A CRISE AUSTERITÁRIA E A QUADRATURA DO CÍRCULO – REFLEXÕES SOBRE A CRISE DA ECONOMIA, DO PENSAMENTO ECONÓMICO E DA DEMOCRACIA – TEXTOS DE REFERÊNCIA PARA ENTENDER A REALIDADE PRESENTE – B) BILL MITCHELL. 5. CAOS NA EUROPA E O SEU FALHADO SISTEMA MONETÁRIO – IV

Obrigado ao blog do tirloni.
Obrigado ao blog do tirloni.

Selecção e tradução por Júlio Marques Mota

Bill Mitchell
Bill Mitchell

Caos na Europa e o seu falhado sistema monetário

bottlebrushheader980

Bill Mitchell, Chaos in Europe and the flawed monetary system

Billy Blog, 23 de Março de 2016

(CONCLUSÃO)

4. “remover … [dívida pública].. dos países sobrecarregados . … é a nossa quarta condição indispensável para a sobrevivência do euro “. Os autores defendem um “coordenação  centralizada , englobando a abordagem” para uma tal reestruturação de dívida.

O que é que isso significa?

Essencialmente, o BCE deveria depreciar toda a dívida pública pendente e usar a sua capacidade de emissão de moeda para financiar os défices orçamentais necessários para restaurar e sustentar o crescimento.

Leiam o meu texto – OMF – paranoia for many but a solution for all – para mais discussões sobre esta questão .

O BCE pensa que as taxas de juro negativas e a facilitação quantitativa são suficientes para cumprir o seu papel como emissor de moeda. É um erro grave.

Vejam o meu texto – The ECB could stand on its head and not have much impact* – para uma discussão mais aprofundada neste ponto.

O problema é que os alemães nunca permitirão que o BCE desempenhe o papel que deve assumir como seja, por exemplo, o de banco emissor. O resultado é a estagnação e a deflação em curso.

A resposta alemã é exemplificada neste relatório – Causes of the Eurozone Crisis: A nuanced view** – que quer introduzir o que se chama de “Maastricht 2.0″.

Veja igualmente – Consequences of the Greek Crisis for a More Stable Euro Area: Special Report*** – publicado em Julho de 2015 pelo Conselho Alemão de Peritos Económicos.

Isto vai fazer chorar!

Os autores propõem dois caminhos possíveis:

Primeiro, “A transferência de soberania orçamental e económica para o nível europeu” e simultaneamente o assumir-se a responsabilidade solidária abrangente dos parceiros europeus.

Mas esta “autoridade decisória central” teria “o poder de impor os aumentos de impostos, os cortes nas despesas públicas e as reformas estruturais” em qualquer Estado-membro.

Pelas mesmas razões como sublinhei acima, eles rejeitam esta opção.

Os autores concluem que “é altamente improvável que uma transferência democraticamente legitimada da soberania orçamental e económica ao nível Europeu vá acontecer a curto ou médio prazo. Qualquer meia implementação desta opção, no entanto, permanecendo com controle nacional substancial permaneceria  face a uma responsabilidade conjunta , como sendo o pior dos mundos”.

Para o segundo caminho, eles propõem:

“A continuação da soberania nacional sobre a política económica e orçamental, excluindo qualquer responsabilidade conjunta pela dívida pública.

Isto significa que se aplica a cláusula de não-resgate.”

E isso exigiria na visão destes dois autores:

1. os Estados-Membros teriam que “sofrer as consequências das políticas orçamentais insustentáveis”, o que significa o aumento do desemprego e da pobreza assim como o mecanismo de ajustamento na ausência de défices crescentes.

Uma posição anti-pessoas.

2. A política orçamental nacional é monitorizada com base nas regras orçamentais comuns definidas pelo Pacto de Estabilidade e Crescimento, e as infracções são seriamente aplicadas.

Então a Alemanha poderia continuar a ter estes enormes excedentes externos, mas  um Estado-membro estaria  sob vigilância e interferência dos tecnocratas de Bruxelas (e de Frankfurt e Washington) se eles ousarem ter défices suficiente grandes  para combater seriamente  o desemprego, no  caso de um choque (importado) sobre a despesa (como no caso da Grande Crise Financeira).

3. “O travão da dívida nacional e a sua monitorização evitam a acumulação de dívida pública excessiva”. Então, a restrição de défices orçamentais e o enviesamento para os excedentes orçamentais, e tem como uma imagem espelhada, um enviesamento em direção a uma maior dívida privada, é considerado uma opção adequada.

Isto mais ou menos resume a posição alemã. É um modelo insustentável para a sobrevivência do euro.

Mesmo Eichengreen e Wyplosz concordariam com isso.

Conclusão

A zona euro só continuará a sobreviver tanto quanto os direitos democráticos são suprimidos e o BCE chantagear  os governos do Estados-membros que querem fugir do modelo de austeridade.

A estagnação e a exclusão social que virão a seguir  não podem ser um modelo para uma sociedade estável de qualquer Estado membro.

Estamos a ver o disfuncionamento numa base diária – às vezes nos números crescentes de suicídios, às vezes nos terminais de aeroporto a explodirem.

________

Ver o original em:

________

Para ler a Parte III deste trabalho de Bill Mitchell, publicada ontem em A Viagem dos Argonautas, clique em:

A CRISE AUSTERITÁRIA E A QUADRATURA DO CÍRCULO – REFLEXÕES SOBRE A CRISE DA ECONOMIA, DO PENSAMENTO ECONÓMICO E DA DEMOCRACIA – TEXTOS DE REFERÊNCIA PARA ENTENDER A REALIDADE PRESENTE – B) BILL MITCHELL. 5. CAOS NA EUROPA E O SEU FALHADO SISTEMA MONETÁRIO – III

________

  • Ver em:

The ECB could stand on its head and not have much impact

** Ver em:

http://voxeu.org/article/causes-eurozone-crisis-nuanced-view

***Ver em:

Click to access sg2015_en.pdf

 

Leave a Reply