JÁ HOUVE UM PODER QUE FEZ PASSAR OS MANIFESTANTES POR VÂNDALOS, por RÉGIS DE CASTELNAU

Já houve um poder que fez passar os manifestantes por vândalos

Os leitores não são obrigatoriamente conspiracionistas ( ver aqui )

Régis de Castelnau, Un pouvoir a déjà fait passer des manifestants pour des casseurs… vous n’êtes pas (forcément) complotistes…

Causeur, 15 de Fevereiro de  2019

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

 

Manifestantes em  Paris, no dia  9 de Fevereiro de 2019 ©Kamil Zihnioglu/AP/SIPA / AP22300509_000014

Posso testemunhar isto: um poder sabe como usar uma manifestação  para torná-la violenta. Qualquer semelhança com eventos recentes…

________________________________________

A era é a da denúncia do conceito elástico de “conspiração” e agora completamente sobreutilizada. Com a ajuda de alguns auxiliares zelosos, como mostra o novo “estudo” realizado pela Fundação Socialista Jean Jaurès e pelos editores habituais, o bloco de elite dominante tem duas utilizações para este termo .

“Nota do tradutor. Vejamos um excerto do relatório da Fundação Jean Jaurès, ou se  quisermos até onde pode ir a manipulação organizada conscientemente pelas  gentes do PSF, datado  de 6 de Fevereiro de 2019. No fundo só lhes falta dizer: extirpem estes ignorantes” :

10 % dos franceses estimam que o atentado de Estrasburgo é manipulação do governo

O atentado terrorista de 11 de Dezembro de 2018, em Estrasburgo, provocou reações conspiratórias imediatas nas redes sociais, segundo as quais Emmanuel Macron procurou, ao desencadear um ataque, desviar a atenção dos franceses para impedir que o “Acto V” mobilizasse os “coletes amarelos”.

Procuramos, portanto, medir o que a crença nessa teoria da conspiração representava na opinião pública, propondo aos entrevistados que escolhessem entre três opções: a versão comumente aceita, uma tese do tipo ter dúvidas  e, finalmente, uma tese da conspiração.

Apenas dois terços dos inquiridos (65%) acreditam que “este ataque foi levado a cabo por Cherif Chekatt, um simpatizante da organização jihadista Estado Islâmico”, como relatado pela comunicação social, de acordo com informações fornecidas pelo Procurador-Geral de Paris três dias após o ataque.

Os conspiradores do ataque de Estrasburgo estão muito claramente sobre-representados entre os apoiantes do Rassemblement national (22%) [Marine Le Pen]  e, em menor medida, entre os apoiantes do La France insoumise (18%) [ Melenchon] .

Um em cada cinco franceses acredita que existe uma “conspiração sionista à  escala global”.

“O leitor, pessoalmente, acha que Dieudonné está certo ou errado quando diz que há uma conspiração sionista à escala global? “Esta foi uma das questões colocadas no contexto de uma sondagem de opinião realizada pelo Ifop em setembro de 2014 sobre a persistência de preconceitos anti-semitas na opinião pública francesa em nome da Fundação para a Inovação Política (Fondapol)[10]. 16% dos participantes sentiram que o actor que tinha sido condenado várias vezes por anti-semitismo estava “bastante certo” a este respeito, 45% “bastante errado”,  39% não comentou.

Os dados deste inquérito indicam que aqueles que concordam com esta tese estão sobre-representados entre os menores de 35 anos (29% contra “apenas” 16% entre os maiores de 65 anos), os desempregados (29%) e os trabalhadores manuais (33%). Essa visão de conspiração também aumenta à medida que o nível de educação diminui (13% entre graduados versus 31% entre não graduados).”

Politicamente, os mais sensíveis a esta tese estão sobre-representados entre os apoiantes do Rassemblement national (36%) e La France insoumise (33%) e claramente sub-representados entre os apoiantes da maioria presidencial (12% La République en marche, 9% MoDem).”

Fim de citação

 

Conspiracionista ” é o novo “fascista”.

Em primeiro lugar, desqualificar qualquer crítica à política destinada a adaptar a França à globalização financeira e neoliberal e, em seguida, justificar todas as violações da liberdade de expressão, tanto as já existentes como as previstas. Cuidado com os que pensam em más  intenções e em ações ao poder, o anátema cairá sobre eles como um raio: “Conspiracionista! »

Desde o início do movimento dos Coletes Amarelos, todos os observadores honestos foram levados a colocar-se muitas questões sobre o comportamento da polícia nas manifestações. Alguns chegaram ao ponto de acusar o Ministério do Interior de deixar os vândalos  fazerem o seu trabalho com o objetivo óbvio de desqualificar o movimento e assustar as pessoas. Apesar de algumas evidências que a multiplicação de vídeos pôde estabelecer, eles foram imediatamente insultados, hereges e recaídos, pela maior das acusações: “Conspiracionistas! Como  pode o leitor imaginar que o poder poderia usar esse tipo de comportamento contra um movimento social? »

Bem, é isso mesmo, ele pode. E é isso que posso testemunhar.

Há 40 anos atrás, sob Giscard…

Quando notei a presença, nas manifestações, de polícias não uniformizados, vestidos de preto e mascarados e organizados em grupo, mas por vezes equipados com martelos podíamo-nos  legitimamente  questionar.

Aqui na esquina da Rua Brey com a Avenida Mac-Mahon, a dois passos do Arco do Triunfo. Um grupo de pessoas acusadas de serem polícias à paisana recuam contra a invectiva de Coletes Amarelos. O autor de um dos vídeos disse à CheckNews que estas pessoas “foram largadas por veículos da polícia na Avenida Wagram ou Mac Mahon alguns minutos antes.” A cena também é visível, de outros ângulos e noutras vezes, aqui e ali.   Libération, Des policiers ont-ils infiltré les gilets jaunes lors des manifestations ? Par Fabien Leboucq 3 décembre 2018 à 13:31   https://www.liberation.fr/checknews/2018/12/03/des-policiers-ont-ils-infiltre-les-gilets-jaunes-lors-des-manifestations_1695675         https://www.20minutes.fr/societe/2438971-20190129-acte-11-gilets-jaunes-pourquoi-policiers-portaient-marteau    

Quando sabemos que, sob o regime de Emmanuel Macron, qualquer pessoa pode usar uma braçadeira e espancar os manifestantes, sem grande preocupação com a justiça. Quando leio os fortes testemunhos  sobre a passividade da polícia no momento das depredações e saques. Quando vi que o perfil das pessoas presas em massa, e condenadas pesadamente por delitos fantasiosos, mostrava que esses não eram absolutamente os vândalos  habituais que a polícia geralmente conhece, acabei por pensar  comigo mesmo, “pensa bem,  isto  faz-me  lembrar  alguma coisa”.

Foi há muito tempo, precisamente há 40 anos, na altura das grandes lutas operárias que, sob a presidência de Valéry Giscard d’Estaing, se opuseram ao desmantelamento da siderurgia francesa que se tinha iniciado. Lorraine, e em particular a cidade de Longwy, vivia uma situação de intensa mobilização popular com amplo apoio público. Pela primeira vez, o monopólio estatal de radiodifusão foi minado pela criação da primeira e ilegal “rádio livre” chamada: Lorraine Cœur d’Acier.

As organizações sindicais decidiram organizar uma grande manifestação em Paris, em 23 de Março de 1979. Isto deveria ter sido um grande sucesso, mas foi completamente mal utilizado pela violência considerável de que foram acusados os membros de um grupo anarquista chamado “Les Autonomes”. Naturalmente, os meios de comunicação focaram-se apenas na violência, na pilhagem e na  depredação. E as autoridades giscardianas, através do Ministro do Interior Christian Bonnet, não hesitaram em martelar o tema até à exaustão  para desqualificar o movimento dos trabalhadores siderúrgicos.

Solicitado para  defender as pessoas detidas nesta ocasião, foi uma surpresa total constatar que entre as pessoas detidas não se encontrava nenhuma das famosas pessoas autónomas que tinham sido vistas nas fotografias da imprensa. Manifestantes pacíficos, por vezes simples transeuntes, foram perseguidos com base em ficheiros manifestamente fabricados ou em incriminações fantasiosas, mas em nenhuma circunstância foram eles que vandalizaram. Isso não impediu uma justiça zelosa de atribuir  sentenças consideráveis que foram confirmadas em  recurso. Apesar da mobilização de advogados de  esquerda onde os advogados socialistas ainda estavam preocupados com as liberdades públicas.

A Provocação

Outro episódio, exatamente da mesma natureza, aconteceu desta vez em Longwy com o assalto e o encerramento  pela polícia da estação de rádio livre que havia provocado uma manifestação de protesto. Isso foi brutalmente reprimido e alguns participantes foram presos… para serem processados com base em arquivos, eu testemunho, novamente rigorosamente vazios. Os meios de comunicação social, embora muito diferentes dos de hoje, aproveitaram a oportunidade para reclamar a desqualificação do movimento siderúrgico.

A CGT, apanhada de surpresa por estes depoimentos   tendo em conta os muitos   testemunhos, empreendeu então uma meticulosa investigação baseada na recolha de fotografias e testemunhos que revelaram de forma flagrante as manipulações policiais e o desejo do governo em organizar  esta provocação. O  próprio serviço de ordem  da CGT, no momento da manifestação, prendeu dois policiais chamados “autónomos” e descobriu que eram policias disfarçados. Usando esse trabalho e complementando-o com o trabalho que nós mesmos fizemos na defesa dos acusados, Daniel Voguet, François Salvaing e eu próprio publicámos um livro na época, intitulado: La Provocation, que descrevia como é que  as coisas se  tinham passado. Isso foi há 40 anos, o livro envelheceu um pouco, assim como os seus autores, mas de certa forma continua sendo relevante porque testemunha que um poder político, confrontado com um movimento social popular, não tem nenhum problema em usar manipulações policiais e provocações para o desqualificar.

Não sou um conspirador.

A isto acrescente-se  a complacência dos tribunais para desempenharem o seu papel na operação. Se já havia muito zelo naquela época, o que acaba  de acontecer com a incrível repressão em massa dos coletes amarelos mostra que se poderia fazer ainda pior. Voltei a ler o que escrevi há 40 anos, que me confrontou com fortes sentimentos  de nostalgia, mas também com lembretes que ainda hoje encontram um estranho eco: o desejo do poder da época de enfraquecer, isolar, desqualificar a luta dos trabalhadores siderúrgicos, atacar de frente as liberdades fundamentais e, acima de tudo, atacar o direito de manifestação.

Os deputados da maioria  recusaram a criação de uma comissão de inquérito parlamentar, a imprensa recusou  ter em conta as provas fornecidas pela CGT e os magistrados concordaram em completar o show policial com um show judicial igualmente sem nenhuma ponta de vergonha.  À luz deste paralelo com o dia de hoje, posso tranquilizar aqueles que pensam que as pessoas ligadas ao poder de Macron  não teriam qualquer receio em utilizar este tipo de método: eles não são conspiradores!

Acrescentaria para concluir que, na história do movimento laboral e social, sempre existiram provocações policiais e judiciais. Recorde-se que a data de 1 de Maio, Dia Internacional dos Trabalhadores, foi escolhida por causa do que aconteceu em 1 de Maio de 1886 em  Filadélfia. Uma greve geral foi lançada para se alcançar o dia de oito horas de trabalho. Numa das manifestações que tiveram lugar, uma bomba foi atirada à multidão. Sem qualquer prova, quatro líderes sindicais foram condenados à morte e enforcados em 11 de novembro de 1887. Subiram ao andaime a cantar a Marselhesa. Em 1893, a revisão do julgamento reconheceu a inocência dos acusados  e as maquinações policiais e judiciais destinadas a quebrar o movimento.

Emmanuel Macron e Christophe Castaner (Ministro do Interior)  ainda não chegaram a isto, felizmente. Mas pensar, diante de certos acontecimentos óbvios ou perturbadores, que a brutal repressão exercida contra o movimento dos Coletes Amarelos pode ser objeto de abusos e manipulações não é ser conspiracionista.

Fonte: Regis Castelnau, Revista Causeur, Un pouvoir a déjà fait passer des manifestants pour des casseurs-Vous n’êtes pas (forcément) complotistes…Texto disponível em: https://www.causeur.fr/manifestants-casseurs-gilets-jaunes-159080

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: