Posts Tagged: neoliberalismo

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 16. A construção europeia: o caminho mais fácil era também uma via sem saída

(Jean-Claude Werrebrouck., 09/01/2019)

A Europa não passa agora de um modelo de direitos humanos e de direitos  cada vez mais aberto a todas as particularidades, cada vez menos e menos definíveis, cada vez menos baseados em valores. Isto faz do mundo europeu um mundo sem forças e sem voz fora da voz do indivíduo como sujeito de desejos, ajudado pelas burocracias judiciais. É este movimento que arruína qualquer desejo de acção colectiva e, por conseguinte, de cooperação para um objectivo que já não é definível.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 16. A construção europeia: o caminho mais fácil era também uma via sem saída

(Jean-Claude Werrebrouck., 09/01/2019)

A Europa não passa agora de um modelo de direitos humanos e de direitos  cada vez mais aberto a todas as particularidades, cada vez menos e menos definíveis, cada vez menos baseados em valores. Isto faz do mundo europeu um mundo sem forças e sem voz fora da voz do indivíduo como sujeito de desejos, ajudado pelas burocracias judiciais. É este movimento que arruína qualquer desejo de acção colectiva e, por conseguinte, de cooperação para um objectivo que já não é definível.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 15. O euro: um aniversário de 20 anos que ninguém quer festejar

(Bruno Colmant, 27/12/2018)

Para alguns países, sobretudo do Sul da Europa, esta moeda tornar-se-á um uma ascese estatal  que poderá levar à sua rejeição pelas  populações asfixiadas pela crise económica. A moeda federal será dividida  por políticas orçamentais confederais. Minada  por expressões políticas centrífugas, a sustentabilidade do euro é, por conseguinte, condicional.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 15. O euro: um aniversário de 20 anos que ninguém quer festejar

(Bruno Colmant, 27/12/2018)

Para alguns países, sobretudo do Sul da Europa, esta moeda tornar-se-á um uma ascese estatal  que poderá levar à sua rejeição pelas  populações asfixiadas pela crise económica. A moeda federal será dividida  por políticas orçamentais confederais. Minada  por expressões políticas centrífugas, a sustentabilidade do euro é, por conseguinte, condicional.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 14. Uma análise sobre a criação da União Europeia e sobre a sua trajetória até aos dias de hoje – Parte II

(Entrevista a  Olivier Delorme por GALAAD WILGOS, 04/12/2018)

Dito isto, acredito agora que a dissolução da UE deixará de ter lugar de forma pacífica, negociada e regular, como seria desejável. Devido à falta de coragem de todas as forças políticas constituídas, da sua recusa em explicar claramente porque razão é necessário sair deste impasse, da sua teimosia em cultivar ambiguidades e artifícios (Plano A – Plano B, desobediência aos tratados…), o que reflete quer a trágica ilusão de que tudo pode ser mudado neste edifício, quer o desejo de esconder que nada será mudado.
.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 14. Uma análise sobre a criação da União Europeia e sobre a sua trajetória até aos dias de hoje – Parte II

(Entrevista a  Olivier Delorme por GALAAD WILGOS, 04/12/2018)

Dito isto, acredito agora que a dissolução da UE deixará de ter lugar de forma pacífica, negociada e regular, como seria desejável. Devido à falta de coragem de todas as forças políticas constituídas, da sua recusa em explicar claramente porque razão é necessário sair deste impasse, da sua teimosia em cultivar ambiguidades e artifícios (Plano A – Plano B, desobediência aos tratados…), o que reflete quer a trágica ilusão de que tudo pode ser mudado neste edifício, quer o desejo de esconder que nada será mudado.
.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 14. Uma análise sobre a criação da União Europeia e sobre a sua trajetória até aos dias de hoje – Parte I

(Entrevista a  Olivier Delorme por GALAAD WILGOS, 27/12/2018)

Na realidade, a UE é apenas a expressão de vinte e sete cobardias, vinte e sete renúncias a existir por si própria; a UE só pode ser um monstro brando, um gigante indeciso, sem vontade, incapaz de decidir seja o que for e sem agilidade. Hoje como ontem, e talvez mais do que ontem, é melhor ser uma potência média, ágil, que sabe o que quer e coopera em todas as direções com os outros, com base na igualdade e nos benefícios mútuos, do que uma parte impotente de um Império impotente – mais a cana do que o carvalho, parafraseando La Fontaine.

Em 1999, uma criança nasceu, de parto prematuro e com deformidades congénitas: o Euro 20 anos depois – alguns textos sobre a sua atribulada existência. Texto nº 14. Uma análise sobre a criação da União Europeia e sobre a sua trajetória até aos dias de hoje – Parte I

(Entrevista a  Olivier Delorme por GALAAD WILGOS, 27/12/2018)

Na realidade, a UE é apenas a expressão de vinte e sete cobardias, vinte e sete renúncias a existir por si própria; a UE só pode ser um monstro brando, um gigante indeciso, sem vontade, incapaz de decidir seja o que for e sem agilidade. Hoje como ontem, e talvez mais do que ontem, é melhor ser uma potência média, ágil, que sabe o que quer e coopera em todas as direções com os outros, com base na igualdade e nos benefícios mútuos, do que uma parte impotente de um Império impotente – mais a cana do que o carvalho, parafraseando La Fontaine.

Um adeus a Carlos Tenreiro- reflexões em torno da bolha cognitiva dos tempos de agora: 4. A América e o Mundo: O Crash de 2008 e a Eurotragédia. Por Jonathan Story

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 4. A América e o Mundo: O Crash de 2008 e a Eurotragédia  Por Jonathan Story Publicado pelo blog do autor ,em 21 de outubro de 2018   Os dois livros em estudo

Um adeus a Carlos Tenreiro- reflexões em torno da bolha cognitiva dos tempos de agora: 4. A América e o Mundo: O Crash de 2008 e a Eurotragédia. Por Jonathan Story

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 4. A América e o Mundo: O Crash de 2008 e a Eurotragédia  Por Jonathan Story Publicado pelo blog do autor ,em 21 de outubro de 2018   Os dois livros em estudo

Um adeus a Carlos Tenreiro- reflexões em torno da bolha cognitiva dos tempos de agora: 3. A tragédia do euro” ou a incrível bolha cognitiva em que a Europa se fechou. Entrevista a Ashoka Mody, autor do livro económico do ano de 2018 nos Estados Unidos

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 3. A tragédia do euro” ou a incrível bolha cognitiva em que a Europa se fechou. Entrevista a Ashoka Mody, autor do livro económico do ano de 2018 nos Estados Unidos Entrevista conduzida

Um adeus a Carlos Tenreiro- reflexões em torno da bolha cognitiva dos tempos de agora: 3. A tragédia do euro” ou a incrível bolha cognitiva em que a Europa se fechou. Entrevista a Ashoka Mody, autor do livro económico do ano de 2018 nos Estados Unidos

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 3. A tragédia do euro” ou a incrível bolha cognitiva em que a Europa se fechou. Entrevista a Ashoka Mody, autor do livro económico do ano de 2018 nos Estados Unidos Entrevista conduzida

Um adeus a Carlos Tenreiro- reflexões em torno da bolha cognitiva dos tempos de agora: 2. Uma marcha de loucos. Por Andrew Stuttaford

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 2. Uma marcha de loucos  Recensão sobre o livro “EuroTragedy: A Drama in Nine Acts”, de Ashoka Mody (Oxford University Press) Por Andrew Stuttaford, em 26 de julho de 2018 Publicado por  em 13

Um adeus a Carlos Tenreiro- reflexões em torno da bolha cognitiva dos tempos de agora: 2. Uma marcha de loucos. Por Andrew Stuttaford

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 2. Uma marcha de loucos  Recensão sobre o livro “EuroTragedy: A Drama in Nine Acts”, de Ashoka Mody (Oxford University Press) Por Andrew Stuttaford, em 26 de julho de 2018 Publicado por  em 13

Um adeus a Carlos Tenreiro- reflexões em torno da bolha cognitiva dos tempos de agora: 1. Uma década turbulenta, por Matthew Soener

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 1. Uma década turbulenta Recensão sobre o livro de Adam Tooze, Crashed. How a Decade of Financial Crises Changed the World, Penguin Por Matthew Soener Publicado por  em 18 fevereiro de 2019  

Um adeus a Carlos Tenreiro- reflexões em torno da bolha cognitiva dos tempos de agora: 1. Uma década turbulenta, por Matthew Soener

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 1. Uma década turbulenta Recensão sobre o livro de Adam Tooze, Crashed. How a Decade of Financial Crises Changed the World, Penguin Por Matthew Soener Publicado por  em 18 fevereiro de 2019  

Um adeus a Carlos Tenreiro- reflexões em torno da bolha cognitiva dos tempos de agora: Um adeus de porta aberta às ideias, por Júlio Marques Mota

Um adeus de porta aberta às ideias Por Júlio Marques Mota em 27 de fevereiro de 2019 Quando se é velho, como é o meu caso, começa-se a ter necessidade de agarrar os fragmentos das memórias que nos restam sobre

Um adeus a Carlos Tenreiro- reflexões em torno da bolha cognitiva dos tempos de agora: Um adeus de porta aberta às ideias, por Júlio Marques Mota

Um adeus de porta aberta às ideias Por Júlio Marques Mota em 27 de fevereiro de 2019 Quando se é velho, como é o meu caso, começa-se a ter necessidade de agarrar os fragmentos das memórias que nos restam sobre

A responsabilidade da esquerda na trajetória de ascensão do neoliberalismo – algumas grelhas de leitura: 14. A leitura de Christiane Taubira – A política não é a caridade

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 14. A política não é a caridade   _____________________________________________________________________________________ Sobre Christane Taubira, sobre a sua demissão do governo PS “Porque é que Christiane Taubira decidiu deixar o governo PS” Em Franceinfo, 27 de Janeiro

A responsabilidade da esquerda na trajetória de ascensão do neoliberalismo – algumas grelhas de leitura: 14. A leitura de Christiane Taubira – A política não é a caridade

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 14. A política não é a caridade   _____________________________________________________________________________________ Sobre Christane Taubira, sobre a sua demissão do governo PS “Porque é que Christiane Taubira decidiu deixar o governo PS” Em Franceinfo, 27 de Janeiro

A responsabilidade da esquerda na trajetória de ascensão do neoliberalismo – algumas grelhas de leitura: 13. A leitura de Joana Ramiro – O Governo “engenhoca” de Portugal: há substância para além da retórica?

Seleção de Júlio Marques Mota e tradução de Francisco Tavares 13. O Governo “engenhoca” de Portugal: há substância para além da retórica?  Por Joana Ramiro Publicado por  em 27 de fevereiro de 2019   A coligação pluralista de esquerda –

A responsabilidade da esquerda na trajetória de ascensão do neoliberalismo – algumas grelhas de leitura: 13. A leitura de Joana Ramiro – O Governo “engenhoca” de Portugal: há substância para além da retórica?

Seleção de Júlio Marques Mota e tradução de Francisco Tavares 13. O Governo “engenhoca” de Portugal: há substância para além da retórica?  Por Joana Ramiro Publicado por  em 27 de fevereiro de 2019   A coligação pluralista de esquerda –

A mitologia do «dia D» ou o que realmente aconteceu na Venezuela a 23 de Fevereiro. Por AbrilAbril.

Seleção de Francisco Tavares Obrigado a José Goulão e a AbrilAbril   A mitologia do «dia D» ou o que realmente aconteceu na Venezuela a 23 de Fevereiro Publicado por , em 25 de fevereiro de 2019 Quem queimou os

A mitologia do «dia D» ou o que realmente aconteceu na Venezuela a 23 de Fevereiro. Por AbrilAbril.

Seleção de Francisco Tavares Obrigado a José Goulão e a AbrilAbril   A mitologia do «dia D» ou o que realmente aconteceu na Venezuela a 23 de Fevereiro Publicado por , em 25 de fevereiro de 2019 Quem queimou os

A responsabilidade da esquerda na trajetória de ascensão do neoliberalismo – algumas grelhas de leitura: 12. A leitura de Dani Rodrik – As escolhas da esquerda

Seleção de Júlio Marques Mota e tradução de Francisco Tavares 12. A esquerda, ou não? Por Dani Rodrik Publicado por  em 8 de janeiro de 2019 Em face do ressurgimento do populismo de direita, a relativa fraqueza da esquerda reflete

A responsabilidade da esquerda na trajetória de ascensão do neoliberalismo – algumas grelhas de leitura: 12. A leitura de Dani Rodrik – As escolhas da esquerda

Seleção de Júlio Marques Mota e tradução de Francisco Tavares 12. A esquerda, ou não? Por Dani Rodrik Publicado por  em 8 de janeiro de 2019 Em face do ressurgimento do populismo de direita, a relativa fraqueza da esquerda reflete

A responsabilidade da esquerda na trajetória de ascensão do neoliberalismo – algumas grelhas de leitura: 11. A leitura de Santiago Alba Rico – A esquerda, ou não?

Seleção de Júlio Marques Mota e tradução de Francisco Tavares Obrigado a Santiago Alba Rico e a El País 11. A esquerda, ou não? Frente à revolução neoliberal e o seu contraponto ultradireitista, a necessidade de uma travagem radical passa

A responsabilidade da esquerda na trajetória de ascensão do neoliberalismo – algumas grelhas de leitura: 11. A leitura de Santiago Alba Rico – A esquerda, ou não?

Seleção de Júlio Marques Mota e tradução de Francisco Tavares Obrigado a Santiago Alba Rico e a El País 11. A esquerda, ou não? Frente à revolução neoliberal e o seu contraponto ultradireitista, a necessidade de uma travagem radical passa