EDITORIAL – A UNIÃO EUROPEIA CONTRA OS PENSIONISTAS GREGOS. VALERÁ A PENA ELEGER GOVERNOS NACIONAIS?

logo editorial

Há dias o governo grego resolveu repor o 13º mês aos beneficiários de pensões abaixo dos 850 euros mensais. Não custa perceber por que o fez. No parlamento foi aprovado um bónus especial para os que fazem parte daquela categoria. Trata-se de uma faixa de população fortemente castigada pelas agruras a que o país tem estado sujeito. Entretanto responsáveis da UE já vieram á liça informar sobre a suspensão das negociações para o alívio da dívida grega, cujo carácter impagável é geralmente reconhecido, até pelos carrascos, perdão, pelos credores. Destaque para o senhor Jeroen Dijsselbloem, o holandês que comanda o Eurogrupo, com a ressalva de que não abre a boca sem primeiro consultar o senhor Schäuble, o arqui-inimigo do governo de Alexis Tsipras.

O governo grego, a braços com gravíssimos problemas sociais, tem visto a sua acção boicotada implacavelmente. Tem uma série de medidas urgentes  de carácter social, como por exemplo o aumento do número de refeições gratuitas a distribuir nas escolas, pendentes do alívio do garrote união europeísta (perdoem a repugnância de escrever o garrote europeu), mantido bem firme pela conjugação de esforços entre alemães, o fmi, eurogrupo, bce  e os partidos reaccionários gregos. Estes últimos pertencem maioritariamente à seita dos que acham que pobres têm de existir sempre e aguentarem, aguentarem. Seita esta também condignamente representada noutros países como, por exemplo, Portugal. Entretanto, nem o facto de a Grécia ter um número considerável de refugiados no seu território faz reflectir um pouco os união-europeístas-schäublistas.

Alguns dirão ser evidente que os governos nacionais, sobretudo nos países mais pequenos e enfraquecidos, já pouco ou nada mandam. Até já há quem pergunte porque ainda se perde tempo a eleger governos  nacionais.  Achamos que é claro que vale a pena ter governos nacionais que remem contra este estado de coisas.

Sobre este assunto propomos que cliquem nos links abaixo:

http://www.esquerda.net/artigo/grecia-eurogrupo-suspende-alivio-da-divida-apos-reposicao-do-13o-mes-aos-pensionistas/45995

http://www.infogrecia.net/2016/12/grecia-repoe-13o-mes-as-pensoes-dos-850-euros/

http://www.dn.pt/mundo/interior/tsipras-desafia-bruxelas-e-consegue-aprovar-bonus-para-pensionistas-5555082.html

 

1 Comment

  1. Em resumo: para quando o Portucalexit? A ” Viagem”, em nenhumas circunstâncias, deve aceitar estar à espera que a defesa do Portucalexit seja uma bandeira política de quem sempre aceitou ser comandado à distância até que, de vez, o patrão falhou. Democracia e o seu livre e consequente debate de ideias, por muito fundamental que seja e, facto incontroverso, seja matéria política inquestionável, apesar de tudo, tem de ter os limites impostos pela defesa extrema do Direito à Libertação Nacional. Se, esta, tanto foi pedida para tantos outros, que razão haverá para que, agora, não seja pedida para nós? Viver no IVº Reich é inaceitável.CLV

Leave a Reply to Carlos A P M Leça da Veiga Cancel reply