O ESTADO ISLÂMICO, CANCRO DO CAPITALISMO MODERNO, POR NAFEEZ AHMED – III

Selecção, introdução, tradução e notas por Júlio Marques Mota

nafeez ahmed - I

O Estado islâmico, cancro do capitalismo moderno, por  Nafeez Ahmed

nafeez ahmed - II

Recordemos  que Nafeez Ahmed  é um politólogo  britânico e jornalista de investigação, que trabalha com a BBC e o Guardian. É o director do Institute for Policy Research and Development  de Brighton, e ensina na  universidade do Sussex. Foi nomeado em 2003 para o prémio  Napoli, equivalente do Goncourt francês.

Nafeez Ahmed, Islamic State is the cancer of modern capitalism

Les Crises.fr, 15 de Novembro de 2015

(CONCLUSÃO)

O arco dos Estados muçulmanos em  falta

No Iraque e na Síria, onde o Estado islâmico nasceu, o estado de devastação no qual a sociedade se encontra, na sequência de uma situação de conflito prolongado, não pode ser subestimada. A invasão militar e a ocupação do Iraque pelo Ocidente, com o seu lote de tortura e de violência cega, jogaram um papel inegável para abrir a via à emergência de uma política reaccionária extrema. Antes da intervenção ocidental, al-Qaeda estava totalmente ausente do país. Na Síria, a guerra brutal efectuada por Assad contra o seu próprio povo continua a ser a justificação para  a presença do Estado islâmico e para continuar a atrair combatentes estrangeiros.

O contributo contínuo dado às redes islamitas extremistas tem sido de importantes somas de dinheiro e recursos materiais calculados em centenas de milhares de  milhões de dólares (que ninguém está ainda em condições de quantificar na sua totalidade), coordenado por esta mesma interconexão entre governos ocidentais e muçulmanos, teve um impacto profundamente desestabilizador  durante o último meio século. O Estado islâmico é o resultado pós-moderno surrealista desta sórdida história.

A coligação ocidental contra o Estado islâmico no mundo muçulmano compõe-se de regimes repressivos cujas políticas nacionais aprofundaram brutalmente as desigualdades, num mundo muçulmano esmagado  por  dissensões legítimas, com tortura sobre  activistas políticos pacíficos e espicaçado pelos seus rancores profundos. São estes mesmos aliados que financiaram o Estado islâmico e que continuam a fazê-lo, o que é visto e bem conhecido  pelos  serviços secretos ocidentais.

Isto,  apesar da escalada de crises convergentes que reinam na região desde há uma década. O professor Bernard Haykel, da universidade de Princeton, exprimiu-se a  este respeito: “Vejo o Estado islâmico como um sintoma de um conjunto estrutural de problemas muito mais profundos no mundo árabe sunita… Isto [está ] ligado à política. À educação e nomeadamente a falta de educação. Ao autoritarismo. À intervenção  estrangeira. À calamidade do petróleo… Penso ainda que mesmo que o Estado islâmico viesse a desaparecer, as causas subjacentes que são a causa do Estado islâmico não desapareceriam. E estas causas deveriam ser abordadas por políticas, reformas e mudanças conduzidas ao longo de várias décadas não somente pelo Ocidente, mas também pelas sociedades árabes.”

No entanto, como vimos aquando da  primavera árabe, estes problemas estruturais foram exacerbados por uma verdadeira tempestade de crises políticas, económicas, energéticas e ambientais interdependentes, todas elas geradas pelo  agravamento da crise do capitalismo mundial.

Numa região sujeita a secas prolongadas, a uma insuficiência na agricultura, a uma queda dos rendimentos petrolíferos devida ao pico petrolífero  local, à corrupção e à má gestão económica agravada pela austeridade neoliberal, e assim sucessivamente, os Estados locais começaram a afundar-se.  Do Iraque à Síria, do Egipto ao Iémen, é esta mesma interconexão entre crises climáticas, energéticas e económicas que desfaz os governos em presença.

A alienação no Ocidente

Embora o Ocidente seja muito mais resistente a estas crises mundiais interligadas, as desigualdades persistentes nos Estados Unidos, na Grã-Bretanha e na Europa Ocidental , que têm tido um efeito desproporcionado sobre as minorias étnicas, as mulheres e as crianças, têm-se estado a agravar.

Na Grã-Bretanha, quase 70 % dos muçulmanos procedentes de etnias da Ásia do Sul e quase dois terços dos seus filhos vivem na pobreza. Um pouco  menos de 30 % dos jovens muçulmanos britânicos  de idade entre  os  16 e os  24 anos estão desempregados. De acordo com Minority Rights Group Internacional, a situação dos muçulmanos britânicos em termos “de acessos à educação, do emprego e da habitação  “tem-se deteriorado nos últimos anos em vez de ter melhorado. Esta degradação foi acompanhada “de um aumento inquietante da hostilidade aberta” expressa  pelas comunidades não  muçulmanas e por uma propensão crescente dos serviços de polícia e de segurança em  visarem  de maneira desproporcionada os muçulmanos em virtude da autoridade que lhes é conferida no âmbito da luta contra o terrorismo. As reportagens constantemente negativas difundidas pelos meios de comunicação social sobre os muçulmanos, a que se  acrescentam as frustrações legítimas provocadas por uma política estrangeira agressiva e enganosa no mundo muçulmano, criam nos muçulmanos britânicos um sentimento de exclusão social associado à sua identidade.

É o conjunto destes factores que tem um efeito destrutivo sobre a formação da identidade, e não tanto sobre cada um destes factores tomados separadamente. Observados isoladamente, a pobreza, a discriminação, as reportagens negativas sobre os muçulmanos, e assim sucessivamente, não permitem necessariamente levar  uma pessoa a ficar vulnerável à radicalização. Contudo, conjuntamente, estes factores podem forjar uma fixação a  uma identidade marcada pela alienação, pela frustração e pelo falhanço.

A persistência destes problemas e a sua interacção pode contribuir para a forma como os   muçulmanos da Grã-Bretanha procedentes de diversos horizontes se começam a ver   como  um todo. Em certos casos, isto  pode gerar um sentimento ancorado de separação, de alienação e de desilusão em relação à sociedade em geral. O efeito desta identidade de exclusão sobre um indivíduo  depende  do ambiente específico, das experiências e das escolhas do indivíduo em questão.

As crises sociais prolongadas podem lançar as bases do desenvolvimento de ideologias destrutivas e xenófobas. Estas crises abalam os costumes tradicionais quanto à certeza e à estabilidade enraizadas nas noções estabelecidas de identidade e de pertença.

Enquanto que os muçulmanos vulneráveis se poderiam virar para a cultura dos  gangs ou, pior ainda, para o extremismo islamita, os não-muçulmanos vulneráveis poderiam adoptar a sua própria identidade de exclusão ligada à grupos extremistas como a Liga de defesa inglesa, ou outras redes de extrema-direita.

Nos grupos de elites mais potentes, o sentimento de crise pode inflamar as ideologias neoconservadoras e  militaristas que censuram as estruturas do poder em exercício , justificam o status quo, defendem o sistema deficiente que sustenta e apoia o seu poder, e diabolizam  os movimentos progressistas e os das minorias.

Neste maelström, a injecção de milhares de  milhões de dólares em redes extremistas islamitas que têm uma inclinação para a violência ao Médio Oriente dá  poder a  grupos que, anteriormente, não dispunham de apoios locais.

Enquanto que várias crises convergem e se intensificam,  comprometendo-se ao mesmo tempo a estabilidade do Estado e desencadeando ainda maiores  frustrações, este contributo massivo  de recursos de que beneficiam os ideólogos islamitas é susceptível de atrair no cume do extremismo xenófobo os indivíduos em cólera, alienados e vulneráveis. Este processo conclui-se pela criação de autênticos monstros.

Uma desumanização

Enquanto estes factores elevaram até um nível  crítico esta vulnerabilidade regional, o  papel desempenhado  pelos Estados Unidos e pela Grã-Bretanha depois do 11 de Setembro de 2001, na coordenação do financiamento secreto fornecido pelos Estados do Golfo aos militantes islamitas extremistas através da região, basicamente lançou gasolina sobre  o fogo.

As relações de que dispõem estas redes de islamitas no  Ocidente significam que os serviços de informação nacionais periodicamente fecharam os olhos sobre os seus discípulos e infiltrados no seu próprio país, o que permitiu a estes últimos  crescer, recrutar  e enviar os candidatos ao Djihad no estrangeiro.

É por isso que a componente ocidental do Estado islâmico, embora muito mais pequeno que o contingente de combatentes que aderem ao grupo a partir dos  países vizinhos, permanece largamente impermeável a qualquer debate teológico significativo. Não são movidos  pela teologia, mas pela insegurança de uma identidade e de um psiquismo  fracturados.

É aqui, nos métodos de recrutamento completamente calibrados do Estado islâmico e das redes que apoiam a sua organização no Ocidente, que podemos ver que o processo de doutrinamento psicológico se refinou  ao  longo dos  anos devido  às formações efectuadas sob a tutela dos serviços de informação ocidentais. Estes serviços de informação com efeito estiveram sempre implicados intimamente na elaboração de instrumentos violentos de doutrinamento islamita.

Na maioria dos casos, o recrutamento do Estado islâmico faz-se expondo os indivíduos a  vídeos de propaganda cuidadosamente  elaborados, desenvolvido através de métodos de produção avançados, e de que os  mais eficazes estão cheios de  imagens reais de massacres perpetrados pela força de fogo ocidental contra os civis iraquianos, afegãos  e palestinos, ou por Assad contra os civis sírios.

A exposição constante a  estas cenas horríveis de atrocidades perpetrados pelo Ocidente e pela Síria pode frequentemente ter um efeito similar ao  que se  poderia alcançar  se estas cenas fossem vividas directamente, ou seja,  uma forma de traumatismos psicológicos que pode mesmo provocar um stress pós-traumático.

Estas técnicas de propaganda sectária contribuem para agitar emoções terríveis  de choque e de cólera, que por sua vez  servem para destruir a razão e  desumanizar “o Outro”. O processo de desumanização é concretizado com a ajuda de  uma teologia islamita pervertida. O que  importa, não é a autenticidade desta teologia, mas sim a sua simplicidade. Esta teologia pode fazer maravilhas sobre psiquismos traumatizados por visões de mortes em massa e de que a capacidade para  raciocinar fica bloqueada pela situação de raiva criada.

É por isso que o recurso a uma literalidade levada ao  extremo e completamente descontextualizada  é uma característica tão  comum aos ensinos islamitas extremistas: com efeito, para um indivíduo crédulo, tendo um fraco conhecimento da erudição islâmica, à primeira vista  tudo aquilo  parece verdadeiro sobre o plano literal.

Baseadas em décadas de interpretação errada e selectiva dos textos islâmicos pelos ideólogos militantes, as fontes são extraídas com cuidado e escolhidas sobre a vertente para justificar o programa político do movimento: um reino tirânico, massacres maciços  e arbitrários, a subjugação e a dependência das mulheres, e assim sucessivamente, elementos que se tornam todos eles parte integrante da sobrevivência e da expansão “do Estado”.

Dado que a função principal da introdução do raciocínio teológico islamita extremo é a de legitimar a violência e sancionar  a guerra, este trabalho  é conjugado a vídeos de propaganda que prometem o que  ao recruta  vulnerável parece faltar, a glória, a fraternidade, a honra e a promessa da  salvação  eterna, pouco importa os crimes ou delitos que possam ter sido  cometidos no passado.

Se acrescentarmos a isto  a promessa do poder (o poder sobre os seus inimigos, o poder sobre as instituições ocidentais supostas terem eliminado os seus irmãos e irmãs muçulmanos, o poder sobre as mulheres), bem como um hábito (fato)  religioso e das reivindicações de devoção suficientemente convincentes, então as sirenes do Estado islâmico podem ficar irresistíveis.

Isto  significa que a ideologia do Estado islâmico não é o factor  determinante da sua eclosão, da sua existência e da sua expansão, embora seja importante compreendê-lo   e  contestá-lo.  A ideologia é simplesmente o ópio do povo de que este se alimenta e com que alimenta  os seus potenciais discípulos.

Em suma,  o Estado islâmico é um cancro do capitalismo industrial moderno em pleno  desmoronamento, um subproduto fatal da nossa dependência inabalável ao ouro negro, um sintoma parasitário  da escalada das crises de civilização que agitam ao mesmo tempo o mundo muçulmano e o mundo ocidental. Enquanto não se atacarem as raízes destas crises, o Estado islâmico e o seus semelhantes não são prontos para desaparecer.

nafeez ahmed - X

Nafeez Ahmed, Islamic State is the cancer of modern capitalism. Texto disponível em:

http://www.middleeasteye.net/columns/cancer-modern-capitalism-1323585268

Este texto foi publicado em Middle East Eye e encontra-se disponível na versão francesa em Les-crises.fr  com o título L’Etat islamique, cancer du capitalisme moderne, no seguinte endereço :

https://www.les-crises.fr/letat-islamique-cancer-du-capitalisme-moderne-par-nafeez-ahmed/

________

Para ler a Parte II deste trabalho de Nafeez Ahmed, publicada ontem em A Viagem dos Argonautas, vá a:

https://aviagemdosargonautas.net/2015/11/26/o-estado-islamico-cancro-do-capitalismo-moderno-por-nafeez-ahmed-ii/

________

Biografia de Nafeez Ahmed

Nafeez Ahmed, PhD, is an investigative journalist, international security scholar and best-selling author who tracks what he calls the ‘crisis of civilization’. He is a winner of the Project Censored Award for Outstanding Investigative Journalism for his Guardian reporting on the intersection of global ecological, energy and economic crises with regional geopolitics and conflicts. He has also written for The Independent, Sydney Morning Herald, The Age, The Scotsman, Foreign Policy, The Atlantic, Quartz, Prospect, New Statesman, Le Monde diplomatique, New Internationalist. His work on the root causes and covert operations linked to international terrorism officially contributed to the 9/11 Commission and the 7/7 Coroner’s Inquest.

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: