Posts Tagged: democracia

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 7º Texto: Neonacionalismo na União Europeia – plataformas e ações de política social e económica

(Joachim Becker, Fevereiro de 2019)

Os projetos estatais neonacionalistas têm elementos autoritários. As tendências autoritárias manifestam-se nos projetos de Estado neoliberais das forças neonacionalistas no reforço das estruturas tecnocráticas e das políticas baseadas em regras.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 7º Texto: Neonacionalismo na União Europeia – plataformas e ações de política social e económica

(Joachim Becker, Fevereiro de 2019)

Os projetos estatais neonacionalistas têm elementos autoritários. As tendências autoritárias manifestam-se nos projetos de Estado neoliberais das forças neonacionalistas no reforço das estruturas tecnocráticas e das políticas baseadas em regras.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 6º Texto – Brexit: Porque é que isto me faz rir. (2/2)

(Victor Hill, 15/02/2019)

Mas a verdadeira questão sempre foi que não se estava a negociar como parceiros comerciais. Os empresários podem fazer negócios uns com os outros porque neste caso cada um têm algo que o outro quer: a questão é o preço e os termos. O Reino Unido, ao sair da UE, está a oferecer algo que a Europa não quer; e a UE sente-se na obrigação de fazer tudo o que estiver ao seu alcance para frustrar as suas aspirações.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 6º Texto – Brexit: Porque é que isto me faz rir. (2/2)

(Victor Hill, 15/02/2019)

Mas a verdadeira questão sempre foi que não se estava a negociar como parceiros comerciais. Os empresários podem fazer negócios uns com os outros porque neste caso cada um têm algo que o outro quer: a questão é o preço e os termos. O Reino Unido, ao sair da UE, está a oferecer algo que a Europa não quer; e a UE sente-se na obrigação de fazer tudo o que estiver ao seu alcance para frustrar as suas aspirações.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 6º Texto – Brexit: Porque é que isto me faz rir. (1/2)

(Victor Hill, 15/02/2019)

Ao contrário dos eurocéticos do Reino Unido, os populistas europeus não querem sair da UE, mas sim reformá-la fundamentalmente. Nesse sentido, estão a delirar. A arquitetura da UE, tal como foi criada pela França e pela Alemanha é, fundamentalmente, irreformável. Assim, na minha opinião, a UE, na sua atual estrutura, não existirá dentro de cinco anos.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 6º Texto – Brexit: Porque é que isto me faz rir. (1/2)

(Victor Hill, 15/02/2019)

Ao contrário dos eurocéticos do Reino Unido, os populistas europeus não querem sair da UE, mas sim reformá-la fundamentalmente. Nesse sentido, estão a delirar. A arquitetura da UE, tal como foi criada pela França e pela Alemanha é, fundamentalmente, irreformável. Assim, na minha opinião, a UE, na sua atual estrutura, não existirá dentro de cinco anos.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 5º Texto – O Império Europeu da Alemanha

(Uma entrevista com Wolfgang Streeck, conduzida por Loren Balhorn  20/08/2018)

Estou convencido de que a política, como de costume, não nos ajudará e que a política de hoje é, quase sem exceção, pouco mais que uma gestão elitista, tecnocrática, profissionalizada e altamente remunerada. Precisamos de uma boa medida de disfuncionamento, de rutura, não só na economia, mas também e sobretudo na política. Qualquer coisa a menos e não conseguiremos restaurar o controle coletivo sobre as  nossas vidas de que tão urgentemente necessitamos.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 5º Texto – O Império Europeu da Alemanha

(Uma entrevista com Wolfgang Streeck, conduzida por Loren Balhorn  20/08/2018)

Estou convencido de que a política, como de costume, não nos ajudará e que a política de hoje é, quase sem exceção, pouco mais que uma gestão elitista, tecnocrática, profissionalizada e altamente remunerada. Precisamos de uma boa medida de disfuncionamento, de rutura, não só na economia, mas também e sobretudo na política. Qualquer coisa a menos e não conseguiremos restaurar o controle coletivo sobre as  nossas vidas de que tão urgentemente necessitamos.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 3º Texto – As nações da Europa e a Europa das Nações

( Patrick Guiol, Henri Temple et Jean Claude Werrebrouck, Maio de 2019)

Estão agora a surgir grandes divergências sobre o estado atual e o futuro da construção política com sede em  Bruxelas, e que deriva, juridicamente, sobretudo dos Tratados de Roma, Maastricht e de Lisboa. Por conseguinte, é  inevitável que depois de refletir sobre o assunto: O que é uma nação na Europa? e depois de ter considerado  a ideia de que as nações são essenciais, os professores, os intelectuais, os académicos e os investigadores vêem-se assim confrontados com a pergunta agora lógica: o que seria uma Europa das nações?

