A DESILUSÃO DA POLÍTICA DE AUSTERIDADE – A POLÍTICA DE AUSTERIDADE COMO RESPOSTA À CRISE É UMA GRANDE MENTIRA. PORQUE É QUE A GRÃ-BRETANHA AINDA ACREDITA NISSO? – por PAUL KRUGMAN – II

Temaseconomia1 

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

mapa-reino-unido

A desilusão da política de austeridade

A política de austeridade como resposta à crise é uma grande mentira. Porque é que a Grã-Bretanha ainda acredita nisso?

Paul Krugman

Paul Krugman, The austerity delusion-The case for cuts was a lie. Why does Britain still believe it?

The Guardian, 29 de Abril de 2015

(continuação)

desilusão - IV

Capítulo II- O momento da austeridade

Desde o início, havia mesmo muitíssima gente fortemente inclinada em se  opor à política de estímulos orçamentais e a exigir a aplicação de políticas de austeridade.  Mas eles tinham um problema: os seus terríveis avisos  sobre as consequências de se manterem as economias em défice não se concretizaram. Alguns deles foram muito  explícitos acerca da sua  frustração com a recusa dos mercados em produzir as catástrofes que eles esperavam  e que queriam que acontecessem. Alan Greenspan, o ex-presidente do Federal Reserve, em 2010: “a inflação e as taxas de juros a longo prazo, os sintomas típicos de excesso orçamental,  permaneceram notavelmente contidas. Isso é lamentável, porque significa estar a promover um sentido de complacência que pode ter consequências terríveis.”

Mas ele tinha uma resposta: “as crescentes  analogias com a  Grécia preparam  o palco para uma resposta séria.” A Grécia foi o desastre que os austerianos andavam à procura. Em Setembro de 2009 os  custos dos empréstimos de longo prazo contraídos pela Grécia eram de apenas 1,3 pontos percentuais superiores aos custos pagos pela Alemanha;  em  Setembro de 2010 essa diferença tinha sido multiplicada por sete vezes. Os austerianos, de repente, tinham  uma demonstração concreta dos perigos sobre os quais  tinham avisado. Uma dura viragem a partir dos  políticas keynesianas poderia agora ser justificada como uma medida defensiva urgente, dado o medo de que o seu país se transformasse numa outra Grécia.

Ainda aqui, o que dizer  quanto ao estado deprimido das economias ocidentais? A recessão após o rebentamento da crise atingia o seu  pico recessivo em meados de 2009, e na maioria dos  países estavam-se a verificar sinais de uma retoma mas o PIB e o  emprego estavam ainda bem longe dos valores normais verificados antes do rebentamento da  crise.  Um retorno  à austeridade não ameaçaria a retoma  ainda frágil?

Não, de acordo com muitos políticos, que se empenharam em levar à prática uma das mais tristes e mais notáveis mistificações da história do pensamento colectivo. A Macroeconomia de referência considera que cortar nas despesas públicas numa economia deprimida, sem espaço para compensar estes cortes pela redução das taxas de juros que já estavam perto do zero, seria de facto aprofundar a recessão da  economia. Mas os responsáveis políticos da Comissão Europeia, do Banco Central Europeu e do governo britânico que tomou o poder em maio de 2010 ardentemente  tomaram como seus pontos de vista o corpo teórico da economia  que pretendia mostrar exactamente o oposto.

A doutrina da “austeridade expansionista” está  amplamente associada com o  trabalho feito por Alberto Alesina, um economista de Harvard. Alesina utilizando técnicas estatísticas que supostamente identificaram todos as grandes mudanças de política orçamental  nos  países avançados entre 1970 e 2007  alega ter encontrado provas de que os  cortes  nas despesas públicas, em especial, estavam  sobretudo “associados com expansões económicas, ao invés de estarem associados a  recessões”. A razão, diz ele  e os que aderiram às teses aí defendidas, era de que  os cortes na despesa pública criam confiança, e que os efeitos positivos deste aumento na confiança seria maior que os efeitos negativos directos de redução de gastos. ”.

desilusão - V

Isto pode parecer bom demais para ser verdade – e assim foi. Mas os legisladores sabiam o que eles desejavam ouvir, de tal forma que  isto  transformou-se e foi, como escreveu Business Week, em  ” a hora de Alesina”. A doutrina da austeridade expansionista rapidamente se tornou a ortodoxia em grande parte da Europa. “A ideia de que as medidas de austeridade poderiam provocar estagnação está incorrecta,” declarou Jean-Claude Trichet, então o Presidente do Banco Central Europeu, porque “as políticas que inspiram confiança promovem, favorecem, e não prejudicam, a recuperação económica”

Além disso, toda a gente sabe  que poderiam acontecer  coisas terríveis se a dívida fosse superior ao valor limite de 90% do PIB.

Em Growth in a Time of Debt,  (Crescimento num  tempo de dívida), o agora infame documento de 2010 escrito por Carmen Reinhart e Kenneth Rogoff da Universidade de Harvard, estes autores defendem que a dívida de 90% é um limiar crítico, e este texto indiscutivelmente desempenhou um papel directo bem menor na viragem para a austeridade do que o trabalho de Alesina. Afinal de contas, os austerianos não precisavam de  Reinhart e Rogoff para apresentarem cenários terríveis sobre o que poderia acontecer se os défices não fossem travados – tinham a crise grega para o mostrar.  No máximo, o texto  de Reinhart e Rogoff fornecia um espantalho como  salva-guarda de apoio,  uma resposta para aqueles que se mantinham a defender  que nada como a história grega poderia vir a acontecer aos países que contraírem empréstimos expressos na sua própria moeda: mesmo que as taxas de juros sejam baixas, os austerianos poderiam então apontar o trabalho de  Reinhart e Rogoff e declararem  que altos níveis de  endividamento são  uma muito má situação.

O que Reinhart e Rogoff trouxeram  para o campo da austeridade foi o prestígio académico. O seu  livro de 2009, This Time is Different, assente numa  vasta gama de dados históricos sobre o assunto das crises económicas, foi amplamente elogiado quer  pelos responsáveis políticos quer pelos  economistas – eu incluído – pelos seus avisos prescientes que estávamos em risco de uma grande crise e que a recuperação dessa mesma crise corria um enorme risco de ser lenta. Consequentemente, contribuíram com o seu  enorme  prestígio para  o impulso de austeridade quando eles eram vistos nessa matéria como elementos determinantes no  debate político. (Agora afirmam  que não são nada disso,  mas o certo é que  não fizeram nada para corrigir essa impressão na altura

Quando o governo de coligação chegou ao poder, então,  todas as peças estavam no lugar para os decisores das  políticas económicas  que já estava inclinados  a aplicar  a  austeridade. A austeridade orçamental poderia ser apresentada como sendo  urgentemente necessária  para evitar uma greve de estilo grego aos compradores de títulos. ” A Grécia permanece   como um aviso do que acontece aos  países que perdem a sua credibilidade, ou cujos governos fingem  que as decisões difíceis  podem de uma maneira ou de outra serem evitadas ” declarou David Cameron logo que tomou posse. Também pode ser apresentado por “mostrar” que a austeridade  é  urgentemente necessária para impedir que a dívida, já quase em 80% do PIB, cruze a  linha vermelha dos  90%. Num  discurso de 2010 em que estabelece o  seu plano para eliminar o défice, Osborne citou Reinhart e Rogoff, pelo nome, ao declarar que ” o disparar da dívida pública… é muito provável que venha a accionar a próxima crise.” Preocupações sobre o retardar da retoma económica poderiam ser afastadas afirmou pela via do apelo  aos efeitos positivos sobre a confiança. Os economistas que se opunham a uma qualquer ou a  todas estas linhas de argumentação  eram pura e simplesmente ignorados.

Mas isto foi o que eu disse há cinco anos atrás.

desilusão - VI desilusão - VII (continua)

________

Paul Krugman,  The austerity delusion-The case for cuts was a lie. Why does Britain still believe it?.

Texto publicado em The Guardian e disponível em:

http://www.theguardian.com/business/ng-interactive/2015/apr/29/the-austerity-delusion

Follow the Long Read on Twitter: @gdnlongread

________

Para ler a Parte I deste texto de Paul Krugman, publicada ontem em A Viagem dos Argonautas, vá a:

A DESILUSÃO DA POLÍTICA DE AUSTERIDADE – A POLÍTICA DE AUSTERIDADE COMO RESPOSTA À CRISE É UMA GRANDE MENTIRA. PORQUE É QUE A GRÃ-BRETANHA AINDA ACREDITA NISSO? – por PAUL KRUGMAN – I

Leave a Reply