PRECÁRIOS INFLEXÍVEIS – FED EUA: SUBIDA DO SALÁRIO MÍNIMO NÃO CRIA DESEMPREGO

banner_pi_verde

7 de Fevereiro de 2014

workers-wages-vs-300x220

Um estudo da Fed de Chicago determinou que a subida do salário mínimo não afeta o nível de emprego, ou seja, ao contrário do que muitos economistas liberais (e Passos Coelho) dizem, não há um aumento do desemprego por causa da subida do salário mínimo.

Os investigadores afirmam que o aumento do salário mínimo teve, nos estados de Califórnia, Illinois e Nova Jersey, impacto nas empresas, levando ao encerramento de algumas, mas criando outras: “a compensação de aumento de encerramentos é principalmente feita por novos negócios”. O emprego líquido na economia destes estados manteve-se inalterado.

Por cá, apesar de tanto o governo de Sócrates como o de Passos não terem cumprido com o acordo em Concertação Social de 2006 para a subida do salário mínimo em 2011 para 500€, o governo de Passos e Portas continua a prometer a subida só depois da saída da troika. Mas, na verdade e tendo em conta apenas a inflação, se o acordo que o Estado fez com sindicatos e patrões tivesse sido cumprido, hoje esse valor teria de ser no mínimo de 515€ mensais.

Mas Portas e Passos recusam-se a subir o salário mínimo para tentarem fazer um brilharete após a saída da troika. Infelizmente, mesmo que o façam, o roubo contínua.

Notícia aqui.

2 Comments

  1. .Que visão tão possidónia da remuneração e do emprego! Numa ecónomia imperialista (vide as colónias e a colonização quinhentista, o socialismo soviético, o nacional socialismo e mesmo o internacional socialismo – é tudo o mesmo) o trabalho escravo é a base da ecónomia. Numa ecónomia de mercado o desenvolvimento dá-se pela valorização do trabalho. Quanto melhor for a renumeração do trabalho, maior é o crescimento da economia. Claramente estamos em contra-ciclo… lol

Leave a Reply