O FACEBOOK TORNAR-SE-Á MAIS PODEROSO QUE A NSA EM MENOS DE 10 ANOS – A MENOS QUE O PAREMOS – por NAFEEZ AHMED

Selecção e tradução de Júlio Marques MotaO Facebook tornar-se-á mais poderoso que a NSA em menos de 10 anos – a menos que o paremos

O que é que a NATO, as empresas militares privadas, os gigantes fabricantes de armas, os negociantes de vinhos, a NSA, Trump, os magnatas britânicos de propriedade, em propriedades, os oligarcas russos e Big Oil têm em comum? A maior rede social do mundo

Nafeez Ahmed

Jornalista de investigação cobrindo áreas académicas relativamente à Crise da Civilização

Publicado a 23 de Dezembro de 2017, em Insurgeintelligence

O Facebook vai se infiltrar nas eleições e governar o mundo em 10 anos … a menos que o façamos parar. O que é que a NATO, as empresas militares privadas, as empresas aeroespaciais, os negociantes de vinho, a NSA, Trump, os magnatas britânicos, os oligarcas russos e Big Oil têm em comum? A maior rede social do mundo.

Assistência editorial de Andrew Markell

Imagine um mundo em que todos doassem sua liberdade, voluntariamente, em troca de pertencer a uma rede tóxica que, em vez de enriquecer as suas vidas, lucrava com a erosão do discurso civil, polarizando comunidades e manipulando as suas mentes.

O leitor não imaginaria o que havia de errado com essas pessoas?

O leitor acharia que sim. E ainda assim é este mundo que o leitor está prestes a habitar, agora mesmo. A menos que se faça algo contra isso.

* * *

This story is a call to action. A call on citizens, technologists, philanthropists, journalists and beyond to take action to disrupt our current path to a dystopian, monocultural future. As such, it experiments with a new form of journalistic narrative called Open Inquiry, that aims to balance out the investigation of power with a recognition of solutions and alternatives.

* * *

O Insurge é uma nova plataforma para Entender Notícias e para se passar do Entendimento para a Ação.

O Facebook está a caminho de se tornar mais poderoso do que a Agência de Segurança Nacional – assim diz um Alto Conselheiro da comunidade de inteligência militar dos EUA que previu a ascensão da inteligência artificial e da guerra dos robôs. Em menos de uma década, o crescimento do Facebook significará que ele potencialmente tem a capacidade de monitorar quase todo o planeta. Isso tornará a empresa mais poderosa do que qualquer outro contratado do governo no mundo.

Esta perspetiva tem ramificações perigosas para a democracia. Provas crescentes revelam que o modelo de negócios mais lucrativo do Facebook é terceirizar-se como um canal de guerra psicológica para qualquer terceiro partido que queira influenciar as crenças e comportamentos dos cidadãos.

Partes fundamentais desta história permaneceram fora do conhecimento público até agora. O leitor já ouviu a história do uso de perfil do Facebook pela Cambridge Analytica para influenciar as campanhas eleitorais nos dois lados do Atlântico. O leitor já ouviu falar de como a Rússia tem laços curiosos com alguns desses jogadores, embora também tenha apostado no Facebook nos seus esforços para combater a “guerra híbrida”.

Tudo isso sugere que uma cabala de extrema-direita utilizou o Big Data para sequestrar processos democráticos nos EUA, na Inglaterra e na Europa.

Mas esta não é toda a história. O INSURGE Intelligence navega numa rede de conexões entre diretores, altos funcionários e empresas associadas da Cambridge Analytica, lançando uma nova luz sobre como o modus operandi da empresa que foi desenvolvida nas entranhas mais secretas do sistema de segurança nacional do governo britânico.

Revelamos pela primeira vez as interligações abrangentes da empresa com poderosos interesses políticos e económicos anglo-americanos; o complexo de segurança nacional da OTAN; agências de inteligência militar; contratados militares privados acusados de atividade ilegal e de incompetência; a indústria global de combustíveis fósseis; e uma oligarquia financeira britânica pró-conservadora com investimentos maciços no mercado imobiliário britânico e russo. Em vez de representar uma grande conspiração, essas redes interligadas dão-nos uma janela para o alinhamento estrutural do poder em que elas operam.

A empresa do Cambridge Analytica no Reino Unido, SCL Group, é uma antiga contratada do Ministério da Defesa do Reino Unido que tinha acesso a informações confidenciais. A nossa investigação revela que a empresa continua a ter laços simbióticos com o Ministério das Relações Exteriores britânico, que oficialmente quer explorar o sucesso da empresa em ajudar a campanha Trump para as metas da política externa do Reino Unido.

Mark Turnbull, que lidera a SCL Elections, a subsidiária responsável pelo trabalho eleitoral da empresa, é um ex-consultor da Bell Pottinger que supervisionou as operações de influência do Pentágono no Iraque, uma das quais produziu falsos vídeos da Al-Qaeda.

O mesmo Turnbull havia fundado a Aethos, a divisão de “comunicações estratégicas” da Aegis Defense Services, a gigantesca empreiteira militar britânica comprada pela ainda maior corporação canadiana, a GardaWorld. Juntas, essas empresas geraram uma controvérsia significativa sobre o tratamento dado a civis no Iraque, o recrutamento de crianças-soldados na Serra Leoa e a “incompetência tática” no Afeganistão.

Os diretores do SCL Group mantêm interesses comerciais diretos numa série de empresas envolvidas em dois setores proeminentes: o comércio de armas e de defesa; e a indústria global de petróleo e gás. O principal impulsionador aqui é Julian Wheatland, presidente do SCL Group, que é diretor da Hatton International, uma empresa obscura especializada em serviços de compensação de defesa para empresas privadas de armas e aeroespaciais; e ex-diretor de uma empresa associada à Hatton, a Phi Energy Group, que trabalhou com algumas das principais empresas de petróleo do mundo.

Outros diretores do SCL Group têm parcerias comerciais com poderosos interesses financeiros pró-conservadores, alguns com vínculos à campanha do Brexit. O principal deles é o Hanson Asset Management, o legado do falecido magnata dos negócios defensor acérrimo de Thatcher, Lord Hanson. Patrick Teroerde, diretor co-fundador da Hanson Asset Management, foi um dos primeiros diretores – aparentemente um diretor co-fundador – da SCL Elections, subsidiária do SCL Group, que supostamente ajudou na campanha Vote Leave. O substituto de Lord Hanson no seu grupo anti-UE “Business in Sterling”, Dominic Cummings, era diretor de campanha da Vote Leave

Outro diretor do Grupo SCL, Roger Gabb, compartilha uma empresa de investimentos imobiliários com vários magnatas britânicos de propriedades, incluindo o bilionário Anton Bilton e Bimaljit Singh Sandhu, ambos investindo pesado nos mercados imobiliário do Reino Unido e da Rússia através da firma Raven Russia – que explicitamente articula um interesse em abrir a Rússia aos investidores estrangeiros. A Raven Russia nega conhecer Gabb ou qualquer coisa sobre o SCL Group.

O SCL Group não apenas utilizou o Facebook para ajudar na eleição de Donald Trump e, ao que parece, na campanha do Brexit; mas também recebeu US $ 1 milhão (de dólares do Canadá-CAD) para apoiar as operações de influência da OTAN na Europa Oriental e na Ucrânia, visando a Rússia.

E enquanto a firma não tem mais contratos com o Ministério da Defesa, ela obteve vários contratos do Departamento de Estado para operações de influência global, procurando muitos outros em todo o governo federal dos EUA e mantém laços estreitos com o Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico, o Foreign Office, em sigla FO.

No início de 2017, o FCO convocou uma conferência fechada sobre como o governo poderia utilizar melhor o Big Data nas suas metas de política externa, convidando Turnbull e o seu principal cientista de dados para falar sobre o trabalho da Cambridge Analytica na assistência à campanha Trump. O FCO recusou-se a esclarecer como é que o jogo do Facebook para influenciar o voto americano era relevante para a agenda diplomática do governo britânico no exterior.

AXIOMA

Em suma, longe de representar um esforço para sequestrar a democracia a partir de fora, descobrimos que a gama de interesses associados à empresa está encrustada nas estruturas mais arraigadas do complexo industrial militar britânico-americano: um complexo que se está a tornar cada vez mais radicalizado a procurar encontra novas maneiras de usar a maior rede social do mundo para manipular a opinião pública.

ESCLARECIMENTO

Tudo isso remete-nos para a forma como o Facebook desempenhou um papel fundamental na capacitação e no lucro de operações de influência psicológica e comportamental de grupos de interesse concorrentes – uma trajetória que poderia tornar a plataforma uma ameaça mais insidiosa à democracia do que qualquer um desses interesses.

AÇÃO

Uma trajetória que significa que a única saída é construir alternativas ao Facebook que ofereçam novas abordagens à informação.

Agora, até mesmo alguns dos criadores do Facebook estão a reconhecer os impactos tóxicos da plataforma. O grande investidor em capital de risco Chamath Palihapitiya, ex-chefe responsável pelo crescimento dos utilizadores do Facebook, reconhece a sua “tremenda culpa” pelo modo como a plataforma “criou ferramentas que estão a destruir a estrutura social de como a sociedade funciona”.

O ex-presidente do Facebook, Sean Parker, expressa alarme sobre o que a rede social está a “fazer com o cérebro dos nossos filhos”, baseada numa “validação social com efeitos de repercussão e de retroação ” projetado para “consumir o máximo de tempo e de atenção consciente tanto quanto possível”.

O Facebook está a mudar rapidamente de modo a poderá aproveitar ao máximo essas técnicas para manipular a psique humana de modo a influenciar tudo o que fazemos – e, potencialmente, influenciar até mesmo as nossas escolhas políticas – tudo para maximizar os seus próprios lucros.

Se nada for feito para interromper a trajetória global do Facebook, o seu controle sobre nossas vidas pode ser impossível de ser parado.

No entanto, essa mesma trajetória revela que o Facebook não é o problema. O Facebook é simplesmente uma expressão de um acordo coletivo da sociedade. Os milhares de milhões de pessoas no Facebook estão mais do que dispostos a negociar a nossa privacidade, a nossa liberdade e o nosso direito a informações verdadeiras em troca da “conexão” que sentimos ao utilizar a plataforma.

O Facebook é a expressão de um problema mais profundo: desde que as pessoas estejam a ganhar dinheiro com um sistema que não apenas possibilite os Facebooks do mundo, mas os incentive; desde que as pessoas estejam dispostas a entregar as chaves de toda a sua vida , sem nada substancial em troca além de compartilhar fotos, mensagens diretas e grupos no Facebook, nada vai mudar.

Então, como será o mundo quando Zuckerberg possuir a nossa mente e modelar o nosso comportamento? Uma esfera pública saudável e bem informada, da qual depende uma democracia, torna-se cada vez mais impotente. Em lugar do diálogo saudável, da lógica e dos fatos, somos dilacerados por divisões violentas, ideologias, sistemas de crenças incoerentes, apatia, raiva e resignação.

A responsabilidade já escassa nas nossas instituições públicas é gradualmente corroída, substituída pelo alcance manipulativo e inexplicável daqueles que controlam o Big Data.

Zuckerberg e a sua equipa de trabalho estão no topo de um meta governo governamental, não eleito, no qual os estados-nações se tornam irrevogavelmente dependentes de serviços cruciais de informação focados em influenciar as nossas decisões.

Os nossos filhos vivem num mundo onde a vigilância total é completamente normal; onde as informações precisas, o diálogo e a dissidência são substituídos por linguagem direcionada e tecnologias cada vez mais sofisticadas para manipular a psique humana.

E para o quê, exatamente? Para que alguns homens e algumas poucas mulheres se tornarem fabulosamente ricos? Para que o leitor possa desfrutar de momentos íntimos de partilha com os seus amigos do ensino médio de há 20 anos atrás? De modo a que sua empresa possa espremer dez dólares a mais pelo produto?

O sonho de Mark Zuckerberg não precisa de se tornar o pesadelo de todos os outros. Mas vai demorar muito mais do que acenar com a mão e apresentar declarações públicas de desculpa.

Por isso, devemos perguntar: como será o mundo quando as pessoas vencerem?

Facebook pode ser interrompido. Mas não pode ser interrompido, a menos que haja algo mais para as pessoas se conectarem. Ele não pode ser superado a menos que estejamos dispostos a aceitar que a apatia e resignação generalizada em torno da aparente inevitabilidade da supremacia global do Facebook sejam a maior conquista de Zuckerberg, e no entanto a mais imerecida.

A única maneira de nos libertarmos dessa condição inexplicável é livrarmo-nos da ideia de resignação; esta não é real. A nossa vontade de ser perigosamente criativa e livre é real. A nossa responsabilidade antiga e atemporal de deixar um mundo melhor para os nossos filhos é real.

Então, a questão é: como podemos desenvolver algo mais poderoso do que culpa e palavras fortes de cautela? Como podemos realmente construir as coisas que relegarão tudo o que o Facebook representa – poder maciço de monopólio, roubo de dados, manipulação psicológica e o sacrifício generalizado da liberdade humana no altar da acumulação de dinheiro – para uma nota de rodapé da história?

Largue tudo, sim, literalmente, largue tudo e apoie a construção de alternativas para o futuro que Zuckerberg e os seus colegas estão a construir para todos nós. Essas alternativas serão baseadas numa orientação fundamentalmente diferente: alternativas que tratem da descentralização e redistribuição do acesso a recursos; melhorar a forma como abordamos a informação; e encorajar novas formas generativas de interagir uns com os outros.

Esta história revela a lógica e a força do nosso opositor. A janela do seu contra-movimento está-se a fechar rapidamente.

Maior que a NSA

O Facebook tornar-se-á o “contratante governamental mais poderoso” do mundo, em menos de dez anos.

A previsão foi feita por John Robb, ex-agente antiterrorista do Comando de Operações Especiais dos Estados Unidos e assessor de longa data da inteligência militar dos EUA sobre o futuro da guerra para agências como a NSA e a CIA. Em 2016, Robb foi consultor especial do Presidente da Joint Chiefs of Staff dos EUA sobre o futuro da inteligência artificial e da guerra robótica.

AXIOMA

Colocado no seu blog Global Guerrillas, do New York Times, Robb explicou que dada a atual taxa de crescimento do Facebook, a plataforma de rede social – que atualmente tem 2 mil milhões de utilizadores mensais – atingirá o recorde de 3,5 mil milhões de utilizadores mensais até 2025. o suficiente para ter um “gráfico social completo” de toda a população do planeta.

Com isso, enquanto muitas pessoas estão sob o seu radar, mais da metade dos 6,5 mil milhões de pessoas que vivem fora da Rússia e da China, o Facebook terá a capacidade de aceder efetivamente a informações sobre quase toda a população humana.

Nas palavras de Robb:

“Essa é uma rede que é suficiente grande para criar um censo global que pode” ver “quase todos no planeta, mesmo que eles não tenham uma conta no Facebook.”

Esclarecimento

As menções sociais de localização junto com imagens de associados, amigos e familiares dariam acesso efetivo ao Facebook ao restante da população que não estivesse na rede do Facebook.

Isso permitirá o rastreamento em tempo real de quase todos os habitantes do planeta usando dados GPS de smartphones e informações auxiliares, incluindo fotos, links colocados e likes. E isso, por sua vez, permitirá que o Facebook “crie o maior banco de dados de microssegmentação do mundo”, repleto de detalhes íntimos sobre os interesses de milhares de milhões de pessoas.

Esclarecimento

Em essência, isso significa que os recursos de vigilância em massa do Facebook serão ainda mais poderosos do que os da NSA.

Nas palavras de John Robb:

“O Facebook agora tem a capacidade de oferecer serviços de escala da NSA, com dados melhores, para nações do mundo todo.”

O Facebook negou a previsão de Robb inequivocamente. Um porta-voz disse:

“As agências de inteligência possuem autoridades e capacidades legais totalmente diferentes das empresas do setor privado, portanto, essa é uma comparação falsa. As nossas operações e práticas estão sujeitas a supervisão regulatória específica. ”

Big Brother é global: bem-vindo ao meta-governo

O problema foi bem colocado por Alexis Wichowski, um ex-funcionário do Departamento de Estado especializado em diplomacia digital. Com a base de utilizadores de Facebook agora abrangendo literalmente um quarto da população global, ele diz que na verdade se tornou um “estado-em rede”, devido ao seu acesso em massa.

Esclarecimento

Facebook, no entanto, está singularmente posicionado para se tornar o provedor de serviços globais número um de operações de informação para governos mundiais, sejam eles democráticos, autocráticos ou intermediários.

Numa entrevista exclusiva à INSURGE, Robb explicou que esse acesso sem precedentes à dinâmica populacional global fará do Facebook o empresário incontornável pelos serviços abrangentes de vigilância, censura e contra terrorismo para os governos em todo o mundo:

“O governo dos EUA percebe que o Facebook tem melhores e mais dados do que eles e pode fazer muito mais com isso do que eles podem, particularmente em relação aos cidadãos dos EUA. Simplesmente não conseguem acompanhar, então a única alternativa – a China está a fazer a mesma coisa – a coagir a plataforma a trabalhar com eles ”.

Embora a publicidade do setor privado seja uma fonte primária de lucros para a plataforma, o sucesso do Facebook dependerá de poder evitar a regulamentação do governo. Ao oferecer os seus próprios serviços críticos de segurança e vigilância aos governos, Robb disse: “O Facebook evitará regulamentações que limitarão a sua capacidade de ganhar dinheiro”.

John Robb prevê ainda que o Facebook fornecerá aos governos a capacidade reforçada de “identificar qualquer pessoa usando Inteligência Artificial de reconhecimento facial … e acompanhar seus movimentos globalmente”.

A tecnologia já está em desenvolvimento, com o Facebook atualmente a concentrar-se em ferramentas de reconhecimento facial para utilização com câmaras em lojas de venda ao público de produtos de alto de gama. As ferramentas avaliavam as emoções e os perfis comportamentais dos clientes através de expressões faciais com scans sobre as pessoas e transmitiam as informações aos gestores e assistentes dos estabelecimentos.

Esclarecimento

A plataforma também será capaz de “limitar as conversas políticas domésticas àquelas que são aprovadas pelo governo”, assim como “limitar as fontes aos canais aprovados, impedir a discussão de tópicos proibidos e conduzir conversas de maneira sutil”.

Finalmente, acrescentou Robb, o Facebook rotineiramente “perscrutará conversas privadas e fará a análise de rede para identificar extremistas em potência. Também ativamente sabotará ou intervirá em redes de recrutamento de terroristas e extremistas para prejudicar a sua eficácia na obtenção de recrutas. ”

Um problema aqui é que as definições de um extremista “potencial”, sem falar já do próprio extremismo, são vagas demais para serem úteis para uma deteção significativa de ameaças. Como já relatei anteriormente para o The Guardian, o Pentágono tem um histórico infeliz de equiparar o extremismo a qualquer forma de ativismo político que critique o governo.

O porta-voz do Facebook negou que a empresa se possa tornar tão poderosa, observando que a principal contratada do governo dos EUA no ano fiscal de 2016 “foi a Lockheed Martin com quase US $ 44 mil milhões”.

Mas o argumento de John Robb não era que o Facebook se tornaria o empresário contratado pelo governo que seria o mais lucrativo, mas o mais “poderoso” em termos de sua capacidade de influenciar as populações globais.

A falha na vigilância de terceiros

AXIOMA

Os limites entre a utilização governamental e privada do Facebook para manipular os comportamentos da população são cada vez mais indistintos.

Embora o Facebook tenha reivindicado oposição à vigilância do governo, a conduta real da plataforma sugere o contrário.

John Robb descreveu o Facebook como “bastante complacente” com as solicitações de dados do governo, e disse-me que a empresa não tem apenas uma unidade de combate ao terrorismo, mas uma “divisão de vigilância e censura” que está “a crescer muito rapidamente”.

Não é de admirar que a empresa tenha lutado ativamente contra as leis de privacidade de reconhecimento facial biométrico nos EUA.

No início de 2017, o Facebook anunciou uma política para impedir que os desenvolvedores usassem os dados do Facebook para criar aplicativos para vigilância. O anúncio veio depois de revelações de que os departamentos de polícia dos EUA tinham obtido acesso especial às redes sociais para rastrear os manifestantes.

Sem ser notada na época, a política real do Facebook para os desenvolvedores de aplicações fornece uma brecha legal que pode conceder às agências governamentais e policiais uma rota indireta para a vigilância do Facebook, assinando um acordo de confidencialidade com uma terceira parte como intermediário:

“Mantenha privados a sua chave secreta e tokens de acesso. O leitor pode partilhá-los com um agente que está para operar com a sua aplicação se eles assinarem um contrato de confidencialidade. Se o leitor utilizar qualquer fornecedor de serviços, faça-o assinar um contrato para proteger qualquer informação que que tenha obtido do eleitor, para limitar a utilização dessas informações e mantê-las confidenciais. ”

Esclarecimento

Essa brecha potencialmente abre a porta para as autoridades públicas utilizarem empresas terceirizadas para atingir exatamente os mesmos objetivos de vigilância, sob a bandeira da confidencialidade.

De acordo com o Facebook, isso não é um problema: “Se as empresas estão a fornecerem acesso às nossas aplicações para vigilância, isso seria contra a nossa política. Isso não é uma brecha na lei. Se tomarmos conhecimento da violação do comportamento, tomaremos as medidas adequadas com o desenvolvedor da aplicação, o que pode incluir a remoção do acesso. ”

O porta-voz não conseguiu explicar como é que o Facebook se tornaria ciente de tal comportamento violador, quando sua própria política impede que ele venha à luz sob um protocolo de confidencialidade.

A Cyber Guerra é pirataria ((Cyber)War is a racket)

Não admira, portanto, que o Facebook se tenha tornado um campo de batalha da informação entre os governos.

Em vez de negociantes de armas corruptos venderem armas a partes em guerra, o Facebook vende ferramentas de informação a governos em lados opostos de campos de batalha físicos muito reais.

O porta-voz do Facebook disse-me que essa caracterização da plataforma é “um mal-entendido fundamental da nossa atividade. Dos seis milhões de anunciantes no Facebook, a maioria é de pequenas e médias empresas. A publicidade política representa apenas uma pequena fração do nosso negócio”

No entanto, isso não exclui o facto de que, apesar dos gastos políticos não serem nem mesmo uma das dez primeiras vertentes publicitárias do Facebook, a empresa continua a encorajar ativamente os governos e campanhas políticas a utilizarem a sua plataforma para influenciar os eleitorados – com consequências altamente controversas.

E como me disse John Robb, do Pentágono, uma das maiores vantagens em que o Facebook  está a apostar ao abrir as portas para as operações de influência do governo é aceder às vastas populações nacionais desses governos.

Até agora, um total de cerca de US $ 200 mil é o valor das despesas atribuído a fontes russas no Facebook nas eleições dos EUA. Isso empalidece em comparação com as campanhas publicitárias do Facebook das campanhas de Trompa e Clinton combinadas: incríveis US $ 81 milhões, de acordo com o conselheiro geral do Facebook, Colina Strecht, nas audiências do Comité de Inteligência do Senado.

A Rússia recebeu justamente críticas por utilizar umas plataformas como o Facebook para promover “notícias falsas”. Mas a vasta escala do programa global de anúncios do Facebook do Departamento de Estado dos EUA fala por si mesmo.

Uma análise dos registos de gastos federais mostra que as campanhas de informação americanas em 2010-2011 e 2015-2016 gastaram US $ 59.541 em anúncios direcionados a pessoas que falam russo. Isso fazia parte de um investimento de US $ 1,6 milhão em gastos com publicidade no Facebook, do Departamento de Estado, da Voz da América e da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID).

Outros países visados por essas campanhas de influência no Facebook incluem Indonésia (US $ 136.217), Paquistão (US $ 127.684), Irão (US $ 87.381), Afeganistão (US $ 61.176), bem como as antigas repúblicas soviéticas da Armênia (US $ 33.187), Uzbequistão (US $ 19.275) e Geórgia (US $ 40.100).

Esses anúncios concentram-se em promover “iniciativas diplomáticas” dos EUA e levar os leitores para as agências de notícias pró-americanas, como a Voice of America, patrocinada por Washington.

Os compradores de anúncios do Facebook podem segmentar anúncios com extrema precisão devido à grande quantidade de dados que o Facebook mantém sobre os utilizadores. Seja no seu telefone ou computador, o Facebook coleta informações sobre tudo o que seus utilizadores fazem on-line, a menos que eles saiam da plataforma.

AXIOMA

Moria Whelan, ex-vice-secretário assistente de estratégia digital do Departamento de Estado dos EUA, diz que o Departamento de Estado dos EUA atinge 30 milhões de pessoas todos os dias através do Facebook, muitas vezes com apoio direto na forma de treino e ferramentas.

Nas palavras de Whelan:

“[O Facebook] é um dos instrumentos mais úteis e económicos do poder americano para promover as nossas ideias. Toda a embaixada americana no mundo tem uma conta – mais provavelmente várias contas. Não estamos sozinhos… Quase todos os governos estrangeiros – salvo um punhado – têm presença no Facebook e as suas embaixadas utilizam o Facebook como fonte principal para se comunicar … O Facebook é um parceiro disponível de uma forma que ultrapassava todas as outras plataformas. A equipa do Facebook inovou de forma relevante para os profissionais de diplomacia pública que os outros sites dos media sociais não fizeram: eles construíram estruturas de formação e treino assim como desenvolveram ferramentas que facilitam as nossas vidas ”.

Esclarecimento

Por outras palavras, a relação entre governos e Facebook para operações de influência global é cada vez mais simbiótica. Os governos querem influenciar as pessoas. E eles estão dispostos a pagar generosamente ao Facebook para os ajudar a alcançar este objetivo.

Censura

O Facebook “foi construído para realizar uma missão social – tornar o mundo mais aberto e conectado”, escreveu o co-fundador Mark Zuckerberg no documento S-1 da empresa em 2012.

“A nossa nova missão é aproximar o mundo”, disse ele à CNN Tech no verão de 2017.

E, no entanto, a disposição do Facebook de lucrar com a guerra de informação global já colocou a plataforma em formas diretas de censura a favor de estados autoritários.

Para a Turquia, o Facebook – supostamente pressionado pelo governo turco – excluiu as contas do Facebook de pessoas que expressam solidariedade a Rojava, uma província curda autónoma no norte da Síria que desempenha um papel importante na reversão do ISIS.

Facebook rotineiramente censura comentários de críticos do governo na Índia, Paquistão e Marrocos.

O Facebook trabalha com o governo israelita para censurar grupos palestinianos com base na sua regra de moderação de que “qualquer organização que seja principalmente dedicada a intimidar uma população, governo ou usar violência para resistir à ocupação de um estado internacionalmente reconhecido” não pode ser elogiada, apoiada ou representada de qualquer forma.

O Facebook, de acordo com fontes do Facebook que conversaram com o New York Times, construiu um software que poderia potencialmente acomodar exigências de censura na China.

