Da Galiza, mensagem : Cabana Muenemutapa – por Isabel Rei

Da Galiza mensagem

Cabana Muenemutapa

 

Ela se ergue como uma lança,
e entre o céu e a poeira
simplesmente
dança.

Glória de Sant’Anna

 

Tou maningue cansado!, queixava-se o rapaz entanto os pés batiam na escaldante poeira do areal. Era a caminhada de volta, já com a prezada água nas costas. Os irmãos troçavam, igualmente cansados, com a ideia de pegar o ónibus: Espera o machimbombo que te leva pra casa! O mais velho, ao olhar tenso da mãe, segurou o pequeno nos ombros dizendo em guitonga: Vem cá um bocado.

Como se tivesse fumado suruma, atordoado pelo Sol, o neno deixava-se embalar em delírios de matapa cozinhada pela mãe, e sonhava a mãe cultivando mandioca e abóboras na machamba, e via a sua capulana ir pra cima e pra baixo e pra frente, seguindo os movimentos de quem sementa ou de quem colheita ou de quem mói o cereal.

Ela tinha aquele olhar de xipeia ferida que cantavam as poetas da terra e, silenciosa, ia dando voltas a um conto que lhe tinha ouvido ao molunga. Uma porta que se abre de Moçambique para Moçambique e que ninguém pode cruzar porque o porteiro não deixa. E no final o estrangeiro mandando em inglês comprava porta, porteiro e chave e já ninguém podia nem sequer sonhar.

Mas o seu filho sonhava e não havia porta nenhuma no trajeto da água à casa, só a poeira quente de Inhambane. Onde estaria essa porta que dividia Moçambique em dous lados incomunicados? Tou maningue cansado, chimâmi, e quero matapa! Meu filho, eu sei. Cruzaram-se com um vizinho e todos deram os bons dias: Lichile! Lichile!

Chegaram e ao pé aguardava, vigiante, o Magaíça. Nimbuguide por ter conta, Magaíça, vou preparar comida, quer ficar connosco? Não sei, minha negra, você assim, sem marido… Eu assim, sem marido e com três filhos, levo a casa, cuido da machamba, vou por água, e agora cozinho e o Magaíça come connosco, tá bom? Entre, concluiu ela abrindo a porta da cabana Muenemutapa.

 

Maria Antónia Dans Boado (1922-1988)
Maria Antónia Dans Boado (1922-1988)

 

mensagem anterior:   Vindicação do lagarto curimpãpã

5 Comments

  1. Deixo-me levar pela eufonia das palavras, pela beleza das descrições, e… não vou ao dicionário: para que? aí está, sublime, nos breves parágrafos, a mulher africana, a ser esteio da família, sozinha, forte…

    parabéns, Isabel!

  2. Carlos, como a mulher galega. O texto também coloca na figura da mulher a capacidade de abrir portas, e a situação dessas portas talvez esteja no passado, no caso de Moçambique, nesse passado Muenemutapa que o colonialismo português combateu. Se Portugal, ou o próprio moçambicano, ainda continua a combater o passado de Moçambique, então a porta não pode ser aberta. O passado não se combate, compreende-se.
    Obrigadíssima pela leitura e comentários.

  3. Relato breve e intenso. Coincido com Carlos: o cotexto explica suficientemente o texto, cada corte que podermos fazer no texto. Mas texto e cotexto lançam-nos ao contexto, esse assim apresentado, em que a mulher decerto abre portas.
    A mulher compreensiva até compartilhar alimentos, essa sempre abre portas. Sem dúvida. E as portas abertas abrem novas portas. Afinal tudo será campo aberto e ágapes de fraternidade.
    Confio. Espero. Relatos como estes obrigam-se a confiar, a esperar.

Leave a Reply