DOIS POEMAS, de Sílvio Castro

“Brahms construtivo”

 

                            Desde logo,  com o doce piano de dois iniciais Quartetos

                            Brahms sofreia o ardor do sentimento desolado,

                            procurando no mesmo sentimento aquela forma pronta

                            a fazer da emoção viva razão que a comoção confronta.

                            Ao incontido e desejado impulso de cantar os sonhos

                            surgidos dos sentimentos e pulsações sentidas,

                            o canto reparte da emoção contida no só limitar

                            a voz que sonha para, cantando, outra voz entoar.

                            Brahms canta e dança vinte e uma vezes os mais distantes

                            impulsos vindos dos outros que dançaram e cantaram

                            como ele aos sons dos violinos mágicos e ciganos,

                            agora para ele fontes puras e sem enganos.

                            Dança e canta na procura insone da perfeita forma

                            que conforma os sonhos de um Requiem alemão

                            e universal na força das vozes coletivas levantadas

                            para definir os sentimentos plúrimos implantados.

                            Sentimentalmente aberta à razão que opera a voz

                            da obra completada, a música se faz ilimitado canto

                            de beleza, no íntimo do espaço conformado ou no incontido

                            universo de sons fônicos e afônicos, da partitura ao canto idos.

                            Uma 4ª. Sinfonia é a maior voz para razão e comoção:

                            por ela corro e canto em 4 movimentos 4 sempre em Allegro.

                                                                           (de Poemas Construtivos, 2007)

 

 

 

 

Rostropoviè, 1927-2007

 

                            Os buldozers continuam a abrir buracos no Muro

                            de Berlim e a gente em multidão passa

                            de este a oeste neste outono de 1989;

                            passa sem cessar em meio à insólita névoa quente

                            do outono que invés de folhas mortas faz cair pedras

                            do Muro de Berlim.

                            Em meio aos restos do Muro derrubado e à poeira

                            levantada, a gente caminha sempre para a frente,

                            sentindo ao longe, entre poeira, calor e névoa, os sons

                            incontidos de um violoncelo mágico –

                            Rostropoviè toca infinitamente as 6 Suites de Bach

                            à gente do este e do oeste para sempre além do Muro.

 

                                                                  (de Poemas Construtivos, 2007)

Leave a Reply