REVISTA DA SEMANA por Luís Rocha

revista semana

Revista da semana

De 11/10 a 17/10/2015

O “Partido comunista português” FOI O VENCEDOR DAS ELEIÇÕES LEGISLATIVAS 2015?

A minha dúvida baseia-se na apreciação que durante a semana fui fazendo, sobre as chamadas “negociações” entre os diferentes partidos na tentativa de se encontrar uma solução de Governo.

A coligação PSD/CDS (PAF) foi afirmando que o “PS” nada tinha para propor nas reuniões que fizeram. O “PS” afirma que a coligação não está interessada em negociar, o que não acontece, como diz, com o “PCP” e o “BE”.

Entretanto no “PS” e mesmo no “BE” há quem não esteja de acordo com um governo liderado por António Costa com o apoio parlamentar do “PCP” e do “BE”. Como o entendimento está difícil a coligação (PAF) o PS e o BE tentam apoios externos no Parlamento Europeu. O “PCP” não vai a jogo externo dado que não tem apoio nessa área.

Sexta-feira o “PCP” e o “BE” reuniram no Parlamento e as declarações finais põem a nu a posição real destes partidos, face a um eventual acordo com o “PS”.

O “PCP” através de Jerónimo de Sousa foi muito claro nas suas declarações aos jornalistas conforme noticiado por Paulo Paixão / Expresso sapo (2015/10/16) Foto de Mário Cruz/Lusa

“o secretário-geral do PCP diz que para já o seu partido só viabiliza um Governo do PS, mas nada mais”

Quanto a um entendimento à esquerda que vá além da posse de um Governo do PS, Jerónimo de Sousa meteu gelo na discussão, afirmando que o “caminho não é fácil”, pois os três partidos partem de “programas e pressupostos diferentes”.

Lembrou ainda que, na campanha eleitoral, o “PCP sempre manifestou “a distância a que o programa do PS está da rutura com as políticas da direita”.

Ler em: http://expresso.sapo.pt/politica/2015-10-16-Jeronimo-Nada-impede-o-PS-de-formar-Governo-e-entrar-em-funcoes-

As declarações do “BE” foram de um “acordo possível entre aspas”  conforme noticiado por Rosa Pedroso Lima/Expresso sapo (2015/10/16) Foto de Nuno Botelho

A porta-voz do BE disse estar “confiante” na formação de um Governo de esquerda e defendeu que haverá estabilidade no Executivo “se houver estabilidade na vida das pessoas”

As negociações estão bem encaminhadas e nós estamos determinados”, disse Catarina Martins sobre as conversações com o PS.

Ler em: http://expresso.sapo.pt/politica/2015-10-16-Catarina-Martins-As-negociacoes-com-o-PS-estao-bem-encaminhadas

Por estas declarações se pode depreender a postura “RADICAL” do “PCP” “o secretário-geral do PCP diz que para já o seu partido só viabiliza um Governo do PS, mas nada mais”.

A mim não me surpreende e muito menos (presumo) a “António Costa”. Com esta declaração o “PCP” anuncia-se como o partido vencedor ao fazer depender dele “no parlamento” as decisões que decidir tomar, de acordo com as propostas a apresentar pelo eventual governo liderado por António Costa. Ou seja só passa o que o “PCP” quiser, dado que o “PS” com o “BE” não conseguem maioria.

O “PS” já sabe com o que contar e, a haver uma maioria que apoie um governo liderado por António Costa, tudo aponta desde logo para a inviabilidade de aprovação de um orçamento para 2016, com o total apoio do “PCP”. Deste modo ficaríamos sem Orçamento e a alternativa teria de ser a de um “governo de gestão” até haver novas eleições.

O “PCP” assume-se assim como o VENCEDOR desta eleições legislativas, com um duplo objectivo:

Não havendo governo efectivo (só de gestão) durante mais de 6 meses, significa que a política de austeridade continua (dado que teremos um orçamento por duodécimos com base no orçamento de 2015), trazendo descontentamento aos portugueses e assim poder incentivar movimentação de massas e apoio a “greves”. Ao mesmo tempo joga no descontentamento dos portugueses na perspectiva de, nas eleições que se seguem, ir buscar votos ao “PS” e ao “BE”. Ao “BE” dado que entende que o resultado conseguido veio de eleitores do “PS” e ao “PS” que o “PCP” considera o principal inimigo por fazer uma política de “direita”.

Na minha opinião António Costa conhece bem o “PCP” e na expectativa deste eventual cenário aposta no efeito contrário ou seja: Em eleições futuras o grande derrotado seria o “PCP”, conseguindo assim o “PS” e o “BE” obter uma maioria absoluta, com condições de governabilidade.

Quanto à escolha do governo, Cavaco e Silva vai fazer o que desde o princípio se sabe ou seja nomear Passos Coelho.

