SOBRE OS LEOPARDOS QUE QUEREM BEM SERVIR BRUXELAS – DA FRANÇA, FALEMOS ENTÃO DA POLÍTICA DE HOLLANDE. – ADEUS DEMOCRACIA, ADEUS ESQUERDA; A ESQUERDA PODE MORRER – HOLLANDE, A ÚLTIMA CARTA – por PIERRE LE VIGAN

02

 Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

mapa_franca

7. Adeus Democracia, Adeus Esquerda; a Esquerda pode morrer

Leopardo - XVIAdeus Democracia, Adeus Esquerda; a Esquerda pode morrer

François Hollande - IV

HOLLANDE: a última carta

Pierre Le Vigan,

Revista Metamag, 8 de Setembro de 2014


Um amigo muito próximo de François Hollande, advogado, Jean-Pierre Mignard, disse: “a questão que é agora levantada em França, é a de de uma grande coligação, como na Alemanha, e, portanto, é necessário alterar a Constituição”. Estas palavras não aparecem por acaso no momento em que Hollande bate o recorde da impopularidade e em que as sondagens colocam Marine Le Pen no topo na primeira ronda em caso de eleições presidenciais antecipadas.

Que pode fazer Hollande?

Não fazer nada e isto é obviamente possível. Mas falta ainda mais de 2 anos para Hollande terminar o seu mandato. Será que ele pode aumentar a sua impopularidade ainda mais? Outra opção: resolver a crise por umas legislativas antecipadas. Se ele dissolve a Assembleia, a UMP ganha-a. Vantagem: François Hollande pode retomar alguma força como chefe da oposição. Mas ele não é Mitterrand em 1986, e é tarde demais para a sua recuperação. A propósito, o PS ir-se-á afundar, mais do que em 1993, sem dúvida. Reduzido a 30 ou 40 membros, ou até menos, o PS nunca perdoará a Hollande. Esta é uma desvantagem. A segunda é que o pais real se afasta cada vez mais dos seus representantes. A FN, com provavelmente 25% dos votos, talvez venha a ser novamente o primeiro partido da França, não terá, no escrutínio maioritário mais do que 10 deputados e falamos na melhor das hipóteses. A este nível de diferença, isto torna-se um problema.

Suponhamos uma outra via

Menos uma reforma da Constituição, que Hollande não está já em condições de fazer, do que uma reforma em que ele ainda tem os meios para a colocar em marcha. Uma reforma do modo de votação: representação proporcional (departamental ou regional, não importa). Uma proporcionalidade simples, sem um prémio de maioria. Para promulgar esta reforma, isto iria bem: o PS executa-a, os seus aliados, os Verdes, têm interesse assim como outras formações de esquerda, PC e melenchonistas também. No final, todos à esquerda têm interesse, e eles são a maioria na Assembleia actual. A reforma é, pois, votada talvez até mesmo com vozes centristas. Isso muda tudo. A FN e a UMP estão cotovelo contra cotovelo, lado a lado em votos, talvez até mesmo a FN seja o primeiro partido da França, como nas europeias. Mas a FN não pode governar, mesmo no cenário mais favorável, seja 150 eleitos em mais de 570. Problema: a UMP, também não pode governar sozinho. Não há aqui nenhuma questão em se aliar com a FN, especialmente com uma enorme FN. Quanto ao PS, com uma representação proporcional, não escapa a um grande revés, mas limita os seus danos, mantém 70 deputados, um pouco mais ou um pouco menos. Isto não é o desastre histórico que o espera numa votação maioritária.

Então, quem é que pode governar?

Um primeiro-ministro vindo da UMP, um Juppé, um Fillon? Sem dúvida, mas não sozinho. Resta uma outra solução. Com uma grande coligação com os socialistas a guardarem para si um terço dos ministérios, admitindo o resto destinado à UMP e aos centristas. Balanço: Holande evita o desastre aos seus colegas e amigos, sai do jogo a prazo mas tendo mudado as regras. Conhece-se-lhe a vontade, à esquerda dizendo-lhes, à FN sem nada lhes dizer, de aproximar a representação parlamentar com o país real. A FN entra em força na Assembleia, mas não pode governar. A prazo, esta é no entanto a única grande oposição, além da esquerda da Front de Gauche, a Frente de Esquerda, e muito longe atrás está a grande coligação “UMPS. Marine Le Pen tem tempo para rodar as suas equipas. A história está aberta.

________

Ver o original em:

http://www.metamag.fr/metamag-2225-Hollande–la-derniere-carte.html

 

 

Leave a Reply