NO IRÃO, É ALTURA DE DIZER: “MULHER, VIDA E LIBERDADE” por Clara Castilho

Ou melhor “jin, jiyan, azadi”,  que significa “mulher, vida e liberdade”. Falemos disto, situação que não podemos ignorar , apesar de poderem existir outras situações internacionais com repercussões mais diretas na nossa vida.

Mahsa Amini. Ela foi presa pela polícia da moralidade, que considerou que seu véu islâmico estava mal colocado sobre a cabeça. Três dias depois, ela faleceu. De acordo com parentes, em consequência de agressões que sofreu durante a detenção.  

No dia seguinte ao seu enterro, milhares de mulheres em solidariedade,  filmaram-se removendo os seus véus e queimando-os, e cortando os cabelos, ao redor de seu túmulo, na cidade curda de Saqqez, sua cidade natal.  O funeral desencadeou uma das maiores revoltas populares da história recente do Irã. 

Para controlar a difusão do movimento e das cenas de violência, o governo restringiu o acesso à  internet. O Instagram e WhatsApp foram suspensos para evitar a propagação das imagens de horror que ocorre nas ruas de quase todo o país. 

É longe? Não nos diz respeito? Pois, o preço do gás e a ameaça do frio incomoda-nos mais!

Leave a Reply