PEÇO DESCULPA, O ANO LECTIVO COMEÇA DENTRO DE MOMENTOS por Luísa Lobão Moniz

olhem para  mim

O que se passa no Ministério da Educação e da Ciência? Já lá vão três semanas de aulas e ainda há imensos alunos sem aulas, uns em casa, outros distribuídos por várias turmas, ainda há milhares de professores por colocar?

Onde está a responsabilidade de quem tem nas mãos o presente de milhares de crianças e adolescentes, o presente de milhares de professores e suas famílias?

A responsabilidade não acaba quando se põem os meninos todos dentro das salas de aula com o professor para lhes ensinar!

A responsabilidade do Ministro é também uma responsabilidade social, dele vai depender a formação da sociedade.

Os pais já não acreditam em nada do que o MEC diz. Os alunos, os mais crescidos, só sabem que não têm aulas porque não há professores.

E assim a sociedade aceita que a educação seja uma coisa qualquer, sem importância de que se ouve falar quando um aluno se porta muito mal. Aí sim, movimentam-se os fazedores de opinião para dizerem “que parece impossível a escola não saber o que se passava”

A Escola sempre foi uma instituição para servir os governos, por isso, cada novo ministro, que entra para o governo, chega a fazer tábua rasa do que o ministro anterior fez.

No caso do Ministro Nuno Crato a opção é vincadamente ideológica e vira ao contrário a discriminação positiva, de que muito se pode reflectir, que em vez de “dar mais a quem tem menos”, dá mais a quem tem mais, criando escolas e turmas de élite.

O MEC quer ignorar a discriminação étnica que existe na formação de turmas. Para o Ministério da Educação estas questões sociais, pedagógicas e de Direitos Humanos não entram nas salas de reuniões aquando das assinaturas dos decretos.

Teria vergonha de ter dito que este ano lectivo abriu melhor do que o anterior, que a colocação dos professores estava a correr bem… Quando todos nós sabemos que isso não corresponde à realidade. Quando o Ministério se apercebeu de que não era bem assim o Ministro Nuno Crato veio à televisão pedir desculpa.

O que aconteceu depois deste pedido de desculpa? Sempre ouvi dizer que as desculpas se evitam.

O Senhor Ministro, que até é formado em matemática, não sabe onde está o erro do sistema!

Nestas escolas, em que ainda, nem todos os alunos têm aulas, a falta de professores não permite haver aulas de substituição. O espírito de indisciplina começa a nascer, não há quem acompanhe os alunos, assim como o espírito de impunidade, mas também com o exemplo do Senhor Ministro, não faz mal, peço desculpa…

Parece que é moda no governo pedir desculpa pelos erros cometidos. Veja-se a Justiça, depois do pedido de desculpa os tribunais começaram a funcionar, é claro que não.

O Senhor Presidente da República tem, entre outros deveres, zelar pelo normal funcionamento das instituições. Onde está o Presidente da República?

Os Direitos Humanos e os Direitos da Criança estão a ser postos em causa.

Direito ao ensino? Não basta a matrícula na escola, é preciso que a escola funcione.

O Direito à Justiça? Tem sido uma vergonha ver a maneira como são transportados os diversos processos pendentes. Onde está o normal funcionamento dos tribunais?

Parece que andamos todos distraídos? Ou será que já nos resignamos com tudo o que acontece contra o povo? Tenho medo que seja isso, porque assim estamos a abrir a porta para alguém que não respeite a Democracia que custou tanto a tanta gente.

bia 4.10

Leave a Reply