Macron só vê a luz quando ela pode faltar! por Joaquim Ventura Leite

 

Macron só vê a luz quando ela pode faltar!

por Joaquim Ventura Leite

 

Macron numa entrevista de ontem manifesta a sua estupefação pelo facto do gás natural líquido estar 6x mais caro do que devia. E quem suporta esta brutalidade? AS PESSOAS! E qual a economia que vai ser mais afetada? A EUROPEIA!

Agora afirma que um acordo de paz na Ucrânia “deve acomodar as exigências russas em termos da sua segurança”! COMO É QUE ESTA BRILHANTE DESCOBERTA SÓ CHEGA AGORA DEPOIS DE 100.000 militares mortos só do lado da Ucrânia, sem contar com as centenas de milhar feridos, e a destruição da economia? Esta lentidão da inteligência é típica nos liberais. Só admitem os problemas quando eles se tornam gigantescos!

Onde estiveram o juízo e o bom senso europeu no último ano? Putin avisou várias vezes para as red lines que não podiam ser ultrapassadas, e para os abusos da NATO, mas os líderes europeus ainda gozaram com a Rússia. Quem era a Rússia para fazer avisos ao poderoso OCIDENTE E À NATO?

Agora vamos todos pagar esta guerra que alguns se convenceram a si próprios de que era uma questão de democracia ucraniana versus ditadura russa. Uma questão de invasor e invadido, e pronto. Estava assim definida a equação ideológica e política da solução! Não sei o que deu a tanta gente que eu considerava intelectualmente diferenciada.

O ocidente cometeu três erros infantis do ponto de vista político, económico, histórico e cultural.

  1. Por pressão dos EUA, a Europa alinhou, com a colaboração ativa dos seus “atlantistas”, na ideia de que a Rússia era necessariamente um inimigo do ocidente. Ignorantes da história não toparam que a Rússia faz historicamente parte da cultura ocidental e não oriental. É da história! A antiga URSS comunista ajudou a salvar a Europa do Nazismo. Não foram só os americanos.

  2. O facto da URSS ter sido comunista não significava que a Rússia atual seja comunista. Isso equivaleria a considerar o Portugal de hoje colonialista ou de tentações  colonialistas, e a Alemanha atual como nazi. O fim da guerra fria foi considerado pelos EUA como uma derrota russa, quando devia ter sido simplesmente uma derrota do comunismo, e não do povo russo. O fim do colonialismo português não foi uma derrota da nação portuguesa, mas do regime político português. Se conseguimos entender isto devíamos entender que a Rússia não é a URSS. Este equívoco serviu apenas para manter o imperialismo americano consolidado depois da Segunda Guerra Mundial, e manter a Europa subjugada a esse projeto imperial.

  3. Os media e muita gente no ocidente alinham na ideia estúpida ou ignorante de que a economia russa é apenas gás e petróleo, e até li que era pouco maior do que a economia espanhola, imagine-se! Os economistas sérios sabem muito bem que a Rússia é uma das economias mais fortes do mundo, mesmo não fazendo BMW e Porches. Há intelectuais americanos que sabem e referem isto. Retirando o sector de serviços, a economia russa é maior do que a alemã, mas se tivermos em conta a disponibilidade de vastíssimos recursos energéticos, minerais e alimentares, a Rússia é nesta altura uma das economias mais fortes do mundo. Por estes erros infantis o Macron não percebe o que se está a passar com a EUROPA, a alhada em que se meteu, e como foram tramados pelos americanos. Macron devia lembrar-se que durante quase meio século a URSS, e atualmente a Rússia, cumpriram escrupulosamente os seus compromissos em termos de fornecimento de energia, e que foi a Europa quem procurou esse fornecimento. Ele devia estudar o que tentaram fazer Helmut Schmidt, Helmut Khol, Gerard Schröeder, na procura de relações comerciais normais com a Rússia.

Os inteligentes do ocidente “descobriram” agora que a Rússia afinal é uma ameaça à Europa, e que aqueles dirigentes alemães deviam ser estúpidos. Nem Margaret Thatcher era assim.

Agora iremos perceber como a Europa deu um passo para o abismo, ou para a total irrelevância mundial, desindustrialização e perda de competitividade, servindo para ajudar a acelerar a mudança do mundo unipolar para um mundo multipolar. Alguns ainda levarão algum tempo a entender isso, porque não conseguem ler os sinais que surgem todos os dias.

NÃO ME VENHAM AGORA DIZER QUE SOU PRÓ RUSSO. Sou é contra a estupidez que nestes tempos grassa pela Europa! Disse-o desde o primeiro dia desta guerra!

É a vida!

2 Comments

  1. Parabéns ao autor pela sua clarividência. É preciso não esquecer que o Macron é um verme e produto dos gringos, não esquecer que é “filho” da McKinsey….

Leave a Reply