A COLUNA DE OCTOPUS – O SISTEMA PORTUGUÊS NÃO PERMITE DEMITIR O PRESIDENTE DA REPÚBLICA…

octopus1

Cavaco Silva

Os ideólogos europeus da austeridade a qualquer preço têm razões para sorrir, o seu bom aluno português, rendido à ditadura economicista da União Europeia, conseguiu após quatro anos de austeridade que o partido no poder tivesse a maioria dos votos nas eleições legislativas.

 

Portugal perante o síndrome de Estocolmo.

 

Este Portugal, anti-Grécia, parece querer mais cortes nas pensões, nos salários (sobretudo na função pública), cortes na saúde, na educação e venda ao desbarato das suas empresas estatais.

Como explicar, a não ser por uma atitude masoquista, que muitos portugueses estejam dispostos a continuar no mesmo caminho? Estamos perante uma inabitual votação, uma espécie de síndrome de Estocolmo.

Aproveitando-se da docilidade e apatia do povo português, o primeiro ministro conseguiu inculcar na sociedade que, apesar dos sacrifícios, seria pena não aproveitar as magras decida do desemprego e da diminuição do deficit publico.

Cavaco Silva - II

 

Uma esquerda dividida.

 

Se é verdade que a esquerda portuguesa tem no conjunto a maioria de votos, uma grande distância política e de propostas separa o Partido Socialista do Bloco de Esquerda e sobretudo do Partido Comunista.

A abstenção foi a maior de sempre desde o 25 de abril com 43%.

Maria Cavaco Silva e o presidente Anibal Cavaco Silva experimenta uma fisga nas Feiras Novas de Ponte de Lima durante o cortejo etenografico, 11 de setembro de 2010. Armenio Belo/LUSA
Maria Cavaco Silva e o presidente Anibal Cavaco Silva experimenta uma fisga nas Feiras Novas de Ponte de Lima durante o cortejo etenografico, 11 de setembro de 2010. Armenio Belo/LUSA

 

Um Presidente da República inadmissível!

 

Perante este impasse, o Presidente da Republica, em vez de defender a constituição e valores de compromisso, revela uma atitude arrogante e rancorosa instigando ainda mais a conflitualidade entre os partidos em presença.

É inadmíssivel que um Presidente da Republica faça um discurso impensável numa democracia, com consideração sobre deputados de primeira e deputados de segunda e instigando a divisões fracturantes entre os portugueses.

Infelizmente, em Portugal, o Presidente da Republica não responde perante nenhum órgão de soberania. O Presidente da República só pode deixar de exercer as suas funções ou por morte, ou por ele próprio abdicar ou por uma razão que tenha a ver com a sua saúde.

Como refere Pacheco Pereira, o discurso do Presidente da Republica está “no limite do legal”.

“Está no limite do Constitucional e, portanto, no limite do legal. O que o PR fez foi dizer que uma parte importante dos portugueses não pode ter acesso ao poder político. Exclui partidos do livre jogo democrático. Ao fazer isso, só havia um passo seguinte a dar: ilegalizá-los, que no fundo é o conteúdo latente da intervenção do PR. Ou seja: esses partidos são menores, esses partidos não têm os mesmos direitos que os outros”.

1 Comment

  1. Não é verdade. Cavaco pode responder criminalmente como titular de cargo político, designadamente por abuso de poder e por atentar contra o Estado de Direito e a ordem constitucional. basta que 20% de deputados o queiram fazer. Ou seja, se não cumprir a sua obrigação constitucional, face a moção de rejeição aprovada, de contribuir (dando posse a Costa) para a formação de um governo, está, com a sua omissão, a abusar dos seus poderes e a atentar contra os Estado de Direito. Está a imobilizar a governação, mantendo em funções, com graves prejuízos para todos, um governo demitido, que nada pode fazer. Mas digo mais, se os deputados não avançarem nesse sentido, revelam impreparação e cobardia, o que seria lastimável.

Leave a Reply