Posts Tagged: mulher

MAIS UMA MULHER ASSASSINADA POR UM HOMEM por Luísa Lobão Moniz

  Mais um número incerto de mulheres maltratadas! Pela primeira vez vi um homem na televisão a dizer que é vítima de violência doméstica. E mais uma mulher é maltratada. Vieram-lhe as lágrimas aos olhos e disse sentir-se mal com

MAIS UMA MULHER ASSASSINADA POR UM HOMEM por Luísa Lobão Moniz

  Mais um número incerto de mulheres maltratadas! Pela primeira vez vi um homem na televisão a dizer que é vítima de violência doméstica. E mais uma mulher é maltratada. Vieram-lhe as lágrimas aos olhos e disse sentir-se mal com

EM PROL DA FELICIDADE por Luísa Lobão Moniz

  É do domínio colectivo das sociedades que homem e mulher têm diferentes papéis e funções nas comunidades. Todas as culturas têm no seu imaginário o que pertence a cada um e a cada uma, apesar de terem definido esses

EM PROL DA FELICIDADE por Luísa Lobão Moniz

  É do domínio colectivo das sociedades que homem e mulher têm diferentes papéis e funções nas comunidades. Todas as culturas têm no seu imaginário o que pertence a cada um e a cada uma, apesar de terem definido esses

NÃO HÁ HOMEM LIVRE por Luísa Lobão Moniz

Homens, mulheres, crianças e violência parecem estar a preocupar a sociedade e os políticos. Já se fala e reconhece que as leis terão que mudar, mas todos sabemos que não se mudam leis sem se mudarem mentalidades. Mais anos de

NÃO HÁ HOMEM LIVRE por Luísa Lobão Moniz

Homens, mulheres, crianças e violência parecem estar a preocupar a sociedade e os políticos. Já se fala e reconhece que as leis terão que mudar, mas todos sabemos que não se mudam leis sem se mudarem mentalidades. Mais anos de

Mulheres afegãs: do progresso ao medievalismo misógino ‘made in USA’. Por Nazanín Armanian

Obrigado a Nazanín Armanian e ao Público.es Publicado por  em 8 de março de 2019 Os meios de comunicação costumam dividir a história das mulheres afegãs em “antes e depois dos talibãs” e com dois objetivos: a) apresentar a NATO como

Mulheres afegãs: do progresso ao medievalismo misógino ‘made in USA’. Por Nazanín Armanian

Obrigado a Nazanín Armanian e ao Público.es Publicado por  em 8 de março de 2019 Os meios de comunicação costumam dividir a história das mulheres afegãs em “antes e depois dos talibãs” e com dois objetivos: a) apresentar a NATO como

PORQUÊ? por Luísa Lobão Moniz

  Que mais há a dizer sobre a violência que as mulheres e crianças e, quantas vezes também, idosos e deficientes, sofrem dentro das suas casas. Não são raras as vezes em que os vizinhos, os companheiros do café relatam

PORQUÊ? por Luísa Lobão Moniz

  Que mais há a dizer sobre a violência que as mulheres e crianças e, quantas vezes também, idosos e deficientes, sofrem dentro das suas casas. Não são raras as vezes em que os vizinhos, os companheiros do café relatam

NÚMERO INDETERMINADO por Luísa Lobão Moniz

Professora agredida por uma mulher numa escola do Porto. Onze mulheres mortas desde o dia 1 de Janeiro. Número indeterminado de mulheres mal tratadas. Número indeterminado de mulheres vítimas de violências várias, em casa, na rua, no trabalho. Cento e

NÚMERO INDETERMINADO por Luísa Lobão Moniz

Professora agredida por uma mulher numa escola do Porto. Onze mulheres mortas desde o dia 1 de Janeiro. Número indeterminado de mulheres mal tratadas. Número indeterminado de mulheres vítimas de violências várias, em casa, na rua, no trabalho. Cento e

CALÇADA DE CARRICHE por Luísa Lobão Moniz

  Luísa sobe, sobe a calçada, sobe e não pode que vai cansada. Sobe, Luísa, Luísa, sobe, sobe que sobe sobe a calçada. Saiu de casa de madrugada; regressa a casa é já noite fechada. Na mão grosseira, de pele

CALÇADA DE CARRICHE por Luísa Lobão Moniz

  Luísa sobe, sobe a calçada, sobe e não pode que vai cansada. Sobe, Luísa, Luísa, sobe, sobe que sobe sobe a calçada. Saiu de casa de madrugada; regressa a casa é já noite fechada. Na mão grosseira, de pele

LAÇO AZUL por Luísa Lobão Moniz

Abril, mês de comemorar a nossa Liberdade e Democracia, mês de luta contra os maus tratos nas crianças. Um dia em Abril de 1989, nos EUA, uma mulher colocou um laço azul na antena do seu carro. Porquê e para

LAÇO AZUL por Luísa Lobão Moniz

Abril, mês de comemorar a nossa Liberdade e Democracia, mês de luta contra os maus tratos nas crianças. Um dia em Abril de 1989, nos EUA, uma mulher colocou um laço azul na antena do seu carro. Porquê e para

FRATERNIZAR – 8 de Março de cada ano – DIA MUNDIAL DA MULHER OU DO FEMININO? – por MÁRIO DE OLIVEIRA

  Desde que iniciamos os tempos do Grande Mercado, passou a haver dias para tudo e mais alguma coisa. E entre este tudo e mais alguma coisa, há também O Dia Mundial da Mulher, no singular, como a sugerir que

FRATERNIZAR – 8 de Março de cada ano – DIA MUNDIAL DA MULHER OU DO FEMININO? – por MÁRIO DE OLIVEIRA

  Desde que iniciamos os tempos do Grande Mercado, passou a haver dias para tudo e mais alguma coisa. E entre este tudo e mais alguma coisa, há também O Dia Mundial da Mulher, no singular, como a sugerir que

ASSÉDIO por Luísa Lobão Moniz

Já há muito tempo que reparo nas mensagens não ditas nem escritas nos anúncios na televisão. Normalmente referia-me à agressividade que alguns deles transmitem….para vender o produto. Agora reparo na quantidade de anúncios, na televisão, em que aparecem homens e

ASSÉDIO por Luísa Lobão Moniz

Já há muito tempo que reparo nas mensagens não ditas nem escritas nos anúncios na televisão. Normalmente referia-me à agressividade que alguns deles transmitem….para vender o produto. Agora reparo na quantidade de anúncios, na televisão, em que aparecem homens e

PORQUE BATEM OS HOMENS NAS MULHERES? por Luísa Lobão Moniz

Porque batem os homens nas mulheres? “Nas mulheres não se bate nem com uma flor” estes homens devem confundir mãos e pés com flores.  É estranho, não é? Certamente não querem estragar as flores! Não é só nas mulheres que

PORQUE BATEM OS HOMENS NAS MULHERES? por Luísa Lobão Moniz

Porque batem os homens nas mulheres? “Nas mulheres não se bate nem com uma flor” estes homens devem confundir mãos e pés com flores.  É estranho, não é? Certamente não querem estragar as flores! Não é só nas mulheres que

A SUBMISSÃO por Luísa Lobão Moniz

São chamas. São cheias. São furacões. São árvores arrancadas pelas raízes. São telhados a voar. É mais um atentado terrorista no metro de Londres. São meninos a morrerem nas praias. São crianças maltratadas. São mulheres espancadas e mortas. São mulheres

A SUBMISSÃO por Luísa Lobão Moniz

São chamas. São cheias. São furacões. São árvores arrancadas pelas raízes. São telhados a voar. É mais um atentado terrorista no metro de Londres. São meninos a morrerem nas praias. São crianças maltratadas. São mulheres espancadas e mortas. São mulheres

MAIS UMA… por Luísa Lobão Moniz

Não há um dia em que não haja uma notícia de feminicídio, cada vez mais violento e cruel. O homem já não se satisfaz com assassinar a mulher ou a companheira, cada vez mais estes assassinatos são acompanhados por assassinatos

MAIS UMA… por Luísa Lobão Moniz

Não há um dia em que não haja uma notícia de feminicídio, cada vez mais violento e cruel. O homem já não se satisfaz com assassinar a mulher ou a companheira, cada vez mais estes assassinatos são acompanhados por assassinatos

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (93)

  EM DIRECÇÃO AO FIM     As pessoas passam Repassam Com andar parado Desapontado De uma forma invulgar Caminham para o lugar Que é de todos Para todos Seguem cegas Na sua entrega Famintas Indistintas Para o fim comum

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (93)

  EM DIRECÇÃO AO FIM     As pessoas passam Repassam Com andar parado Desapontado De uma forma invulgar Caminham para o lugar Que é de todos Para todos Seguem cegas Na sua entrega Famintas Indistintas Para o fim comum

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (86)

  EM DIRECÇÃO AO FIM As pessoas passam Repassam Com andar parado Desapontado De uma forma invulgar Caminham para o lugar Que é de todos Para todos Seguem cegas Na sua entrega Famintas Indistintas Para o fim comum Sem destino

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (86)

  EM DIRECÇÃO AO FIM As pessoas passam Repassam Com andar parado Desapontado De uma forma invulgar Caminham para o lugar Que é de todos Para todos Seguem cegas Na sua entrega Famintas Indistintas Para o fim comum Sem destino