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 3º Texto – As nações da Europa e a Europa das Nações

( Patrick Guiol, Henri Temple et Jean Claude Werrebrouck, Maio de 2019)

Estão agora a surgir grandes divergências sobre o estado atual e o futuro da construção política com sede em  Bruxelas, e que deriva, juridicamente, sobretudo dos Tratados de Roma, Maastricht e de Lisboa. Por conseguinte, é  inevitável que depois de refletir sobre o assunto: O que é uma nação na Europa? e depois de ter considerado  a ideia de que as nações são essenciais, os professores, os intelectuais, os académicos e os investigadores vêem-se assim confrontados com a pergunta agora lógica: o que seria uma Europa das nações?

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 3º Texto – A União Europeia na vanguarda do suicídio ocidental

(Jean Claude Werrebrouck, 23 de Abril de 2019)

O Ocidente, na sua fase ascendente, conhecia os Estados com regras que produziam a homogeneização no seu espaço politico. Tendo atingido uma maturidade incapaz de dar conteúdo aos direitos humanos, os Estados fracassados estão agora a produzir apenas heterogeneidade. A pequena cidade do Ocidente emergente era autodeterminante. O grande Estado do Ocidente de hoje já não sabe para onde vai e está desprovido de qualquer desejo real de agir.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 3º Texto – A União Europeia na vanguarda do suicídio ocidental

(Jean Claude Werrebrouck, 23 de Abril de 2019)

O Ocidente, na sua fase ascendente, conhecia os Estados com regras que produziam a homogeneização no seu espaço politico. Tendo atingido uma maturidade incapaz de dar conteúdo aos direitos humanos, os Estados fracassados estão agora a produzir apenas heterogeneidade. A pequena cidade do Ocidente emergente era autodeterminante. O grande Estado do Ocidente de hoje já não sabe para onde vai e está desprovido de qualquer desejo real de agir.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 3º Texto – A Europa, peça central no declínio do Ocidente – O afogamento do Ocidente na finança

(Jean Claude Werrebrouck, 1 de Abril de 2019)

E quando o Ocidente fica atolado num mar de liquidez para: salvar os seus bancos, acelerar fusões e aquisições sem investimentos e, portanto, sem crescimento além da reavaliação de ativos, para permitir recompras ilimitadas de ações, etc.; a China, equipada com um Estado forte, transforma as suas economias em investimentos reais, que amanhã abanarão os restos do que foi a glória do Ocidente.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 3º Texto – A Europa, peça central no declínio do Ocidente – O afogamento do Ocidente na finança

(Jean Claude Werrebrouck, 1 de Abril de 2019)

E quando o Ocidente fica atolado num mar de liquidez para: salvar os seus bancos, acelerar fusões e aquisições sem investimentos e, portanto, sem crescimento além da reavaliação de ativos, para permitir recompras ilimitadas de ações, etc.; a China, equipada com um Estado forte, transforma as suas economias em investimentos reais, que amanhã abanarão os restos do que foi a glória do Ocidente.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 2º Texto – Os Coletes Amarelos pedem respeito, o poder responde-lhes pelo insulto

(Entrevista a Christophe GuilluyDaoud Boughezala, Elisabeth Lévy e Gil Mihaely) (Dezembro de 2018)

A divisão entre a elite e o povo está a aumentar. Nunca na história estes dois mundos foram tão estranhos um ao outro.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 2º Texto – Os Coletes Amarelos pedem respeito, o poder responde-lhes pelo insulto

(Entrevista a Christophe GuilluyDaoud Boughezala, Elisabeth Lévy e Gil Mihaely) (Dezembro de 2018)

A divisão entre a elite e o povo está a aumentar. Nunca na história estes dois mundos foram tão estranhos um ao outro.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 1º Texto – As onze questões sobre a União Europeia, de Coralie Delaume e David Cayla

(Jacques Sapir, 16 de Março de 2018)

Sobre a questão de Portugal, Coralie Delaume e David Cayla analisam de forma muito interessante, em poucas páginas, tanto o sucesso (relativo) da estratégia do governo português como as suas limitações. Mostram de forma convincente que aquilo a que agora se chama um “sucesso” nos círculos de “esquerda” se baseia, na realidade, numa emigração massiva e numa estratégia desenvergonhada de dumping social e fiscal [19]. A conclusão a que chegam é que Portugal adotou uma estratégia “parasitária”[20], uma estratégia que seria chamada, na linguagem de um economista (e entusiasta da teoria dos jogos), uma estratégia de passageiro clandestino.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 1º Texto – As onze questões sobre a União Europeia, de Coralie Delaume e David Cayla

(Jacques Sapir, 16 de Março de 2018)

Sobre a questão de Portugal, Coralie Delaume e David Cayla analisam de forma muito interessante, em poucas páginas, tanto o sucesso (relativo) da estratégia do governo português como as suas limitações. Mostram de forma convincente que aquilo a que agora se chama um “sucesso” nos círculos de “esquerda” se baseia, na realidade, numa emigração massiva e numa estratégia desenvergonhada de dumping social e fiscal [19]. A conclusão a que chegam é que Portugal adotou uma estratégia “parasitária”[20], uma estratégia que seria chamada, na linguagem de um economista (e entusiasta da teoria dos jogos), uma estratégia de passageiro clandestino.

25 de Abril, hoje. Por Francisco Tavares

 por Francisco Tavares em 25 de Abril de 2019 Como dizia o Zeca, Grândola Vila morena Terra da fraternidade O povo é quem mais ordena Dentro de ti ó Cidade Mas, hoje, 25 de Abril de 2019, será ainda assim?

25 de Abril, hoje. Por Francisco Tavares

 por Francisco Tavares em 25 de Abril de 2019 Como dizia o Zeca, Grândola Vila morena Terra da fraternidade O povo é quem mais ordena Dentro de ti ó Cidade Mas, hoje, 25 de Abril de 2019, será ainda assim?

CARTA DE BARCELONA – En hores de tenebra, un fet, una cita, un poeta / 3 – por JOSEP A. VIDAL

    UN FET Catalunya, si més no aquella que es reconeix a si mateixa com a nació sobirana, lliure, independent i republicana, seu aquests dies al banc dels acusats. i amb ella s’hi asseu també la democràcia espanyola, víctima

CARTA DE BARCELONA – En hores de tenebra, un fet, una cita, un poeta / 3 – por JOSEP A. VIDAL

    UN FET Catalunya, si més no aquella que es reconeix a si mateixa com a nació sobirana, lliure, independent i republicana, seu aquests dies al banc dels acusats. i amb ella s’hi asseu també la democràcia espanyola, víctima

Sobre a próxima queda da Venezuela. Por Júlio Marques Mota

Sobre a próxima queda da Venezuela  Por Júlio Marques Mota em 21 de fevereiro de 2019 A Venezuela irá cair, disso não tenhamos dúvidas. Irá cair , abalada pelos fortes ventos de um enorme furacão que tem como ponto de

Sobre a próxima queda da Venezuela. Por Júlio Marques Mota

Sobre a próxima queda da Venezuela  Por Júlio Marques Mota em 21 de fevereiro de 2019 A Venezuela irá cair, disso não tenhamos dúvidas. Irá cair , abalada pelos fortes ventos de um enorme furacão que tem como ponto de

Venezuela: Quando Trump e Macron prestam o seu apoio a vinte anos de estratégia putschista. Por Gillian Maghmud e Pablo Rotelli

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Venezuela: Quando Trump e Macron prestam o seu apoio a vinte anos de estratégia putschista Por Gillian Maghmud e Pablo Rotelli da Redação do blog Em 3 de fevereiro de 2019 Desde que o

Venezuela: Quando Trump e Macron prestam o seu apoio a vinte anos de estratégia putschista. Por Gillian Maghmud e Pablo Rotelli

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Venezuela: Quando Trump e Macron prestam o seu apoio a vinte anos de estratégia putschista Por Gillian Maghmud e Pablo Rotelli da Redação do blog Em 3 de fevereiro de 2019 Desde que o

Opiniões divergentes sobre uma intervenção dos EUA na Venezuela Por George Friedman e Jacob L. Shapiro

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Opiniões divergentes sobre uma intervenção dos EUA na Venezuela Por George Friedman e Jacob L. Shapiro Publicado por  em 31 de janeiro de 2019 George Friedman (presidente e fundador de Geopolitical Futures) e

Opiniões divergentes sobre uma intervenção dos EUA na Venezuela Por George Friedman e Jacob L. Shapiro

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Opiniões divergentes sobre uma intervenção dos EUA na Venezuela Por George Friedman e Jacob L. Shapiro Publicado por  em 31 de janeiro de 2019 George Friedman (presidente e fundador de Geopolitical Futures) e

As consequências económicas do boicote à Venezuela (2/2). Por CELAg-Centro Estratégico Latinoamericano de Geopolítica

Seleção e tradução de Francisco Tavares As consequências económicas do boicote à Venezuela (2/2) pela Unidade Debates Económicos do Centro Estratégico Latinoamericano de Geopolítica, em 8 de fevereiro de 2019   (conclusão) Simulação do impacto do bloqueio (o custo do

As consequências económicas do boicote à Venezuela (2/2). Por CELAg-Centro Estratégico Latinoamericano de Geopolítica

Seleção e tradução de Francisco Tavares As consequências económicas do boicote à Venezuela (2/2) pela Unidade Debates Económicos do Centro Estratégico Latinoamericano de Geopolítica, em 8 de fevereiro de 2019   (conclusão) Simulação do impacto do bloqueio (o custo do