RETRATOS, IMAGENS, SÍNTESE DOS EFEITOS DA CRISE DA ZONA EURO SOBRE CADA PAÍS

Selecção e tradução por Júlio Marques Mota

Europa - II

A verdadeira crise da zona euro é muito mais do que a crise da dívida. 

Matthew Boesler

maisdoqueeuro - I

 

 

 

 

 

 

Paul Downer / Flickr

Parte I

A Europa está em crise, e já não é apenas sobre ocasionais crises nos mercados de dívida soberana dos países considerados periféricos.

Na verdade foi sempre muito mais do que isso, nunca foi  bem isso .

O continente europeu  desde há décadas, desde o final da segunda guerra mundial que se esforçou  em  criar uma identidade transnacional, a realização de um sonho para terminar com os  conflitos  militares  entre as superpotências continentais como a França e a Alemanha que os tem atormentado ao longo dos  séculos.

No entanto, essa identidade – e as instituições como a UE e o BCE que a encarnam –   está a atingir um preço muito elevado. Os eleitores dos Estados membros da  zona euro descobriram que estão a exercer cada vez menos controle sobre a  sua própria governação com a sua ida às urnas. Em suma, a democracia está em crise.

Agora, a Europa está numa encruzilhada histórica, provocada pela desastrosa implementação do euro –deve ceder ainda mais poder para o nível supranacional, onde os eleitores não são representados por autoridades eleitas  ou enfrentam as consequências dos mercados financeiros.

Read more: http://www.businessinsider.com/europes-next-big-crisis-democracy-2012-10?op=1#ixzz2Ace4yyef

A verdadeira crise da zona euro é muito mais do que a crise da dívida

1/26

A União Europeia acaba de ser  premiada  com o Prémio Nobel da paz em 2012 pelas  suas contribuições para a democracia na Europa

 maisdoqueeuro - II

Jonathunder/Public Domain

A União Europeia foi premiada com o Prémio Nobel da paz em 2012 pelas  suas contribuições para a democracia na Europa. Curiosamente, a sua contribuição para o fortalecimento da democracia na Europa foi citada como uma determinante  essencial na decisão do Comité do prémio de Nobel, segundo o comunicado de imprensa:

Na década de 1980, a Grécia, Espanha e Portugal aderiram à UE. A introdução da democracia era uma condição necessária para a sua adesão. A queda do muro de Berlim tornou  possível a adesão à UE de vários países da Europa Central e Oriental, abrindo-se  assim uma nova era na história da Europa. A divisão entre Leste e oeste em grande medida estava a chegar ao seu fim ; a democracia tem sido fortalecida; estabeleceram-se  muitos conflitos nacionais baseados em questões étnicas.

A admissão da Croácia como membro no próximo ano, a abertura das negociações de adesão com o Montenegro e a concessão do estatuto de país candidato à Sérvia tudo isto tende a fortalecer o processo de reconciliação nos Balcãs. Na última década a possibilidade da Turquia aderir à  União Europeia também tem sido um avanço da  democracia e  dos direitos humanos naquele país.

A UE está actualmente a passar por graves dificuldades económicas e por uma considerável agitação social. O Comité Nobel norueguês pretende focar o que ele vê como sendo o  resultado mais importante da UE: a bem sucedida luta pela paz e pela reconciliação, para a democracia e pelos direitos humanos. O papel estabilizador da UE ajudou a transformar a maior parte da Europa de um continente de guerra num  continente de paz.

Read more: http://www.businessinsider.com/europes-next-big-crisis-democracy-2012-10?op=1#ixzz2AceSYlKD

(continua)

Leave a Reply