Sobre o tema leia-se o artigo de João Pedro Henriques e Manuel Carlos Freire/DN (15/10/2015)

Cavaco dá posse a Costa só depois de Passos cair

GERARDO SANTOS/ GLOBAL IMAGENS

Presidente da República vai seguir a “via-sacra” toda até haver um governo estável. Se, é claro, houver acordo à esquerda

Cavaco Silva – que vai chamar os partidos a Belém na próxima terça–feira – só aceitará indigitar António Costa como primeiro-ministro se Passos Coelho vir o seu programa de governo chumbado pela Assembleia da República, observou ontem um elemento da Casa Civil do Presidente da República ouvido pelo DN.[…]

Para o chefe do Estado, adiantou a referida fonte, apenas contará o que António Costa procura garantir à esquerda: um governo com apoio estável no Parlamento e respeito pelos compromissos internacionais de Portugal.[…]

Um consultor do Presidente da República para os assuntos económicos, João Borges de Assunção, assumiu ontem publicamente, numa conferência universitária, não ver grande dramatismo na formação de um governo apoiado na esquerda parlamentar. “Não parece ser exatamente igual àquilo que é o primeiro governo [grego] do Syriza, seria sempre um governo mais moderado do que o Syriza, mesmo que viesse a ter o apoio de entidades parecidas com o Syriza [BE e PCP]”, disse o economista, citado pela Antena 1. E “a nossa situação financeira não é tão má como a da Grécia”.[…]

Ler em: http://www.dn.pt/portugal/interior/cavaco_da_posse_a_costa_so_depois_de_passos_cair_4835236.html?eg_sub=0227b1aeab&eg_cam=7da60f81f5741f611ad415cbbe9e38c2&eg_list=3

Para responder a algumas preocupações manifestadas pelo Presidente da República, alguns sectores de actividade económica, social e financeira e portugueses em geral, como tem sido noticiado pela comunicação social, sexta-feira (16/10/2015) em entrevista no Jornal das 8 horas da TVI a António Costa, o mesmo esclareceu a sua posição conforme noticiado por João Pedro Henriques/DN (2015/10/16)

Costa diz que quer acordo à esquerda “para quatro anos”

António Costa ao chegar aos estúdios da TVI  |  JORGE AMARAL/GLOBAL IMAGENS

As negociações do PS com o PCP e com o BE “estão a correr bem” mas “é prematuro dizer que vão acabar bem”, afirmou esta noite o líder dos socialistas.

Entrevistado na TVI, António Costa deixou claro que na sua perspetiva o que está em causa nas negociações é fazer um programa de Governo. “Estamos a trabalhar num programa de Governo e um programa de Governo é para quatro anos.”[…]

Costa avisou ainda o PCP e o BE que “não é possível fazer tudo o que desejávamos num ano”. Socialistas, comunistas e bloquistas estão a “analisar os impactos” orçamentais das várias propostas em cima da mesa e acrescentou que isto deve ser feito no respeito “pela trajetória do défice e da dívida com que Portugal se comprometeu”. Assim, para cada medida que aumenta despesa ou que diminui receita é preciso pensar em “compensações”.

“Aquilo em que assentamos foi em não pôr em causa compromissos europeus”, reforçou ainda. E no PCP e no BE encontrou “parceiros com boa vontade e seriedade” – ao contrário das conversas com a coligação PSD/CDS, que até agora correram “mesmo muito mal”.[…]

O líder socialista disse que pelo teor das conversas com Passos e Portas percebeu há “surpresas desagradáveis” em perspectiva nas contas públicas. Recusou-se no entanto revelá-las, por respeito à confidencialidade dessas conversas. Mas, acrescentou, “os portugueses hão-de saber”.

Quanto às críticas internas no PS, achou “legítimas” as “perplexidades, dúvidas e receios” visto que, no diálogo entre o PS, o PCP e o BE se está “a acabar com um tabu de 40 anos”. “Levarei as conclusões [do acordo com a esquerda] aos órgãos do partido”, disse.

Ler em: http://www.dn.pt/portugal/interior/costa_diz_que_quer_acordo_a_esquerda_para_quatro_anos_4839181.html

Como se depreende  tudo está em aberto e como diz Vasco Lourenço, citado em artigo de Maria João Lopes/Público (15/10/2015)

Vasco Lourenço apela a democratas: solução implica abdicar de algumas ideias

O capitão de Abril não conhece alguém “menos fiável” do que “os dois aldrabões que estão à frente da coligação de direita”.

Vasco Lourenço, presidente da Associação 25 de Abril FOTO: DANIEL ROCHA

Num longo texto intitulado O Fantasma da Fonte Luminosa anda por aí…, o presidente da Associação 25 de Abril, Vasco Lourenço, lança um “apelo a todos os democratas” para que prescindam de algumas ideias e, em conjunto, encontrem “uma solução alternativa estável”.

“Prescindam de parte das vossas ideias, dos vossos interesses, dos vossos projectos! Sejam capazes de abdicar de algo, para irem ao encontro dos outros e, em conjunto, encontrarem uma solução alternativa estável às que já demostraram não servirem para o bem dos portugueses”, escreve.[…]

Sobre o resultado das eleições legislativas de 4 de Outubro que não deram a maioria absoluta à direita, Vasco Lourenço considera que foram “uma primeira reacção dos portugueses” que demonstraram, “num primeiro aviso, que estão fartos, que basta”, que aqueles que “levaram ao ‘estado a que isto chegou’ têm de sair de cena”. Os portugueses estão, argumenta, a dizer “aos responsáveis que têm de encontrar outras soluções, outros caminhos”.

Ler em: http://www.publico.pt/n1711312

Conhecidos os Resultados Eleitorais das legislativas de 2015, continua a apresentação ou formalização das candidaturas à Presidência da República (Janeiro de 2016).

Para além das já formalizadas (Henrique Neto e Sampaio da Nóvoa e Marcelo Rebelo de Sousa) esta semana foram as de Maria de Belém e de Edgar Silva

A hora de Maria (Texto de Luís M Faria e Foto de António Pedro Ferreira- Expresso sapo -13/10/2015)

Ministra da Saúde e da Igualdade no tempo de Guterres, antes e depois ocupou uma variedade de lugares, muitos deles discretos. Incluindo uma passagem por Macau. Agora é candidata à Presidência da República. Lembramos o seu percurso, republicando um texto do Expresso Diário de 18 de agosto

Maria de Belém Roseira, agora candidata à presidência da República, fez 66 anos em julho. Natural do Porto, vem de uma família com uma tradição de mulheres fortes, incluindo uma bisavó a quem a viuvez prematura tinha deixado com responsabilidades de líder. A avó e a mãe da futura ministra também valorizavam a independência, mesmo quando se viam limitadas à educação que era tradicional dar às meninas na época. Na segunda metade do século XX já era relativamente normal uma rapariga frequentar a universidade, e Maria de Belém foi estudar direito para Coimbra. A alternativa era medicina, mas ela achou que podia haver situações delicadas relacionadas com o facto de ser mulher.[…]

Direito, portanto. Apanhada em cheio pela crise académica de 1969, a estudante manteve-se à parte; sobretudo, disse mais tarde, por desconfiar do modo como os movimentos coletivos podiam ser manipulados.[…]

QUATRO ANOS NA PASTA DA SAÚDE

Regressada a Portugal, vai para a Santa Casa da Misericórdia, onde chega a vice-provedora, com os pelouros da Saúde e da Ação Social. Na altura governava o PSD (o convite partiu da ministra Leonor Beleza), o que ilustra a sua vontade declarada de não aceitar nomeações que dependam estritamente do seu partido. Torna-se também delegada do IPO de Lisboa. A seguir é eleito António Guterres, e Maria de Belém é escolhida para ministra da Saúde, cumprindo quatro anos nesse lugar.[…]

VOLUNTARIADO E CONFLITO DE INTERESSES

Uma parte dessas atividades são em voluntariado, explicando Maria de Belém que a vida remunerada não chega quando se quer dar aos outros. De sinal oposto é a polémica que a envolveu por ter aceite ser consultora da Espírito Santo Saúde ao mesmo tempo que presidia à Comissão Parlamentar da Saúde. O argumento de que é essencial adquirir experiência prática fora da vida pública, também invocado por muitos deputados que se mantém como advogados durante o mandato, não basta para afastar a acusação sobre um conflito de interesses que parece óbvio, para não dizer flagrante.[…]

[Texto publicado no Expresso Diário de 18 de agosto de 2015]

Ler toda a notícia em: http://expresso.sapo.pt/politica/2015-10-13-A-hora-de-Maria

Edgar Silva: “É possível um outro Portugal e está nas nossas mãos alcançá-lo”  Expresso sapo e foto de Marcos Borga (2015/10/15)

Num discurso ligado aos valores de Abril, o candidato comunista à Presidência da República declarou esta quinta-feira de tarde, durante o lançamento da sua candidatura, que é “inaceitável” a “perversa desigualdade económica” e a “degradação social”

Nos últimos anos intensificou-se o ataque à democracia e à soberania nacional. É tempo de virar a página”, afirmou na tarde desta quinta-feira Edgar Silva, num hotel em Lisboa, durante o lançamento da sua candidatura a Belém.

O candidato comunista à Presidência da República lamentou o aprofundamento das injustiças sociais e a corrupção, defendendo um novo caminho para o país. “Conhecemos esta trajetória de descaracterização do regime democrático, de ataque à soberania e independência nacionais. Este é um rumo inaceitável”, declarou.[…]

 “Como candidato a Presidente da República e como Presidente da República, defenderei um outro rumo para Portugal que comporte a valorização do trabalho e dos trabalhadores, de afirmação dos seus direitos, que combata a precariedade e o desemprego, um rumo que tenha no aumento dos salários, na elevação do poder de compra, um factor decisivo de justiça social e de contribuição incontornável para reduzir as desigualdades na distribuição do rendimento.”

Ler em: http://expresso.sapo.pt/politica/2015-10-15-Edgar-Silva-E-possivel-um-outro-Portugal-e-esta-nas-nossas-maos-alcanca-lo-1

Sobre a informação que recolhi na área da situação económica e financeira do País, selecionei os artigos que se seguem:

Afinal somos mais pobres que os gregos – Artigo do DN   e AP PHOTO/HIDAJET DELIC(15/10/2015)

A riqueza por adulto em Portugal é 7500 dólares inferior à da Grécia

Os portugueses são afinal ainda mais pobres do que os gregos. Segundo o relatório anual sobre a riqueza mundial do Credit Suisse, a riqueza por adulto em Portugal é atualmente de 73 843 dólares (cerca de 64 923,2 euros), enquanto a dos gregos atinge 81 342 dólares (71 516,4 euros), ou seja, quase mais 7 500 dólares (6 600 euros).[…]

Nos últimos 15 anos a riqueza por adulto em Portugal cresceu 53,8%, abaixo do crescimento da riqueza do país, que foi de 68,3%. No último ano, a queda foi de 17,5%. Ainda assim há 51 mil milionários no país, mais mil do que na Arábia Saudita.

A nível mundial a riqueza recuou no último ano 13 biliões de dólares, cabendo à Europa a parte de leão. Mas a classe média ficou duas vezes mais rica desde 2000.

Ler mais em: http://www.dn.pt/dinheiro/interior/afinal_somos_mais_pobres_que_os_gregos_4835595.html?eg_sub=0227b1aeab&eg_cam=7da60f81f5741f611ad415cbbe9e38c2&eg_list=3

Entretanto e de acordo com a publicação no expresso sapo de 15/10/2015,

Novo crédito ao consumo aumentou 27,3% em agosto para €389 milhões

Em termos acumulados, desde janeiro até agosto, o total é de 3,17 mil milhões de euros emprestado para a aquisição de bens e serviços de consumo

Os novos contratos de crédito ao consumo aumentaram 27,3% em agosto para 389,4 milhões de euros, face ao mesmo mês do ano passado, apesar de haver um recuo se a comparação for feita com o mês de julho.[…]

Segundo os dados agregados pelo banco central, em agosto foram concedidos 389,413 milhões de euros em crédito ao consumo, mais 27,3% do que no mesmo mês do ano anterior, sendo que a contribuir para o aumento esteve sobretudo o crédito para a compra de automóveis, que avançou 46,31% para 101,094 milhões de euros. Ou seja, em agosto, cerca de um quarto do dinheiro emprestado foi destinado à compra de carro.[…]

Ler em: http://expresso.sapo.pt/economia/2015-10-15-Novo-credito-ao-consumo-aumentou-273-em-agosto-para-389-milhoes

CONCLUINDO EU DIRIA QUE, EM ANO DE ELEIÇÕES, O tempo das “vacas gordas” está de volta

Ao mesmo tempo o “papão” da Banca continua a ser alimentado, directa ou indirectamente, pelos portugueses que em nada participaram na sua gestão.

Leia-se o artigo de Cristina Ferreira/Publico (12/10/2015)

Ajudas do Estado à CGD, Novo Banco e Banif ensombram novo Governo

Futuro da CGD e forma de suprir eventuais falhas de capital assumem-se como desafios de peso, a par da venda do Novo Banco e da posição no Banif.

Pedro Passos Coelho já defendeu a privatização da CGD PAULO PIMENTA

A sustentabilidade da banca portuguesa é um dos pontos que poderão vir a marcar a agenda financeira e política do próximo Governo, se este for chamado a pronunciar-se sobre a capitalização do sector, em particular, das instituições a operar na esfera estatal. Um tema sensível, por exigir envolvimento de dinheiro público, e que pode recuperar para a mesa das negociações a privatização da CGD, o que vai colocar uma linha vermelha no consenso entre blocos partidários.

Quando o novo primeiro-ministro chegar a São Bento, vai encontrar na sua secretária vários “barris de pólvora”. Um deles esconde a capitalização da banca portuguesa, em particular a da CGD e do Novo Banco, mas também a reestruturação do Banif, onde o Estado é, desde Dezembro de 2012, o accionista maioritário. Os três dominam cerca de 40% do mercado e a sua relação com o tesouro não é igual. A CGD é 100% pública. Já o Novo Banco e o Banif foram resgatados e aguardam por um comprador, mas, enquanto não transitarem para o domínio privado, terá de ser o Estado a garantir a sua solidez.

Nos últimos três anos, o anterior executivo PSD/CDS-PP aplicou directa e indirectamente quase 6000 milhões de euros nas três instituições. E analistas admitem novas ajudas da ordem dos 2500 milhões.[…]

O perigo de o “barril” detonar existe, portanto. Mas não há quem o queira discutir. Ao aceitar assumir por conta e risco o dossier BES/Novo Banco, apesar de seguir decisões governamentais (recusa em recapitalizar o BES via linha da troika, o modelo de resolução adoptado e a tentativa falhada de venda antes das eleições), o governador do BdP, Carlos Costa, deu a Passos Coelho o álibi perfeito para o Governo controlar os danos. 

Por sua vez, o PS, o BE e o PCP não se sentem responsáveis nem pela origem dos problemas que levaram ao colapso, nem pela falta de supervisão e de acção atempada das autoridades para evitar a falência do BES, nem pelo desenho do resgate. E fogem do tema como o diabo da cruz.[…] 

Ler todo o artigo em: http://www.publico.pt/n1710838

Outra preocupação é a noticia da RR (13/10/2015)

Malparado das famílias e empresas bate novo recorde

Valor ultrapassa a barreira dos 19.000 milhões de euros, segundo o Banco de Portugal.

O crédito malparado das famílias e das empresas subiu em Agosto, ultrapassando a barreira dos 19.000 milhões de euros. Este novo recorde representa mais de 9% do total dos empréstimos concedidos.

De acordo com números divulgados pelo Banco de Portugal, em Agosto o total de empréstimos concedidos pela banca tanto às famílias como às empresas ascendia a 205.485 milhões de euros, dos quais 19.098 milhões de euros são considerados crédito de cobrança duvidosa, o equivalente a 9,29% do total dos empréstimos.[…]

Ler todo o artigo em: http://rr.sapo.pt/noticia/36721/malparado_das_familias_e_empresas_bate_novo_recorde

A nível internacional merece também uma leitura e reflexão o artigo de Félix Ribeiro/ Público (11/10/2015)

A gigante, incerta e secreta viragem económica dos EUA para a Ásia

O acordo de comércio livre assinado entre os Estados Unidos e 11 países do Pacífico é a grande jogada económica de Obama para contrariar a galopante afirmação da China na região. Mas Washington arrisca graves prejuízos sociais a troco de pouco sucesso político.

Fábrica em Hanói, no Vietname KHAM/REUTERS

O acordo da Parceria do Trans-Pacífico, ou TPP, como ficou conhecido, é simultaneamente o maior projecto de livre comércio das últimas décadas e a grande jogada de poder dos Estados Unidos na Ásia.

Começou a ser negociado em segredo há cinco anos, mas só na última segunda-feira é que os 12 países signatários chegaram a acordo. Juntos, representam 40% de toda a riqueza no mundo e um quarto do comércio global. No melhor dos casos, este acordo de livre comércio pode ser um importante motor de transformação democrática na Ásia, de protecção do ambiente no Pacífico e de prosperidade para a região. Mas o contário é também possível.[…]

Frente contra a China

É ao mudar as regras do jogo que os Estados Unidos se querem impôr na Ásia e contrariar o poder chinês. “Se não escrevermos as regras, será a China a escrever”, disse Barack Obama. O seu chefe militar, o secretário da Defesa, Ash Carter, que está a reposicionar as peças militares no Pacífico com os olhos postos na China, pôs a importância do TPP noutros termos. “É tão importante para mim como um novo porta-aviões.”[…]

Ler todo o artigo em: http://www.publico.pt/n1710763

Quanto à política internacional destaco o seguinte:

Parlamento grego aprova novo pacote de medidas para viabilizar empréstimo (PÚBLICO 17/10/2015)

Partidos do governo passaram lei que mereceu os votos contra dos três partidos que em Agosto se mostraram a favor de um novo programa.

O ministro das Finanças, Euclides Tsakalotos, com Alexis Tsipras na sessão parlamentar de sexta. REUTERS/MICHALIS KARAGIANNIS

As medidas exigidas pelos credores a Atenas para validar um novo empréstimo externo foram aprovadas nas primeiras horas deste sábado, no Parlamento grego.

Uma semana depois de receber um voto de confiança, o segundo governo liderado por Alexis Tsipras levou ao Parlamento um pacote de medidas de austeridade que apenas recebeu os votos favoráveis dos partidos no poder, Syriza e Gregos Independentes, sendo que as restantes forças partidárias votaram contra.[…]

Ler todo o artigo em: http://www.publico.pt/n1711472

A FOTO REVELA A DISPOSIÇÃO DE QUEM ENGOLIU UM SAPO.

COMO VAI SER EM PORTUGAL? – Aguardemos

Sobre a situação na Síria vejamos o artigo de Patricia Viegas/DN (17/10/2015)

Com ajuda russa, Exército de Assad avança sobre Aleppo

Imagem de ataque aéreo russo contra o Estado Islâmico na Síria   |  EPA – MINISTÉRIO DA DEFESA RUSSO

Presidente francês François Hollande avisa: “Intervenção russa não salvará al-Assad”

Apoiado pela aviação russa, por centenas de membros das milícias do partido xiita libanês Hezbollah e por soldados iranianos, o exército sírio lançou ontem uma ofensiva para recuperar aos opositores do regime o controlo de Aleppo, a segunda maior cidade do país.

Entre os alvos estão grupos que vão desde a oposição secular ao regime de Bashar al-Assad aos jihadistas do Estado Islâmico, sendo que estes últimos fizeram grandes avanços nos últimos meses, constituindo eles próprios um grande desafio para os restantes grupos de opositores no terreno.

