EDITORIAL – A TÁCTICA DA BOMBA

Donald Trump ordenou o bombardeamento de uma base militar síria, tendo recebido os aplausos  dos dirigentes ocidentais e de boa parte dos comentadores e da grande comunicação social. Justificou o ataque a uma base aérea com mísseis Tomahawk, lançados por navios localizados no Mediterrâneo, que terá provocado várias mortes de soldados sírios, e também de vítimas civis, por o  regime de Assad, alegadamente,  o ter usado no norte do país, causando numerosas vítimas.

É evidente que o regime não é uma organização de bem intencionados. Mas os seus adversários no terreno não parecem melhores. Entretanto, como terá referido Noam Chomsky, os Estados Unidos dizem repetidamente que é preciso acabar com o Daesh/ISIS, mas opõem-se a todas as forças que o combatem. O próprio Donald Trump, durante a campanha eleitoral que o conduziu ao poder, acusou Barack Obama e Hillary Clinton de terem responsabilidades na formação e crescimento desta organização, que continua em acção no norte da Síria, no Iraque, tal como noutros países árabes, e reivindica numerosos ataques no resto do mundo, incluindo países ocidentais.

A juntar a isto temos as acusações a Donald Trump de ter um complot com Putin, o grande aliado de Assad. O actual presidente norte-americano tem mesmo sido acusado de ter vencido a eleição presidencial graças ao apoio russo. Será que este bombardeamento chegará para desacreditar estas acusações? Propomos que cliquem nos links abaixo, que lhes darão algumas visões diferentes sobre esta iniciativa do presidente norte-americano. Em particular, clicando no quarto link, terão a opinião de Jonathan Freedland, manifestamente anti-Assad, mas com fortes dúvidas sobre o que realmente moveu Trump. Nós recordamos que no passado se verificou que os chamados rebeldes que combatem Assad utilizaram o gás sarin contra civis, e que a guerra na Síria tem na sua origem razões que só por táctica incluem o derrube de uma ditadura e a procura do bem-estar do povo sírio. Donald Trump não será com certeza quem vai dar prioridade a estes dois objectivos.

 

http://www.dn.pt/mundo/interior/trump-ataca-a-siria-60-misseis-lancados-contra-alvos-militares-5777967.html

https://zap.aeiou.pt/trump-destroi-base-siria-para-vingar-ataque-quimico-putin-fala-em-agressao-155292

http://www.lefigaro.fr/international/2017/04/06/01003-20170406ARTFIG00234-assad-ou-des-ultras-les-motivations-d-une-attaque.php

https://www.theguardian.com/commentisfree/2017/apr/07/convenient-u-turn-president-who-cant-be-trusted

http://viriatoapedrada.blogspot.pt/2016/12/a-guerra-na-siria-ii.html

https://blogdaboitempo.com.br/2017/04/07/ao-bombardear-a-siria-trump-ameaca-a-humanidade/

 

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

2 comments

  1. Carlos A P M Leça da Veiga

    E fundamental escrever sobre quem obrigou o Trump a dar a ordem. O estado-maior ianque e a SrªClinton é que mandam naquela choldra e, agora, para além doutras coisas, quiseram reafirma-lo. CLV

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: