A GALIZA COMO TAREFA – festa – Ernesto V. Souza

A Galiza celebra duas festas de caráter nacional, assim festivas, reivindicativas e patrióticas.

A primeira e mais antiga é a patronal, que o calendário marca desde antigo no dia do Apóstolo Santiago, e que o galeguismo nacionalista referendou como própria nas primeiras décadas do século XX, o 25 de julho, de cada ano. Festa que desde os últimos anos do franquismo, reúne e celebra em Compostela as diferentes sensibilidades e programas do galeguismo.

O também patrão da Espanha (não esqueçam que a Galiza já era Espanha quando os galegos ainda não tomáramos Guimarães, Samora, Toledo, Córdoba, Sevilha e até Granada, pelas armas e com astúcias, e que até a Constituição de Cadis todas as paróquias e igrejas dos reinos da Castela espanhola e americana, pagavam dízimo à Sé de Compostela) convoca autoridades civis, religiosas e militares, arredor do chefe do Estado ou do seu delegado dentro da Catedral; e fora e arredor uma enorme malta festiva e reivindicativa que protesta, celebra e reivindica a Galiza como nação.

A segunda é hoje, 17 de maio: o festivo que celebra o pacto dos galegos e galegas com a língua. Data escolhida a iniciativa de Fernández del Riego pela Academia Galega em 1963, e que consistia em homenagear um escritor ou escritora dos que tendo escrito em língua galega levaram já algum tempo morto, por não quitar mérito os vivos.

A primeira homenageada foi Rosalia de Castro, dado que a data celebrava o centenário da publicação dos Cantares Gallegos, big-bang da Literatura e da língua galega moderna. O livro pacto, por sua vez homenageava a data de nascimento de Manuel Murguia, o companheiro, par e cúmplice intelectual nesse projeto auroral da construção de uma literatura nacional, da restauração da Língua e por lógica da nação.

A festa do 17 de maio, também reivindicativa na defesa da língua, foi-se convertendo com os anos numa grande celebração ritual com um marcado caráter lúdico, popular e cultural. Sendo fundamental para a divulgação e homenagem coletiva de alguma das grandes figuras, ou por vezes dos mais desconhecidos escritores, das letras da Galiza.

Neste ano, a malta invade Compostela, mais uma vez reivindicando a língua da Galiza, e celebrando o mundo cultural um caso de incorporação canônica bem interessante: a escritora María Victoria Moreno Márquez, que por destino, obra e escolha decidiu ser mais uma escritora em língua galega.

 

Para saber mais:

RAG-Letras

LG2018

Praza.gal

CCG

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: