UMA LIÇÃO DE VIDA por Luísa Lobão Moniz

Cada vez se sente mais a necessidade de todos os povos se acolherem em caso de necessidade, por exemplo, a fome, a falta de habitação, a falta de água, a falta de medicamentos…a falta de proteção das crianças.

No Dia Mundial do Refugiado, de 2012, a Assembleia da República ouviu, ao vivo, um menino, Menor Não Acompanhado.

O sofrimento deste menino não deixou de ver que havia muitos mais meninos na sua situação e gostaria de contar “ a história de muitos outros meninos”…

Era uma vez um menino que nasceu num país no tempo da guerra.
Nunca conheceu o pai. Vivia apenas com a sua mãe.

Fugiram juntos para um país perto do deles para salvar as suas vidas.
Depois de alguns anos a sua mãe morreu de uma doença de coração e este menino ficou aos cuidados da amiga da sua mãe. Essa senhora ajudou-o durante algum tempo, frequentava a escola mas esta família logo se cansou dele… O menino não tendo outra alternativa teve de voltar ao seu país, que nunca conheceu verdadeiramente… tinha 11 anos de idade.

Mas o menino não chorava!

Foi viver para o campo. Ali, encontrou a ajuda de uma senhora, que o acolheu.
Trabalhava no campo na plantação de arroz… recebia uma refeição e um teto em troca… não ia à escola… as suas mãos estavam severamente calejadas do trabalho… não mais conseguiria segurar um lápis ou folhear um livro. Ficava muitas vezes doente mas não havia médicos…
A vida era muito difícil.

Mas o menino não chorava…não podia chorar!

Aos 17 anos foi raptado por uma sociedade secreta chamada Poro. Foi muito mal tratado… ali entendeu que há pessoas que não parecem seres humanos… porque são muito más… ficou preso nessa sociedade durante 2 meses. Conseguiu fugir com a ajuda de muitas pessoas… quis fugir para bem longe daquele lugar, daquele país que já não era seu.
Com ajuda de outras pessoas, apanhou um avião e encontrou um abrigo… ali era bom, não tinha medo, ia à escola, jogava com outros meninos como ele.

O menino que não chora sabe que se alguma vez chorar ali, será de alegria.”

Fica a confidência, que certo dia este menino chorou finalmente… e de felicidade.

(Tânia Dias,Departamento Social do Centro de Acolhimento para Refugiados, Portugal
posted: Tuesday, 17th June, 2014)

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: