O CORVO – por Fernando Correia da Silva

Um Café na Internet

 

 

 

 

 

O Padre Inocêncio atravessa o Largo da Igreja. Ao passar frente à taberna, de lá sai o corvo Vicente a grasnar:

– Ó sacana, ó sacana! Ó cabrão, ó cabrão!

Miúdos e adultos evitam rir mas não conseguem. O taberneiro vem à porta e diz, muito atrapalhado:

– Desculpe, Padre Inocêncio, desculpe este ordinário!

– Eu sou Inocêncio e o pássaro está inocente. A culpa é de quem lhe ensinou esses palavrões. Ou não é?

– Pois é. Mas não fui eu que ensinei, foram clientes meus.

– Pois, pois, desculpas de mau pagador…

                                                                                                                                                                                                                      in PENHASCO


Leave a Reply