Posts Tagged: neoliberalismo

A lição do Brexit e o verdadeiro desafio para o socialismo do século XXI na Europa – Internacionalismo Socialista contra a União Europeia. Por Neil Davidson

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Internacionalismo Socialista contra a União Europeia  Por Neil Davidson Editado por  em 1 de outubro de 2019 (ver aqui) _______________________ Brexit, a União Europeia e a Esquerda O livro The Left Case Against

A lição do Brexit e o verdadeiro desafio para o socialismo do século XXI na Europa – Internacionalismo Socialista contra a União Europeia. Por Neil Davidson

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Internacionalismo Socialista contra a União Europeia  Por Neil Davidson Editado por  em 1 de outubro de 2019 (ver aqui) _______________________ Brexit, a União Europeia e a Esquerda O livro The Left Case Against

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. Reino Unido: 1º Texto. Brexit: Porque é que isto me faz rir, Parte I e II

(Victor Hill, 15/02/2019)

Dizem-nos constantemente que a UE-27 fala a uma só voz sobre o Brexit e, na medida em que existe apenas uma equipa de negociação e que o Presidente da Comissão Juncker e o Presidente do Conselho Tusk são igualmente beligerantes e anti-Britânicos, isso é verdade. Mas olhemos mais atentamente e constatamos que a União Europeia está, como nunca antes, dilacerada por divisões e desacordos entre os seus Estados-Membros. Isto não são gretas, são enormes rachas !

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. Reino Unido: 1º Texto. Brexit: Porque é que isto me faz rir, Parte I e II

(Victor Hill, 15/02/2019)

Dizem-nos constantemente que a UE-27 fala a uma só voz sobre o Brexit e, na medida em que existe apenas uma equipa de negociação e que o Presidente da Comissão Juncker e o Presidente do Conselho Tusk são igualmente beligerantes e anti-Britânicos, isso é verdade. Mas olhemos mais atentamente e constatamos que a União Europeia está, como nunca antes, dilacerada por divisões e desacordos entre os seus Estados-Membros. Isto não são gretas, são enormes rachas !

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. Reino Unido: Introdução

(Júlio Marques Mota, 08/12/2019)

Nesta série interessou-nos menos o Brexit em si mesmo e mais o que está e/ou esteve por detrás dele, durante décadas, em que alternadamente governou a direita da direita britânica e a esquerda da mesma direita britânica, isto é os Conservadores, por um lado, e os Trabalhistas, por outro. E isto para se perspectivar o que é que pode estar em jogo para o futuro da Inglaterra e, porque não, da Europa também.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. Reino Unido: Introdução

(Júlio Marques Mota, 08/12/2019)

Nesta série interessou-nos menos o Brexit em si mesmo e mais o que está e/ou esteve por detrás dele, durante décadas, em que alternadamente governou a direita da direita britânica e a esquerda da mesma direita britânica, isto é os Conservadores, por um lado, e os Trabalhistas, por outro. E isto para se perspectivar o que é que pode estar em jogo para o futuro da Inglaterra e, porque não, da Europa também.

Entre a crise de 2008 e a que há-de vir, está a crise dos políticos atuais – Alemanha: Amadores Políticos e a Inteligência. Por Heiner Flassbeck

Seleção de Júlio Marques Mota e tradução de Francisco Tavares Alemanha: Amadores Políticos e a Inteligência  Por Heiner Flassbeck  em 30 de novembro de 2019 (aqui) Traduzido para inglês e editado por BRAVE NEW EUROPE (aqui)     Queixarmo-nos sobre

Entre a crise de 2008 e a que há-de vir, está a crise dos políticos atuais – Alemanha: Amadores Políticos e a Inteligência. Por Heiner Flassbeck

Seleção de Júlio Marques Mota e tradução de Francisco Tavares Alemanha: Amadores Políticos e a Inteligência  Por Heiner Flassbeck  em 30 de novembro de 2019 (aqui) Traduzido para inglês e editado por BRAVE NEW EUROPE (aqui)     Queixarmo-nos sobre

Entre a crise de 2008 e a que há-de vir, está a crise dos políticos atuais – É tempo de uma real mudança: Introdução ao Manifesto 2019 do Partido Trabalhista. Por Jeremy Corbyn

  Seleção e tradução de Júlio Marques Mota É tempo de uma real mudança: Introdução ao Manifesto 2019 do Partido Trabalhista (aqui) Por Jeremy Corbyn Esta eleição moldará o nosso país para uma geração. É a vossa oportunidade de transformar o

Entre a crise de 2008 e a que há-de vir, está a crise dos políticos atuais – É tempo de uma real mudança: Introdução ao Manifesto 2019 do Partido Trabalhista. Por Jeremy Corbyn

  Seleção e tradução de Júlio Marques Mota É tempo de uma real mudança: Introdução ao Manifesto 2019 do Partido Trabalhista (aqui) Por Jeremy Corbyn Esta eleição moldará o nosso país para uma geração. É a vossa oportunidade de transformar o

Entre a crise de 2008 e a que há-de vir, está a crise dos políticos atuais – Introdução, por Júlio Marques Mota

  Introdução  Por Júlio Marques Mota em 5 de dezembro de 2019   Dia 12 de Dezembro, um homem vai falhar, o político mais importante e mais coerente na Europa neste quase quarto de século, Jeremy Corbyn irá perder as

Entre a crise de 2008 e a que há-de vir, está a crise dos políticos atuais – Introdução, por Júlio Marques Mota

  Introdução  Por Júlio Marques Mota em 5 de dezembro de 2019   Dia 12 de Dezembro, um homem vai falhar, o político mais importante e mais coerente na Europa neste quase quarto de século, Jeremy Corbyn irá perder as

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – A Itália deve afastar os Estados-Membros da distopia neoliberal da zona euro

(Bill Mitchell, 5 de Novembro de 2018)

Enquanto a Comissão Europeia está a tentar intimidar a Itália para que “cumpra as regras”, o ponto óbvio é que as regras são enviesadas e contra  a prosperidade.As sociedades humanas não podem suportar uma austeridade prolongada nem as patologias que a acompanham (desemprego elevado, aumento da pobreza, salários baixos, rutura social). A juventude italiana enfrenta um futuro sombrio se esta situação se mantiver.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – A Itália deve afastar os Estados-Membros da distopia neoliberal da zona euro

(Bill Mitchell, 5 de Novembro de 2018)

Enquanto a Comissão Europeia está a tentar intimidar a Itália para que “cumpra as regras”, o ponto óbvio é que as regras são enviesadas e contra  a prosperidade.As sociedades humanas não podem suportar uma austeridade prolongada nem as patologias que a acompanham (desemprego elevado, aumento da pobreza, salários baixos, rutura social). A juventude italiana enfrenta um futuro sombrio se esta situação se mantiver.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 6º Texto – Itália: Ficar para trás

(The Economist, 2 de Fevereiro de 2019)

Se a Comissão Europeia decidir que a Itália infringiu as suas regras orçamentais, qualquer despesa adicional provocará uma nova discussão, acrescentará uma nova linha de tensão. E o episódio do ano passado mostrou que os grandes planos de gastos podem ser autodestrutivos se os mercados financeiros ficarem assustados. O governo da Itália precisaria convencer tanto Bruxelas quanto os investidores de que a despesa publica adicional pretendida ajudaria a economia a crescer. Até lá, a Itália continuará a cambalear.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 6º Texto – Itália: Ficar para trás

(The Economist, 2 de Fevereiro de 2019)

Se a Comissão Europeia decidir que a Itália infringiu as suas regras orçamentais, qualquer despesa adicional provocará uma nova discussão, acrescentará uma nova linha de tensão. E o episódio do ano passado mostrou que os grandes planos de gastos podem ser autodestrutivos se os mercados financeiros ficarem assustados. O governo da Itália precisaria convencer tanto Bruxelas quanto os investidores de que a despesa publica adicional pretendida ajudaria a economia a crescer. Até lá, a Itália continuará a cambalear.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 5º Texto – Itália: O orçamento da Itália não é tão louco como parece

(Ashoka  Mody, 26 de Outubro de 2018)

Os líderes europeus criticaram duramente a Itália pelos seus planos de aumentar as despesas com o objetivo de estimular o crescimento e ajudar os pobres. O que eles não reconhecem é que um pequeno estímulo pode ser exatamente o que a economia italiana precisa.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 5º Texto – Itália: O orçamento da Itália não é tão louco como parece

(Ashoka  Mody, 26 de Outubro de 2018)

Os líderes europeus criticaram duramente a Itália pelos seus planos de aumentar as despesas com o objetivo de estimular o crescimento e ajudar os pobres. O que eles não reconhecem é que um pequeno estímulo pode ser exatamente o que a economia italiana precisa.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 4º Texto – Itália: Deixem a Itália em paz

(Dr. Michael Ivanovitch, 14 de Outubro de 2018)

Privada de uma política monetária independente para gerir a procura e o emprego, a Itália inverteu ligeiramente a sua orientação orçamental restritiva, a fim de prestar algum apoio à atividade económica e evitar o que claramente parece ser uma desaceleração cíclica incipiente de amplitude e duração desconhecidas.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 4º Texto – Itália: Deixem a Itália em paz

(Dr. Michael Ivanovitch, 14 de Outubro de 2018)

Privada de uma política monetária independente para gerir a procura e o emprego, a Itália inverteu ligeiramente a sua orientação orçamental restritiva, a fim de prestar algum apoio à atividade económica e evitar o que claramente parece ser uma desaceleração cíclica incipiente de amplitude e duração desconhecidas.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 3º Texto – Itália: É na Itália que se joga o futuro da Europa

(Denis Collin, 12 de Outubro de 2018)

Hoje, o ponto crucial não é a “natureza” do governo italiano, mas o facto de ter praticado, pela primeira vez, uma dinâmica de questionamento concreto e imediato sobre os grilhões da União Europeia.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 3º Texto – Itália: É na Itália que se joga o futuro da Europa

(Denis Collin, 12 de Outubro de 2018)

Hoje, o ponto crucial não é a “natureza” do governo italiano, mas o facto de ter praticado, pela primeira vez, uma dinâmica de questionamento concreto e imediato sobre os grilhões da União Europeia.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 2º Texto – Itália: O fim do euro está mais próximo do que se poderia pensar

(Avi Tiomkin,  Novembro de 2018)

Draghi foi saudado nos últimos anos como o homem que salvou a Europa. Mas a política monetária e a austeridade impostas à maioria dos europeus revelaram-se desastrosas, resultando em turbulência sociopolítica e níveis severos de desigualdade económica. O euro, afinal, era o problema, não a solução.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 2º Texto – Itália: O fim do euro está mais próximo do que se poderia pensar

(Avi Tiomkin,  Novembro de 2018)

Draghi foi saudado nos últimos anos como o homem que salvou a Europa. Mas a política monetária e a austeridade impostas à maioria dos europeus revelaram-se desastrosas, resultando em turbulência sociopolítica e níveis severos de desigualdade económica. O euro, afinal, era o problema, não a solução.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 1º Texto – Itália: Notas sobre a Itália

(Henri Temple, Revista Causeur)

Os responsáveis financeiros – e Bruxelas – falam constantemente do conceito de “reforma estrutural”. Para eles, estas são apenas as medidas orçamentais para aumentar os impostos e reduzir as despesas, incluindo o investimento público e as prestações sociais. Por conseguinte, confundem, voluntariamente ou não, a estrutura do orçamento e a estrutura  de uma economia.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 1º Texto – Itália: Notas sobre a Itália

(Henri Temple, Revista Causeur)

Os responsáveis financeiros – e Bruxelas – falam constantemente do conceito de “reforma estrutural”. Para eles, estas são apenas as medidas orçamentais para aumentar os impostos e reduzir as despesas, incluindo o investimento público e as prestações sociais. Por conseguinte, confundem, voluntariamente ou não, a estrutura do orçamento e a estrutura  de uma economia.

A AMÉRICA LATINA SOB O FOGO DO NEOLIBERALISMO, SOB A PRESSÃO DA AUSTERIDADE – IX –EMIR SADER – NEOLIBERALISMO NÃO RIMA COM DEMOCRACIA

      O liberalismo tem duas caras: o liberalismo político do sistema democrático e o liberalismo econômico do livre mercado. Por má fé, há sempre os que querem separar essas duas faces da mesma moeda. A chegada do neoliberalismo

A AMÉRICA LATINA SOB O FOGO DO NEOLIBERALISMO, SOB A PRESSÃO DA AUSTERIDADE – IX –EMIR SADER – NEOLIBERALISMO NÃO RIMA COM DEMOCRACIA

      O liberalismo tem duas caras: o liberalismo político do sistema democrático e o liberalismo econômico do livre mercado. Por má fé, há sempre os que querem separar essas duas faces da mesma moeda. A chegada do neoliberalismo

O Problema Alemão. Por Heiner Flassbeck

Seleção e tradução de Francisco Tavares   O Problema Alemão  Por Heiner Flassbeck Editado por  em 4 de outubro de 2019 (ver aqui) Originalmente editado em alemão em Makroskop Traduzido para inglês e editado por BRAVE NEW EUROPE O mundo

O Problema Alemão. Por Heiner Flassbeck

Seleção e tradução de Francisco Tavares   O Problema Alemão  Por Heiner Flassbeck Editado por  em 4 de outubro de 2019 (ver aqui) Originalmente editado em alemão em Makroskop Traduzido para inglês e editado por BRAVE NEW EUROPE O mundo