O Facebook está até a branquear crimes horrendos contra a humanidade, de limpeza étnica e atos de genocídio em Mianmar (Birmânia), ao excluir massivamente os posts de ativistas Rohingya que documentam a violência contra os seus homens, mulheres e crianças.

O Facebook negou operar em aliança efetiva com tais estados repressivos e autocráticos: “Avaliamos relatórios baseados nos nossos padrões da comunidade. Também publicamos informações ao nível de país no nosso Relatório de Transparência sobre restrições de conteúdo com base em violações das leis locais.

Psyops e Eleições

As utilizações mais insidiosos contra as quais o Facebook tem sido acusado surgiram em relação à empresa de mineração de dados Cambridge Analytica, filial americana da SCL Elections – uma subsidiária da empresa britânica Strategic Communications Laboratory Group, agora conhecida simplesmente como SCL Group.

A Cambridge Analytica utilizou inteligência artificial e técnicas de propaganda psicológica reforçadas durante intervenções militares dos EUA e da Grã-Bretanha para influenciar populações estrangeiras. Essas técnicas ajudaram a campanha eleitoral de Donald Trump, e evidências convincentes estão a aparecer da sua utilização durante o referendo sobre o papel da Grã-Bretanha na União Europeia.

Os detalhes são agora bastante conhecidos. A empresa orgulhava-se de ter acesso aos perfis psicológicos de 220 milhões de cidadãos americanos, com base em conjuntos de dados compilados do Facebook.

Esses dados foram ainda mais integrados a dados de eleitores obtidos comercialmente e usados para segmentar indivíduos com anúncios “personalizados” no Facebook, calibrados para pressionar nos seus botões emocionais.

Os cientistas de dados discordam sobre a eficácia dessas técnicas – não há como verificar o seu impacto, pois os modelos utilizados não são públicos, mas são de propriedade privada do SCL Group e das suas subsidiárias.

Enquanto isso, algumas das conexões políticas extraordinárias da empresa de dados foram expostas. Um importante financiador da Cambridge Analytica, por exemplo, foi o bilionário cientista da computação Robert Mercer, o maior doador de campanha de Donald Trump. Mercer detinha uma participação na Breitbart News, então dirigida por Steve Bannon – que ocupava o conselho da Cambridge Analytica como o seu vice-presidente, antes de se tornar estratega-chefe de Trump na Casa Branca. Mercer também havia, supostamente, instado a Cambridge Analytica a fornecer suporte para a campanha do Brexit.

Linha direta para o estado subterrâneo (Deep State)

No entanto, esta é apenas uma imagem parcial de uma rede muito mais ampla de conexões do establishment. As informações suprimidas da empresa e os registos existentes da empresa consultados pela INSURGE Intelligence descobrem uma série de relacionamentos que abrangem os escalões mais secretos da indústria de segurança nacional do governo britânico, da NATO, do setor militar privado global e do comércio de armas, o establishment financeiro pró-Partido Conservador Tory e o mundo global da indústria de combustíveis fósseis.

A SCL Elections tem vindo a operar desde 1993 para fornecer o que descreveu numa seção agora apagada no seu sítio como “pesquisa eleitoral avançada, pesquisa de audiência e análise comportamental” em campanhas eleitorais. Essas técnicas foram “adaptadas para uso civil a partir de aplicações militares para melhor entender o comportamento dentro dos eleitorados”.

Um arquivo do sítio antigo da SCL fornece uma informação útil sobre como o Grupo SCL desenvolveu a sua metodologia num contexto militar. A página descreve como é que foi o sucesso dos testes de campo iniciais nos anos 90:

“… Encorajou a SCL a oferecer a sua capacidade única às Forças Internacionais para avaliação crítica independente *. Após uma análise abrangente da metodologia e avaliação completa da sua eficácia, a SCL Defense agora fornece as principais forças armadas do mundo, incluindo os Departamentos de Defesa dos EUA e do Reino Unido. ”

O asterisco leva ao seguinte parágrafo:

“* Análise independente da metodologia de TAA [Target Audience Analysis] do SCL realizada por, entre outros, ARAG – Grupo de Pesquisa Avançada e Avaliação (UK) do Ministério da Defesa e Sandia National Laboratories – Administração Nacional de Segurança Nuclear do Departamento de Energia dos EUA. Aprovação pública das capacidades do SCL publicado pelo Government Accountability Office, Departamento de Estado. ”

A descrição prosseguiu descrevendo como essa metodologia de influência comportamental foi aplicada às populações civis:

“No mesmo período, a SCL também ofereceu a sua metodologia TAA para governos e partidos políticos em todo o mundo. Para realizar este trabalho, SCL established SCL Elections e desde 1994 SCL Elections Elections fornece pesquisa, estratégia e execução para mais de 23 campanhas eleitorais – SEM PERDER. ”

De acordo com outra descrição agora excluída do site do SCL Group sobre a sua divisão de Defesa da SCL, a empresa tinha laços profundos com o Ministério da Defesa britânico e todo o corpo diplomático britânico:

“A SCL é um organismo comercial aprovado pelo governo do Reino Unido, autorizado a realizar projetos militares e civis para clientes estrangeiros. A SCL recebeu a credencial “Lista X” do Ministério da Defesa do governo britânico, o mesmo equivalente ao Facility Security Clearance (FSC) utilizado noutros países, que nos fornece autorização do Governo para lidar com informações protegidas como “confidenciais” e acima. Temos um histórico extenso em todo o mundo e as consultas podem ser encaminhadas por qualquer British High Commission ou embaixada britânica ”.

De acordo com a orientação do governo do Reino Unido sobre os requisitos de segurança para os contratados da Lista X, “essas empresas operam no Reino Unido trabalham em contratos do governo do Reino Unido que exigem que elas mantenham informações classificadas. Essas informações o informações “secretas” ou acima ou de parceiros internacionais classificadas como “Confidenciais” ou acima e são mantidas nas suas próprias instalações num sítio específico.”

Um porta-voz do governo confirmou que atualmente o Grupo SCL não possui contratos ativos com o Ministério da Defesa e, portanto, “não tem acesso a informações classificadas ou confidenciais do Ministério da Defesa”. No entanto, o porta-voz não esclareceu quando é que o Grupo SCL foi contratado pela última vez pelo Ministério da Defesa e para que propósito.

Esclarecimento

O parágrafo do SCL Group apagado também se refere a como as consultas sobre o SCL Group poderiam ser feitas por meio de uma porta aberta através de embaixadas britânicas em todo o mundo – aparentemente indicativas de uma relação simbiótica com o Foreign Office britânico.

Esse relacionamento com o Ministério das Relações Exteriores levanta uma questão embaraçosa: as suas operações de campanha do Facebook em curso para influenciar as eleições nacionais foram tomadas como serviço dos interesses da política externa britânica?

Quando eu coloquei esta questão pela primeira vez para o Ministério das Relações Exteriores, um porta-voz respondeu: “Estou a investigar responder à sua consulta, mas fui aconselhado a entrar em contato com o Ministério da Defesa nesta questão.” Apesar dos pedidos de acompanhamento, nenhum esclarecimento adicional. A relação simbiótica do SCL Group com o FO estava próxima.

O SCL Group, incluindo a sua subsidiária Cambridge Analytica, não respondeu a várias solicitações de comentários.

Em declarações públicas anteriores, o SCL Group esforçou-se por negar a realização de “desinformação” nas suas operações de influência.

No entanto, em 2005, na Expo DSEI (Defense Systems and Equipment International), a maior vitrina de tecnologia militar do Reino Unido, a empresa exibiu uma maquete das suas operações. O estudo de caso em exibição foi de um surto de varíola na Grã-Bretanha, contido pelo governo por meio de “uma sofisticada campanha de engano em massa”, destinada a convencer britânicos desavisados de que o perigo não era uma epidemia, mas sim um acidente numa fábrica de produtos químicos. O resultado, supostamente, seria que a operação de propaganda do SCL reduzia as baixas projetadas de cerca de 10 milhões para apenas alguns milhares.

Num outro estudo de caso, o SCL Group ajudaria “um país recém-democrático no Sul da Ásia, a lutar contra os políticos corruptos e contra um sentimento de revolta crescente”, ajudando a monarquia a tomar o poder, temporariamente, é claro. “O cenário do SCL também se parece muito com a utilização de uma empresa privada para ajudar a derrubar um governo democraticamente eleito”, observou Sharon Weinberger.

O complexo militar-industrial anglo-americano

AXIOMA

A linha direta para o “estado subterrâneo ” britânico é apenas um fator na afinidade do SCL Grou com as operações de contrainsurreição de um qualquer governo ocidental. O outro fator é a terceirização dessas operações para contratados militares privados, muitas vezes com históricos questionáveis.

Em Maio de 2016, a empresa subsidiária do Grupo SCL – SCL Elections – foi dirigida pelo diretor Mark Turnbull, ex-consultor de comunicação de longa data da empresa gigante de relações públicas Bell Pottinger.

