 22 de Setembro de 2022 (original aqui)

 

O Presidente dos EUA Joe Biden, à esquerda, e o Secretário-Geral da NATO Jens Stoltenberg na cimeira de Madrid a 29 de Junho. (NATO)

 

A ordem de Putin para iniciar a mobilização parcial das forças militares russas continua um confronto entre a Rússia e uma coligação de nações ocidentais liderada pelos EUA, que começou no final da Guerra Fria.

 

A guerra nunca é uma solução; há sempre alternativas que poderiam – e deveriam – ter sido perseguidas por aqueles a quem foi confiado o destino da sociedade global antes de ser dada a ordem de enviar a juventude de uma nação para ir lutar e morrer. Qualquer líder nacional que se preze deveria procurar esgotar todas as outras possibilidades para resolver as questões com que os seus respectivos países se confrontam.

Se visto no vácuo, o anúncio do Presidente russo Vladimir Putin na Quarta-feira, num discurso televisivo ao povo russo, de que estava a ordenar a mobilização parcial de 300.000 reservistas militares para complementar cerca de 200.000 russos actualmente envolvidos em operações de combate no solo da Ucrânia, pareceria ser a antítese da procura de uma alternativa à guerra.

Este anúncio foi feito em paralelo com um que autorizou a realização de referendos no território da Ucrânia actualmente ocupado pelas forças russas relativamente à questão de estes territórios se juntarem à Federação Russa.

Vistas isoladamente, estas acções parecem representar um ataque frontal ao direito internacional tal como definido pela Carta das Nações Unidas, que proíbe actos de agressão de uma nação contra outra com o objectivo de confiscar território pela força das armas. Assim o disse o Presidente dos EUA Joe Biden quando discursou na Assembleia Geral das Nações Unidas horas após o anúncio de Putin.

“Um membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas invadiu o seu vizinho, tentando apagar um Estado soberano do mapa”, disse Biden. “A Rússia violou sem vergonha os princípios fundamentais da Carta das Nações Unidas”.

A história, porém, é uma amante severa, onde os factos se tornam incómodos para a percepção. Quando vista através do prisma do facto histórico, a narrativa que está a ser promulgada por Biden inverte-se. A realidade é que desde o colapso da União Soviética no final de 1991, os EUA e os seus aliados europeus têm conspirado para subjugar a Rússia, num esforço para assegurar que o povo russo nunca mais seja capaz de montar um desafio geopolítico a uma hegemonia americana definida por uma “ordem internacional baseada em regras” que foi imposta ao mundo no rescaldo da Segunda Guerra Mundial.

Durante décadas, a União Soviética tinha representado uma tal ameaça. Com o seu desaparecimento, os EUA e os seus aliados estavam determinados a nunca mais permitir que o povo russo – a nação russa – se manifestasse de forma semelhante.

A Alemanha Ocidental aderiu à NATO em 1955, o que levou à formação do rival Pacto de Varsóvia durante a Guerra Fria. (Bundesarchiv, CC BY-SA 3.0, Wikimedia Commons)

 

Quando Putin falou sobre a necessidade de “medidas necessárias e urgentes para proteger a soberania, segurança e integridade territorial da Rússia” contra “as políticas agressivas de algumas elites ocidentais que tentam por todos os meios necessários manter a sua supremacia”, ele tinha esta história em mente.

O objectivo dos EUA e dos seus aliados ocidentais, declarou Putin, era “enfraquecer, dividir e, em última instância, destruir o nosso país”, promulgando políticas destinadas a causar “que a própria Rússia se desintegre numa multitude de regiões e territórios que são inimigos mortais uns dos outros”. De acordo com Putin, o Ocidente liderado pelos EUA “incitou propositadamente o ódio à Rússia, particularmente na Ucrânia, à qual reservaram o destino de uma testa de ponte anti-russa”.

A Terceira Lei do Movimento de Newton, segundo a qual cada acção desencadeia uma reacção igual e oposta, aplica-se também à geopolítica.

Em 24 de Fevereiro, Putin emitiu ordens para que as forças armadas da Rússia iniciassem aquilo a que chamou uma “Operação Militar Especial” (SMO) na Ucrânia. Putin declarou que esta decisão estava em conformidade com o Artigo 51 da Carta das Nações Unidas e com os princípios da autodefesa preventiva colectiva, tal como definidos pelo direito internacional.

Os objectivos desta operação eram proteger as novas repúblicas independentes de Lugansk e Donetsk (referidas colectivamente como a região de Donbass) de um perigo iminente representado por uma acumulação de forças militares ucranianas que, segundo a Rússia, estavam prontas para atacar.

O objectivo declarado da SMO era salvaguardar o território e a população das repúblicas de Lugansk e Donetsk, eliminando a ameaça colocada pelos militares ucranianos. Para o conseguir, a Rússia adotou dois objectivos principais – a desmilitarização e a desnazificação.

A desmilitarização da Ucrânia seria realizada através da eliminação de todas as infra-estruturas e estruturas organizacionais afiliadas à Organização do Tratado do Atlântico Norte, ou NATO; a desnazificação envolveria uma erradicação semelhante da ideologia odiosa do ultra-nacionalista ucraniano, Stepan Bandera, que foi responsável pela morte de centenas de milhares de judeus, polacos e russos étnicos durante a Segunda Guerra Mundial e numa década de resistência anti-soviética após o fim da guerra.

Desfile de lanternas para Stepan Bandera em Kiev, 1 de Janeiro de 2020. (A1/Wikimedia Commons)

 

A partir de 2015, a NATO tem vindo a treinar e a equipar os militares ucranianos com o objectivo de enfrentar os separatistas pró-russos que tinham tomado o poder no Donbass após o derrube do presidente ucraniano pró-russo Victor Yanukovich numa violenta insurreição, conhecida como a “Revolução Maidan”, liderada por partidos políticos ucranianos de direita que professavam lealdade à memória de Stepan Bandera.

A Ucrânia perseguia a adesão à NATO desde 2008, consagrando este objectivo na sua constituição. Embora a adesão efectiva ainda não se tivesse produzido em 2022, o nível de envolvimento da NATO com as forças armadas ucranianas converteu a Ucrânia numa extensão de facto da aliança da NATO.

A Rússia considerou a combinação da adesão à NATO com a postura anti-russa do governo ucraniano pós-Maidan, ligada como estava à ideologia de Bandera, como uma ameaça à sua segurança nacional. A SMO foi concebida para eliminar essa ameaça.

 

Duas Fases da Operação Russa

Durante aproximadamente os primeiros seis meses, a operação militar russa poderia ser dividida em duas fases distintas. A primeira foi um esforço de tipo guerra relâmpago concebido para chocar os militares e o governo ucraniano e submetê-los. Caso falhasse, pretendia-se a moldar o campo de batalha de uma forma que isolasse as forças ucranianas reunidas perto da região de Donbass antes do seu envolvimento decisivo pelos militares russos na segunda fase, que teve início a 25 de Março.

A segunda fase da SMO, a “batalha pelo Donbass”, desenrolou-se em Abril, Maio, Junho e Julho, e envolveu uma guerra brutal, ao estilo de moagem de carne em terreno urbano e entre fortificações defensivas que tinham sido preparadas pelas forças ucranianas ao longo dos últimos oito anos.

A Rússia fez ganhos lentos e agonizantes, numa guerra de desgaste que viu a Rússia infligir perdas horríveis às forças armadas ucranianas. Tal foi a extensão dos danos causados pela Rússia ao exército da Ucrânia que, no final de Julho, quase todo o inventário de armas da era soviética que a Ucrânia possuía no início da SMO tinha sido destruído, juntamente com mais de 50 por cento da sua componente militar em serviço activo.

Normalmente, ao avaliar números de baixas desta magnitude, qualquer analista militar profissional teria razão em concluir que a Rússia tinha, efectivamente, cumprido o seu objectivo de desmilitarização, que logicamente deveria ter sido seguido pela rendição do governo ucraniano em termos que teriam resultado nos tipos de mudança política fundamental necessária para implementar o objectivo russo de desnazificação e, com ele, assegurar a neutralidade ucraniana.

Kadyrovites chechenos ao lado de tropas regulares russas e milicianos separatistas no Donbass em Junho. (CC BY 3.0, Wikimedia Commons)

 

Mas as mesmas forças que Putin tinha descrito no seu discurso de mobilização conspiraram para promover a sua agenda anti-russa, derramando dezenas de biliões de dólares de ajuda militar (excedendo, em poucos meses, todo o orçamento anual da defesa da Rússia) destinada não a promover uma vitória ucraniana, mas sim a acelerar uma derrota estratégica russa.

“Enquanto que o principal objectivo ocidental foi a defesa contra a invasão [russa]”, o jornalista Tom Stevenson observou num OpEd do The New York Times, “tornou-se o desgaste estratégico permanente da Rússia”.

A prestação de ajuda militar a esta escala foi uma mudança de jogo que as forças militares russas responsáveis pela implementação da SMO não foram capazes de superar. Esta nova realidade manifestou-se na primeira quinzena de Setembro, quando a Ucrânia lançou uma grande contra-ofensiva que conseguiu expulsar as forças russas do território da região de Kharkov que estava ocupado desde o início da SMO.

 

Novo Paradigma de Ameaça

 

Presidente da Rússia Vladimir Putin com o Ministro da Defesa da Rússia Sergey Shoigu após as cerimónias de colocação da coroa de flores no Túmulo do Soldado Desconhecido em Junho. (Kremlin.ru, CC BY 4.0, Wikimedia Commons)

Embora a Rússia tenha sido capaz de estabilizar as suas defesas e, por fim, parar a ofensiva ucraniana, infligindo um enorme número de baixas à força atacante, a realidade é que a Rússia enfrentava um novo paradigma de ameaça na Ucrânia, um paradigma que viu os militares russos lutarem contra um exército ucraniano reconstituído que se tinha tornado um representante de facto da aliança da NATO liderada pelos EUA.

Confrontado com esta nova realidade, Putin informou o povo russo de que considerava “necessário tomar a seguinte decisão, que responde plenamente às ameaças que enfrentamos: A fim de defender a nossa pátria, a sua soberania e integridade territorial, e a segurança do nosso povo e da população e para assegurar as áreas libertadas, considero necessário apoiar a proposta do Ministério da Defesa e do Estado-Maior General para introduzir uma mobilização parcial na Federação Russa”.

Os Estados Unidos e os seus aliados da NATO fariam bem em reflectir sobre a lição inerente a Oséias 8:7- semeia ventos, colhe tempestades.

Ou, dito de outra forma, a Terceira Lei de Newton voltou em força.

A decisão de Putin de ordenar uma mobilização parcial dos militares russos, quando combinada com a decisão de realizar os referendos no Donbass e na Ucrânia ocupada, transforma radicalmente a SMO de uma operação de âmbito limitado para uma operação ligada à sobrevivência existencial da Rússia. Uma vez realizados os referendos, e os resultados transmitidos ao parlamento russo, o que é agora o território da Ucrânia passará, de uma só vez, a fazer parte da Federação Russa – a pátria russa.

Todas as forças ucranianas que se encontram no território das regiões a incorporar na Rússia serão vistas como ocupantes; e os bombardeamentos ucranianos deste território serão tratados como um ataque à Rússia, desencadeando uma resposta russa. Enquanto a SMO tinha, por concepção, sido implementado para preservar as infra-estruturas civis ucranianas e reduzir as baixas civis, uma operação militar SMO será configurada para destruir uma ameaça activa à própria Mãe Rússia. As luvas serão retiradas.

 

Os EUA e a NATO enfrentam uma decisão

 

7 de Abril de 2021: Uma guarda de honra na Ucrânia durante uma visita de um comité militar da NATO. (NATO)

 

Os EUA e a NATO, tendo-se comprometido com um programa concebido para derrotar a Rússia por procuração, têm agora de decidir se continuam a dar seguimento ao seu apoio político e material à Ucrânia e, em caso afirmativo, até que ponto. O objectivo continua a ser a “derrota estratégica” da Rússia, ou será que a ajuda será adaptada simplesmente para ajudar a Ucrânia a defender-se?

Estes são dois objectivos completamente diferentes.

Um permite o desgaste contínuo de qualquer força russa que procure projectar poder do território russo para a Ucrânia mas, ao fazê-lo, respeita a realidade, se não a legitimidade, da incorporação russa do Donbass e dos territórios do sul da Ucrânia sob ocupação na Federação Russa.

A outra continua a apoiar a actual política do governo ucraniano e dos seus aliados ocidentais de expulsar a Rússia do Donbass, da Ucrânia ocupada e da Crimeia. Isto significa atacar a Mãe Rússia. Isto significa guerra com a Rússia.

Pela sua parte, a Rússia considera-se já em guerra com o Ocidente. “Estamos realmente em guerra com…a NATO e com o Ocidente colectivo”, disse o Ministro da Defesa russo Sergei Shoigu numa declaração que se seguiu ao anúncio de Putin relativamente à mobilização parcial.

“Não nos referimos apenas às armas que são fornecidas em enormes quantidades. Naturalmente, encontramos formas de contrariar estas armas. Temos em mente, claro, os sistemas ocidentais que existem: sistemas de comunicação, sistemas de processamento de informação, sistemas de reconhecimento, e sistemas de inteligência por satélite”.

Neste contexto, a mobilização parcial russa não se destina a derrotar os militares ucranianos, mas sim a derrotar as forças da NATO e do “Ocidente colectivo” que foram reunidas na Ucrânia.

E se estes recursos da NATO forem configurados de uma forma que seja considerada pela Rússia como constituindo uma ameaça à pátria russa…

“Claro que”, disse Putin no seu discurso sobre mobilização parcial, “se a integridade territorial do nosso país for ameaçada, usaremos todos os meios à nossa disposição para defender a Rússia e o nosso povo”, uma referência directa ao arsenal nuclear da Rússia.

“Isto não é um bluff”, salientou Putin. “Os cidadãos da Rússia podem estar certos de que a integridade territorial da nossa pátria, a nossa independência, e a nossa liberdade, reitero, serão salvaguardadas com todos os meios à nossa disposição. E aqueles que estão a tentar chantagear-nos com armas nucleares precisam de saber que a rosa dos ventos também pode virar-se na sua direcção”.

Foi a isto que o mundo chegou – uma corrida louca ao apocalipse nuclear baseada na expansão irracional da NATO e em políticas russofóbicas arrogantes aparentemente ignorantes da realidade de que o conflito na Ucrânia se tornou agora uma questão de importância existencial para a Rússia.

Os EUA e os seus aliados no “Ocidente colectivo” têm agora de decidir se a prossecução contínua de uma política de décadas de isolamento e destruição da Rússia é uma questão de importância existencial para eles, e se o apoio continuado de um governo ucraniano que é pouco mais do que a manifestação moderna da odiosa ideologia de Stepan Bandera vale a vida dos seus respectivos cidadãos, e a do resto do mundo.

O relógio do apocalipse está literalmente a um segundo da meia-noite e nós, no Ocidente, não podemos culpar senão a nós mesmos.

__________

O autor: Scott Ritter é um antigo oficial de inteligência do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA que serviu na antiga União Soviética implementando tratados de controlo de armas, no Golfo Pérsico durante a Operação Tempestade no Deserto e no Iraque supervisionando o desarmamento das ADM. O seu livro mais recente é Disarmament in the Time of Perestroika, publicado pela Clarity Press.

 

 

2 Comments

  1. A censura e manipulação da informação foi intensificada desde o dia 24 de Fevereiro em ambos os lados da barricada; sucede que os cidadãos da União Europeia, sujeitos como estamos a essas manobras mediáticas dificilmente podemos perceber os fios que tecem o desenrolar desta guerra entre a NATO-EUA e a Rússia. O artigo de Scott Ritter abre uma fresta na escuridão a que os nossos dirigentes da União Europeia (que recorde-se nós, europeus, não elegemos em qualquer sufrágio) nos remetem, dando-nos alguma luz, embora nas condições limitadas que um mero artigo comporta.

Leave a Reply