Trickle down ou trickle up eis a questão. E qual tem sido a opção? Parte II – 17. O multimilionário Ray Dalio fundador e gestor do fundo de cobertura Bridgewater: “Tenho uma grande tendência para me enganar”. Por Gillian Tett

Uma nova série sobre as novas tempestades que se vislumbram já no horizonte

Imagem 2 Trickle-Down CADILLAC

 Seleção e tradução de Júlio Marques Mota

Parte II – 17. O multimilionário Ray Dalio fundador e gestor do fundo de cobertura Bridgewater: “Tenho uma grande tendência para me enganar”

Por Gillian Tett Gilian Tett texto 17 parte II

Financial Times em 12 de janeiro de 2018 e republicado por Gonzalo Raffo

Trickle down Parte II Texto 17 1

@James Ferguson

O banqueiro do fundo de cobertura fala sobre o aumento da desigualdade de rendimento e do porquê da política superar a economia em 2018

 

É meio-dia na sala do bar Jackson Hole Burger no centro de Manhattan quando aí me encontro com Ray Dalio, diretor do maior fundo de cobertura (hedge fund) do mundo. Alguns minutos antes, o famoso financeiro apareceu para o almoço, seguido de um porta-voz que pediu para se juntar à nossa refeição e para “confirmar” todas as citações.

“Não!” digo a Dalio. Este apresenta-se de uma forma discreta, calças largas e casaco de lã bem caro, mas a sua postura é confiante e vigorosa, como se pode esperar de um “mestre do universo”. Sei perfeitamente que a verificação de citações é normal em Nova Iorque, digo-lhe eu. De resto, existe toda uma indústria de comunicações para proteger os multimilionários de deslizes verbais. Mas há três regras de ouro no almoço com o FT: o FT paga-me, sem PRs [provisioning requirements statement] e não há confirmação de citações.

Eu jogo a minha carta de trunfo. Dalio acaba de escrever um livro que exorta os executivos a assumirem uma “radical transparência” e uma “forte exigência” quanto a honestidade. Este titã dos Hedge Fund é tão evangélico sobre isso que os seus funcionários, aparentemente, avaliam -se mutuamente com iPads em sessões públicas que têm pontuação por parte do público, como num reality show de televisão e em que até mesmo os estagiários são incentivados a questionar o chefe. Assim, será certo que Dalio pode aceitar falar com uma jornalista, sem acompanhante, por uma hora que seja? Se isso o faz sentir-se melhor, brinco eu, pode estabelecer o meu rating num iPad, e anunciar os resultados.

O vigilante fica hirto, olha nervosamente para Dalio. Há um breve suspense no ar. Então, com um meio sorriso, faz um sinal com a cabeça e senta-se comigo numa mesa coberta com uma toalha de plástico barata, situada na parte de trás do salão, ao lado de uma jukebox, cheia de luzes pisca-pisca a lembrar o mundo de fadas. Originalmente, era para comermos no Harvard Club, um habitat mais natural. Nas minhas duas décadas de cobertura do mundo da finança, descobri que os multimilionários costumam escolher comer nos clubes das suas universidades, nos escritórios, em restaurantes chiques ou então em espartanos restaurantes dietéticos. Mas, no último minuto, Dalio mudou para Jackson Hole Burgers, um escuro local carregado de recordações ocidentais. Os outros clientes presentes na sala eram turistas idosos. Pergunto-me o que é que ele está a tentar esconder? Ou será que ele pretende agir como se fosse uma pessoa normal? (A maioria dos seus rivais consideram-no tudo menos isso).

Um empregado acena sem cerimónia com menus de plástico. “Eu gosto dos hambúrgueres daqui!“, diz Dalio. “As batatas fritas e as cebolas fritas são excelentes“.

Até recentemente, ele parecia ser a última pessoa com vontade de comer um hambúrguer com um jornalista. Isso não acontece porque tivesse algo a esconder. Pelo contrário, o seu fundo de cobertura de $160 mil milhões, tem sido um dos mais bem sucedidos do seu tipo: durante as últimas duas décadas, ganhou na maior parte retornos de investimento médio de dois dígitos, ajudando a nascer uma nova estratégia de investimento conhecida como “paridade de risco”. Isso basicamente significa escolher quais são os títulos a comprar com base na volatilidade dos preços.

Mais impressionante ainda, Dalio foi também um dos poucos fundadores de fundos de cobertura que se passeou sem problemas ao longo do último colapso financeiro. Em 2007, ele prescientemente anunciou o fim do boom habitacional dos EUA. Em 2008 ele previu o colapso iminente dos bancos, e a implosão dos mercados de crédito. Isso impulsionou o seu fundo emblemático, Pure Alpha, para ganhos de quase 10 por cento em 2008, numa época em que a maioria dos fundos de cobertura viram as suas perdas dispararem. Nos anos subsequentes, Pure Alpha teve retornos ainda mais elevados, cimentando ainda mais a sua reputação.

Mas apesar desse sucesso, ou talvez por causa disso, Bridgewater tem sido um fundo opaco para investidores externos ao fundo e Dalio despreza a imprensa. Ele estava particularmente irritado quando o New York Times informou há dois anos que alguns dos seus funcionários tinham desencadeado processos judiciais contra o fundo alegando que a cultura de Bridgewater era abusiva e intrusiva. “Qualquer um que não pense que a precisão é um problema nos media, então é cego“, diz ele.

Agora, no entanto, ele mudou de táctica: através da publicação de “Principles: Life & Work”, Dalio diz querer mostrar que os críticos estão errados. “Houve muita controvérsia sobre a nossa cultura. Eu tenho 68 anos e este é o meu ano de transição“, diz ele.

Nós estamos a caminho de um mundo onde cada um de nós tem de ser capaz de escrever algoritmos e falar essa língua ou então irá ser substituído pelos algoritmos.

Dalio cresceu “num bairro de classe média de Long Island, filho único de um músico de jazz profissional”. Foi um estudante indiferente e rebelde, começou a trabalhar como caddie de golfe quando tinha 12 anos e ouvia os golfistas falarem sobre os mercados.

Dálio comprou as suas primeiras ações, a Northeast Airlines, viu triplicar o seu valor e tornou-se viciado na bolsa. Posteriormente encontrou o seu caminho para a Harvard Business School e aí juntou-se a um corretor de Wall Street, mas foi demitido por entrar em forte conflito com o seu chefe. Então, em 1975, com 26 anos, do seu apartamento de dois quartos criou Bridgewater, um fundo de cobertura [hedge fund] – um dos então novíssimos veículos financeiros que colocava apostas alavancadas nos mercados financeiros, visando gordos retornos.

Ao contrário de alguns dos seus concorrentes, o fundo de Dalio não se concentrou na escolha de ações [stockpicking]. Em vez disso, ele tentou detetar as tendências “macro” na economia global e nas finanças que pudessem afetar, digamos, o preço do ouro ou das obrigações japonesas. Inicialmente, ele teve muito sucesso. Mas em 1982 ele previu erradamente que a economia americana estava a caminhar para uma depressão e o seu fundo quase implodiu em perdas.

Desta experiência Dalio concluiu que era “um idiota arrogante“, é o que escreve no seu livro, levando-o a uma onda de autocrítica e daí os seus “princípios”. O essencial desses princípios é que os executivos precisam de aceitar as suas piores falhas, estudá-las, analisá-las muito bem, darem depois conta honestamente das suas análises – a exigente transparência – sobre o seu caráter e capacidades e debater agressivamente os seus pontos de vista com “transparência radical”. Os funcionários não só se classificam através de iPads, como também registam as trocas de opiniões.

Não é para todos“, admite ele. Exatamente assim: um quarto dos empregados de Bridgewater acham de tal forma difícil encaixar nesta cultura que saem no seu primeiro ano. Embora a maioria dos fundos de cobertura tente manter um controle apertado sobre a sua equipa de trabalho, a vigilância em Bridgewater parece extrema. Mas Dalio afirma que os sobreviventes adoram o rigor. “O que eu desenvolvi foi uma afinidade instintiva para os erros e fracassos… Eu aprendo mais com eles do que eu aprendo com o sucesso “, diz ele. O seu livro, um best-seller do New York Times, está enquadrado por afirmações de grandes figuras do meio empresarial, incluindo Bill Gates, a elogiarem os seus “preciosos conselhos e ideias”.

Para ser bem sucedido nos mercados cada um de nós tem que ser um pensador independente, porque o consenso é que tem valor e se apostarmos contra o consenso, há uma alta probabilidade de que estejamos errados. Assim, a capacidade de ter um grupo de pensadores independentes que discutam uns com os outros é fundamental “, diz ele.

Um empregado aproxima-se de nós para saber se já tínhamos escolhido a ementa. Dalio faz uma pausa na nossa conversa para encomendar um hambúrguer mal passado, acompanhado com cogumelos, cebolas fritas e batatas fritas. Eu escolho um hambúrguer mexicano e tento substituir as batatas com alface. É impossível. “Cerveja?”, pergunto eu. Dalio põe de lado esta ideia; O seu quadro mental e os seus olhos cinzento-azuis a brilharem exalam uma aura de saúde disciplinada.

Então, o que é que Bridgewater espera em 2018? Estará Dalio a prever uma outra grande crise, ao estilo da que se desencadeou em 2008?

A resposta é complexa. Neste momento, Dalio pensa que as condições na economia global parecem estar muito ensoleiradas, de bom aspeto, e é provável que continuem a apoiar o preço das ações durante algum tempo, especialmente se os investidores pegarem nas suas poupanças e as investirem nos mercados este ano. Mas ele teme que, como o crescimento económico continua a acelerar-se, os bancos centrais vão considerar difícil aumentar as taxas sem desencadear uma recessão dentro de um par de anos; os grandes desafios económicos estão ainda por vir.

Além do mais, Dalio não pensa realmente que a sua visão relativamente otimista sobre “a economia” seja aquilo em que os investidores se devam concentrar agora. Antes da última crise de crédito, quando Dalio expressava os seus premonitórios avisos, ele utilizava modelos de fluxos financeiros, de dívida e de crescimento para prever para onde é que os mercados estavam a caminhar. Na verdade, Dalio estava tão orgulhoso desses modelos que mais tarde produziu um desenho animado com figuras em que equiparavam a economia e o sistema financeiro a uma máquina.

Mas Dalio recentemente passou a considerar que não tem sentido falar acerca de “a economia”, ou de negociar nesta “máquina” global. Isso resulta de uma questão que os multimilionários geralmente preferem evitar: o aumento da desigualdade de rendimento. Mais especificamente, Dalio acha que a desigualdade está a aumentar tão rapidamente que criou múltiplas “economias”: embora a elite viva numa economia em expansão, “para os 60% de menores rendimentos, ou até mesmo para os 80%, há uma economia deprimida que não está a crescer bem “. Isso significa que devemos refletir na forma como falamos sobre “economia”, diz ele. A América precisa de uma “comissão nacional para repensar as nossas métricas económicas“.

Mas esta visão também mudou a forma como ele modeliza o futuro: ele acha que esta crescente desigualdade está a criar tanta discórdia que será o conflito político – não o económico – a impulsionar os mercados em 2018 e mesmo para além de 2018. “[Hoje em dia] não existe a mesma volatilidade da inflação, crescimento e de taxas de juros. Portanto, as questões políticas são hoje mais importantes do que as questões macroeconómicas “, diz Dalio. “O mundo tem sido até aqui conduzido pelas políticas dos bancos centrais. Não é agora o caso“, acrescenta, observando que os investidores devem estar atentos não (apenas) às declarações do Fed, mas também “às próximas eleições em França ou no Reino Unido, ou quão hospitaleiro será Jeremy Corbyn relativamente ao capital?

Eu digo-lhe que concordo inteiramente com o que acaba de dizer, mas sublinho que isso cria um desafio prático. Dalio adora utilizar modelos de computador para prever fluxos financeiros e fazer negociação sobre títulos, e gasta enormes recursos para estar na vanguarda da utilização das tecnologias digitais, incluindo a inteligência artificial. Mas como é que alguém pode prever o aparecimento do populismo ou de revolução com uma equação?

“Pode-se converter o que cada um pensa num algoritmo”, insiste Dalio. “Criámos um indicador de conflito olhando para o que nos dizem os media e para as coisas. Fizemos análises de todos os conflitos políticos no passado e do seu impacto nos mercados [na base dos modelos] “.

Esta mastigação e processamento de números produz algumas conclusões alarmantes. No ano passado, os marrões de Dalio [as análises do seu modelo] calcularam que a proporção do voto captada pelos candidatos populistas subiu de 7 por cento em 2010 para 35 por cento em 2017. Esta variação, aparentemente, tinha antes acontecido uma só vez, na década de 1930, pouco antes da Segunda Guerra Mundial.

Então, os algoritmos preveem outra guerra? Dalio evita a questão, mas admite que não consegue ver nada que reverta esta trajetória. Isso é em parte assim porque acha que a tecnologia digital está inexoravelmente a exacerbar a desigualdade através da eliminação de empregos. “Nós estamos a caminho para um mundo onde cada um de nós tem de ser capaz de escrever algoritmos e falar essa língua ou então irá ser substituído pelos algoritmos“, acrescenta Dalio. Outro problema é o crescente nível de endividamento global. “Eu não estou a prever nada como o tipo de crise de dívida que tivemos em 2008“, diz ele. “Mas há uma enorme pressão financeira que vai atingir duramente 60 por cento ou mais das pessoas de menores rendimentos, especialmente quando tivermos a próxima recessão.”

Então, como é que ele próprio se vai proteger de tão difícil situação? Apresento-lhe o exemplo dos multimilionários de Silicon Valley, como Peter Thiel, que construíram abrigos em lugares remotos ao redor do mundo para sobreviverem a um qualquer Armagedão iminente. “Não, eu não tenho um lugar para me esconder.

Nem mesmo um abrigo em Jackson Hole? Dalio abana a cabeça, apesar de ter por aí surfado. De toda a maneira, parece que a sua paixão mais profunda -quando não está a trabalhar – está na exploração do oceano. Muito recentemente Dalio tentou mergulhar no gelo na Antártida, e ficou emocionado ao ver focas leopardo. Eu sugiro que isso se deve a que é uma fuga à sua vida obsessivamente calculada; ninguém pode avaliar um pinguim sobre uma placa de gelo com um iPad. Ele ri. “A meditação tem o mesmo efeito.” Ele faz meditação transcendental duas vezes por dia desde 1969, e incentiva os funcionários de Bridgewater a adotá-la.

Os nossos hambúrgueres chegam: carnes despretensiosas e batatas fritas. Mergulhamos as batatas douradas no ketchup; estão quentes e deliciosas. A seguir cada um de nós pegou com as mãos no seu hambúrguer. Estes são tão caseiramente preparados que a carne se desintegra do pão, caindo nos pratos que ficam com um aspeto desagradável. Lambo os meus dedos como se tivesse seis anos de idade

Então, o que faria se fosse presidente? Será que quer ver a redistribuição da riqueza dos ricos para os pobres? Será que os multimilionários devem pagar mais impostos? Ele esquiva-se a responder e diz que quer ver mais “investimento de impacto social” e “levar os investidores do setor privado que sejam filantropos a fazerem parcerias com iniciativas públicas“. É o discurso típico das elites.

Então, será que Trump está a ter resultados? Dalio suspira e admite que não quer dizer nada que seja negativo. No entanto, as suas opiniões oscilaram. Antes da eleição 2016, Dalio previu que os preços das ações cairiam 10 por cento se Trump ganhassse. “Não esperava que ele ganhasse“, admite. Mas quando Trump tomou posse Dalio deu a entender que o seu programa de cortes de impostos e de desregulação seria benéfico para a economia. “Ele é muito menos imprudente do que eu inicialmente pensei que ele seria“, disse Dalio. Mas ele não gosta dos efeitos derivados dos cortes de impostos, consagrados no recente projeto de lei, temendo como a maioria dos economistas, que isso vá aumentar a desigualdade de rendimento e as fraturas sociais.

Dalio pôs de lado o seu prato com um grande hamburger, apenas meio comido. Ele não quer sobremesa, optando pelo café. O que é que acha se segue para si nos tempos mais próximos, pergunto eu. É um assunto delicado. Há quase uma década atrás Dalio tentou criar um plano de sucessão. No entanto, isso desfez-se várias vezes. “Nós estamos a atravessar uma evolução difícil de sucessão. Pensei que isso levaria três anos ou assim, mas eu estava errado, levou oito “, admite ele. “Mas a aprendizagem resulta do facto de cometer erros dolorosos e depois refletirmos sobre esses erros.” Eventualmente, Dalio terá utilizado conselhos externos: Jim Collins, autor do legendário livro de gestão Good to Great é um dos seus mentores favoritos. Ele demitiu-se do seu cargo de diretor-executivo mas continua a ser o Presidente e diretor de investimentos.

Alguns dos seus concorrentes acham que a turbulência pode continuar. Jim Grant, o veterano analista, criticou profundamente a Bridgewater numa nota recente sobre evolução dos mercados, sugerindo que os seus resultados estão a degradar-se, em parte as alterações no ambiente das taxas de juros tornam a estrutura lendária de “paridade de risco” menos efetiva. Dalio rejeita veementemente essa análise. “Jim Grant não tem nenhuma ideia sobre a matéria. Eu gosto dele como um pensador, mas este [relatório] é mau – ele tinha que se retratar em quase tudo “. No entanto, o facto de Dalio estar em tournée de lançamento do seu livro fez lembrar a alguns investidores a longa história de dirigentes de grandes empresas que enchem as primeiras páginas das revistas e publicam livros no auge do sucesso, mas que depois se afundam.

Mas e uma passagem sua para a política ou o serviço público? Ele abana a cabeça. “Não é o meu campo.” Ele nem sequer gosta de utilizar a sua riqueza para moldar a política: ao contrário de outros poderosos fundos de cobertura, como Robert Mercer, o co-chefe executivo de Renaissance, que foi, em termos individuais, o maior doador para a campanha Trump, Dalio não apoia nenhum dos candidatos políticos. “O único candidato que eu [sempre] apoiaria foi John McCain… porque ele era bipartidário e penso que ele tinha um bom caráter.”

Trazem-nos a conta do almoço. Uns simples 52 dólares.

JACKSON HOLE BURGERS, 521 3rd Avenue, New York, 10016

  • Hamburger Mexicano  $14.75
  • Hamburguer com cogumelos  $14.75
  • Chá $1.75
  • Água gaseificada  $1.75
  • Diet Pepsi x 2 $3.80
  • Café: 2 x $3.00
  • Total (inc serviço) $52.09

Os americanos irritados que sofrem os efeitos da economia global moderna e que são candidatos principais à retórica contra os 1 por cento, não podem pô-lo no pelourinho por isso. Quando saímos do restaurante, arrependo‑me de uma coisa: de não lhe ter pedido que trouxesse um dos seus iPad para o sujeitar ao seu próprio teste de transparência radical.

 

Texto republicado por Gonzalo Raffo que pode ser visto aqui. Texto original do Financial Times aqui.

Gillian Tett autora e jornalista do Financial Times, onde é editora chefe nos EUA sobre mercados e finança. É doutorada em Antropologia Social pelo Clare College de Cambridge. A sua mais recente obra é The Silo Effect: The Peril of Expertise and the Promise of Breaking Down Barriers, 2015.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: