Guerra da Líbia, a batalha de Tripoli e a prisão de Saif el-Islam.- por Carlos Mesquita

(publicado em O Clarinet – 22-08-2011)

 

Líbios apoiantes do regime ainda resistem à ofensiva militar da NATO e das forças rebeldes. Os países da coligação já fazem a partilha dos bens naturais da Líbia. A progressão dos rebeldes até ao interior de Tripoli foi possível devido à intervenção directa de militares e serviços de espionagem dos países ocidentais, apoiados pelo bombardeamento aéreo da NATO.

 

Já em Março a Reuters noticiava que Barack Obama tinha assinado a ordem que autorizava a CIA a dar apoio directo aos rebeldes. Também, segundo a Reuters, foram mobilizados “dezenas de membros das forças especiais britânicas e agentes do MI 6”. O coronel francês Thierry Burkhard, confirmou que desde o início de Junho estavam a enviar armas para os rebeldes que actuam nas Montanhas Ocidentais da Líbia (reportagem do “Le Fígaro”).

 

Portanto já há muito que a resolução 1973 do Conselho de Segurança da ONU que autorizou a “zona de exclusão aérea”, e proibia o fornecimento de armas aos contendores, era letra morta. A suposta medida para proteger os civis líbios dos ataques do governo de Kadhafi, transformou-se em ataque indiscriminado contra o povo e os bens dos líbios que habitam as zonas sob administração do governo.

 

O que agora se passa não é completa surpresa como o demonstra a entrevista (abaixo) que o filho de Kadhafi, Saif, deu ao jornal El-Khabar da Argélia em 11 de Julho. Foi enganado pelos franceses, foi ingénuo ao pensar ser possível um Estado Moderno após o inicio da intervenção da NATO, mas já devia calcular que a ofensiva viria das Montanhas (com os franceses), enquanto a CIA operava no interior de Tripoli, guiando os bombardeamentos da NATO.

 

Numa coisa acertou, a TOTAL já assinou com o governo de transição a partilha do petróleo líbio, cabendo-lhe 35%. Os líbios vão pagar as bombas que lhes destruíram o país e mataram milhares de civis, com petróleo do melhor do mundo.

 

Sobre Saif el-Islam falaremos mais tarde até porque o Tribunal Penal Internacional quer a sua entrega para julgamento. Não é a figura que a propaganda dos vencedores diz, e alguma coisa disso mesmo é visível na entrevista.

 

A entrevista é transcrita do word-revolution.com (o português foi revisto em algumas partes pelo ClariNet)

El-Khabar:
Começamos a nossa entrevista com aquilo que mais interessa à opinião
pública 
internacional: em que ponto estão as negociações com a oposição em Benghazi?

Saif el-Islam: Na verdade, temos verdadeiras negociações em curso com a França e não com os
rebeldes. Através dum enviado especial que se reuniu com o presidente francês,
temos uma mensagem clara de Paris. O presidente francês disse com sinceridade ao
nosso correspondente: “Nós criámos este Conselho [Conselho dos Rebeldes de
Benghazi, NdT] que sem o dinheiro e as armas da França, não existiria.”

Estes grupos entraram em contacto connosco através de canais egípcios, reunimo-nos com
eles no Cairo, onde foi realizada uma ronda de negociações, mas os Franceses
acabaram por saber do encontro e disseram ao grupo de Benghazi: nós
apoiamos-vos, mas se houver outros contactos com Tripoli sem o nosso
conhecimento, paramos imediatamente de vos apoiar.

Todas as negociações devem passar pela França, disseram: nós não fazemos esta guerra por beneficência,
temos interesses comerciais na Líbia, e o governo de transição terá de aprovar
vários contratos. Referem-se aos contratos relativos às aeronaves Rafale e a
outros contratos que interessam à Total.

El-Khabar: Por que não divulgam ao público os documentos que comprovam o vosso financiamento à
campanha eleitoral de Sarkozy?

Saif el-Islam: Bem, nós não usamos todas as nossas armas ao mesmo tempo, temos mais de que uma surpresa,
mais de uma arma e vamos usá-las na altura certa …

El-Khabar: Então agora estão a negociar com Paris e não com Benghazi?

Saif el-Islam: Sim, estamos a negociar com Paris e foram abertos canais de comunicação com a França.
Os Franceses disseram: o Conselho faz o que dissermos, quando chegarmos a um
acordo convosco em Tripoli, começaremos a falar dum cessar-fogo com o Conselho.