Durante o seu último período na Bell Pottinger, no seu perfil no LinkedIn, Turnbull afirma ter “aconselhado os governos do Reino Unido e dos EUA sobre o papel das comunicações estratégicas no planeamento e implementação da estratégia nacional de defesa”

Ele também fundou e liderou em 2004 uma força mediática e de influência estratégica baseada na Bell Pottinger, com uma equipe escolhida a dedo para conduzir o trabalho de estabilização, de contra radicalização e reforma democrática em zonas de conflito e sensibilidade geopolítica”.

Nessa capacidade, ele “planeou e dirigiu campanhas de comunicação de ‘mudança social’ em vários teatros de conflito no Oriente Médio, África e Sul da Ásia” – incluindo, diz ele, “um esforço de construção de sete anos com múltiplos programas integrados -terrorismo, estabilização, conflitos etno-sectários e também de reconciliação política ”.

Foi no mesmo ano de 2004 que Bell Pottinger começou a trabalhar no Iraque, tendo assinado um acordo de US $ 5,6 milhões com a Autoridade Provisória da Coligação liderada pelos EUA para promover a “democracia” no país. Como relatou o Middle East Eye, o então presidente da empresa, Lord Bell, disse à revista PR Week: “Não existe uma palavra em árabe para a democracia – eles usam a palavra ‘democratier’, que não é árabe. É certamente um grande desafio de comunicação. Não vai ser fácil, mas será recompensador ”

Entre 2007 e 2011, a Bell Pottinger recebeu US $ 540 milhões do Departamento de Defesa dos EUA por “operações de informação e operações psicológicas”.

A produção do Pentágono de Bell Pottinger sob a supervisão de Turnbull incluiu falsos vídeos da Al-Qaeda no Iraque, de acordo com um ex-funcionário da empresa. Estes foram copiados em CDs e jogados nas ruas por soldados dos EUA em patrulha.

Regras de envolvimento: tiros em massa, recrutamento de crianças soldados, incompetência tática

AXIOMA

Depois de partir os dentes em lugares como o Iraque, Turnbull foi co-fundador e chefe da Aethos, uma nova divisão de comunicações estratégicas da empresa gigante privada britânica Aegis Defense Services. Aegis que tem operado no Iraque e no Afeganistão sob um contrato de centenas de milhões de dólares com o Pentágono.

Em 2005, Aegis esteve no centro das atenções quando houve um conhecimento de vídeos por um ex-contratado da Aegis, Rod Stoner, mostrando que os contratados da Aegis disparam aleatoriamente contra civis iraquianos na estrada entre Bagdade e o aeroporto da Zona Verde.

Aegis emitiu uma declaração formal negando que as imagens estejam “de alguma forma relacionados à Aegis”, e uma investigação do Exército dos EUA concluiu que nenhum crime foi cometido, já que os disparos estavam em conformidade com as “regras de envolvimento “. Apesar dessa negação de uma conexão com o vídeo, a Aegis foi sujeita a uma injunção do Supremo contra Stoner, forçando-o a eliminar o sítio o sítio onde tinha sido colocados os vídeos.

Mais recentemente, a empresa foi acusada de recrutar crianças-soldados como mercenários em Serra Leoa.

Apesar disso, a Aegis acaba de assinar um contrato de US $ 1,3 mil milhões com o Departamento de Estado de Donald Trump para aumentar a segurança nas instalações diplomáticas dos EUA em todo o mundo. Isso não obstante preocupações internas entre os funcionários da embaixada dos EUA sobre a incompetência tática da empresa e de “uma perigosa falta de compreensão do ambiente operacional”.

A Aethos, a divisão de comunicações estratégicas da Aegis criada por Turnbull, acabou por ser incorporada na empresa principal – que em 2015 foi comprada pela empresa de segurança canadiana GardaWorld, a maior empresa privada de segurança do mundo.

A GardaWorld tem estado envolvida em controvérsias devido ao seu dúbio trabalho nas operações no Iraque e no Afeganistão, por defender os interesses internacionais do petróleo na Nigéria e potencialmente por violar as resoluções do Conselho de Segurança que proíbem o pessoal mercenário armado de operar na Líbia.

Vários dos antigos colegas da Turnbull na Aethos / Aegis são agora diretores da GardaWorld – Oliver Westmacott (presidente e diretor executivo) e Major General Graham Binns (diretor executivo sénior de estratégia e vendas, também CEO da Aegis).

Esclarecimento

Em suma, Turnbull traz para a SCL Elections um histórico exemplar de manipulação psicológica reforçada no obscuro mundo da contratação militar privada em teatros de guerra estrangeiros. E essas conexões com contratados militares privados continuam a valer a pena.

“A SCL forneceu … avaliações de serviços secretos para empresas de defesa americanas no Irão, na Líbia e na Síria”, relatou o New York Times citando documentos da empresa. Graças ao Facebook, essas técnicas estão a ser utilizadas contra populações internas s para influenciar as eleições nacionais.

O SCL Group não respondeu aos pedidos de esclarecimento sobre o trabalho de Turnbull em Bell Pottinger e Aegis, e como é que essa experiência pode impactar o seu papel em SCL Elections.

Comércio global de armas

AXIOMA

As ligações com contratados militares privados dos EUA e da Grã-Bretanha são apenas uma dimensão das credenciais de estabelecimento do SCL Group. Outra é a conexão da empresa com o setor de defesa global, em torno da figura de Julian Wheatland, diretor do SCL Group que também é presidente há muito tempo do conselho do SCL Group.

Enquanto ocupava o cargo de Presidente do Grupo SCL, Wheatland é simultaneamente o único diretor fundador de uma empresa obscura chamada Hatton International Limited.

A Hatton International foi até o ano passado listada como membro da “ADS”, a principal organização comercial de empresas dos setores aeroespacial, de defesa, segurança e espacial do Reino Unido. A listagem agora apagada diz:

“A Hatton International é principalmente uma empresa de consultoria e serviços de compensação. Também comercializa e promove serviços e equipamentos selecionados de defesa. A principal atividade da Hatton é apoiar as empresas de defesa internacional e aeroespacial e ajudá-las a satisfazer as suas obrigações de compensação nos países clientes. A Hatton International oferece soluções únicas, discretas, sofisticadas e profissionais de compensação, individualmente elaboradas para satisfazer os requisitos económicos e de desenvolvimento dos seus clientes.

As “compensações de defesa” obrigam as empresas que exportam armas e equipamento para um determinado país a reinvestirem uma parte do seu contrato nesse país. Como a ONG britânica, Transparency International, observa: “As compensações são grandes negócios e, no entanto, são muito opacas e recebem muito menos transparência e atenção do que deveriam, dada a sua suscetibilidade ao alto risco de corrupção”.

O site da Hatton International não menciona a especialização em compensações da indústria de defesa. No entanto, uma versão arquivada do sitio datada de julho de 2009 diz, após listar uma série de atividades benignas, como projetos de desenvolvimento de infraestrutura:

“Somos especializados em ajudar empresas aeroespaciais internacionais com as suas obrigações de compensação no exterior e podemos elaborar programas sob medida, adaptados às necessidades da empresa e do país do cliente.”

Os clientes incluem “empresas internacionais, departamentos governamentais e escritórios familiares”.

Esclarecimento:

O presidente do INSIGHTSCL Group opera, assim, no coração do setor mais opaco da indústria de defesa global.

Wheatland não respondeu a perguntas sobre a influência deste trabalho nas operações do Grupo SCL.

Grandes negócios e Big Oil

AXIOMA

Através da Hatton International, o SCL Group também está conectado aos interesses globais de combustíveis fósseis.

De 2014 a 2016, Wheatland foi diretor da Phi Energy Limited, empresa sediada em Londres para o Phi Energy Group, uma empresa petrolífera de curta vida que “explora oportunidades” na Líbia, nos EUA, na África e no Leste Europeu, segundo uma apresentação sobre a empresa. A empresa fechou em 2016.

Wheatland é listado como Diretor Financeiro da Phi Energy Group. O mesmo escritório identifica as empresas com as quais a Phi Energy trabalhou da seguinte forma: Shell, Noble Group, Eni, Esso, BP, Statoil, Tamoil, Total e Saras – uma verdadeira quem é quem das grandes petrolíferas internacionais.

O então diretor comercial da Phi Energy, Tarick Kreimeia, também trabalhou diretamente sob a direção de Wheatland – ele é descrito no gabinete como “um diretor da Hatton International”. O perfil de Kreimeia no LinkedIn fornece mais detalhes, identificando-o como um “diretor não executivo” da Hatton International entre Setembro de 2012 e Agosto de 2016. Esse perfil reconhece o trabalho de Hatton “com empresas de defesa e aeroespaciais”, mas também acrescenta que Hatton “apoia empresas clientes, particularmente na indústria de energia, para desenvolver estratégias de financiamento que determinarão os objetivos estratégicos e ajudarão a trazer novos produtos e proposições para o mercado. ”

A bioenergia Phi Energy, de Kreimeia, mostra-o como um ator importante na negociação de acordos de refinação em países do Oriente Médio. Ele ajudou, por exemplo, as principais refinarias da UE nas negociações com a Companhia Nacional de Petróleo da Líbia (LNOC), a Companhia estatal de petróleo do Iraque e o Governo Regional Curdo (KRG).

Esclarecimento

Todas essas regiões são aquelas em que os contratados privados associados aos diretores do SCL Group realizaram operações lucrativas, no contexto de intervenções militares dos EUA e do Reino Unido.

Eurocéticos thatcheristas

AXIOMA

Por meio da empresa subsidiária SCL Elections, o SCL Group também tem muito mais ligações diretas com elementos do establishment financeiro britânico que dominam o mundo do Partido Conservador do que até agora se suponha – alguns dos quais são hostis à União Europeia.

Os registos da empresa obtidos pela INSURGE relativos a SCL Elections Ltd mostram que a empresa britânica, criada em 2012, só teve dois diretores. Um deles é Alexander Nix, CEO da SCL Elections-filial Cambridge Analytica. O outro foi Christian Patrick Teroerde, que ingressou na empresa durante a sua fundação e poucos meses depois da sua entrada na empresa passou a ocupar um cargo de diretor de Fevereiro de 2013 a 2014.

Desde 2010, Patrick Teroerde é co-fundador e diretor administrativo da Hanson Asset Management, originalmente criada para formalizar a gestão e supervisão dos ativos da família Hanson.

A riqueza da família Hanson foi construída através da Hanson PLC, sob a liderança do falecido Lord James Hanson, um industrial thatcherista cuja principal estratégia era comprar e transformar ativos problemáticos. As aquisições cobriram uma série de setores, incluindo roupas de rua, produtos químicos, materiais, carvão e tabaco.

A Hanson PLC adquiriu, por exemplo, a Peabody Holding Co. na década de 1990 – então a maior produtora de carvão dos EUA; e a Imperial Tobacco Group (agora Imperial Brands), a quarta maior empresa internacional de cigarros do mundo.

Em 1983, a primeira-ministra Margaret Thatcher nomeou Lord Hanson como par do reino para a vida.  Ele, por sua vez, doou milhões de libras ao Partido Conservador.

Lord Hanson foi um dos fundadores do grupo anti-europeu “Business for Sterling”, bem como membro do Grupo de Bruges, um think-tank fundado por Thatcher para promover uma Europa menos centralizada. Ambas as organizações desempenham papéis-chave na política anti-UE dos Conservadores.

De 1999 a 2002, o “Business for Sterling” de Lord Hanson foi dirigido por Dominic Cummings, que se tornou chefe de estratégia para os conservadores. Cummings mais tarde atuaria como conselheiro especial do arquétipo cético e depois ministro da educação Michael Gove. Eventualmente, o próprio Cummings serviu como diretor de campanha de Vote Leave, a campanha oficial para a Grã-Bretanha sair da UE.

Não está claro qual o papel que Teroerde desempenhou nas eleições da SCL durante a sua gestão de um ano. Mas a posição coincidiu com o seu papel na Hanson Asset Management, onde trabalha sob o comando do filho de Lord Hanson, Robert, que preside ao conselho. O endereço para correspondência da diretoria da Teroerde na SCL Elections é o mesmo endereço da Hanson Asset Management.

A conexão é notável porque o Vote Leave, dirigido pelo ex-substituto de Lord Hanson, Dominic Cummings, pagou a uma obscura empresa canadiana, a Aggregate IQ, 3,5 milhões de libras para perfis e publicidade no Facebook. O próprio Cummings é citado no sitio da AggregateIQ a elogiar o trabalho da empresa.

No entanto, a empresa está diretamente ligada ao SCL Group e, em determinado momento, parece ter operado como sendo a sua subsidiária canadiana.

Relatórios da imprensa canadense confirmam que o Aggregate IQ foi previamente contratado pelo SCL Group. Até Fevereiro de 2017, o escritório da Aggregate IQ em Victoria era listado no site do SCL Group como escritório canadiano. A listagem desapareceu, mas a versão arquivada da página incluía um número de telefone que ia diretamente para o CEO da Aggregate IQ, Zack Massingham.

Um porta-voz do SCL Group disse que o AggregateIQ havia sido terceirizado para “desenvolvimento de software e marketing digital (antes de construirmos a nossa própria capacidade interna nessas áreas)”. Massingham insistiu que “além do trabalho que fizemos no passado, não temos nenhum negócio atual com eles [SCL] ”

Carol Cadwalladr colocou um fim nessas recusas quando descobriu um acordo confidencial de licença de propriedade intelectual assinada que concedeu à SCL Elections um direito “exclusivo” “mundial” obrigatório e “perpétuo ” para utilizar toda a propriedade intelectual do AggregateIQ.

Nem Teroerde nem Cummings puderam ser encontrados para comentar.

Magnatas do vinho e de propriedades

AXIOMA

A conexão final descoberta pela primeira vez pela INSURGE são as ligações diretas do SCL Group a um grupo de magnatas britânicos de propriedades que investiram pesadamente no mercado imobiliário russo – e com metas económicas intrigantes para aquele país.

Roger Michael Gabb, diretor do SCL Group que tem a maior participação na empresa, também é diretor das subsidiárias SCL Insight e SCL Analytics.

Gabb fez fortunas na indústria do vinho através das empresas Western Wines e da marca de vinhos sul-africana Kumala. Ele é um antigo doador conservador. Registos em House of Commons Register of Members Interests mostram que ele doou consistentemente durante mais de uma década a Philip Dunne MP, que de 2012 a 2016 ocupou uma série de cargos no Ministério da Defesa relacionados com equipamentos de defesa, compras e tecnologia. Dunne é ministro da saúde desde 2016.

Gabb detém simultaneamente uma direcção na Tal Se Land Development Partnership, onde os seus parceiros incluem financeiros britânicos poderosos com investimentos imobiliários maciços. A principal participação nessa parceria é controlada pela Hamilton Portfolio Ltd, uma firma de investimentos imobiliários e de private equity presidida por Sir John Boyle, que também é sócio diretor da Gabb, do SCL Group, na empresa Tal Se.

Boyle é um proponente de Brexit que apareceu no programa Newsnight no verão de 2016.

Entre os parceiros da Gabb no Tal Se estão também Bimaljit Singh Sandhu e Anton Bilton, ambos pertencentes a uma empresa chamada Raven Russia.

Bilton é co-fundador e vice-presidente executivo da Raven Russia Ltd, uma empresa de investimentos imobiliários sediada em Moscou. A empresa construiu ou adquiriu 19 milhões de pés quadrados de armazéns de Classe A Logística em Moscovo, São Petersburgo, Rostov-on-Don e Novosibirsk, além de 540.000 pés quadrados de escritórios comerciais em São Petersburgo. O valor bruto do portfólio da Raven Russia é atualmente de US $ 1,3 mil milhões.

A Raven Rússia foi construída a partir da aquisição da antiga empresa de Bilton, onde era acionista maioritário o Raven Group – um empreendimento residencial e comercial que aluga prédios para departamentos governamentais do Reino Unido e a grandes retalhistas, incluindo Tesco, UCI Cinemas, Royal Bank of Scotland e Toys R. Nos. O Raven Group foi adquirido pela Raven Mount PLC, antes de ser comprado pela Raven Russia.

Ao longo do caminho, Bilton trabalhou diretamente com o outro co-diretor de Gabb, Singh Sandhu, que atuou como CEO do Raven Mount Group até 2009.

Um porta-voz da Raven Rússia disse que: “O Sr. Bilton não sabe e nunca ouviu falar de Roger Gabb ou SCL Group.” O porta-voz negou inicialmente que Bilton fosse sócio de Gabb em Tal Se, dizendo: no Conselho de Tal Se. Ele era um investidor individual desde há muitos anos, mas não tinha nenhum envolvimento operacional ou de gestão ”.

No entanto, os registos da empresa Tal Se confirmam que a empresa é uma LLP, da qual Bilton e Gabb são ‘Designated Members’ – efetivamente equivalentes ao papel de diretores numa normal sociedade privada de responsabilidade limitada, que têm a responsabilidade jurídica e regulamentar pelas finanças e pelos assuntos administrativos da empresa. Gabb foi nomeado membro designado da Tal Se em 25 de Fevereiro; Bilton, um dia depois, no dia 26 de Fevereiro. As nomeações de novos Membros Designados num LLP requerem a aprovação dos outros Membros Designados, implicando pelo menos que Gabb – ou o seu representante legal – teriam que aprovar a nomeação de Bilton.

Pressionado sobre isso, o porta-voz da Raven Rússia disse que Bilton não conhece o SCL Group ou Gabb, mas admitiu que Bilton é um investidor na sua parceria mútua sobre propriedades, Tal Se: “O Sr. Bilton é um investidor da Tel Se, mas o seu envolvimento passivo) não o colocou em contato com o Sr. Gabb. ”

Esclarecimento

Os investimentos em propriedades russas dos parceiros comerciais de um dos diretores da parceria SCL serviam como um ponto de entrada para investidores estrangeiros nos mercados russos. Os seus inquilinos abrangem uma mistura de empresas estrangeiras e interesses russos oligárquicos. Sociedades ocidentais bem conhecidas que alugam entrepostos de Rússia Raven na Rússia incluem a Pepsi, a Bacardi, a Occitane en Provence, a Oracle, a DHL, a Gates Corporation, entre outros.

Ligações de Trump?

Depois, há as empresas russas mais tradicionais que são clientes da Raven Rússia, como o X5 Retail Group, o maior retalhista em bens alimentares da Rússia, cujo principal acionista é o Alfa Group Consortium, um dos maiores conglomerados de investimento de capital fechado da Rússia, são acusados de ligações a Trump e ao presidente russo, Vladimir Putin, segundo um dossier polémico, em grande parte não verificado, compilado por um ex-oficial do MI6.

Há indicações intrigantes, mas inconclusivas, de boas relações entre o Alfa Group e Donald Trump – evidências menos convincentes de que o Alfa Group está fortemente ligado a Putin.

Uma outra conexão aparece, mais uma vez, através de Julian Wheatland. Após a nomeação do Grupo SCL em 2006, ele foi simultaneamente diretor executivo da Consensus Community, o braço de investimentos do Consensus Business Group de propriedade de Vincent Tchenguiz.

Tchenguiz é um magnata de origem britânico-persa em propriedades e cujo pai fazia parte do círculo íntimo do brutal xá do Irã (instalado no poder pelo o golpe de 1953 apoiado pela CIA e pelo MI6) e administrava a casa da moeda do país.

Tchenguiz e a sua família são grandes doadores para o Partido Conservador – mas o magnata já não tem ações do SCL Group. No entanto, ele partilha um escritório em Park Lane com o bilionário presidente do Alfa Group, Mikhail Fridman.

Vários indivíduos ligados a Fridman também participaram de um jantar de gala na Rússia em 2014, que já havia hospedado Jared Kushner e Ivanka Trump.

Abrindo a Rússia ao capitalismo ocidental

Em contraste, a tese amplamente difundida de que o Alfa Group funciona como uma espécie de proxy de Putin é o produto de jornalismo preguiçoso.

Fridman não está no bolso de Putin, segundo o Financial Times. Os colaboradores próximos de Fridman têm fortes laços pessoais com Putin, que podem ser alavancados, mas os seus reais interesses estão em alavancar o capital ocidental. Traçando um perfil perspicaz para Intellinews, Ben Aris observa que para Fridman, que ele conheceu em meados da década de 1990:

“Tudo está à venda pelo preço certo, mas as únicas pessoas que têm o género de e dinheiro em que Fridman está interessado são as principais multinacionais no mundo. Enquanto ele espera pela integração da Rússia na economia global ao ponto em que esses jogadores virão e farão investimentos estratégicos em empresas russas, ele está ocupado a construindo seu negócio e ao máximo que puder ”

De facto, Fridman é um dos oligarcas mais virados para o Ocidente na Rússia. Ele nasceu em Lviv, no oeste da Ucrânia, e o Alfa Bank Ukraine está a florescer à medida que expande a sua participação de mercado. Os principais membros do Grupo Alfa escaparam das listas de sanções dos EUA e da Europa. Fridman solicitou residência permanente na Grã-Bretanha e planeia vender as suas ações na petrolífera TNK-BP, a sua joint venture na Rússia com a BP.

A BP estava entre a lista das principais companhias de petróleo com as quais a companhia de energia do presidente do SCL Group, Julian Wheatland, Phi Energy Group, tinha trabalhado.

Wheatland não respondeu a perguntas sobre o trabalho da Phi Energy com a BP.

Para a Rússia com amor

Um documento do prospecto financeiro da Raven Russia de 2009 mostra que dois dos sócios do grupo do SCL Group, Roger Gabb, Bimaljit Singh e Anton Bilton, eram acionistas maioritários tanto da Raven Mount PLC quanto de sua nova proprietária, a Raven Rússia. O documento também fornece informações detalhadas sobre as perceções de risco da empresa em investimentos imobiliários na Rússia.

Esclarecimento

Essas perceções de risco demonstram que os parceiros de Gabb Business têm interesse em garantir que a Rússia mantenha um clima político e económico “estável” propício ao investimento estrangeiro.

A abordagem parece ter ramificações duplas: por um lado, a Raven Rússia tem uma aversão severa à política de sanções internacionais contra a Rússia, que prejudicou a lucratividade de seu portfólio.

Por outro lado, o objetivo primordial é uma economia russa muito aberta aos negócios – isto é, com tão poucas restrições quanto possível à penetração de capital estrangeiro no Ocidente, uma abordagem que não seria tão favorável aos esforços de Putin para consolidar o controlo estatal russo sobre a economia.

O documento de 2009 identifica uma série de fatores que podem prejudicar a lucratividade da empresa: “instabilidade política” ou “inquietação social”; a “deterioração” da “infraestrutura física” da Rússia; a rentabilidade em declínio das exportações de petróleo da Rússia, que poderia “reduzir o valor dos ativos russos”; a “maneira imprevisível” na qual os regulamentos de investimentos estrangeiros e leis tributárias russas evoluem; e, o maior bicho-papão de todos – a ameaça potencial de uma reversão da privatização:

 A Rússia, desde o início dos anos 90, empreendeu um programa substancial de privatizações. No entanto, um lóbi antiprivatização ainda existe dentro do Parlamento Russo. A renacionalização de ativos não pode ser excluída. Qualquer atividade desse tipo poderia afetar adversamente o valor dos ativos da Empresa …Algumas entidades governamentais tentaram invalidar as privatizações anteriores. A expropriação ou nacionalização das empresas nas quais a Companhia investe, ou de seus ativos ou partes deles, potencialmente com pouca ou nenhuma compensação, teria um efeito adverso relevante sobre a Companhia. ”…

Até 2015, um relatório anual da Raven Rússia lamenta a possibilidade de que “as sanções contra a Rússia permaneçam em vigor no futuro previsível e sejam potencialmente aumentadas”.

O relatório adverte severamente sobre um cenário em que a Rússia poderia ser fundamentalmente isolada dos mercados ocidentais, observando que um impacto negativo das sanções é: “um continuado isolamento da Rússia dos mercados internacionais e a exacerbação da desaceleração da economia russa… É difícil mitigar contra o pior cenário possível se a escalada for fechar as fronteiras da Rússia aos mercados ocidentais ”.

Esclarecimento

Esses documentos sugerem que os parceiros de negócios de um alto executivo do SCL Group, detentor das maiores posições em ações da empresa, têm interesses numa aliança económica mais profunda entre investidores privados no Ocidente e na Rússia.

O porta-voz da Raven Rússia não respondeu à minha pergunta sobre um dos seus inquilinos sendo o X5 Retail Group. Eu havia perguntado: “Um dos principais locatários da Raven Rússia é o X5 Retail Group, de propriedade do Alfa Consortium, acusado de vários laços com Donald Trump. Também observo que vários documentos da Raven Rússia indicam uma clara oposição às sanções internacionais contra a Rússia e um grande desejo de abrir a Rússia aos investidores ocidentais. Isso sugere um alinhamento com elementos da administração Trump que estão a ser investigados por laços e interesses na Rússia. Eu apreciaria o comentário da sua empresa sobre isso.”

Nenhum comentário sobre este assunto foi fornecido.

O alinhamento estrutural entre esses interesses desempenhou algum papel em influenciar as atividades do Grupo SCL em relação à guerra de informação anti-Rússia? A Raven Rússia negou ter qualquer relação com o SCL Group, e o SCL Group não me deu nenhuma resposta para essa pergunta.

O que sabemos é que, em Maio de 2015, a SCL Defense, subsidiária do SCL Group, ministrou um curso de três meses na Academia de Defesa Nacional da República da Letónia, em Riga, em nome do Centro de Excelência em Comunicações Estratégicas da NATO.

De acordo com um anúncio da NATO, o curso consistiu em ensinar “técnicas avançadas de contra-propaganda destinadas a ajudar os estados membros a avaliar e combater a propaganda da Rússia na Europa Oriental”, incluindo a Ucrânia.

O programa foi financiado pelo governo canadiano no valor de $ 1 milhão de dólares canadianos.

Num anúncio sobre o projeto na Cúpula da NATO em Gales em Setembro de 2014, o então Primeiro-ministro Stephen Harper explicou que o financiamento “fortalecerá a capacidade dos Centros de Excelência da NATO na região para enfrentar melhor os desafios regionais de segurança relacionados com a energia, comunicações e defesa cibernética”.

Ele estava aludindo à necessidade de convencer os europeus da visão energética regional da OTAN: “diversificar para longe da Rússia”, principalmente aumentando as exportações de gás dos EUA para o continente, segundo David Korayni, do Atlantic Council, na revista da OTAN.

Ele estava a aludir à necessidade de convencer os europeus sobre a visão energética regional da NATO: “diversificar para longe da Rússia”, principalmente aumentando as exportações de gás dos EUA para o continente, segundo David Korayni, do Atlantic Council, na revista da NATO .

O SCL Group não respondeu a várias solicitações de comentários. Um porta-voz da sua subsidiária americana, Cambridge Analytica, acabou por se voltar para mim, dizendo-me que a empresa não poderia comentar porque estávamos “apenas a alguns dias antes dos feriados de Natal”.

De volta ao Facebook: ferramenta de propaganda do governo

Em ambos os lados do Atlântico, o Grupo SCL foi envolvido em investigações oficiais sobre a subversão de processos democráticos nos EUA e no Reino Unido. Apesar disso, a empresa permanece muito integrada nos establishments políticos americanos e britânicos.

Nos EUA, a empresa obteve um contrato de US $ 496.232 em Fevereiro de 2017 com State Department’s Global Engagement Center (GEC) do Departamento de Estado para trabalhar na “análise de público-alvo” de potenciais extremistas.

O mandato do GEC é definido pela Lei de Autorização de Defesa Nacional (NDAA) de 2017, que afirma que um de seus objetivos fundamentais é “contrapor propaganda estrangeira e desinformação direcionada aos interesses de segurança nacional dos Estados Unidos e avançar proactivamente com narrativas baseadas em fatos que apoiam os Estados Unidos, os seus aliados e interesses ”.

Isso inclui contrariar a disseminação de informações dos media sociais que podem ser consideradas ameaçadoras à segurança nacional dos EUA, enquanto aproveitam esses dados para criar novas campanhas de informação para promover a política de segurança nacional dos EUA.

De acordo com Ken McCallion, ex-promotor dos EUA, o SCL Group está a utilizar ativamente as conexões da administração Trump “para apanhar outros contratos do governo com o Departamento de Defesa, o Departamento de Comércio, a Segurança Interna e a Agência Nacional de Segurança no Trânsito e outras agências”.

O Facebook continua a ser um importante canal para essas campanhas de influência do governo dos EUA.

“Utilizando anúncios no Facebook, posso entrar no Facebook, posso fixar um público, posso escolher o País X, preciso do grupo etário de 13 a 34 anos, preciso de pessoas que tenham gostado – seja Abu Bakr al-Baghdadi ou qualquer outro conjunto – Eu posso filmar e visá-los diretamente com mensagens “, disse o ex-diretor do GEC, Michael Lumpkin, descrevendo a confiança do Departamento de Estado na publicidade do Facebook.

AXIOMA

O governo britânico também está fascinado pela fanfarra sobre os sucessos do SCL Group com a campanha Trump. Em Fevereiro de 2017, uma conferência organizada em parceria com o Ministério dos Negócios Estrangeiros (Foreign Office) por um dos seus executivos, Wilton Park, recebeu dois funcionários do SCL Group. Subsidiária, SCL Eleições: Mark Turnbull, diretor administrativo, e David Wilkinson, então cientista chefe sobre dados. Turnbull e Wilkinson discursaram na conferência sobre o tema “examinar a aplicação de dados na recente eleição presidencial dos EUA”

O encontro, presidido e aberto por Jonathan Allen – Diretor Geral de Defesa e Inteligência do Ministério dos Negócios Estrangeiros – foi descrito por um documento do programa da conferência de Wilton Park como sendo projetado para “explorar novas oportunidades para o Ministério dos Negócios Estrangeiros fazer melhor uso dos dados na diplomacia, mas também em situações de ameaças emergentes que desafiam as formas atuais de trabalho. ”

O foco do fórum era avaliar “oportunidades e ameaças” que são “de particular aplicação para o Ministério dos Negócios Estrangeiros na diplomacia e na formulação de políticas internacionais”. Os resultados pretendidos da reunião incluíam: “Ideias e recomendações que podemos considerar aplicar para fazer melhor uso de dados na política externa. ”

Porque é que o Ministério dos Negócios Estrangeiros está interessado no trabalho de dados do Grupo SCL para ajudar na campanha Trump?

Esclarecimento

Por implicação, o governo britânico vê tais técnicas como potencialmente úteis em teatros estrangeiros – o que levanta uma questão ainda mais estranha: como é que a estratégia Big Data da SCL Elections para ajudar Trump, utilizando um sistema alimentado pelo Facebook para perfis comportamentais de populações de massa, se encaixa no Agenda de política externa do governo britânico?

Em resposta a essa pergunta, um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros efetivamente recusou-se a comentar, orientando-me para falar com o Ministério da Defesa.

Hegemonia da informação

Deve ficar claro até agora, então, que o Facebook tem sido cúmplice de bom grado no uso de sua plataforma para perfis comportamentais e manipulação de audiência.

De acordo com o diretor de campanha digital de Trump, Brad Parscale, a campanha Trump fez com que os funcionários do Facebook “incorporassem os nossos escritórios”, fornecendo orientações sobre como a plataforma poderia ser utilizada para visar os eleitores. O Facebook tinha até divisões de “configuração” dentro da empresa por afiliação política para apoiar os dois lados.

Numa declaração sobre o suposto papel da plataforma em facilitar a vitória eleitoral de Trump, o Facebook esclareceu que havia oferecido “apoio idêntico” para as equipes de Trump e Clinton.

“Todos tinham acesso às mesmas ferramentas”, disse a empresa. “Ambas as campanhas abordaram as coisas de maneira diferente e usaram diferentes quantidades de suporte”.

Apesar de Trump e Brexit, o maior beneficiário de toda essa atividade não é o SCL Group, nem o complexo industrial militar, nem os governos dos EUA, da Rússia ou da Inglaterra – mas sim o próprio Facebook.

O Facebook, que está a caminho de ser mais poderoso que a NSA em menos de 10 anos, está a lucrar massivamente em todos os quadrantes da guerra de informação.

Sob o verniz liberal de “tornar o mundo mais aberto e conectado”, Mark Zuckerberg adotou o modelo tradicional de negócios do tráfico de armas corrupto e aplicou-o, de todo coração, ao ciberespaço.

Facebook, portanto, detém a única carta que realmente conta na era do século 21 do poder através da propaganda: o domínio da informação.

Quando a empresa respondeu às minhas perguntas, fizeram-no por meio de um consultor da gigantesca empresa de relações públicas Teneo Blue Rubicon (TBR). Facebook parecia um pouco nervoso sobre as suas respostas. Inicialmente, o consultor da TBR alertou que nenhum dos comentários poderia ser “atribuído a um porta-voz do Facebook”, como é habitual para “informações básicas”.

Cinco horas depois, parecia que o Facebook havia mudado de ideia. O consultor enviou-me um e-mail: “É com prazer que Facebook informa que pode utilizar as respostas dadas como comentários escritos “.

E assim, se fecha o círculo quando vemos como até mesmo os consultores de Relações Públicas do Facebook do Reino Unido, Teneoe Blue Rubicon, têm curiosos laços com a mesma rede em torno do SCL Group.

Em Outubro de 2016, Beth Armstrong, ex-assessora especial de Michael Gove, que também prestou apoio ministerial à Campanha Vote Leave, juntou‑se à Teneo Blue Rubicon como consultora sénior.

Nesse meio tempo, de 2014 a 2015, ela trabalhou como consultora sénior r na divisão de relações públicas da Bell Pottinger, ao lado de Mark Turnbull, antes de ingressar na SCL Elections, que supervisionava o trabalho do Cambridge Analytica no Facebook para ajudar a vencer a campanha Trump.

Este é o nexo incestuoso de poder com o qual o Facebook se envolveu. No entanto, é um nexo de poder fundamentalmente habilitado pelo nosso próprio vício bizarro e persistente de estar na plataforma.

Até 2025, mantendo a capacidade de monitorizar, analisar e modelar perfeitamente o comportamento de quase toda a população global, a empresa terá um alcance global realmente assustador.

A sua consolidação poderia sinalizar a subjugação final das nossas democracias já frágeis ao alcance manipulativo e inexplicável do Big Data.

E, no entanto, a perversão de nossos processos democráticos é apenas uma fração do impacto corrosivo da plataforma sobre a sociedade civil. O modelo básico de negócios do Facebook é centralizar os lucros por meio de técnicas degradantes de persuasão conduzidas pela dopamina, que semeiam divisões sociais profundas, estimulam comportamentos de polarização e enfraquecem a saúde psicológica.

Nós devemo-nos interrogar? Porque é que ainda estamos conectados?

Este futuro monocultural não é inevitável. Há uma saída, em direção a um futuro policultural.

AÇAO

Facebook pode ser desligado. Mas não pode ser desligado, a menos que exista alguma outra coisa para as pessoas se ligarem. E não nos desligaremos até que reconheçamos como é a nossa própria cumplicidade em manter essa máquina em expansão, através de uma insaciável insatisfação e resignação em direção a um “destino” totalmente desnecessário, que é o verdadeiro condutor que está por detrás desta terrível máquina.

Se não fizermos parar o Facebook, em menos de 10 anos, um gigantesco Big Data dará início a uma perigosa nova era de controlo social global, como nunca se viu igual.

Insurge is a new platform for Understanding News, and moving from Understanding to Action.

Dr. Nafeez Ahmed is an award-winning investigative journalist and complex systems social scientist. He is CEO of INSURGE intelligence, leveraging an Open Inquiry investigative format to replace the maladaptive information ecosystem driving chaos and confusion on the planet, with a coherent public intelligence system. He is also ‘System Shift’ columnist at VICE’s Motherboard, a columnist at Middle East Eye, and previously reported on the geopolitics of the environment at The Guardian’s Earth Insight blog. His latest book, Failing States, Collapsing Systems: BioPhysical Triggers of Political Violence (Springer, 2017) is a scientific study of how climate, energy, food and economic crises are driving state failures around the world.

 

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: