SINAIS DE FOGO – O AVISO QUE CHEGA DA PRAÇA SYNTAGMA – por Soares Novais

Imagem5

Escrevo esta crónica ainda antes de ser conhecido o resultado do referendo que decorreu, hoje, na Grécia. Não sei, pois, se ganhou o “sim” ou se ganhou o “não”. Mas para o que me traz aqui, pouco importa.

As malfeitorias feitas à Grécia e ao povo grego estão lá. Cravadas nas cabeças e nos corpos daqueles que caminham pelas ruas de Atenas para lado nenhum…

E são mais de um milhão, os gregos a quem os panzers do terrorismo capitalista, sob o comando da Merkel e do seu nazi ministro das Finanças, condenaram à miséria extrema.

A Grécia está ocupada há vários anos e o seu povo feito refém de terroristas globais. Terroristas que substituíram as botas cardadas, a “metralha” e as “minas” pelos “mercados”, a economia de casino, os bankgangsters e serventuários obedientes como a senhora Lagarde, o senhor Hollande ou o senhor Junker. (Apenas para dar três exemplos e sem que recorra aos homólogos bacocos nacionais).

O capitalismo, que aterrorizou o Chile livre de Salvador Allende e Pablo Neruda, que aplaudiu, financiou e protegeu o tirano Fujimori no Perú, que faz negócios com os narcotraficantes da Colômbia, que dá milhões aos neonazis que assaltaram o poder em Kiev e decretou a falência da cidade de Detroit, o pulmão industrial do EUA, quer mais sangue: a insolvência de um país. De um país que é o berço da Cultura e do Pensamento europeu.

 Desconheço a decisão do povo grego, mas sei que a história não absolverá os tecnocratas ao mando da ordem criminosa que domina o mundo.

Os povos sempre resistiram e lutaram contra os tiranos. Mesmo que muitos de nós tenham ficado pelo caminho e o mundo ainda oiça os gritos de dor e revolta das mães da “Praça de Maio”. De todas as mães de todas as praças de Maio.

Há sempre quem resista, há sempre quem diga não. Mesmo que o faça à custa da sua própria vida. Como o farmacêutico Dimitris Christoulas, que se suicidou em plena Praça Syntagama, e que em carta avisa:

Eu acredito que a juventude sem futuro brevemente se erguerá [literalmente: “empunhará armas”] e enforcará todos os traidores nacionais de cabeça para baixo, como os Italianos fizeram a Mussolini em 1945 .”

  A tempo: Eis a carta de Dimitris Christoulas na íntegra:

“O governo de ocupação aniquilou-me literalmente qualquer possibilidade de sobrevivência dado que o meu rendimento era inteiramente proveniente de uma pensão que eu, sem qualquer apoio de ninguém nem do Estado, financiei durante 35 anos. Porque a minha idade me impede de assumir uma acção radical (se não fosse isso, se um cidadão decidisse lutar com uma Kalashnikov, eu seria o primeiro a segui-lo), não me resta nenhuma solução excepto colocar um fim decente à minha vida antes de ser forçado a procurar comida nos caixotes do lixo e de ser um peso para os meus filhos. Eu acredito que a juventude sem futuro brevemente se erguerá [literalmente: “empunhará armas”] e enforcará todos os traidores nacionais de cabeça para baixo, como os Italianos fizeram a Mussolini em 1945 .

[Piazzale Loreto, Milão]”.

1 Comment

  1. O sim perdeu e com ele todos os lacaios, incluindo todo o nosso governo, p.r. (com letra pequena ) todos os fascistas encapuçados ou não e alguma oposição da dita esquerda moderada.Vivam todos os povos insubmissos.

Leave a Reply