A GALIZA COMO TAREFA – o galo – Ernesto V. Souza

“Frade, ir-se hão os hóspedes e nós comeremos o galo” o famoso dito é atribuído a um dos engenhosos e muito poderosos Condes de Altamira, como conclusão, advertência, desbafo e troça, aos seus num aparte e durante a visita dos Reis Católicos à Galiza.
Palavras que ao chegarem a ouvidos dos Reis provocou o “desterro” do Conde à Corte, e longe dos seus estados. A visita “pacificadora” de 1486, não por acaso, é o símbolo do fim de uma época, da Idade Média na Galiza. A demonstração de força ante a levantisca nobreza do Norte com que começaram finalmente o seu reinado, que consagra a transformação dos quase soberanos feudais galegos, em elites cortesãs a serviço do novo projeto de estado plenamente renascentista.
Começa também, em língua, cultura e geopolítica, a fase de aragonesização e italianização que transformariam Castela e Aragão na superpotência do século XVI e XVII e que iriam progressivamente periferizando a Galiza e “civilizando” nesse projeto a sua nobreza antiga, fortemente ligada a Portugal e ao projeto da Casa de Avis de integrar Castela na coroa Portuguesa.
Poderia pensar-se que a começos do século XXI vai chegando o dia que os convidados “aragoneses” irão indo. Não foi sem tempo. Permita-se-nos a pirueta e piada histórica para introduzir contextos, pois o interessante será ver o que acontece no caso da declaração da Independência da Catalunha; pois não é apenas que a Espanha perca uma parte de território, ou que aconteça uma secessão.
O interessante é que sem a Catalunha a Espanha construída e inventada nos últimos dous ou três séculos deixa de existir. Invenção, cultura território, comunicações tudo desloca o seu eixo, deixando Madrid muito mais periférico, muito mais manchego e andaluz e revelando a maior complexidade da Castela do Norte.
Talvez seja de novo o tempo do Noroeste. Sem a Catalunha a economia, comunicações população ganhariam peso ao Norte do Guadarrama e nomeadamente entre Cantábria e a Galiza que mira a Portugal. O eixo do Douro e a via da Prata recobram sentido.
Isso tudo veremos, mas aconteça ou não serve-nos hoje para questionar a maior invenção da tradição histórico política espanhola: a Centralidade castelhana. Há-se ver agora, essa suposta centralidade e “motor” nacional, sem a Catalunha.

Mapa político satírico da Espanha 1854

Porque, podemos perguntar-nos preventivamente – pois talvez tenhamos o raro privilégio de comprovar – que teria acontecido no século XV se a muito desenvolvida comercial e culturalmente mas escassa de potência militar e população Aragão não tivesse deixado o seu espaço natural Franco-Italiano para vir se integrar com Castela na procura de uma Superpotência continental e mediterrânea, capaz de lhe disputar à França a primacia continental e garantir a sua sobrevivência.

Que teria acontecido – o que quase aconteceu – se no século XV Castela tivesse se juntado à potência marítima e económica de Portugal, como a legitimidade e os pactos matrimoniais tinha previsto? que teria acontecido se fosse Castela quem se incorporar a Portugal no século XV?

Ou que teria acontecido de se ter vinculado Castela às dinastias navarras, no canto de a Aragão ou Portugal?

Porque contrariamente ao que a história nos ensinou, a Castela é o complemento que teria conformado projetos estaduais muito diversos em função dos sujeitos e feito jogar à península os mais diversos papéis na história da Europa e do Mundo.

Mas e de todos aqueles projetos possíveis e com toda a história política e o contributo dos galegos… alguém duvida qual teria sido o mais interessante para a Galiza, qual sempre arelou aquela velha nobreza, e pelo qual mais apostou e perdeu?

One comment

  1. Falavámo-lo o outro dia em Leão a companheira e mais eu, de marcharem os catalães seria normal que o sentimento autonomista avançasse aí fortemente e poder-se-ia mesmo abrir um tempo bem interessante. Parabéns meu, um texto bem estimulante.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: