PRIMEIRO DE MAIO – “Requiem” – por Carlos Loures

 

 

 

 

 

 

 

 

A Viagem dos Argonautas

O monstro agoniza, o hálito apodrece,
roubando à  primavera o claro rosto,
a carne canceriza e a mão estremece,
mas mata, mata sempre o seu punhal,
pois quer como sudário o próprio mundo.
Moribundo o chacal, com o grito inunda
a terra de destroços incendiando o vento;
o corpo já vacila, o olhar escurece,
mas mata, mata sempre a sua lâmina,
pois quer como mortalha as nossas vidas.
A boca é uma cratera de pasmo e pus,
em raiva e em argila os pés afunda,

as flores esmaga no mortal orgasmo,
e mata, mata ainda o seu gládio –
toda a luz quer devorar o seu estertor,
aniquilar o amor, destruir a esperança,
tudo o que é caro à vida, à morte dar –
é a morte que nos quer deixar de herança,
escrevendo nas cinzas da paisagem:

Aqui jaz o capital.
Em sangue amanhecido,

em sangue anoiteceu;
fez todo o mal que…

View original post mais 32 palavras

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: