Vem aí a guerra do euro – por José Goulão, Bruxelas, Sylvie Moreira, Paris, Lourdes Hubermann, Frankfurt

2014-05-07

O recente encontro entre os primeiros ministros francês e italiano, Manuel Valls e Matteo Renzi, pode ter sido um prenúncio da passagem à fase seguinte de um conflito anunciado no interior da União Europeia: a guerra do euro, isto é, por um euro menos forte, “mais amigo das exportações de todos e não apenas das alemãs”, segundo um funcionário governamental de Paris.

O assunto está em cima da mesa e será fulcral; daí o protagonismo que as questões associadas aos bancos centrais e ao mandato do Banco Central Europeu têm vindo a ganhar no cenário europeu. “Isto é tanto verdade”, afirma o mesmo funcionário, “que os burocratas europeus consideram útil e favorável interferir ilicitamente nas eleições europeis organizando uma conferência de alto nível para Portugalnos dias das votações”.

Os dados estão lançados, isso é inegável. Valls e Renzi, jovens turcos de uma “versão de socialismo ainda mais moderna do que a terceira via porque se pretende institucionalizar de vez como bloco de poder em paralelo com a direita conservadora”, segundo Pierre Blanc, jovem advogado da esquerda do PS francês, estão a procurar uma estratégia para enfrentar o imobilismo e a ortodoxia alemã da Srª Merkel em torno do Banco Central Europeu versão Bundesbank. Para isso contam com uma aliança discreta com os sociais democratas alemães, no próprio governo alemão, fazendo eco de um alegado descontentamento que grassa em meios empresariais alemães quando aos continuados efeitos da à estratégia “de euro forte”.

“Estão a vestir-se as armaduras nos dois campos e a ensaiar-se as estratégias para a segunda metade do ano, uma vez realizadas as eleições europeias”, reconhece em Frankfurt um funcionário do Banco Central Europeu (BCE), que pediu anonimato devido às funções que desempenha.

“O governo alemão está confortável com esta política do Banco entral Europeu”, afirma o mesmo funcionário. “Ela corresponde à tradição alemã herdada do pós-guerra e muito motivada pelos combates ao défice e à inflação e à recordação dos pesadelos que levaram à guerra; além disso, funciona bem em termos comerciais, para a Alemanha, e razoavelmente para alguns dos seus protegidos, por exemplo Áustria, República Checa e Eslováquia”.

O outro campo está a definir-se um pouco melhor através da convergência de objectivos entre Valls e Renzi: eles têm as suas economias com problemas e os próprios cargos à mercê dos “indicadores estatísticos”, mais até do que da revolta social uma vez que “pelo menos Manuel Valls sabe como manejar os instrumentos dependentes do Ministério do Interior e não hesitará em servir-se deles”, afirma Blanc.

“Talvez a dinâmica para esta converência tenha sido criada pelo ambicioso Renzi”, considera o funcionário do BCE. “Ele trouxe como ninguém para a cena europeia uma certa tese ‘obamista’ e, no fundo, da economia americana de gestão de crises, que diz que a crise europeia já não tem a ver com a crise americana de 2008 e transformou-se numa crise comercial motivada pelo euro forte”.

Em que assenta a tese norte-americana treproduzida por Renzi, segundo o nosso interlocutor de Frankfurt? “Nas diferenças entre os estatutos e procedimentos do BCE em comparação com a Reserva Federal e do Banco Central do Japão, por exemplo. O défice americano na altura da crise chegou praticamente aos 10%, enquanto a Alemanha, na prática, impunha ao BCE a pressão para que os défices dos Estados da Zona Euro tendessem à força para os 3%. Resultados: algum regresso ao crescimento nos Estados Unidos, sem quaisquer riscos de crescimento descontrolado da inflação; e, na Europa, recessão, desemprego, risco iminente de deflação e muitas bolsas de tragédia social”.

Os diferentes cenários aquém e além Atlântico são agora poderosas armas de arremesso na anunciada batalha do euro, por um euro menos forte, mais competitivo e capaz de aliviar as amarras económicas que prendem os governos europeus, sobretudo do Sul, França e Itália incluídos.

“Diferenças ideológicas não as vejo”, afirma Pierre Blanc. “Para os socialismos à moda de Valls e Renzi e de vários outros, o poder dos mercados não se discute devido ao modo como as grandes empresas mundiais e o sistema financeiro que lhes está associado gerem o mundo. Mas para ser poder institucional há mais a fazer do que ajustar as leis eleitorais de modo a garantir a bipolaridade, dominar instrumentos de propaganda e tudo fazer para desacreditar o que seja realmente esquerda e social – há que sobreviver quando se governa. Por isso, Renzi, Valls, com uma ajudinha clandestina dos sociais democratas alemães e transportando Rajoy e o seu governo como contrapeso, vão dar batalha à ortodoxia da Srª Merkel em defesa do BCE à sua medida”.

O BCE, pela mão de Draghi tem feito alguns movimentos, tem comprado dívida, é considerado o obreiro das “saídas limpas” da Irlanda e de Portugal das tutelas da troika. “Pobre Portugal, pobre Irlanda, sobretudo pobres portugueses e irlandeses com tais saídas limpas”, comenta Pierre Blanc.

“Mas isso não chega para os objectivos de crescimento económico e de combate ao desemprego que motivam os governos com maiores dificuldades, convictos de que não existe risco de inflação no horizonte.Eles querem um BCE mais à moda da Reserva Federal americana”, explica o funcionário do BCE.

As coisas, porém, não nasceram assim. O euro forte e um BCE à imagem do Bundesbank são inerentes à criação da moeda única europeia. “É aqui que a batalha tende a travar-se”, prossegue o nosso interlocutor de Frankfurt, “e tal teria que ter implicações em tratados europeus, normas e procedimentos instalados. Mudanças só se existir mesmo inquietação no poderoso tecido económico alemão quanto a um excesso de peso do euro”. Caso contrário, acrescenta o funcionário do BCE, que não é alemão, não é a Srº Merkel que continuará inamovível; é a Alemanha que continuará inamovível, ancorada na sua obra: o Tratado de Maastricht e o euro. Onde a marca dos sociais democratas também lá está, inteira”.

José Goulão, Bruxelas, Sylvie Moreira, Paris, Lourdes Hubermann, Frankfurt

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: