Pentacórdio para Sábado 26 de Janeiro

 

por Rui Oliveira 

 

elisabeth leonsjaka 1   No Sábado 26 de Janeiro o destaque, a nosso ver, pode ir para a pianista georgiana Elisabeth Leonskaja que inicia no Grande Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian, às 19h, a interpretação integral das sonatas de Schubert, que prosseguirá no Domingo 27 com outras peças até Maio de 2013. Justifica-o porque “Schubert é, comparado com Mozart e Beethoven, provavelmente o mais vienense dos compositores”, diz, com a certeza de quem vive há 30 anos em Viena e acrescenta que tentará “em cada programa, tocar sonatas de períodos distintos para se perceber o contraste”.

   Neste primeiro concerto irá tocar de Franz Schubert :

            Sonata em Lá bemol maior, D. 557

            Sonata em Mi menor, D. 566

            Sonata em Dó maior, D. 840, Relíquia

            Sonata em Dó menor, D. 958

 

Elisabeth Leonskaja 2   Reconhecida como uma excepcional intérprete de música de câmara, Elisabeth Leonskaja é frequentemente solicitada por solistas e agrupamentos, dos quais se destacam Heinrich Schiff e Viktor Tretjakov e os Quartetos de Cordas Alban Berg, Borodin e Guaneri. Tem-se apresentado regularmente em todos os grandes centros musicais internacionais, em recitais e em concertos com as mais importantes orquestras europeias e americanas, incluindo a Filarmónica de Berlim, a Orquestra da Gewandhaus de Leipzig, a Filarmónica Checa, as Orquestras das Rádios de Hamburgo, Colónia e Munique, a Orquestra de Paris, a Filarmónica de Nova Iorque, a Filarmónica de Los Angeles e a Orquestra de Cleveland. É também frequentemente convidada a participar nos mais importantes festivais de verão, como os de Salzburgo, Viena e Lucerna.

   Mostramos-lhe a execução por Elisabeth Leonskaja do Scherzo & Trio da Sonata D 845 de Franz Schubert em Fevereiro de 2010 na Igreja de Rougemont durante os Sommets Musicaux de Gstaad :

 

 

 

 

vladimir ponkin   Outro concerto apelativo neste Sábado 26 de Janeiro é aquele que a Orquestra Sinfónica Portuguesa e o Coro do Teatro Nacional de São Carlos, dirigidos pelo maestro Vladimir Ponkin (foto) darão no Salão Principal daquele Teatro, às 21h, com o apoio dos cantores Dora Rodrigues soprano (foto), Mário João Alves tenor (foto) e Luís Rodrigues barítono.

   Do programa constam :

         Serguei Rachmaninov  Os Sinos, op. 35

         Dmitri Chostakovitch  Sinfonia n.º 10 em Mi menor, op. 93

 

dora rodriguesmário Joao-Alves   Não havendo registo destas obras quer pela Orquestra Sinfónica, quer pelo maestro,damos-lhe a ouvir o 1º andamento Allegro ma non tanto da sinfonia coral de Rachmaninov (1873-1943) “Os Sinos” escrita em 1913, menos conhecida, cujas palavras são uma tradução livre para russo do poema de Edgar Allan Poe “The Bells” pelo poeta simbolista Konstantin Balmont.

   Aqui a orquestra é a “Russian Philharmonic” da cidade de Moscovo com o “Yurlov State Academic Choir Chapel of Russia“, dirigidos pelo maestro Dmitri Jurowski, tendo como solistas  Irina Samoylova soprano, Vsevolod Grivnov tenor e Elchin Azizov barítono, em Março de 2012 no Svetlanov Hall da Moscow International House of Music :

 

 

   Uma versão integral da obra pode ser ouvida pelo Coro e Orquestra Nacional Escocesa dirigidos por Neeme Järvi com Suzanne Murphy, soprano, Keith Lewis, tenor e David Wilson-Johnson, barítono aqui : http://youtu.be/J_U8nENg63w 

 

 

OMLSuspenso3 

   Igualmente convidativo será o Concerto de Inverno que a residente Orquestra Metropolitana de Lisboa sob a direcção musical de Michael Zilm dará às 21h do Sábado 26 de Janeiro no Grande Auditório do Centro Cultural de Belém onde serão tocados de :

  

      Johann Sebastian Bach  Suite n.º 3 em Ré maior, BWV 1068

      Hans Pfitzner  Pequena Sinfonia em Sol maior, op. 44 (estreia nacional)

      Witold Lutosławski  Abertura para Cordas

      Ludwig van Beethoven  Sinfonia n.º 2 em Ré maior, op. 36

 

 

 

imagesCAWUDBZC

marco oliveira   Ainda no CCB (Centro Cultural de Belém) e em resultado da sua colaboração com o Museu do Fado, vão decorrer diversas iniciativas sob o título “Há Fado no Cais”, desde conferências a concertos, culminando na criação de um prémio intitulado “David Mourão-Ferreira” a atribuir a partir de 2014 à melhor tese de mestrado sobre Fado e Literatura.

   A abrir o primeiro concerto no Pequeno Auditório do CCB neste Sábado 26 de Janeiro, às 21h, estará Marco Oliveira, jovem fadista de 24 anos nascido «no seio e no meio do fado», que subirá ao palco daquela sala para dar voz a temas como “Sabes Lá (o que é ficar sozinho)”, “Noite da Saudade” ou “Lisboa Será Assim”.

   Ei-lo no “Fado Maestro” com letra de Fernando Tordo e música de António Victorino d’Almeida :

 

 

 

 

   Voltam de novo os blues nos auditórios da Culturgest onde, nesta edição do Ciclo Hootenanny, haverá a presença de uma das bases da música afro-americana: as grandes vozes femininas.

ruthie foster   Diz o programa : “ É habitual procurar referências e comparações para Ruthie Foster que, com um sólido acompanhamento musical, estará no Grande Auditório neste Sábado 26 de Janeiro, às 21h30. Tem sido comparada a Ella Fitzgerald e Aretha Franklin. Também com ela, de facto, se verificou o caminho que leva intérpretes femininas a evoluírem do gospel de infância e juventude para estilos profanos, em que se misturam os blues e o music hall marcadamente urbano.

   Ruthie Foster tem mantido, ao longo da sua carreira, contudo, constantes ligações a essas raízes, mas a variedade dos prémios que a balizam garantem um invulgar espectáculo … Dotada de uma impressionante presença cénica e sempre apoiada por cuidadas e vigorosas bandas, conquistou em 2010 o primeiro lugar do Living Blues Critic’s Pool.

   Aqui, além de Ruthie Foster guitarra acústica, voz, estarão no palco Samantha Banks bateria, percussão, voz,  Tanya Richardson guitarra baixo, voz, Scottie Miller teclado, mandolim, voz  e Hadden Binion Sayers guitarra elétrica, voz.

  Esta foi a sua interpretação de “Phenomenal Woman” no espectáculo “Live at Antone’s em Junho de 2011 :

 

 

 

filho da mãe   Concluindo : No preciso momento em que se encontra em estúdio, a registar o sucessor de «Palácio», Filho da Mãe vem à ZDB (Galeria Zé dos Bois), às 22h deste Sábado 26 de Janeiro,  para uma apresentação especial, acústica, na companhia de alguns companheiros de sempre: Hélio Morais (bateria), João Nogueira (guitarra acústica) e Makoto Yagyu (baixo).

   Diz a ZDB : “ Músico dos If Lucy Fell , Rui Carvalho conhece bem o universo do rock. Já, «Filho da Mãe», o seu alter-ego, voga em ambientes mais acústicos, como o do seu disco de estreia, “Palácio”, exploração da guitarra portuguesa entre o abandono e a delicadeza, a repetição e a variação. É nestes equilíbrios que se constroem os seus acordes, o “fingerpicking” hipnótico e lírico que nada fica a dever aos mestres “antigos”.

   Podemos então falar de um novo universo autoral, de um estilo singular na forma de abordar a guitarra acústica? Sim. Há mais abstracção, mais austeridade em Filho da Mãe do que nas obras dos seus pares. Porque a sua música é feita de arestas afiadas, duras, ecos soprados pela energia do rock “.

   Ouça-se p.ex. “Não sei desenhar Barcos” em http://youtu.be/_wKsx7J3HzU .  

 

 

 

(para as razões desta nova forma de Agenda ler aqui ; consultar a agenda de Quinta aqui)

 

3 Comments

Leave a Reply