UM A VIAGEM PELA ADOLESCÊNCIA – por Clara Castilho

 

Através de todo este novo livro do pedopsiquiatra Pedro Strecht é defendida e ilustrada a ideia de que os eventuais desafios, conflitos, perturbações da adolescência podem ser ultrapassadas quando os adolesceres encontram alguém que desempenhe a função de figura de referência. Vai dando exemplos de casos da sua própria experiência clínica, de outros autores e vai intercalando com a relação afectiva entre dois poetas, Alberto Lacerda e Luis Amorim de Sousa. Tudo isto com referências musicais, tão importantes para os jovens…

 

Abordarei agora uma pequena síntese sobre o assunto central, com passagens retiradas do próprio livro. Apresenta-nos a ideia de Llyod de Mause, director do Institute for Psychohistory de Nova York, de que “a historia da infância e da adolescência é um longo pesadelo do qual apenas agora estamos a acordar”.

 

Considera que uma das tarefas mais importantes que nos dias de hoje se colocam aos adolescentes é a necessidade de decifrar coerentemente as mensagens profundamente ambivalentes que, não raramente, nas famílias, as escolas, a sociedade lhes passam diariamente.

 

Dá-nos a conhecer Moses Laufer, psicólogo e psicanalista, que fundou o Brent Adolescent Centre, em Londres e definiu 3 etapas fundamentais no processo adolescente, que correspondem a 3 grandes mudanças de relação:

– com o corpo, e em especial com o corpo sexuado (segundo a ideia de uma sexualidade genital, adolescente);

– com os pais, no sentido de uma dependência emocional para o desejo de uma maior autonomia;

– com o grupo de pares, rapazes e raparigas da mesma idade, cujo papel sobre o individuo passa a ser fulcral.

Reconhecendo que não é fácil o trajecto afectivo e sexual na adolescência, mas que pode ser doloroso, sofrido ou até mesmo patológico. Mas deixa-nos com a convicção de que a maioria dos adolescentes possui isoladamente, ou recorrendo de forma consciente ou inconsciente às suas figuras familiares de referência, ao seu círculo de amigos ou ainda a outras pessoas ou meios, as capacidades necessárias para fazer face às maiores solicitações desta fase do crescimento.

Leave a Reply