A ESTUPIDEZ É UM CÃO FIEL – 39 – por Sérgio Madeira

imagem163[1]

Capítulo trinte e nove

A Estrela do Norte estava  com poucas mesas  ocupadas. Só em Junho a afluência de clientes seria grande. Tantas mesas livres, fizeram-nos hesitar na escolha do lugar.  Sentaram-se junto de uma janela contígua ao alpendre sob o qual no tempo mais quente era agradável comer.  A cozinha típica da ilha e da região tinham-na já António e Cecília experimentado  amplamente – pão de caco, espetadas, picado…Pediram um bacalhau à lagareiro com batatas a murro. Feito o pedido, quando a empregada se afastou, houve um silêncio incómodo. Alfredo sabia que esperavam que ele fizesse  o prometido esclarecimento. Pareceu querer ganhar tempo, perguntando se não queriam um aperitivo. Disseram que não e quando o médico ia a falar, tocou o seu telemóvel, os acordes do “ser benfiquista” – Alfredo, desculpando-se,  fez uma expressão cómica, Cecília e António riram. O médico respondeu por monossílabos, despachando o telefonema em menos de um minuto. Iniciou então a tão aguardada explicação:

– Tudo começou em Moçambique, vai fazer quarenta anos. – fez uma pausa – Ouviram falar nos massacres de populações civis na província de Tete? – Cecília e António assentiram – E na Operação Sheltox?

– Li, na altura 1972 ou 73,  um artigo no Le Monde  e ainda há meses o El Pais recordava que na aldeia… como é o nome?

– Xuvalu – esclareceu Alfredo.

– Isso, na aldeia de Xuvalu, havia um padre espanhol, um frade da Ordem de São Domingos. E transcreviam uma carta, um relatório, que o padre distribuiu pelos órgãos de comunicação social descrevendo os horrores cometidos…

– É a esse caso que me refiro…

– O El País tentou entrevistar o padre, mas os dominicanos informaram que o irmão Manuel abandonara Ordem e nada sabiam sobre  o seu paradeiro…. – A empregada, com as entradas e uma garrafa do vinho tinto alentejano pedido por Alfredo, interrompeu a conversa. Quando voltaram a ficar sós, Alfredo confirmou, repetindo:

– Exactamente, é esse o caso.

– O que terá acontecido ao padre ? – inquiriu Cecília – Se calhar mataram-no.

Um carro, um pequeno Smart, estacionou junto à entrada. Alfredo, olhando pelo vidro, respondeu:

– Bem o quiseram silenciar.  Mas está vivo. Ei-lo!

Cecília e António viraram as cabeças na direcção da porta.

O pianista entrou e dirigiu-se sorridente para eles.

1 Comment

  1. Estas datas foram ,durante muito tempo ,escondidas pela PIDE .

    Porm,eu no as esqueci ,apesar de moambicana da 2gerao -aquela guerra .no fim de 5 anos pelo menos deveria ter dado origem a uma mesa redonda de conversaes .Mas,o velho lema “orgulhosamente ss ” pautou todo o processo assente num NO categrico ou a uma autodeterminao ou Independncia ….talvez o Dr. Mondlane e o engCabral no teriam sido cobardemente assassinados .Ainda h um outro assassinato de massas perpretado pela PIDE ,assim julgo,na rea de “rio entre as pedras “-uma camioneta com passageiros -seria Xuvalu?Destas e de outras atrocidades no se fala -h como que um misto de vergonha pela colonizao e um pseudo esquecimento -errado-h que assumir aquela guerra que mutilou corpos e almas,com nuances de profundo humanismo -por ser branca ,e ter uma filha adolescente ,decidiu-se “partir” -mas sou feliz pq aprendi a comer o po que o diabo amassou ,bem como ver dois filhos partirem pelos caminhos de Katamandu para nunca mais voltarem -partirem para outro Universo Csmico . Kanimambo pelo texto -Maria

Leave a Reply