EDITORIAL – Língua Portuguesa – que futuro?

Nos dias 2, 3 e 4 de Novembro de 1989, realizou-se na Aula Magna da Reitoria da Universidade de Lisboa um colóquio internacional com o título interrogativo que damos a este editorial – Língua Portuguesa – que futuro? Com a assinatura do Acordo Ortográfico à vista e marcada para o ano seguinte, os intelectuais queriam fazer um ponto da situação. 

 

Organizado pela Sociedade da Língua Portuguesa nas comemorações do seu 40º aniversário e com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian e do Instituto Português do Livro e da Leitura,  reuniu um elenco de luxo: 400 participantes dos quais  referimos, entre outros, Lindley Cintra, Eduardo Lourenço,  Alexandre Cabral, Malaca Casteleiro, Maria Leonor Buescu, Manuel Ferreira,  Edite Estrela, Mariano Gago,  Baptista-Bastos. Isabel Barreno, Fernando Dacosta, Wanda Ramos, José  Pedro Machado, Urbano Tavares Rodrigues, José Hermano Saraiva, José Augusto Seabra, Afonso Praça, João David Pinto-Correia, Helena Cidade Moura, José Barata Moura…

Muitos brasileiros, angolanos, moçambicanos, galegos … Enfim, professores, jornalistas, actores, escritores – gente que usa a palavra como matéria-prima.

O presidente da SLP, Fernando Sylvan, no discurso de abertura do colóquio, após dar as boas-vindas aos participantes, disse: Do nascimento da língua, do seu poder de dilatação, todos nós já sabemos. Mas da força do seu futuro é o que nos interessa agora saber.

Quase trinta anos decorridos, a questão continua a colocar-se – por um lado a afirmação de que o exponencial aumento das populações angolanas e moçambicanas, projectam um crescimento demográfico que nos guindará ao primeiro lugar em número de falantes entre as línguas europeias; por outro lado, a ideia de cindir o idioma, criando a língua brasileira.

O mundo enfrenta problemas bem mais graves e os «tradutores» de livros em «brasileiro» terão uma tarefa fácil. Preocupa-nos mais as agressões que o AO está a produzir na língua que falamos – já agora podíamos ir pensando num segundo AO que aproximasse o português do mandarim – a China é um grande mercado e os chineses mal podem esperar por ler a nossa literatura. E nós pouparíamos um balúrdio comprando os livros na «loja do chinês».

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: