UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (230)

O CAMPO DA JUNQUEIRA

 

O Campo da Junqueira ficava logo ali à beira do que hoje é a Circunvalação, do lado de Matosinhos, a uns escassos 200 metros do areal da praia.

Àquela zona chamavam Prado. Era atravessado por um ribeiro, que detinha o nome da zona e desaguava muito perto de onde hoje está a Praça Cidade do Salvador. Para uns, mais antigos, o ribeiro passava mais ou menos onde esteve um restaurante famoso chamado “Caninhas Verdes”. Para os mais novos, onde hoje está um restaurante de venda de leitão, “Prazeres da Bairrada”, logo à entrada da rua de Brito Capelo. Este ribeiro vinha dos lados da Senhora da Hora e era o resultado da junção do ribeiro da Riguinha, cuja nascente se situa junto à Fonte das Sete Bicas, e do ribeiro de Carcavelos. Hoje, estes ribeiros estão encanados e enterrados, pelo que não se encontram vestígios deles.

AREAL DO PRADO – 1900

 

AREAL DO PRADO – 1902

 

O Campo da Junqueira era conhecido como “Hipódromo de Matosinhos”.

O Hipódromo de Matosinhos tinha a sua pista no areal do Prado, onde, naquela altura, abundavam as juncíneas, e que hoje é ocupada pelas Ruas de Brito e Cunha, Mouzinho de Albuquerque e Avenida Menéres (Juncal de Cima)

 O recinto que pertencia ao Jockey Club Portuense, clube que acabou em 1885, tinha uma Tribuna e era circundado por uma vedação de madeira. 

No Hipódromo efectuavam-se corridas de cavalos e garranos, jogos de Foot-Ball e, dizem, também corridas de bicicletas. Algumas das corridas foram organizadas pelo Oporto Hunt Club (Club de que não conseguimos encontrar data de constituição e/ou término), sendo que em Outubro de 1886 ainda se anunciavam corridas de cavalos em Matosinhos.

.

Encontramos a seguinte notícia no O Tripeiro de 1972 (efemérides):

4 de Abril de 1872 – Corrida de cavalos e garranos no Campo da Junqueira, em frente a Matosinhos, organizado pelo Oporto Hunt Club

E no Jornal O Comércio do Porto de 10 de Fevereiro de 1872 , tinha surgido esta:

Corridas de Cavallos – Em consequência de nova resolução da Direcção do Oporto Hunt Club, a corrida de cavallos que deveria effetuar-se no Campo da Junqueira, ficou transferida para o dia 3 de Abril próximo, e não para 22 de Maio, como se tinha decidido e nós noticiamos.

.

De um artigo publicado em O Tripeiro, e assinado por Mário de Faria Mello Duarte, retiro: 

– O primeiro desafio de futebol a sério no Norte de Portugal, e possivelmente também o primeiro desafio entre grupos de duas cidades, teve por palco o Hipódromo de Matosinhos (por não haver ainda um campo de futebol no Porto), na tarde do dia 8 de Dezembro de 1898 … entre os grupos do “Gymnásio Aveirense” e do “Real Velo Club do Porto”.

.

Mas já antes, em 1893, a 8 de Outubro, se havia realizado neste local o primeiro jogo de futebol em que interveio como organizador o Futebol Clube do Porto. O F.C.P. enquanto clube, tinha uma semana de existência, e o jogo foi efectuado entre duas equipas constituídas por associados do clube, cada uma delas capitaneada por um jogador Inglês.

Aquando da minha visita à Biblioteca Municipal Florbela Espanca, encontrei uma Planta datada de 1896, de parte de Matosinhos, da autoria de Licínio Guimarães, no livro “A Industria Conserveira em Matosinhos”, escrito por Lopes Carneiro, onde, a par de um projecto de urbanização da zona do Prado, se vê distintamente o desenho do Hipódromo.

No local onde ficava situado o Hipódromo, e seguindo a Planta de Licínio Guimarães, surge, em 1899, a primeira fábrica do novo Parque Industrial de Matosinhos. a Real Vinícola, em cujas instalações funciona hoja a Casa da Arquitectura, logo seguida, ainda no mesmo ano, da Lopes Coelho Dias, a Real Fábrica de Conservas de Matosinhos. Foi o começo da instalação de dezenas de fábricas de conservas, cuja pujante actividade se prolongou por muitos e bons anos. 

Na mesma Planta, também se pode ver a estrada de Carreiros, que da Foz do Douro se dirigia para Matosinhos e a linha de Caminho de Ferro, que por essa altura se construíra ente esta localidade e a Senhora da Hora. Esta linha, propositadamente montada por volta de 1884 pela firma francesa que tinha ganho a concessão para a construção do porto de Leixões, servia para transportar os imensos, em quantidade e em tamanho, blocos de granito, que eram necessários para aquela construção. O granito vinha do Monte S. Gens, antigo Monte Custódia, que se situava entre a Senhora da Hora e Custóias. Hoje, face a anos e anos de retirada do granito que o compunha, nada mais é que uma enorme cratera.

PLANTA DE LICÍNIO GUIMARÃES (1896)

 A linha do comboio de transporte de granito, atravessava diagonalmente o Prado, desde a, hoje, Circunvalação, até à praia de Matosinhos, bem próximo do que é hoje o final norte da praia. Parava junto ao Monumento do Senhor do Padrão, onde descarregava a pedra que iria servir para a construção do Molhe Sul, seguindo depois para Leça da Palmeira, onde descarregaria o restante granito.

Após estar terminada a construção dos molhes de Leixões, a linha continuou em funcionamento até à década de 60 do Séc. XX, transportando pessoas, em especial na época estival, com os banhistas a deslocarem-se para a praia a partir da Senhora da Hora.

A diagonal, essa, é ainda hoje bem visível. Na nova cidade de Matosinhos Sul, a nova urbanização desenhada pelo Arq. Siza Vieira, manteve o traçado original da linha, numa subtil recordação da história do local.

 

VIA DIAGONAL DE MATOSINHOS

.

.

.

Especial agradecimento ao Dr. António Lage Almeida, Bibliotecário da BMFL – CMM, ao Dr. Adriano Silva, Bibliotecário da BPMP, e ao Dr. Albano Chaves, as ajudas na procura de informações para este artigo.

.

.

.

ABRIU UMA NOVA LOJA PARA GUARDAR AS MALAS DOS NOSSOS TURISTAS

OPORTO BAGS FREE

Muito perto da Casa da Música, e no meio de imensos Hotéis, Hostel’s e apartamentos de aluguer de pequena duração, abriu uma loja que guarda as malas dos turistas enquanto eles deambulam pela cidade, esperando fazer 0 “check in” ou após o “check out” enquanto esperam pelo retorno ao aeroporto ou a outro meio de transporte.

Autocarros e Metro são ali mesmo ao lado.

Uma mais valia para a mobilidade de quem nos visita. E, isto é também válido para quem precisar de guardar objectos durante um período pequeno de tempo, ou quem quiser dar uma volta de bicicleta (também as alugam).

OPORTO BAGS FREE

.

.

.

About José Fernando Magalhães

Escrevo e fotografo pelo imenso prazer que daí tiro

One comment

  1. Pingback: UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (230) | joanvergall

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: