SOBRE OS LEOPARDOS QUE QUEREM BEM SERVIR BRUXELAS – DA FRANÇA, FALEMOS ENTÃO DA POLÍTICA DE HOLLANDE – VALLS: A LINHA CLARA – O PRIMEIRO GOVERNO 100% LIBERAL-LIBERTÁRIO – por DAVID DESGOUILLES

02

 Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

mapa_franca

 6. Valls II: a linha clara

Leopardo - XV

Valls II:  a linha clara

O primeiro governo 100% liberal-libertário

 

David Desgouilles, Valls II: la ligne claire – Le premier gouvernement 100% libéral-libertaire!

Revista Le Causeur, 27 de Agosto de 2014

 

Ter-se-ia  quase necessidade de agradecer calorosamente a Arnaud Montebourg. Pelo menos, graças a ele, tudo agora é mais claro. As últimas máscaras caem e em particular a  de Manuel Valls. É certo, poder-se-ia ser censurado pela forma. O discurso de Frangy-en-Bresse tinha  um lado surrealista. Assistiu-se a  uma intervenção do Ministro da economia ou a um discurso proferido  pelo líder da oposição? Não teria sido  mais sensato  finalmente apresentar a sua demissão, como um Jacques Chirac trinta e oito anos antes,  ou de um Jean-Pierre Chevènement em 1983? Sem dúvida. Mas na época dos canais de notícias e Twitter, é melhor manter o buzz. A um ministro não se cala a boca a menos que se demita, isso fá-la abrir muitas vezes até que é demitido. Foi com  Rama Yade, que  se inaugurou esta  fórmula sob a era de Sarkozy. Não tenho a certeza que isto represente algum  progresso. O facto é que Montebourg pôs-se de  acordo com o seu discurso. Ele deixou já de  participar num  governo do qual ele denuncia a sua política. Ele não hesita em assumir um grande risco de um ponto de vista pessoal, uma vez que agora já só é  consultor geral  de Saône-et-Loire, e que, em última análise, é bastante provável que seja  Benoît Hamon, de que ele também provocou  a partida, que irá colocar a mão sobre a ala esquerda do PS.

Este psicodrama tem outros benefícios. Hamon, acabámos de o sublinhar,  tinha que fazer uma escolha entre o seu prestigiado cargo e as suas convicções. Christiane Taubira, pelo seu lado,  que tinha feito saber  que concordava com as revoltas de Frangy, finalmente decidiu permanecer no seu posto. Passe-se sobre  o caso de Aurélie Filippetti que sabia o seu destino marcado desde há muito tempo e provavelmente terá aproveitado a ocasião  para justificar a sua saída. Os ambientalistas também reafirmaram a sua recusa em participar no governo. E mesmo que Jean-Vincent Square, Barbara Pompili e François de Rugy tenham certamente tido tentações, a unidade do seu partido  foi preservada. Os verdes, assim, enviam portanto  um sinal claro aos  cidadãos: eles não aprovam a orientação económica do governo. As ferramentas que a quinta República coloca à disposição  da  clareza política também permitirão dar  uma ideia da força de  convicção desses mesmos ambientalistas e de alguns famosos revoltados  do PS. Valls prometeu um voto de confiança. Expressar  o seu desacordo , está bem, manifestá-lo  por um voto que pode ter implicações para o seu mandato, é muito melhor. A este respeito, a acta da Assembleia Nacional, que estabelecerá  a lista de quem votou  contra a confiança no governo Valls II será a mais bela das clarificações. .

Agora sabemos mais sobre a personalidade do primeiro-ministro. Ele, que gostava de citar Clemenceau, que apreciava que fosse comparado, graças ao seu gosto  pela  autoridade republicana, com Jean-Pierre Chevènement, acaba de deixar cair definitivamente a máscara. A substituição de Montebourg por Emmanuel Macron, consagrada no  “Grand Journal” como “o amigo do  patronato”  pelo seu imprudente colega  Rebsamen  é um símbolo muito significativo. Este protegido de Jacques Attali vem ocupar este posto para implementar as medidas da famosa “libertação da economia” do plano encomendado  por Nicolas Sarkozy ao antigo conselheiro de Mitterrand, medidas que o ex-presidente tinha preferido colocar de lado e muito prudentemente, na nossa opinião. E uma vez que a barra é colocada à direita sobre a economia com Macron, devem então ser dados sinais de que ainda se é de esquerda. Assim, Valls, que criticava  mezza voce a frouxidão de Taubira, fez tudo para que ela permanecesse no  seu governo. E assim também promoveu Najat Vallaud-Belkacem, a grande defensora do ABCD da igualdade, verdadeiro pano vermelho para a galáxia “Manif para todos.” Mobilizar a direita societária contra si a fim de fazer crer  que ainda se é de esquerda: patético cálculo que vai contra o apaziguamento da sociedade, apaziguamento este  que foi o centro da famosa anáfora do candidato Hollande  no  seu duelo contra Nicolas Sarkozy. Se, de  um ponto de vista político, se trata de fumo para os olhos, os leitores de Jean-Claude  Michéa sabem que o liberalismo económico de Macron nada tem de  contraditório com o liberalismo cultural de  Vallaud-Belkacem e de Taubira. Esta é pois uma clarificação ideológica esta, sobre as tendências  de liberais-libertários deste governo. Finalmente, a única manifestação de Valls de oposição  ao liberalismo é sua propensão a reduzir o âmbito da liberdade de expressão. Convenhamos que isto não  é necessariamente simpático.

Espera-se naturalmente outras clarificações. Que passariam pelo rebentar  do PS e da  UMP e de uma necessária recomposição  da paisagem política francesa. Infelizmente, por estas, corre-se o risco de ainda ter que as esperar.

David Desgouilles, Revista Le Causeur, Valls II : la ligne claire – Le premier gouvernement 100% libéral-libertaire!

________

Texto disponível em:

http://www.causeur.fr/valls-ii-la-ligne-claire-28967.html

 

Leave a Reply