Esta campanha do exército sírio foi coordenada com os bombardeamentos feitos pela Rússia, que começaram a 30 de setembro. Também a coligação internacional liderada pelos EUA tem feito ataques aéreos contra o Estado Islâmico na Síria ao longo do último ano. E Israel também já visou alvos sírios durante estes quatro anos de guerra civil. Esta situação fez que o espaço aéreo sírio registasse uma movimentação acima do normal e aumentou o risco de incidentes.[…]

Ler todo o artigo em: http://www.dn.pt/mundo/interior/com_ajuda_russa_exercito_de_assad_avanca_sobre_aleppo__4838880.html?eg_sub=0227b1aeab&eg_cam=34ef062f28a3454920b72b182401a739&eg_list=3

Ao mesmo tempo a

Turquia rejeita acordo com a UE sobre refugiados sem ter perspectiva de adesão – Artigo de Ana Gomes Ferreira/Publico (16/10/2015)

No terreno, a situação humanitária também se agrava: Hungria fecha mais uma fronteira, com a Croácia; guarda búlgara mata afegão.

Erdogan já conseguiu uma pequena cedência de Merkel MOHAMED ABD EL-GHANY/REUTERS

O plano de acção conjunto entre a União Europeia e a Turquia, anunciado no final da cimeira de Bruxelas dedicada aos refugiados, não passa de “um projecto”, disseram os governantes turcos, que rejeitaram todos os pontos propostos. Se num primeiro momento a Turquia fez exigências para colaborar, agora foi bastante mais longe, com as palavras do Presidente Recep Erdogan a assemelharem-se a um ultimato: ou a Europa aceita os termos de Ancara, ou fica por sua conta e a braços com cada vez mais refugiados.

“A segurança e a estabilidade do Ocidente e da Europa estão relacionadas com a nossa segurança e estabilidade. Nas conversações de Bruxelas aceitaram-no. [A segurança e a estabilidade] não pode acontecer sem a Turquia. E se não pode acontecer sem a Turquia, porque não aceitam a Turquia na União Europeia? O problema é claro, mas eles não estão abertos e dizem que fizeram um erro” ao integrar a Turquia na NATO, disse esta sexta-feira o Presidente turco numa conferência de imprensa. Erdogan considera que a Europa “acordou tarde” para duas realidades: os refugiados e o papel essencial da Turquia.[…]

À mesa das negociações, os refugiados são usados como moeda de troca política. No terreno, a sua situação também piora — apesar de novos apelos do Governo de Berlim para que surja uma resposta conjunta para um problema comum, e para que sejam acelerados o registo e redistribuição dos refugiados nos pontos de chegada, os países continham a responder isoladamente, pela força e com o encerramento de fronteiras[…].

Ler  todo o artigo em: http://www.publico.pt/n1711409

Irão mostra base militar subterrânea com mísseis “prontos para serem lançados” (PÚBLICO 15/10/2015)

Inédita demonstração de arsenal bélico visa tranquilizar os responsáveis que se opõem ao acordo sobre o programa nuclear do país.

Teerão garante que não vai dar o primeiro passo para começar uma guerra IRINN/AFP

O Exército do Irão fez uma inédita demonstração do seu arsenal de mísseis, num vídeo transmitido pela televisão estatal do país. Nas imagens vê-se um gigantesco túnel onde estão estacionados vários lança-mísseis, que podem ser usados “se os inimigos cometerem um erro”.

A transmissão das imagens indica que as autoridades políticas e militares querem tranquilizar os deputados e outros responsáveis que se opõem ao acordo sobre o programa nuclear do país, aprovado no Parlamento na terça-feira – e surgem na mesma semana em que o Irão testou um novo míssil de longo alcance.[…]

Amir Ali Hajizadeh, que é o comandante da divisão aeroespacial dos Guardas da Revolução, disse também que os mísseis estão “prontos para serem lançados”, bastando uma ordem do supremo líder, o ayatollah Ali Khamenei.[…]

Ler em: http://www.publico.pt/n1711239

Entretanto e talvez porque agora o momento é mais adequado face às tensões criadas

Vídeo: Investigação mostra MH17 a ser abatido por míssil russo

Artigo de Edgar Caetano/Observador – Agência Lusa (13/10/2015)

Investigadores internacionais concluíram que o avião, com o código de voo MH17, foi abatido por um míssil BUK, de fabrico russo. Empresa russa que faz os BUK nega qualquer envolvimento no caso.

EMMANUEL DUNAND/AFP/Getty Images

Investigadores internacionais concluíram que o avião da Malaysian Airlines, com o código de voo MH17, foi abatido por um míssil BUK, de fabrico russo, disparado do leste da Ucrânia. A confirmação oficial surgiu esta terça-feira mas, ao contrário do que dizia a imprensa holandesa esta manhã, o relatório não chega ao ponto de dizer que rebeldes pró-russos não estariam formados para operar o míssil e que poderia ter havido elementos russos a ajudar no disparo.

O relatório oficial sobre a queda do avião na Ucrânia, a 17 de julho de 2014, que provocou a morte de 298 pessoas, foi oficialmente apresentado hoje pela comissão Dutch Safety Board (DSB), 13 de outubro de 2015. Com um vídeo em que é reconstruído o que aconteceu.

A apresentação, que contou com a reconstrução possível do avião, esteve a cargo de Tjibbe Joustra, holandês que liderou a investigação ao acidente com o avião que descolou de Amesterdão e seguia para Kuala Lumpur. Joustra criticou o facto de não se ter “reconhecido o risco do conflito armado no terreno” e não se ter fechado o espaço aéreo ucraniano.

“Ninguém se preocupou com a possível ameaça para a aviação civil”, acusa Joustra.

O DSB divulgou este vídeo que ilustra aquilo que os investigadores acreditam que aconteceu. O vídeo foi mostrado na apresentação desta terça-feira e chegou agora ao Youtube. Esta versão está narrada em inglês, com legendas em russo.

Ler todo o artigo em: http://observador.pt/2015/10/13/aviao-da-malaysian-airlines-foi-abatido-por-missil-russo/

Livros e discos

Garth Risk Hallberg é a estreia literária mais aguardada dos últimos anos. Quem? – Artigo de Isabel Lucas/Público (10/10/2015)

A estreia literária mais aguardada dos últimos anos: o autor recebeu dois milhões de dólares para escrever o primeiro romance. City on Fire, Cidade em Chamas na edição portuguesa, é lançado esta semana nos EUA e chega a Portugal a 10 de Novembro. Passa-se em Nova Iorque nos 70s.

MARK VESSEY

Terá sido a guerra de direitos mais disputada dos últimos anos, e seguramente a maior para um primeiro romance.

Desde que se soube que em 2011 a norte-americana Knopf pagara dois milhões de dólares antecipados a Garth Risk Hallberg, um crítico e ensaísta, pelo que na altura era apenas o projecto de um romance que a curiosidade sobre o que aí vinha disparou, com editor e autor a gerirem as atenções de forma muito discreta, deixando apenas sair o suficiente para manter o apetite bem alto. Sabia-se que o romance se chamava City on Fire, que teria cerca de mil páginas e se passava na efervescente Nova Iorque dos anos 1976 e 1977, depois de um crime e sob o efeito do célebre blackout de Julho de 1977.[…]

O romance está pronto, tem 900 páginas no original, e vai ser lançado na terça-feira, dia 13, na livraria Greenlight, em Brooklyn, depois de ter feito capa da mais recente edição do Sunday Book Review, do New York Times. Depois dos Estados Unidos, Inglaterra e Holanda, Portugal será o quarto país a publicar City on Fire, Cidade em Chamas, uma edição da Teorema com tradução Tânia Ganho.[…]

Começa assim: “Uma árvore de Natal vinha a subir a Décima primeira Avenida. Ou melhor, a tentar subir; tendo-se emaranhado num carrinho de compras que alguém abandonara na passadeira, estremecia, eriçava-se e ofegava, prestes a pegar fogo. Ou, pelo menos, foi essa a sensação que Mercer Goodman teve, enquanto se esforçava por resgatar a coroa da árvore na grelha amolgada do carrinho. Ultimamente, tudo estava por um fio.”[…]

Ler mais em: http://www.publico.pt/n1710744

Em Portugal

António Tavares vence Prémio LeYa – Artigo de Alexandra Simões de Abreu/Expresso sapo (13/10/2015)

Angolano de 55 anos, vice-presidente da Câmara da Figueira da Foz, vence com o livro “O Coro dos Defuntos”. […]

Em 2013, recebeu uma menção honrosa no prémio Alves Redol, atribuído pela Câmara de Vila Franca de Xira, com a obra “O Tempo Adormeceu sob o Sol da Tarde” (não publicado). Nesse mesmo ano, foi finalista do Prémio LeYa com “As Palavras que me Deverão Guiar um Dia”.[…]

O premiado foi seleccionado por um júri presidido por Manuel Alegre e composto pelos escritores Nuno Júdice, Pepetela e José Castello, e ainda por José Carlos Seabra Pereira (ensaísta e professor da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra), Lourenço do Rosário (reitor do Instituto Superior Politécnico e Universitário de Maputo) e Rita Chaves (professora da Universidade de São Paulo). O anúncio foi feito esta manhã, em Alfragide, na sede do grupo editorial.[…]

António Tavares, que foi eleito por unanimidade, ganha 100 mil euros e terá direito à publicação do livro agora distinguido.

Ler mais em: http://expresso.sapo.pt/cultura/2015-10-13-Antonio-Tavares-vence-Premio-LeYa

David Fonseca, agora em português

Artigo de Pedro Dias de Almeida (texto) José Carlos Carvalho (foto) 16/10/2015

Em Futuro Eu, o ex-vocalista dos Silence 4 apresenta 12 novas canções, à procura do lado mais pop e sincero da sua língua materna. Para a escrita das letras, o músico de Leiria obedeceu a duas regras básicas que pendurou na parede da casa de Peniche (outrora habitada pelos avós) onde se isolou para trabalhar no disco:

“1-Não cantar poesia 2-Não cantes nada que não digas.”

Primeiro estranha-se, depois…

Ler em: http://visao.sapo.pt/david-fonseca-agora-em-portugues=f833461#ixzz3orbbtft5

Júpiter como nunca vimos: em ultra-alta-mega-hiper definição – Alexandre Costa (Expresso sapo – 14/10/2015)

O Hubble captou novas imagens e a NASA partilhou-as com o mundo num filme rápido e ultra definido de um minuto. E há revelações

As novas imagens de Júpiter, captadas pelo telescópio espacial da NASA Hubble, confirmam que a denominada “Grande Mancha Vermelha” estará mesmo a diminuir de tamanho.

Desde que há registos da superfície do planeta que se sabe da existência desta mancha formada por um furacão com ventos de 530 quilómetros por hora e com uma dimensão superior à de três planetas Terra. Desde o ano passado, encolheu cerca de 240 quilómetros.[…]

Ler mais em: http://expresso.sapo.pt/internacional/2015-10-14-Jupiter-como-nunca-vimos-em-ultra-alta-mega-hiper-definicao

Por último uma notícia da área da tecnologia, cuja leitura se recomenda a todos e em particular aos pais

O Wi-Fi é um risco para a saúde das crianças? – Texto de KATYA DELIMBEUF e Infografia de ANA SERRA (expresso 10/10/2015)

Em França, proibiu-se o wi-fi em creches, por se considerar que os campos eletromagnéticos são um risco para a saúde. Fomos perceber se o perigo é real

Os campos eletromagnéticos estão por todo o lado. E não se veem — daí, possivelmente, suscitarem tanto temor. Tudo o que o olho não consegue observar, a mente imagina a dobrar. Na última década, o nosso quotidiano alterou-se profundamente no que à parafernália tecnológica diz respeito. Integrámos inúmeros gadgets e trouxemo-los para dentro de casa. Pior: eles andam nas mãos dos nossos filhos, a toda a hora, se nos descuidarmos. E se algum destes objetos tiver efeitos nocivos para a saúde? Entre o smartphone com Wi-Fi ou 3G, o portátil com ligação à internet, os espaços públicos com Wi-Fi, o Wi-Fi em casa, o micro-ondas, são muitas as novas fontes de campos eletromagnéticos… Que consequências para a saúde terão todos estes campos com radiações na próxima geração, que cresce em contacto com eles diariamente? Depois da corrida à tecnologia ‘sem fios’, teremos de arrepiar caminho?[…]

Luís Correia, professor de Engenharia Eletrotécnica há três décadas no Instituto Superior Técnico, e investigador do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, estuda questões relacionadas com telecomunicações há mais de 16 anos. “A preocupação com os campos eletromagnéticos nasceu nos anos 90 e aumentou com o aparecimento do GSM (sistema global para comunicações móveis)”, explica. “O telemóvel foi a tecnologia com a penetração mais rápida de sempre na sociedade ocidental: em 12 anos, 100% da população passou a usá-lo. Mas como as ondas eletromagnéticas não se veem, a perceção do risco é muito maior do que a realidade.”[…]

Para o engenheiro, “o que está em causa não é a quantidade de fontes que temos à nossa volta, mas a intensidade da radiação.[…]

— desde que se cumpram os limites mínimos admitidos por lei. Em seu entender, “a proibição aprovada em França não tem sustentação técnico-científica, até porque o Wi-Fi emite a potências muito baixinhas (0,1 Watts).”

O investigador ressalva ainda: “As antenas de rádio e de televisão, que irradiam a potências muito superiores (400.000W para televisão, 50.000W para rádio contra os 600W para telemóvel), existem há mais de 50 anos. Se houvesse consequências nefastas para a saúde causadas pelos campos eletromagnéticos, não teriam já surgido casos de pessoas doentes nas imediações?”, questiona.

O pediatra Mário Cordeiro não é tão rápido a ‘arrumar’ o assunto. “Embora inicialmente se pensasse que a rede sem fios não causasse qualquer problema, um pouco à semelhança das micro-ondas emitidas pelos telemóveis, têm surgido alguns estudos que põem em causa esta certeza e colocam a hipótese de existirem alterações do ADN celular por exposição intensa e prolongada à rede sem fios, sobretudo nas crianças.[…]

” Se é verdade que não há certezas científicas absolutas sobre os efeitos nefastos dos campos eletromagnéticos, se pensarmos em possíveis consequências para os nossos filhos, haverá quem queira arriscar?

Ler todo o artigo em: http://expresso.sapo.pt/sociedade/2015-10-10-O-Wi-Fi-e-um-risco-para-a-saude-das-criancas–

Leave a Reply