A VITÓRIA DO AZEITE – 2 – por Álvaro José Ferreira

Fases de produção do azeite (diagrama) [clique na imagem para ver melhor]

Oliveira da Serra

Letra e música: Popular Harmonização: Eurico Carrapatoso Intérprete: Coro Lisboa Cantat* (in CD “Compositores Portugueses XX-XXI: Volume 1”, Numérica, 2007)

Ó oliveira da serra O vento leva a flor; (ó ai, ó linda) Só a mim ninguém me leva (ó ai, ó linda) Para ao pé do meu amor. [2x]

* Direcção – Jorge Carvalho Alves

Cantiga da Azeitona

Letra e música: Tradicional Intérprete: Ronda dos Quatro Caminhos* (in CD “Recantos”, Polygram, 1997)

[instrumental]

Vou p’rá apanha da azeitona Namorar nos olivais; Por andar preso por ti Cada vez padeço mais.

E os amores da azeitona São como os da cotovia: Em se apanhando a azeitona Adeus amores de um só dia.

Já lá vem o sol raiando Por cima das oliveiras; Já se vão ouvindo as vozes Das moças apanhadeiras.

A azeitona já está preta, Já passou por tantas cores: Já foi verde e foi vermelha, Agora é rainha de amores.

[instrumental]

A oliveira tem pé de oiro E tem raminhos de prata; Menina, dê os seus olhos A quem por eles se mata!

A vara vareja o ramo, A azeitona cai no chão; Se tu me pedires um beijo Nunca te direi que não.

[instrumental]

A rama da oliveira Quando cai no lume estala: Assim é o meu coração Quando contigo não fala.

Canta quem já tem amores, Fica triste quem não tem;Foi na apanha da azeitona Que eu encontrei o meu bem.

[instrumental]

* Ronda dos Quatro Caminhos: António Prata – violas, violino, bandolim, coros Carlos Barata – acordeão, adufe, 2.ª voz Daniel Completo – baixo acústico, coros João Cavadinhas – viola amarantina, voz solo Vítor Costa – bateria, percussões Participação de: A.C. – violino Filipe Martins – contrabaixo, baixo acústico José Barros – viola braguesa Pedro Fragoso – piano, coros António Lopes e Alexandre Jerebtzov – coros Arranjos – António Prata, João Cavadinhas e Carlos Barata Produção e direcção musical – António Prata

Azeitona Preta

Música: Arlindo de Carvalho Arranjo: Júlio Pereira Intérprete: Júlio Pereira* (in LP “Cádoi”, Transmédia, 1984, reed. CNM, 1994)

(instrumental / vocalizos)

* Produção e direcção musical – Júlio Pereira Gravado e misturado no Angel Studio II, Lisboa, em Outubro de 1984 Técnico de som – José Manuel Fortes

Azeitona Galeguinha

Letra e música: Tradicional (Beira Baixa) Arranjo: Carlos Gama Intérprete: Orquestra Típica de Alcains

A azeitona galeguinha (Ai) Não a comem os pardais: Comem uma, comem duas, (Ai) Comem três, não querem mais.

[instrumental]

A azeitona galeguinha (Ai) Quando vai para o lagar É como a moça bonita (Ai) Que todos lhe vão falar.

[instrumental]

Na Apanha da Azeitona

Música: Rão Kyao Intérprete: Rão Kyao* (in CD “Porto Alto”, Farol Música, 2004)

(instrumental)

* Rão Kyao – flautas de bambu António Pinto – viola braguesa Ruca Rebordão – escova no sofá, shaker André Sousa Machado – bateria Produção musical – Luís Pedro Fonseca Produção executiva – António Cunha (Uguru) & Luís Pedro Fonseca Gravado por Pedro Rego e Jorge Barata, nos Estúdios Xangrilá, Lisboa, em Dezembro de 2003 e Janeiro de 2004 Misturado e masterizado por Jorge Barata, nos Estúdios Xangrilá, Lisboa

Dás Oliveira Frutos

Poema: António Saias Música: Fernando Lopes-Graça (1978) Intérprete: Coro Lisboa Cantat* (in CD “Compositores Portugueses XX-XXI: Volume 1”, Numérica, 2007)

Dás, oliveira, frutos redondos; colhê-los dói nas mãos, nos ombros.

Dás, oliveira, frutos pequenos; sabê-los d’outros – a quem os colhe – não lhe dói menos.

Dás, oliveira, frutos amargos das feridas fundas que vais fazendo nos dedos magros.

* Direcção – Jorge Carvalho Alves

Balada da Oliveira

Música: Pedro Caldeira Cabral Intérprete: Pedro Caldeira Cabral* (in CD “Memórias da Guitarra Portuguesa”, Tradisom, 2003)

(instrumental)

* Pedro Caldeira Cabral – guitarra portuguesa Fernando Alvim – viola Duncan Fox – contrabaixo Produção – José Moças Gravado na Igreja da Cartuxa, Caxias, em 1999 Engenheiro de som – José Manuel Fortes

Canção da Azeitona

Letra e música: Tradicional (Quadrazais – Sabugal, Beira Alta) Recolha: César Prata e Julieta Silva Intérprete: Chuchurumel* com Maria Augusta Moleira (in CD “No Castelo de Chuchurumel”, Chuchurumel/Luzlinar, 2005)

Azeitona miudinha, Já morreu quem te apanhava; Agora deixa-te andar Por esse chão espalhada.

A oliveira tem pé de ouro, Não tem galhadas de prata; Menina, dê os seus olhos A quem por eles se mata!

A azeitona cordovil Traz o caroço escondido; Não me percas a amizade, Eu não te perco o sentido!

Debaixo da oliveira Aí é que é o falar; Traz a rama escondida, Não entra lá o luar.

[instrumental]

* Maria Augusta Moleira – voz César Prata – viola e voz Julieta Silva – piano e voz Gravado no Primogénitos Studios, Soito – Sabugal, entre Fevereiro de 2004 e Abril de 2005 Produção, arranjos e edição – Chuchurumel Gravação e masterização – Artur Emídio Misturas – Artur Emídio e Chuchurumel

Debaixo da Oliveira

Letra e música: Popular (Beira Litoral) Intérprete: Toques do Caramulo* com Bernard Massuir (in CD “Toques do Caramulo É ao Vivo!”, Associação d’Orfeu, 2007)

[vocalizos / instrumental]

Meu benzinho, eu vou-me embora, Dá carinhos a quem te adora! Meu benzinho, eu já cá estou, Dá carinhos a quem te amou!

* Toques do Caramulo: Luís Fernandes – voz, acordeão, viola braguesa Aníbal Almeida – rabeca Gonçalo Rodrigues – bandolim Miguel Cardoso – contrabaixo Lara Figueiredo – flauta Ricardo Coutinho – bateria tradicional Convidado especial: Bernard Massuir – voz Gravado ao vivo no Espaço d’Orfeu, Águeda, na noite de 21 de Outubro de 2006 Direcção técnica – Rui Oliveira Assistência técnica de gravação – Paulo Brites, Ricardo Relvas, Bitocas e Jorge Sousa Misturas – Rui Oliveira & Luís Fernandes, no Gravad’Or, Águeda, de Novembro de 2006 a Março de 2007 Masterização – João Neves & Rui Oliveira, no Espaço Sons, Aveiro, em Março de 2007

Amores da Azeitona

Letra e música: Tradicional (Beira Baixa) Intérprete: Musicalbi* (in CD “Mastiço”, I Som, 2007)

A folha da oliveira Ai, deitada no lume estala; Assim é meu coração Ai, quando para ti não fala!

A folha da oliveira Ai, tem dois bicos como a renda; Estes rapazes de agora Ai, já não há quem os entenda!

A oliveira pequena Ai, que azeitona pode dar? A filha de um homem pobre Ai, que amores pode tomar?

[instrumental]

A folha da oliveira Ai, deitada no lume estala; Assim é meu coração Ai, quando para ti não fala!

A folha da oliveira Ai, tem dois bicos como a renda; Estes rapazes de agora Ai, já não há quem os entenda!

A oliveira pequena Ai, que azeitona pode dar? A filha de um homem pobre Ai, que amores pode tomar?

Se a oliveira falasse Ai, ela diria o que viu: Debaixo da sua sombra Ai, dois amores encobriu.

Os amores da azeitona Ai, são como os do milho miúdo: À acabada da azeitona Ai, lá vai amor, lá vai tudo!

A folha da oliveira Ai, deitada no lume estala!

* Musicalbi: Carlos Salvado – voz, bandolim, guitarra, cavaquinho, bouzouki e flautas Filipa Melo – voz Horácio Pio – baixo, acordeão e coros Maria Côrte – violino, harpa celta e gaita-de-foles António Pedro – piano, percussões e coros António Lourinho – bateria Participações especiais: Catarina Ventura – acordeão e coros Emília Melo (mãe de Filipa Melo) – voz Gravado no Estúdio I Som, Alcains Misturas e masterização – Nuno Gelpi

Ó Rama, Ó Que Linda Rama

Letra e música: Popular (Alentejo) Intérprete: Teresa Silva Carvalho* (in LP “Ó Rama, Ó Que Linda Rama”, Orfeu, 1977, reed. Movieplay, 1994)

[instrumental]

Ó rama, ó que linda rama, Ó rama da oliveira, O meu par é o mais lindo Que anda aqui na roda inteira!

Que anda aqui na roda inteira, Aqui e em qualquer lugar! Ó rama, ó que linda rama, Ó rama do olival!

Eu gosto muito de ouvir Cantar a quem aprendeu; Se houvesse quem me ensinara Quem aprendia era eu.

[instrumental]

Ó rama, ó que linda rama, Ó rama da oliveira, O meu par é o mais lindo Que anda aqui na roda inteira!

Que anda aqui na roda inteira, Aqui e em qualquer lugar! Ó rama, ó que linda rama, Ó rama do olival!

Não me inveja de quem tem Carros, parelhas e montes; Só me inveja de quem bebe A água em todas as fontes.

[instrumental]

Ó rama, ó que linda rama, Ó rama da oliveira, O meu par é o mais lindo Que anda aqui na roda inteira!

Que anda aqui na roda inteira, Aqui e em qualquer lugar! Ó rama, ó que linda rama, Ó rama do olival!

[instrumental]

* [Créditos gerais do disco:] Júlio Pereira – violas acústica e clássica, bandolim e percussões Pedro Caldeira Cabral – guitarra portuguesa e rabeca Catarina Latino – flauta barroca e cornamusa Zé Luiz Iglésias – viola clássica Pintinhas – percussões Hélder Reis – acordeão Voz masculina – Vitorino Grupo Coral de Cantadores do Redondo Produção e direcção musical – Vitorino Técnicos de som – Manuel Cunha e Moreno Pinto

À Oliveira da Serra

Música: Popular Adaptação: Rão Kyao Intérprete: Rão Kyao* & Lu Yanan (in CD “Porto Interior”, Fundação Jorge Álvares, 2008)

(instrumental)

* Rão Kyao – flauta de bambu Lu Yanan – pi’pa Produtor musical – Rão Kyao Produtor executivo – António Avelar de Pinho Gravação e mistura – Luís Delgado, no Estúdio Sonic State, Miraflores

Leave a Reply