Nunca esqueceremos o Kosovo… – dois livros sobre um período em que a Europa estava ausente – por Michel LHOMME

Selecção, tradução e introdução por Júlio Marques Mota

Falareconomia1

 

A Europa mortalmente ferida em Pristina, a Europa agoniza agora em Kiev

Não esquecer o Kosovo, e Porque é que o massacre de Odessa teve tão pouco eco nos media ocidentais  são dois textos que dedico ao meu antigo aluno que muito estimo D.A.  que por acaso encontrei no café que habitualmente frequento quando quero estudar em silêncio, um café com muita gente. Paradoxo? Não, é assim mesmo.

Um título que me surgiu ao traduzir este texto e na sequência de uma conversa havida com esse  antigo estudante meu, que muito estimo, para quem o problema da Crimeia era de que Putin devia estar louco. Símbolo da manipulação ocidental, é a sua resposta à minha questão: sabes, digo eu, ninguém morre por um tratado comercial.  Morre-se então em Kiev porquê, pergunto. A resposta foi imediata: morre-se pela bandeira da União Europeia. Abro de espanto estes meus olhos de quem  já tem  uma razoável idade para engolir tamanhas “verdades” e não me controlei ao ponto de reagir: morrer pela bandeira dos outros,  é coisa que a história nunca me mostrou, foi o que respondi.

Mas, entre este antigo aluno e eu, de que fui com muito orgulho seu professor, há uma cumplicidade que está para além das brutais diferenças que nos separam e digo: reclamas contra a Crimeia, não reclamas contra as mortes de Kiev, Não está comprovado quem sejam os responsáveis, diz-me. De novo reagi: certo mas não ouvi nem o Presidente da Comissão Europeia, nem o Senhor Obama  exigir um inquérito imediato a estas mortes. Ouviste, questiono, frontalmente. Não, foi a resposta.

E, já agora, se consideras ilegal o que se passou na Crimeia porque não consideras ilegal o que se passou exactamente antes disso em Kiev.  E a resposta parece reproduzir o texto que se segue: eram dos nossos.

Dos nossos? Os nazis são dos nossos? Como? Nem acredito  no que estou a ouvir, reajo eu a esta afronta.

São pró-europeus, são dos nossos.

Nada mais a dizer, pensei. Aconselhei-o então a ler a minha peça sobre a Letónia, um texto neutro, disse-lhe eu. Como lhe poderia também sugerir a leitura do outro texto sobre as mortes em Odessa, texto a ser publicado também em A Viagem dos Argonautas.

Um texto neutro, um texto seu?

Bem mais neutro do que tudo o que possas ler, sobretudo  a propósito de um tema em que discordar das monstruosidades que se fazem ou mandam fazer por esta Europa a soldo dos Estados Unidos, e não só,  ou dos seus generais não democraticamente eleitos, leva a que se  seja acusado de ser pró Putin e só falta acrescentar, acusado de comunista, respondo.

E a conversa fica por aqui.

Coimbra, 25 de Maio de 2014.

xxxxxx

Nunca esqueceremos o Kosovo… – dois livros sobre um período em que a Europa estava ausente – Nunca esqueceremos o  KOSOVO

Dois livros sobre um período em que  a Europa estava ausente

Michel Lhomme, Revista Metamag, 24 de Abril de 2014.

 

Nunca nos esqueceremos das mentiras e das  mistificações  do desmembramento da Sérvia. Se nós conhecemos a representação oferecida pelos media ocidentais ( o verso da situação)  o livro de Nikola Mirkovic apresenta-nos o reverso dessa representação . De origem sérvia e a viver  em França, Nikola Mirkovic está a trabalhar   numa  associação humanitária que trabalha para  os habitantes do Kosovo. Ele conhece muito bem a região assim como o tema e exprime-se enquanto perito, como agora se diz.

As afirmações do livro estão sempre referenciadas, e o autor cita extensivamente  os relatórios oficiais e os depoimento das testemunhas reconhecidas do conflito. O que ele nos mostra neste livro, é o conjunto de mentiras orquestrado pela NATO para organizar uma guerra que não tinha razão de ser . Como falsos túmulos foram criados, como houve  mortes que foram completamente  inventadas e como as forças da NATO, apoiados pelos media ocidentais servis e comportando-se como os carneiros de Panurge, apresentavam os sérvios  como sendo os agressores, enquanto eles estavam a  defender a sua região dos ataques albaneses.

As mentiras da NATO são desde então insípidas: a loucura das armas de destruição maciça, as armas iraquianas que nunca foram encontradas, as falsas  imagens de júbilo na Líbia rodadas nos Estados Unidos, a utilização do gás na Síria, os atiradores especiais, assassinos de elite,  sobre a Praça Maïdan. Não esqueçam: o Kosovo foi o campo de ensaios e de testes destas mentiras repetidas, que conduzem hoje a  uma das maiores  manipulações de que há memória. O resultado é que os Sérvios, que representavam quase 90% da população do Kosovo ao início do século XX, não são hoje mais que um punhado, vítimas  de uma depuração étnica que cala o seu próprio  nome. O Kosovo é hoje uma  placa giratória de todos os  tráficos: órgãos humanos, drogas, armas. A máfia albanesa, aliada  à máfia napolitana , infiltra pelo Kosovo as grandes cidades da Europa. O livro de Nikola Mirkovic não se satisfaz em  desmontar mentiras e mistificações. Ele é testemunha de um povo martirizado, cujas igrejas foram  destruídas, os espaços  culturais arrasados   e as populações restantes quase que dominadas. O livro mostra também a fraqueza da Europa, que nunca não interveio neste processo deixando  aos Estados Unidos  estarem a fazer uma Europa de escravos e empregados, uma Europa de servos.

Autor de uma segunda obra, Jacques Hogard é o criador e o director de uma empresa de consultoria  especializada em inteligência estratégica e diplomacia de empresas no campo  internacional. É um coronel na reforma que no Kosovo foi o responsável máximo pelas forças especiais francesas aquando da invasão desta província sérvia pela OTAN em 1999. Por conseguinte trata-se de alguém que viu  muito sobre esta montagem  que aqui se denuncia e, facto raro, disso nos dá  hoje  o seu testemunho num livro que será disponível ao público a partir de 22 de Maio e cujo título é bem claro  : a Europa morreu em  Pristina.

Le Martyre du Kosovo, de Nikola Mirkovic, Édition Jean Picollec, 200 pages.

L’Europe est morte à Pristina, de Jacques Hoggard, Editions Hugo Doc, para aparecer em 2014

_______

Ver o original em:

http://metamag.fr/metamag-1993-Nous-n-oublierons-jamais-le-Kosovo…-Deux-ouvrages-sur-un-periode-ou-l’Europe-etait-absente.html

http://metamag.fr/metamag-1993-Nous-n-oublierons-jamais-le-Kosovo…-Deux-ouvrages-sur-un-periode-ou-l’Europe-etait-absente.html

Leave a Reply