Posts Tagged: neoliberalismo

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 8º Texto – Alemanha: Um texto final, um texto de síntese. Parte III

(Fritz W. Scharpf, 18 de Fevereiro de 2018)

No Estado Providência social liberal, a baixa carga tributária e a distribuição desigual de rendimento estão associadas ao crescimento de serviços privados e financiados pelo setor privado – sugerindo que as famílias de alta rendimento estão a criar empregos para os trabalhadores de serviços de baixos salários. Nos estados de bem-estar social escandinavos de alta tributação, no outro extremo, os serviços prestados pelo Estado em educação, cuidados de saúde e serviços sociais para os jovens, para as pessoas doentes e para as pessoas mais velhas expandiram-se rapidamente depois de 1960.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 8º Texto – Alemanha: Um texto final, um texto de síntese. Parte III

(Fritz W. Scharpf, 18 de Fevereiro de 2018)

No Estado Providência social liberal, a baixa carga tributária e a distribuição desigual de rendimento estão associadas ao crescimento de serviços privados e financiados pelo setor privado – sugerindo que as famílias de alta rendimento estão a criar empregos para os trabalhadores de serviços de baixos salários. Nos estados de bem-estar social escandinavos de alta tributação, no outro extremo, os serviços prestados pelo Estado em educação, cuidados de saúde e serviços sociais para os jovens, para as pessoas doentes e para as pessoas mais velhas expandiram-se rapidamente depois de 1960.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 8º Texto – Alemanha: Um texto final, um texto de síntese. Parte II

(Fritz W. Scharpf, 18 de Fevereiro de 2018)

De um modo geral, a Alemanha não tentou proteger o mercado interno contra a concorrência estrangeira, o que teve como consequência que os bens de consumo sensíveis aos preços, como calçado, têxteis, vestuário e até mesmo câmaras e outras ferragens de baixo preço, deixaram de ser fornecidos pelos produtores alemães. E, ao contrário da França e da Itália, os carros japoneses de baixo preço eram comuns nas estradas alemãs já na década de 1960 (Katzenstein 1989, 143).

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 8º Texto – Alemanha: Um texto final, um texto de síntese. Parte II

(Fritz W. Scharpf, 18 de Fevereiro de 2018)

De um modo geral, a Alemanha não tentou proteger o mercado interno contra a concorrência estrangeira, o que teve como consequência que os bens de consumo sensíveis aos preços, como calçado, têxteis, vestuário e até mesmo câmaras e outras ferragens de baixo preço, deixaram de ser fornecidos pelos produtores alemães. E, ao contrário da França e da Itália, os carros japoneses de baixo preço eram comuns nas estradas alemãs já na década de 1960 (Katzenstein 1989, 143).

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 8º Texto – Alemanha: Um texto final, um texto de síntese. Parte I

(Fritz W. Scharpf, 18 de Fevereiro de 2018)

O fim do regime de Bretton Woods e a queda da Cortina de Ferro aprofundaram a orientação à exportação do modelo da economia alemã. No entanto, só após a entrada na União Monetária é que o aumento das exportações se transformou num persistente saldo entre as exportações e as importações, que se tornou um problema para as outras economias da zona euro. Este texto de discussão mostra porque é que o atual regime assimétrico do euro não será capaz de impor a sua transformação estrutural com base no modelo alemão.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 8º Texto – Alemanha: Um texto final, um texto de síntese. Parte I

(Fritz W. Scharpf, 18 de Fevereiro de 2018)

O fim do regime de Bretton Woods e a queda da Cortina de Ferro aprofundaram a orientação à exportação do modelo da economia alemã. No entanto, só após a entrada na União Monetária é que o aumento das exportações se transformou num persistente saldo entre as exportações e as importações, que se tornou um problema para as outras economias da zona euro. Este texto de discussão mostra porque é que o atual regime assimétrico do euro não será capaz de impor a sua transformação estrutural com base no modelo alemão.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – Alemanha. A noite em que a Alemanha perdeu o controle – Parte VI

(Georg Blume e outros, 16 de Agosto de 2016)

O erro de Merkel, diz um dos principais políticos alemães, foi o seu foco constante numa solução europeia comum para a questão dos refugiados, porque já tinha ficado claro, muito antes da decisão da Hungria, que os seus homólogos europeus não estavam interessados em se associarem nesta crise dos refugiados.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – Alemanha. A noite em que a Alemanha perdeu o controle – Parte VI

(Georg Blume e outros, 16 de Agosto de 2016)

O erro de Merkel, diz um dos principais políticos alemães, foi o seu foco constante numa solução europeia comum para a questão dos refugiados, porque já tinha ficado claro, muito antes da decisão da Hungria, que os seus homólogos europeus não estavam interessados em se associarem nesta crise dos refugiados.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – Alemanha. A noite em que a Alemanha perdeu o controle – Parte V

(Georg Blume e outros, 16 de Agosto de 2016)

É a primeira reunião da força de intervenção da crise. A contagem do dia anterior: 6.780 refugiados chegaram à Estação Central de Munique só no sábado. Todos precisam de exames médicos; alguns até têm ferimentos de bala. Vários refugiados, no entanto, estão simplesmente a entrarem para  a clandestinidade tentando seguir o  seu caminho por conta própria. Deixou de haver um registo ordenado dos refugiados. Ninguém sabe quantos chegarão hoje. A Polícia Federal não está a  fornecer números fiáveis e nenhuma informação está a   ser dada pelo governo federal. “Um alto funcionário da cidade pergunta ao grupo: “Berlim existe mesmo?

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – Alemanha. A noite em que a Alemanha perdeu o controle – Parte V

(Georg Blume e outros, 16 de Agosto de 2016)

É a primeira reunião da força de intervenção da crise. A contagem do dia anterior: 6.780 refugiados chegaram à Estação Central de Munique só no sábado. Todos precisam de exames médicos; alguns até têm ferimentos de bala. Vários refugiados, no entanto, estão simplesmente a entrarem para  a clandestinidade tentando seguir o  seu caminho por conta própria. Deixou de haver um registo ordenado dos refugiados. Ninguém sabe quantos chegarão hoje. A Polícia Federal não está a  fornecer números fiáveis e nenhuma informação está a   ser dada pelo governo federal. “Um alto funcionário da cidade pergunta ao grupo: “Berlim existe mesmo?

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – Alemanha. A noite em que a Alemanha perdeu o controle – Parte IV

(Georg Blume e outros, 16 de Agosto de 2016)

A declaração conjunta dos três Ministros dos Negócios Estrangeiros está concluída. Merkel e Faymann já decidiram que a chanceleria austríaca deveria ser a primeira a anunciar a notícia devido à sua maior proximidade com a situação. A mensagem também deve ser enviada via Facebook para que aqueles que marcham ao longo da rodovia também possam lê-la. Também isso foi discutido.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – Alemanha. A noite em que a Alemanha perdeu o controle – Parte IV

(Georg Blume e outros, 16 de Agosto de 2016)

A declaração conjunta dos três Ministros dos Negócios Estrangeiros está concluída. Merkel e Faymann já decidiram que a chanceleria austríaca deveria ser a primeira a anunciar a notícia devido à sua maior proximidade com a situação. A mensagem também deve ser enviada via Facebook para que aqueles que marcham ao longo da rodovia também possam lê-la. Também isso foi discutido.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – Alemanha. A noite em que a Alemanha perdeu o controle – Parte III

(Georg Blume e outros, 16 de Agosto de 2016)

Depois de quase 32 quilômetros a pé, o clima está a azedar entre os refugiados que ainda estão a caminhar pela estrada. Mulheres e crianças não podem continuar e está a ficar frio e escuro. Depois começa a chover. Há discussões e alguns começam a protestar, dizendo que pelo menos estava seco na estação de comboio. Os blogueiros húngaros que acompanham a marcha lançam um apelo para que as pessoas ofereçam colchões de campismo, sacos de dormir e cremes para músculos doloridos. Mohammad Zatareih começa a procurar um lugar para acampar na berma da estrada que seria difícil para a polícia cercar. A Cruz Vermelha está a fornecer mantimentos e há muitos voluntários a ajudar A situação é precária, mas não é nada catastrófica.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – Alemanha. A noite em que a Alemanha perdeu o controle – Parte III

(Georg Blume e outros, 16 de Agosto de 2016)

Depois de quase 32 quilômetros a pé, o clima está a azedar entre os refugiados que ainda estão a caminhar pela estrada. Mulheres e crianças não podem continuar e está a ficar frio e escuro. Depois começa a chover. Há discussões e alguns começam a protestar, dizendo que pelo menos estava seco na estação de comboio. Os blogueiros húngaros que acompanham a marcha lançam um apelo para que as pessoas ofereçam colchões de campismo, sacos de dormir e cremes para músculos doloridos. Mohammad Zatareih começa a procurar um lugar para acampar na berma da estrada que seria difícil para a polícia cercar. A Cruz Vermelha está a fornecer mantimentos e há muitos voluntários a ajudar A situação é precária, mas não é nada catastrófica.

O limite máximo de CO2, os certificados, e as “distorções”. Por Heiner Flassbeck

Seleção e tradução de Francisco Tavares   O limite máximo de CO2, os certificados, e as “distorções”  Por Heiner Flassbeck Publicado por  em 11 de agosto de 2019 (ver aqui)   Originalmente editado em alemão em Makroskop Versão inglesa editada

O limite máximo de CO2, os certificados, e as “distorções”. Por Heiner Flassbeck

Seleção e tradução de Francisco Tavares   O limite máximo de CO2, os certificados, e as “distorções”  Por Heiner Flassbeck Publicado por  em 11 de agosto de 2019 (ver aqui)   Originalmente editado em alemão em Makroskop Versão inglesa editada

O Grande Paradoxo: o Liberalismo Destrói a Economia de Mercado – Parte 3. Por Heiner Flassbeck

Seleção e tradução de Francisco Tavares O Grande Paradoxo: o Liberalismo Destrói a Economia de Mercado – Parte 3  Por Heiner Flassbeck Publicado por  em 5 de agosto de 2019 (ver aqui) Originalmente editado em alemão em Makroskop Traduzido para

O Grande Paradoxo: o Liberalismo Destrói a Economia de Mercado – Parte 3. Por Heiner Flassbeck

Seleção e tradução de Francisco Tavares O Grande Paradoxo: o Liberalismo Destrói a Economia de Mercado – Parte 3  Por Heiner Flassbeck Publicado por  em 5 de agosto de 2019 (ver aqui) Originalmente editado em alemão em Makroskop Traduzido para

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – Alemanha. A noite em que a Alemanha perdeu o controle – Parte II

(Georg Blume e outros, 16 de Agosto de 2016)

A legislação em vigor estabelece que todos os requerentes de asilo devem ser registados, alojados e protegidos no Estado-Membro da UE onde entram pela primeira vez no território da União Europeia. No entanto, a Alemanha está situada no centro da Europa, rodeada de todos os lados por Estados-Membros da UE. Isso significa que é impossível que os refugiados cheguem à Alemanha sem antes terem passado por outro país membro da UE, a menos que caiam do céu.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – Alemanha. A noite em que a Alemanha perdeu o controle – Parte II

(Georg Blume e outros, 16 de Agosto de 2016)

A legislação em vigor estabelece que todos os requerentes de asilo devem ser registados, alojados e protegidos no Estado-Membro da UE onde entram pela primeira vez no território da União Europeia. No entanto, a Alemanha está situada no centro da Europa, rodeada de todos os lados por Estados-Membros da UE. Isso significa que é impossível que os refugiados cheguem à Alemanha sem antes terem passado por outro país membro da UE, a menos que caiam do céu.

O Grande Paradoxo: o Liberalismo Destrói a Economia de Mercado – Parte 2. Por Heiner Flassbeck

Seleção e tradução de Francisco Tavares O Grande Paradoxo: o Liberalismo Destrói a Economia de Mercado – Parte 2  Por Heiner Flassbeck Publicado por  em 29 de julho de 2019 (ver aqui) Originalmente editado em alemão em Makroskop Traduzido para

O Grande Paradoxo: o Liberalismo Destrói a Economia de Mercado – Parte 2. Por Heiner Flassbeck

Seleção e tradução de Francisco Tavares O Grande Paradoxo: o Liberalismo Destrói a Economia de Mercado – Parte 2  Por Heiner Flassbeck Publicado por  em 29 de julho de 2019 (ver aqui) Originalmente editado em alemão em Makroskop Traduzido para

O Grande Paradoxo: o Liberalismo Destrói a Economia de Mercado – Parte 1. Por Heiner Flassbeck

Seleção e tradução de Francisco Tavares O Grande Paradoxo: o Liberalismo Destrói a Economia de Mercado – Parte 1  Por Heiner Flassbeck Publicado por  em 18 de julho de 2019 (ver aqui) Originalmente publicado em alemão em Makroskop Traduzido para

O Grande Paradoxo: o Liberalismo Destrói a Economia de Mercado – Parte 1. Por Heiner Flassbeck

Seleção e tradução de Francisco Tavares O Grande Paradoxo: o Liberalismo Destrói a Economia de Mercado – Parte 1  Por Heiner Flassbeck Publicado por  em 18 de julho de 2019 (ver aqui) Originalmente publicado em alemão em Makroskop Traduzido para

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – Alemanha. A noite em que a Alemanha perdeu o controle – Parte I

(Georg Blume e outros, 16 de Agosto de 2016)

O que aconteceu no dia 4 de setembro de 2015? Que intenções, fracassos e mal-entendidos levaram a uma situação em que centenas de milhares de refugiados chegaram à Alemanha?

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 7º Texto – Alemanha. A noite em que a Alemanha perdeu o controle – Parte I

(Georg Blume e outros, 16 de Agosto de 2016)

O que aconteceu no dia 4 de setembro de 2015? Que intenções, fracassos e mal-entendidos levaram a uma situação em que centenas de milhares de refugiados chegaram à Alemanha?

É a procura, seu idiota! Por Jean-Luc Gréau

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Publicado por revista mensal em 1 de setembro de 2019 https://www.pressreader.com/france/causeur/20190901/281509342870332   Da China à América, a procura interna tende a enfraquecer. Se uma subida dos salários poderia evitar uma recessão mundial, os defensores

É a procura, seu idiota! Por Jean-Luc Gréau

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Publicado por revista mensal em 1 de setembro de 2019 https://www.pressreader.com/france/causeur/20190901/281509342870332   Da China à América, a procura interna tende a enfraquecer. Se uma subida dos salários poderia evitar uma recessão mundial, os defensores

A tributação dos super-ricos, o tributo da virtude ao vício. Por Jean-Luc Gréau

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Publicado por revista mensal em 27 de agosto de 2019 https://www.causeur.fr/milliardaires-george-soros-taxation-presidentielle-americaine-163151 A tributação dos super-ricos, o tributo da virtude ao vício Como um gosto inacabado nas palavras de George Soros George Soros e 17

A tributação dos super-ricos, o tributo da virtude ao vício. Por Jean-Luc Gréau

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Publicado por revista mensal em 27 de agosto de 2019 https://www.causeur.fr/milliardaires-george-soros-taxation-presidentielle-americaine-163151 A tributação dos super-ricos, o tributo da virtude ao vício Como um gosto inacabado nas palavras de George Soros George Soros e 17