Pérolas da música portuguesa votadas ao ostracismo – (4)- por Álvaro José ferreira

 

 

 

Ouça! Ouça!… Não deixe de ouvir até ao fim, pois assim terá oportunidade de exclamar: «É realmente incompreensível que pérolas deste quilate estejam excluídas da ‘playlist’ da Antena 1, o canal generalista da rádio estatal que tem a obrigação (formalmente assumida no contrato de concessão do serviço público de radiodifusão) de divulgar a melhor música portuguesa!!!» Ao mesmo tempo que estas pérolas são votadas ao ostracismo, constata-se que a referida ‘playlist’ está atulhada de subprodutos (exógenos e endógenos), muitos dos quais promovidos ‘ad nauseam’. O que se disse a respeito da Antena 1 aplica-se igualmente à Antena 3, outro canal do chamado “serviço público de rádio” que marginaliza, de forma perfeitamente criminosa, o nosso património musical mais valioso e qualificado. Fica à reflexão dos pagantes da contribuição do audiovisual (que actualmente se cifra em €27,00 anuais + I.V.A.) e de quem tem nas suas mãos o poder para pôr cobro a tão aberrante anormalidade.

Pedra Filosofal

 

Poema: António Gedeão (in “Movimento Perpétuo”, Coimbra, 1956; “Poemas Escolhidos: Antologia Organizada pelo Autor”, Lisboa: Edições João Sá da Costa, 1997)

 

Música: Manuel Freire Intérprete: Manuel Freire* (in single “Pedra Filosofal / Menina dos Olhos Tristes”, Zip-Zip, 1970; CD “Pedra Filosofal”, Strauss, 1993, CNM, 2004; CD “Poesia Encantada”, EMI-VC, 2002) [>> YouTube] :

 

Eles não sabem que o sonho
é uma constante da vida
tão concreta e definida
como outra coisa qualquer,
como esta pedra cinzenta
em que me sento e descanso,
como este ribeiro manso
em serenos sobressaltos,
como estes pinheiros altos
que em verde e oiro se agitam,
como estas aves que gritam
em bebedeiras de azul.

Eles não sabem que o sonho
é vinho, é espuma, é fermento,
bichinho álacre e sedento,
de focinho pontiagudo,
que fossa através de tudo
num perpétuo movimento.

Eles não sabem que o sonho
é tela, é cor, é pincel,
base, fuste, capitel,
arco em ogiva, vitral,
pináculo de catedral,
contraponto, sinfonia,
máscara grega, magia,
que é retorta de alquimista,
mapa do mundo distante,
rosa-dos-ventos, Infante,
caravela quinhentista,
que é Cabo da Boa Esperança,
ouro, canela, marfim,
florete de espadachim,
bastidor, passo de dança,
Colombina e Arlequim,
passarola voadora,
pára-raios, locomotiva,
barco de proa festiva,
alto-forno, geradora,
cisão do átomo, radar,
ultra-som, televisão,
desembarque em foguetão
na superfície lunar.

Eles não sabem, nem sonham,
que o sonho comanda a vida.
Que sempre que um homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre as mãos de uma criança.
 

 

  Arranjo – Thilo Krasmann URL: http://pt.wikipedia.org/wiki/Manuel_Freire

 http://www.oocities.com/vilardemouros1971/manuelfreire.htm

 http://cantointervencao.blogspot.com/2009/07/manuel-freire.html http://www.citi.pt/cultura/literatura/poesia/antonio_gedeao/manuel_freire.html http://deltagata4.blogs.sapo.pt/arquivo/1077446.html http://deltacat02.com.sapo.pt/manuelfreire.html http://deltacat02.com.sapo.pt/index.html http://palcoprincipal.sapo.pt/bandasMain/manuel_freire http://cotonete.clix.pt/artistas/home.aspx?id=1635 http://www.lastfm.pt/music/Manuel+Freire

Leave a Reply