CARTA DE BRAGA – “de viveres e mastins” – por ANTÓNIO OLIVEIRA

Não quero hoje falar dos bolsonarossalvinistrumpas e afins, por já me ser penoso, mesmo antes de eles chegarem porque, como afirmou Lluis Bassets e aqui deixei há uns dias atrás, com a soberania das urnas tudo é possível, incluindo liquidar liberdades e limitar direitos, até chegar à ditadura’.

E não estaremos já numa ditadura, mesmo global, quando mais de 700 milhões de pessoas em todo o mundo, vivem hoje com menos de 1,6 euros cada dia?

Quem pode chamar a isto viver? Os mesmos que acusaram toda a gente de ter vivido cima das suas possibilidades, mas nunca criticaram os bancos pelas facilidades concedidas para sacar receita mesmo onde não a havia? Mas foi essa gente que lhes pagou os resgates, apenas porque ‘aguenta, aguenta’ como disse um figurão qualquer!

E temo porque Colin Powell, o secretário de estado de Bush, afirmou há dias que lá, tinham passado já, daquele ‘nós o povo’ que encabeça a constituição norte-americana, para o ‘eu o presidente’!

Percebe-se, no mundo inteiro e a ver pelos media e crescimento selvagem das fontes de fake news, uma forte reacção contra as democracias representativas onde, em princípio, devia predominar o debate e a polémica mas, acima de tudo, o respeito pelo adversário!

Temo que tudo isto não passe já de um wishful thinking, a saber pelo que vemos, ouvimos e lemos, cada hora que passa e com os intérpretes mais espantosos!

E temo também porque ao ler as aventuras de um príncipe das arábias e do azar de um jornalista mal-aventurado, me lembrei de um ditado inglês a merecer ser bem interiorizado, ‘o senhor açula os mastins contra os aldeãos e se eles se vão queixar ao rei, o senhor para se fazer perdoar, manda matar os mastins’.

Diz a imprensa toda que o homem de confiança do tal príncipe das arábias terá morrido num desastre, depois de voltar do encontro com o mal-aventurado jornalista num consulado do país comum, em Istambul, na Turquia.

O ditado inglês foi-me ensinado pelo mesmo amigo que me aconselhou ‘em caso de dúvidas, tenta não morrer!

António M. Oliveira

Não respeito as normas que o Acordo Ortográfico me quer impor

One comment

  1. Maria Mamede

    Também comungo desses seus temores, meu querido Amigo. Grande abraço.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: