De Bragança a Macau” apresentado hoje às 18:30 na Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro de Lisboa

livrolivros22

Imagem1Editado pela Âncora Editora, o livro De Bragança a Macau, de Isaías Teles, presidente da Direcção do Núcleo de Oeiras/Cascais da Liga dos Combatentes, é apresentado hoje, 10 de Março, pelas 18:30 horas, na Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro, em Lisboa. A apresentação da obra estará a cargo do coronel José Manuel Montez.

 Esta é a história verídica de um soldado português, que conta em primeira mão as aventuras na Guerra Colonial, em Guiné, Moçambique e Angola. Segue-se a descoberta de um Portugal “novo” no pós-25 de Abril, o Verão Quente e a estabilidade democrática. Com o fim do Império, regressa, mais de 20 anos depois, aos países independentes africanos, em diferentes missões, descobrindo novas realidades, em especial na forma de viver e sentir dos povos das antigas colónias. Mais tarde, numa viagem ao Oriente, descobre Goa, Malaca e Macau, e narra o testemunho de marcos simbólicos da presença portuguesa naquelas longínquas paragens, onde os naturais mais idosos continuam a ter Portugal no coração. A obra é publicada em parceria com o Programa Fim do Império, uma iniciativa da Liga dos Combatentes, com o apoio da Câmara Municipal de Oeiras e da Comissão Portuguesa de História Militar, dando continuidade ao trabalho desenvolvido nos dois livros anteriores: O General Ramalho Eanes e a História Recente de Portugal (I Volume), de M. Vieira Pinto, e Dois Amigos, Dois Destinos, de José Alvarez.

 O autor: Isaías Teles nasceu em Bragança, em 1946, tendo efectuado os estudos secundários nos Liceus de Vila Real e Bragança. Em 1966 concluiu o curso da Academia Militar (Infantaria); em 1984 o Curso Geral de Comando e Estado-Maior; em 1994 o Curso de Auditor de Defesa Nacional. Cumpriu três comissões no Ultramar: na Guiné (1967); em Moçambique (1970-1972); em Angola (1973-1975). Em 1989 integrou a Polícia de Segurança Pública, tendo sido promovido a superintendente em 1994. Das variadas funções que desempenhou salientam-se as de comandante do Batalhão Operacional do Regimento de Infantaria de Queluz (1983-1985), comandante do Contingente da Polícia Portuguesa nas forças da ONU/CIVPOL, em Moçambique (1994), e comandante do Corpo de Segurança Pessoal da PSP (1995-1998). Foi ainda director de Segurança do primeiro-ministro (1990-1991) e de assessor do secretário de Estado da Defesa Nacional e dos Combatentes (2002/2004). É condecorado com as Medalhas de Mérito Militar de 2.ª e 3.ª Classes, Defesa Nacional de 2.ª Classe, Comemorativa das Campanhas de África, Ouro de Comportamento Exemplar, das Nações Unidas e é comendador da Ordem do Rio Branco, do Brasil.

 

Leave a Reply