O Conselho é, portanto, um fantoche dos Franceses. Para dar-lhe um outro exemplo da
interferência francesa no Oeste da Líbia, na zona montanhosa perto da fronteira
com a Argélia e a Tunísia, chegaram forças especiais francesas com a missão de
ensinar [aos rebeldes] a pilotar os aviões franceses.

Essas forças também se destinam a recrutar e treinar os rebeldes e as milícias, e entregaram com
pára-quedas armas ocidentais, sob a supervisão de outras forças especiais no
solo. A mesma coisa aconteceu quando capturámos alguns prisioneiros em Misurata,
disseram que há treinadores franceses a ensinar a pilotar as aeronaves. Benghazi
tornou-se uma província da França, controlada pelos serviços de
intelligence franceses; o que quero dizer é que a presença francesa em
Benghazi tornou-se evidente, não vamos esquecer que Paris tem instalado um
sistema móvel de vigilância e interceptação das comunicações em Benghazi,
controlado pelos próprios franceses.

Não se esqueça também do famoso incidente há 40 dias, em que um grupo de contractors
[mercenários que tratam da segurança de empresas privadas, NdT] franceses foi
morto em Benghazi. As unidades de segurança das empresas francesas estão a lutar
com os rebeldes, e as declarações do grupo que capturou os mercenários mostram
que as empresas francesas são responsáveis (?) pelos assassinatos que estão a
ocorrer em Benghazi. A guerra contra a Líbia é de marca francesa, é uma cruzada
liderada pela França.

El-Khabar: Sabemos que no parlamento francês se realizará na próxima Segunda-feira um debate sobre
a guerra na Líbia, o que gostaria de dizer aos representantes do povo
francês?

Saif el-Islam: O que aprendemos com os rebeldes que decidiram regressar a Tripoli é que queriam
acabar o conflito na Líbia antes do 14 de Julho, antes do feriado nacional
francês, porque Sarkozy queria comemorar o aniversário com a vitória e a
ocupação da Líbia.

Sarkozy também anunciou nos meios de comunicação que Muamar Kadhafi tem que ir para o estrangeiro, o que
significa que a intenção é voltar aos dias do colonialismo francês na África e
na Argélia, quando os líderes nacionais foram expulsos dos países.

O projecto era completar a ocupação da Líbia, a tempo das celebrações do feriado
nacional francês. Este é o seu programa, e ainda temos relatórios da
intelligence segundo a qual os Franceses gostariam de desembarcar
tropas de terra nas montanhas, nas áreas controladas por rebeldes, para depois
atacar Tripoli. É uma das opções que foram estudadas em Paris. Por esta razão,
se eu tiver que falar com os Franceses, digo-lhes que esta guerra estúpida,
guerra baseada em informações falsas, em que se acreditava que a Líbia pudesse
ser derrotada e ocupada dentro de alguns dias ou algumas horas, foi na direcção
oposta, como quando diziam que a Argélia pertencia de direito aos Franceses; no
entanto, tiveram de sair.

Se Deus quiser, a França sairá da Líbia de mãos vazias e não será capaz de atingir os seus objectivos. Eu digo
que se a França quer vender os seus aviões Rafale, se querem assinar contratos
de petróleo, se querem voltar para a Líbia com as suas empresas, então deve
falar com o legítimo governo da Líbia e com o povo líbio, devendo fazê-lo por
meios pacíficos e diplomáticos, porque da guerra e dos bombardeamentos não
obterá nada. Esta é a minha mensagem para a França.

El-Khabar: Em que ponto está a mediação internacional e o que está a acontecer agora? Em
particular agora, depois da visita do mediador russo que tomou conhecimento da
situação, após a reunião entre o presidente russo Medvedev e presidente da Nato
e depois do encontro entre Medvedev e o presidente sul-africano Jacob Zuma, que
é parte da mediação?

Saif el-Islam:
Primeiro, deixe-me esclarecer algumas coisas, nomeadamente que o mundo inteiro
foi enganado com artigos de jornais que mentiram, que diziam que o Estado líbio
teria morto milhares de manifestantes e que bombardeou a população com aviões
militares. O mundo agora sabe que era tudo uma mentira, a Human Rights Watch
reconheceu que a informação era falsa, mesmo a Amnistia Internacional disse que
eram falsidades e o próprio Pentágono realizou uma investigação interna e
concluiu que era informação falsa.

El-Khabar: Voltando à questão da mediação internacional, em que ponto estão?

Saif el-Islam: Em relação às iniciativas, há um road-map africano acerca
do qual todos concordam: queremos organizar as eleições e chegar a um governo de
unidade nacional, estamos prontos para realizar eleições sob a supervisão das
organizações internacionais e introduzir uma nova Constituição, mas os rebeldes
recusam, e recusam porque ainda não há acordos com Paris.

El-Khabar: O coronel Kadhafi, no seu discurso perante os seus apoiantes em Sheba, na
Sexta-feira, ameaçou retaliar e enviar homens-bomba para a Europa: não está com
medo de ser tratado como terrorista?

Saif el-Islam: Primeiro, temos direito de atacar os Países que nos atacam e matam os nossos
filhos. Mataram o filho de Muama, Kadhafi, destruíram a sua casa e mataram os
seus parentes. Não há uma família na Líbia que não tenha sido vítima da NATO. É
por isso que estamos em guerra, a NATO começou os ataques e vai enfrentar as
consequências.

El-Khabar: Saif el-Islam será um candidato para as futuras eleições na Líbia?

Saif el-Islam: Estou oficialmente fora da política na Líbia desde 2008 e desde
essa data e até ao início da crise estava fora da Líbia, estava no Camboja.
Voltei para a Líbia no início dos eventos, fiquei fora do jogo político, mas
depois do que aconteceu na Líbia todos os planos foram alterados. Depois de ver
a traição, os interesses no campo e a nova colonização, todos os dados foram
alterados, não excluo a possibilidade de candidatar-me, todas as opções são
possíveis.

El-Khabar: Como mudará o sistema da Líbia após as reformas em curso?

Saif el-Islam: Vamos manter um sistema público, mas terá uma nova roupagem e uma nova imagem. Haverá
uma segunda estrutura administrativa que será adicionada à primeira, se Deus
quiser, estamos a lançar as bases dum Estado moderno. Estabelecemos uma Comissão
Constitucional há três anos, envolvendo grandes especialistas locais e
internacionais, e esse projecto deve ser avaliado por todas as tribos da Líbia e
discutido pelo povo. Se for aprovado, vai ser implementado.

El-Khabar: Algumas pessoas pensam numa Líbia dividida, o primeiro-ministro britânico David Cameron
já declarou a intenção de dividir o Sahara líbio, o que acha?

Saif el-Islam: Existe um plano britânico para o desmantelamento da Líbia, o Oeste
e o Sul para a França, o Leste para a Grã-Bretanha, e uma base militar para os
Britânicos em Tobruk. Este não é um segredo, mas é uma ilusão colonialista, é
como ladrar para a lua.

El-Khabar: Acredita que a Argélia possa desempenhar um papel para unir novamente todos os cidadãos
líbios?

Saif el-Islam: Com toda honestidade, se perguntar a qualquer cidadão líbio, ele dirá que os Argelinos
são muito próximos dos Líbios. Infelizmente, como já viu, o único País árabe
para o qual se olha como para um covil de criminosos é a Argélia. Nós temos uma
coisa em comum com os Argelinos. Eles combateram no passado contra a França, nós
estamos a fazer a mesma coisa hoje.

A mediação da Argélia seria bem-vinda. Tem sempre desempenhado um papel de unificação. Gostaria de salientar
que as posições adoptadas pelos Países árabes são indignas, a Argélia é um dos
poucos Países árabes que têm tomado uma posição completamente diferente. O povo
líbio nunca vai esquecer e é por isso que a mediação da Argélia é bem-vinda para
uma aproximação entre os irmãos da Líbia.

El-Khabar: Têm alguma coisa a acrescentar, uma declaração final?

Seif el-Islam: Desejo que a comunidade internacional preste atenção ao que está a acontecer na Líbia,
onde tem lugar uma das mais colossais campanhas de desinformação. Isto é agora
admitido pelos Europeus e pelos próprios Americanos. Na verdade, os media
inventaram uma série de escândalos que nunca aconteceram. Avisamos a comunidade
internacional que as imagens que é possível ver nos canais por satélite e na
Internet são manipuladas. A verdade irá surgir um dia!

Fonte Blogghet – original El-Khabar

 

Leave a Reply