A OPINIÃO DE DANIEL AARÃO REIS – SANGUE E SOLO

 

Tochas erguidas contra o escuro da noite, os manifestantes gritavam: “Vocês não vão nos substituir, os judeus não vão nos substituir”. Enfileirados, organizados, com bastões, capacetes e escudos,  ecoavam seus gritos de guerra: “Sangue e solo, solo e sangue”. Ao cruzar com um pequeno grupo de contra-manifestantes, passaram a agredi-los sob o olhar quase cúmplice da polícia que só interveio depois de muita pancadaria.

No dia seguinte, no centro  de Charlottesville, talvez animado pela passividade da polícia, um carro, a mais de cem quilômetros por hora, avançou sobre uma manifestação anti-nazista, jogando para o alto quem encontrava pela frente. Ao volante, James Fields, 20 anos, militante da Vanguarda Americana, uma organização nazista. Matou uma jovem mulher, de 32 anos, Heather Heyer, e feriu cerca de vinte pessoas.

Na origem da ira da extrema-direita, um voto da câmara da cidade, de maioria negra,  a favor da retirada de uma histórica estátua equestre, a do general Robert Lee,  escravocrata e  chefe militar dos estados confederados do Sul, derrotados na Guerra Civil americana. O conflito  encerrou-se há quase cento e cinquenta anos, mas ainda suscita amor e ódio entre os habitantes do Sul.

Nomes de lugares públicos e localização de estátuas podem gerar, e têm gerado, diferentes políticas de memória em várias partes do mundo. Segundo as conjunturas, e o humor das gentes, a estatuária é conservada com anotações críticas, destruída a picaretas ou discretamente retirada. No caso em apreço, as organizações estadunidenses de extrema-direita resolveram protestar. Levaram o caso para a Justiça e partiram para o confronto nas ruas.

Autodenominando-se como “alt-rights”, ou direitas alternativas, segundo sugestão de um de seus líderes, Richard B. Spencer, elas são diversas. As mais tradicionais, como a Ku Klux Klan, ou KKK, remontam ao século XIX, tendo uma assustadora folha corrida. Entre 1877 e 1950,  teria eliminado cerca de quatro mil afro-descendentes, enforcados ou linchados. Hoje se encontra em relativo declínio, mas o leque ampliou-se com outros grupos, como a já referida Vanguarda Americana; o Tea Party, fração do partido republicano; redes de televisão, como a Fox News; revistas, como a Weekly Standard; sites, como Breibart News e New Stormer, este de inclinação claramente nazista;  forums na internet, como Reddit; lobbies armamentistas como a National Rifle Association. Toda esta gente tem em comum uma ideologia racista, o chamado “supremacismo” branco. Para eles,  os brancos são uma raça superior e o que eles chamam “a cultura ocidental” estaria ameaçada de extinção pela “invasão” de habitantes de diferentes origens e cores. Trata-se de manter  privilégios ancestrais e, no limite,  constituir um Estado puramente branco, nem que para isso seja necessário efetuar uma “limpeza étnica”.  David Lane, líder da organização supremacista A Ordem, cunhou um slogan dito das “14 palavras”, popular entre os extremistas de direita: “”Devemos garantir a existência de nosso povo e um futuro para as crianças brancas” .

Christopher Cantwell,  líder e ativista nos recentes conflitos, ao mostrar  a uma repórter da HBO as diferentes armas que usa normalmente, fuzis Kalachnikovs, pistolas automáticas e punhais, argumentou que, cada vez mais, evidencia-se uma aliança entre as esquerdas, as grandes corporações e o Estado. Para enfrentá-la, a extrema-direita precisa de líderes, por exemplo, um “Donald Trump”, porém, mais racista, que não seja capaz de entregar a filha em casamento a um judeu.

O fato é que todos apoiaram com fervor a eleição de Trump. Não por outra razão, o presidente dos EUA mostrou-se  evasivo e ambíguo ao comentar o ato terrorista cometido na cidade sulista, atribuindo a violência e a existência de boas intenções a “ambos os lados”.

Não foi possível conter a torrente de protestos provenientes da sociedade e mesmo do partido republicano. Os Bushs, pai e filho, registraram, de forma inédita,  seu incômodo. O senador Marco Rubio, notório direitista, reclamou que era preciso denunciar  a extrema-direita. O ministro da Justiça, Jeff Sessions, não hesitou em classificar o covarde atropelamento de “atentado terrorista”. Segundo suas palavras: “a ação corresponde à definição de terrorismo interno, um ataque maléfico e inaceitável”, no que foi acompanhado pelo secretário do Conselho de Segurança, general McMaster e pela própria filha de Trump, que reclamou uma  condenação firme do racismo, da supremacia branca e dos neonazistas.

Trump ficou isolado e, nos dias seguintes, de forma patética e gaguejante, voltou atrás. Mas seria um erro imaginar que a extrema-direita renunciará a seus métodos. Ela se manterá disposta, nas palavras do fanfarrão Cantwell, a “matar este lixo anti-americano de  judeus comunistas e pretos criminosos”.

Uma ameaça à democracia a não ser subestimada.

 

Daniel Aarão Reis

Professor de História Contemporânea da UFF

Email: daniel.aaraoreis@gmail.com

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

One comment

  1. Carlos A P M Leça da Veiga

    Este Senhor que é Professor devia saber que a doutrina ianque do “Destino Manifesto” – a melhor percursora do nazismo – pretende prosseguir o seu caminho mas a decadência dos EUAN – que faz sentir-se em todos os azimutes, tantas são as sucessivas derrotas militares – obriga à perda da compostura e à exibição dos mais perniciosos comportamentos sociais e políticos. O gangsterismo no seu esplendor. CLV

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: