CRISE DO COVID 19 E A INCAPACIDADE DAS SOCIEDADES NEOLIBERAIS EM LHE DAREM RESPOSTA – XLII – AS MÁSCARAS: AS PROVAS DE UMA MENTIRA DE ESTADO, por YANN PHILIPPIN, ANTTON ROUGET e MARINE TURCHI – parte I

 

Masques: les preuves d’un mensonge d’Etat, por Antton Rouget, Yann Philippin et Marine Turchi

Mediapart, 2 de Abril de 2020

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

 

 

Penúrias ocultas, instruções sanitárias fantasistas, propostas de importação negligenciadas, stocks sempre insuficientes, empresas privilegiadas: com base em numerosos testemunhos e documentos confidenciais, uma investigação da Mediapart revela a gestão caótica no topo do Estado, entre Janeiro e hoje, sobre a questão crucial das máscaras. E revela também as mentiras que a acompanharam. Os prestadores de cuidados, pelo seu lado, estão contaminados às centenas.

Numa visita a uma fábrica de máscaras cirúrgicas, na terça-feira, 31 de Março, o Presidente da República, Emmanuel Macron, citou muitos números sobre os fornecimentos atuais para tranquilizar o povo francês, preocupado com a escassez deste equipamento médico essencial para a proteção dos trabalhadores do sector da saúde.

Muitos números, exceto um: “1200”.

“1200”, como número oficial do pessoal da Assistance Publique-Hôpitaux de Paris (AP-HP), o porta-estandarte dos hospitais públicos franceses, contaminados pelo Covid-19 desde o início da epidemia.

“1.200”, como prova da vulnerabilidade dos profissionais de saúde, “na linha da frente todos os dias”, como diz o Chefe de Estado, mas muitas vezes sem proteção adequada contra o vírus.

“1200”, como resultado da falta de perícia  do poder político face a uma crise sanitária de escala e violência sem precedentes.

 

Uma enfermeira segura a mão de um paciente em  cuidados intensivos com Covid-19 num hospital no sul de França. Frédéric Dides/AFP

 

A Mediapart publicou hoje os resultados de um inquérito de várias semanas que traça as muitas disfunções no topo do Estado desde janeiro até aos dias de hoje. Uma mentira estatal que levou a França ao impensável: a escassez de máscaras de proteção para os seus cuidadores face ao Covid-19 e para a sua população em geral.

Com base em numerosos testemunhos e documentos confidenciais, a que pudemos ter acesso, a nossa investigação mostra que :

  • No final de janeiro e início de Fevereiro, o Ministério da Saúde, consciente do baixo nível das existências estatais em material de proteção, decidiu encomendar apenas uma quantidade muito pequena de máscaras, apesar dos alertas internos. Além disso, o material demorou várias semanas a chegar.

  • Após este primeiro fiasco, o governo criou uma unidade interministerial no início de março para a aquisição de máscaras. Mas também aqui os resultados foram catastróficos: durante as três primeiras semanas de março, a célula só conseguiu obter 40 milhões de máscaras, o equivalente a uma semana de consumo ao ritmo atual. Em particular, a célula perdeu várias oportunidades de entregas rápidas.

  • O Governo escondeu a escassez durante quase dois meses e, em função das existências, adaptou as suas instruções sanitárias sobre o uso de máscaras. No final de fevereiro, o Diretor-geral da Saúde recomendou uma máscara para qualquer pessoa em contacto com um portador de Covid. Um mês mais tarde, a porta-voz do executivo declarou que era inútil.

  • As empresas dos sectores “não essenciais” da economia continuaram a consumir máscaras por razões económicas. Um exemplo é o fabricante de aeronaves Airbus, que parece ter recebido um tratamento preferencial. Ao mesmo tempo, os trabalhadores do sector da saúde continuam a trabalhar sem estas máscaras de proteção, devido à falta de reservas suficientes.

  • O Governo está agora a tentar reconstituir as reservas, com uma estratégia de 180°: é necessário preparar a saída do confinamento, “onde sabemos que será necessário equipar massivamente” a população, como admitiu a secretária de Estado da Economia, Agnès Pannier-Runacher, numa reunião, para a qual  a Mediapart obteve a inscrição-.

Esta é a história de uma tragédia em sete atos.

 

 ATO I (fim de janeiro de  2020). Mentira sobre uma penúria

– “O grande erro nos Estados Unidos e na Europa é, na minha opinião, que as pessoas não usam máscaras”. “Na muito séria revista americana Science, um alto cientista chinês  recordou-nos, em 27 de Março, as provas contra o coronavírus, que “é transmitido por gotículas respiratórias”: “É preciso usar uma máscara”. »

“O simples ato de falar pode transmitir o vírus”, afirmou George Gao, Director-Geral do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da China, que tem estado na vanguarda da luta contra o Covid-19. Muitos indivíduos afetados são assintomáticos, ou ainda não sintomáticos: com uma máscara, é possível evitar que as gotículas portadoras do vírus escapem e infetem outras pessoas. »

O problema: em meados de Janeiro, no início da epidemia na China, as existências de máscaras são quase nulas em França.

Segundo as nossas informações, havia então menos de 80 milhões das chamadas máscaras “cirúrgicas” – mais 80 milhões encomendadas antes da epidemia, mas ainda não entregues – e zero em stock das chamadas máscaras “PCP2”. As primeiras são máscaras básicas antiprojeção, destinadas à população, com uma duração de vida limitada a quatro horas. Não protegem aqueles que os usam, mas impedem-nos de contaminar outros com a sua expetoração.

A segunda – e a sua versão topo de gama, a FFP3 – são máscaras de protecção respiratória para trabalhadores do sector da saúde. Apenas a FFP2 e a FFP3 protegem os seus utilizadores. Em caso de pandemia, deve ser possível distribuí-las, no mínimo, a todo o pessoal de saúde mais exposto: enfermeiros hospitalares, médicos municipais, bombeiros, motoristas de ambulância, etc. No entanto, a França não tem nenhumas em stock.

Esta não é a escolha do atual governo, mas sim do governo anterior. Em 2013, a Ministra da Saúde, Marisol Touraine, tinha decidido abolir as reservas estratégicas do Estado e transferir esta competência para os empregadores, privados ou públicos, que são agora responsáveis pela “constituição de reservas de máscaras para proteger o [seu] pessoal”.

Em vez de ser transparente sobre esta escassez – que não é da sua responsabilidade – e de explicar que o pouco stock disponível será reservado como prioridade para os prestadores de cuidados, o Governo de Édouard Philippe optou por não informar os franceses. E utilizar falsos argumentos sanitários para esconder stocks insuficientes. Explicará assim, por sua vez, que as máscaras são inúteis para a população em geral, depois não são eficazes porque os franceses não sabem usá-las, por enquanto, para mais tarde, tentar  equipar “massivamente” a população para sair do confinamento.

 

 ATO II (fim de janeiro  – fim de fevereiro). Une réação lenta e insuficiente

 

Estamos em Janeiro. Na comitiva do Professor Jerome Salomon, Director-Geral da Saúde, já existe uma preocupação, segundo informações cruzadas pela Mediapart: os políticos não ousam admitir à população que as máscaras podem estar em risco de faltarem s e preferem dizer, no início, que as máscaras são inúteis, até chegarem as ordens de encomenda.

Em 24 de Janeiro, algumas horas antes da confirmação de três casos europeus (e franceses) de coronavírus, a ministra da Saúde Agnès Buzyn quer tranquilizar o público após o Conselho de Ministros: “Os riscos de propagação do vírus na população [francesa] [nota do editor] são muito baixos. »

Agnès Buzyn e Olivier Véran, na passagem de testemunho no Ministério da Saúde, em 17 de Fevereiro de 2020. Geoffroy van der Hasselt/AFP

 

Dois dias depois, enquanto a Agência Europeia de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) actualiza o risco de importação do vírus para a União Europeia em alta, a ministra desencoraja, na RTL, o uso de máscaras cirúrgicas, que, segundo ela, só são úteis “quando se está doente”. Ela relativiza: “Quando se passa por alguém na rua, o risco de apanhar o vírus é baixo. “Diz ainda que “dezenas de milhões de máscaras [estão] em stock, em caso de emergência”, e que “tudo é perfeitamente gerido pelas autoridades”. “E se um dia tivéssemos de usar uma máscara, distribuiríamos a máscara, não há absolutamente nenhuma razão para sair e comprá-las”, acrescenta.

Os franceses fazem o contrário. Já em meados de Janeiro, “muita gente correu para as farmácias para comprar máscaras, em lojas de bricolage, online, em todo o lado”. Isso esvaziou muito stock”, disse o director de vendas para a zona ocidental do Mediterrâneo do fabricante americano 3M, um dos principais fabricantes mundiais de máscaras, numa reunião interna confidencial. Especialmente porque “muitas máscaras que estavam armazenadas em França foram para a China ou para outro lugar”. A escassez no circuito comercial foi tão violenta que a 3M “deixou de abastecer as farmácias francesas no final de Janeiro e “deu prioridade aos hospitais”, prosseguiu o diretor comercial.

Os comentários de Agnès Buzyn estão também completamente desfasados da realidade vivida ao mesmo tempo pela unidade de crise do Ministério da Saúde, que está a trabalhar num plano de ação para as diferentes fases da epidemia. Composta por 25 pessoas do CORRUSS (centro de monitorização do ministério) e da sub-direcção “vigilância e segurança sanitária”, esta célula está alarmada com as escassas reservas de máscaras. “Começámos a preocupar-nos e pusemo-nos a comprar massivamente no final de Janeiro”, disse um membro da unidade de crise à Mediapart, anonimamente por causa da sua função.

Em 24 de Janeiro, a Direcção-Geral da Saúde (DGS) solicitou à Agência Francesa de Saúde Pública (SPF), sob a supervisão do ministério, que fizesse um inventário das existências de equipamento médico. Em 30 de Janeiro, solicitou-lhe que adquirisse “o mais rapidamente possível” apenas 1,1 milhões de máscaras FFP2 , de acordo com um documento obtido pela Mediapart:

A encomenda de equipamento de proteção encomendada pela Direcção-Geral da Saúde (DGS) em 30 de Janeiro de 2020. Documento Mediapart

 

No que respeita às máscaras cirúrgicas, a DGS não recomenda qualquer novo abastecimento  para além da ordem dos 80 milhões de máscaras, já colocadas antes da chegada da epidemia e destinadas a atingir um stock nacional de cerca de 160 milhões. Aos olhos das autoridades sanitárias, isto parece ser suficiente.

Em 7 de Fevereiro, um novo pedido da DGS à SPF. Desta vez, trata-se de adquirir 28,4 milhões de FFP2 , através de um “procedimento de compra acelerado”, contactando apenas os três principais produtores franceses. Não foram feitas encomendas adicionais de máscaras cirúrgicas. Pior: a DGS ordena a libertação de 810.000 máscaras cirúrgicas com um prazo de validade curto (31 de Março, 31 de Agosto, 2020), destinadas à China.

Duas semanas após o primeiro encaminhamento, os resultados são catastróficos. Em 12 de Fevereiro, dos 28,4 milhões de FFP2 solicitados, a SPF tinha recebido apenas 500 000 e tinha encomendado mais 250 000, ainda não entregues. E dos 160 milhões de máscaras cirúrgicas esperadas, 30 milhões ainda estão em falta, encomendadas, mas ainda não entregues.

A preocupação aumenta inevitavelmente no seio do Ministério da Saúde, alarmado pelas dificuldades de abastecimento e pela lentidão dos progressos da Saúde Pública francesa. Numa reunião interna sobre o assunto, realizada em 11 de fevereiro, verificou-se que a consecução do objetivo de 28,4 milhões de máscaras FFP2 estava em risco. Isto não impede que o novo Ministro da Saúde, Olivier Véran, diga alto e bom som e por várias vezes, em 18 de Fevereiro, ao microfone da France Inter, que “a França está pronta” face ao “risco de pandemia”.

Como se pode explicar este fiasco? O ministério argumenta que se deparou com um mercado muito competitivo – oferta limitada, aumento da procura em todo o mundo, aumento dos preços -, especialmente contra os asiáticos, que já têm os seus canais de abastecimento habituais.

Mas o governo cometeu objetivamente vários erros: encomendas em volumes muito baixos, demasiado tarde, dispersas – cada ministério encomenda por si, com menos peso nas negociações – e, finalmente, a utilização de procedimentos de contratos públicos inadequados a situações de emergência. Incluindo a nível europeu.

“Não há falta”, insiste Jerome Salomon em 26 de fevereiro.

Agnès Buzyn anunciou em 13 de fevereiro, três dias antes da sua demissão para liderar a campanha municipal em Paris, numa conferência de imprensa sobre o Covid-19, um grande “contrato público europeu” para um massivo fornecimento de máscaras, em vez de cada país se equipar separadamente. Um mês e meio depois, já ninguém fala sobre isso.

A Comissão Europeia começa simplesmente a analisar as propostas, para um fornecimento de equipamento previsto duas semanas após a assinatura do contrato…”. Estamos a fazer o nosso melhor para acelerar consideravelmente o processo administrativo dos contratos públicos conjuntos”, respondeu o serviço de imprensa da Comissão em 30 de Março, sem nos dar qualquer indicação sobre a data, o volume ou a repartição por país da encomenda.

Talvez tenha havido erros”, disse um membro da unidade de crise à Mediapart. Talvez o Estado não tenha sido suficientemente reativo, e demasiado sensato nos seus pedidos. Os procedimentos de adjudicação de contratos públicos estão bem em tempo calmo, mas são totalmente inadequados em condições de tempestade, em que é necessário tomar decisões rápidas, quando o concurso público é de três meses”…”.

Para ele, o problema inicial vem sobretudo “da opção de não dispor de reservas estratégicas de máscaras”.

A ministra Agnès Buzyn sai de uma reunião sobre o Covid-19 em 8 de Fevereiro, em Matignon. No meio, DGS Jérôme Salomon © Christophe ARCHAMBAULT / AFP

 

Em meados de Janeiro, “no estado dos conhecimentos científicos, e com as restrições orçamentais impostas, a tomada de decisões era complicada”, argumenta, e “a pessoa que então, no atual estado das finanças francesas, teria dito “vamos gastar centenas de milhões de euros numa hipotética crise”, teria sido alvo de risada  na cara”. Desde o início, sabíamos que seria uma gestão de crise relacionada com a escassez – de máscaras, testes, respiradores, camas de reanimação. A partir daí, pode prever, pode fazer muitas coisas bem e nós fizemos algumas dessas coisas – perdeu a guerra à partida. »

O Governo subestimou também claramente a rapidez e a virulência da epidemia. Sabíamos desde o início que estava a chegar uma onda”, diz a mesma fonte, “mas não pensámos que fosse tão forte, que o vírus fosse tão violento, com doentes que se podem degradar de repente e precisam de ser entubados urgentemente”. »

Em meados de Fevereiro, o ministério deu o alarme com a Saúde Pública francesa, nomeadamente por ocasião de uma reunião técnica para a elaboração do plano diretor de armazenamento e distribuição. É necessário passar a uma velocidade superior, deixar de atravessar os seus longos mercados públicos tradicionais, prospetar em todo o lado, “em modo de guerra”, dizem-lhes.

A Agência não parece estar plenamente consciente da urgência da situação. A sua letargia deve-se, em termos mais gerais, ao seu funcionamento: nasceu em 2016 da fusão de três institutos de saúde e “armado como um plano quinquenal do temo  da  União Soviética”, de acordo com algumas fontes.

Supostamente mais reativa e menos sujeita a restrições administrativas do que o Ministério, a máquina SPF sofre, de facto, do mesmo incapacidade de ação  quando tem de efetuar operações urgentes. Tanto mais que, desde a fusão, a sua componente “intervenção”, gerida pelo antigo Estabelecimento de Preparação e Resposta a Emergências de Saúde (EPRUS), tem sido negligenciada. Questionada pela Mediapart, a direcção da SPF não quis responder, remetendo-nos para o Ministério da Saúde.

Na sequência deste alerta, em meados de Fevereiro, o Secretariado-Geral da Defesa e Segurança Nacional (SGDSN) – uma agência sob a tutela de Matignon responsável pela organização da resposta do Estado às crises mais graves, sejam elas terroristas ou relacionadas com a saúde – reuniu-se, em meados de Fevereiro, com vários ministérios. Solicita o apoio dos quatro fabricantes franceses que produzem FFP2. O gabinete do Ministro da Saúde convocou então estes quatro fabricantes e agrupou todas as encomendas do Estado através de um único comprador, a SPF. O objetivo: ter mais influência nas negociações com os fornecedores.

No final de Fevereiro, a epidemia chegou a Itália de uma forma preocupante e o executivo começou a entrar em pânico. Em 25 de Fevereiro, é organizada uma reunião interministerial de crise em torno do Primeiro-Ministro Édouard Philippe. Segundo a resposta do Ministério da Saúde à Mediapart, é identificada uma “necessidade” adicional de 175 milhões de máscaras FFP2 “com base numa epidemia de 3 meses”. Ainda de acordo com o ministério, Olivier Véran mandata no mesmo dia a Santé Publique France para encomendar estas máscaras.

*Publicamente, o Ministério da Saúde quer ser tranquilizador nas suas sessões de informação à imprensa. “Para estas máscaras com elevado nível técnico [o FFP2 – nota do editor]”, “a ordem pública de compra  foi emitida”, a fim de “constituir um stock de várias dezenas de milhões”, disse Olivier Véran a 26 de Fevereiro, prometendo, no dia seguinte, não estar “em reacção”, mas “durante semanas em antecipação”.

“Estamos e continuaremos um passo à frente”, jura ele.

“Não há falta”, insiste Jérôme Salomon, da DGS.

♦ ACT III (final de Fevereiro – início de Março). As avarias da célula de comando

 

Mas, nos bastidores, o governo decide mudar de velocidade. A agência Saúde Pública- França parece claramente subdimensionada para controlar a encomenda, recolha e distribuição de máscaras. É posta em prática uma estratégia agressiva. O executivo cria uma célula de crise interministerial Covid-19, a CCIL (para “cellule de coordination interministérielle de logistique”), que é oficialmente “ativada” em 4 de Março. A CCIL foi oficialmente ativada em 4 de Março, com um departamento dedicado às compras de mascaras, responsável por fazer aumentar o volume   as existências por todos os meios possíveis.

Esta “sub-célula de máscaras” inclui pessoal do Ministério da Saúde e da SGDSN. A sua direção é confiada a Martial Mettendorff, o antigo director-geral adjunto da Saúde Pública França, o mesmo que tinha recebido o pedido de aceleração do ministério em meados de Fevereiro… Será substituído à frente desta “célula de máscara” menos de um mês depois por um comissário geral dos exércitos.

O balanço deste comando interministerial é muito magro. Entre a sua criação e 21 de Março, pouco mais de três semanas, a célula só conseguiu obter 40 milhões de máscaras com tudo incluído (produção francesa, requisições, doações e importações), de acordo com o Ministro da Saúde. Isso é apenas uma semana de consumo do stock estratégico ao ritmo atual.

No papel, no entanto, o executivo atuou  duramente. Em 3 de Março, o Estado decidiu, por decreto do Primeiro-Ministro, requisitar tanto todas as existências de máscaras existentes no território, como todas as que saem das fábricas.

Trabalhadores da fábrica de máscaras Kolmi-Hopen em Saint-Barthélemy-d’Anjou, perto de Angers, uma das quatro unidades de produção em França. Loïc Venance/AFP

 

Do lado da produção, este decreto, de uma só vez, deu origem às laboriosas negociações iniciadas em fevereiro com os quatro fabricantes dotados de uma fábrica em França. São agora obrigados a entregar exclusivamente ao Estado e conseguem duplicar a sua produção, que atingiu agora 6 milhões de máscaras por semana. Isto significa que cerca de 20 milhões de máscaras tinham sido entregues até 21 de março.

A requisição de ações detidas por todas as instituições e empresas francesas foi infrutífera. Em 25 de março, a federação dos serviços públicos da CGT alertou o Ministro do Interior, Christophe Castaner: “dezenas de milhares de máscaras continuam à espera que as venhamos buscar”. Para fazer face à escassez em Haute-Savoie, o coordenador da CGT dos bombeiros, Sébastien Delavoux, chamou, de facto, sindicalistas em várias empresas públicas de energia. “Foram encontradas dezenas de milhares de máscaras através de alguns telefonemas. Em vários lugares, as máscaras foram recolhidas, mas ninguém as veio buscar”, disse ele.

O decreto de requisição também teve efeitos perversos. “Navegámos à vista”, diz o membro da unidade de crise já mencionado, para quem “a cura foi provavelmente pior do que a doença”. Segundo ele, “a requisição não foi preparada”. Depois do tweet de Emmanuel Macron o anunciar, foi feito rapidamente o decreto”.

Um elemento-chave em particular não era “previsto”: o facto de a requisição “secar os canais de abastecimento tradicionais durante duas semanas, porque os profissionais que faziam entregas em estabelecimentos de saúde e farmácias em particular paravam, sem saber o que estavam autorizados a fazer ou se iam ser pagos”. Tivemos dificuldades, o que atrasou claramente o fornecimento de máscaras”, diz ele. Os alemães, por exemplo, proibiram as exportações em vez de as requisitarem. »

Em 20 de Março, três semanas após a requisição, o Governo inverteu a sua posição e permitiu mais uma vez que entidades públicas e privadas pudessem importar livremente máscaras.

Mas o resultado mais dececionante veio das compras no estrangeiro. De acordo com uma estimativa da Mediapart, que o Ministério da Saúde nos confirmou, a “célula de máscaras” conseguiu importar menos de 20 milhões de unidades entre o início de Março e 21 de Março. O Ministro da Saúde declarou publicamente que estas “dificuldades” se devem à “corrida global pelas máscaras” causada pela pandemia, o que significa que “nenhum país do mundo está a satisfazer a sua procura”.

No entanto, mais uma vez, foram cometidos erros. De acordo com as nossas informações, as propostas sérias foram, de facto, ignoradas. Como a de Julien, especialista em sourcing industrial na China, que desejava permanecer anónimo (ver a nossa “Caixa Negra”). Viveu lá durante dez anos, viveu várias pandemias virais e está a acompanhar de perto a crise através dos seus amigos confinados a Wuhan.

Chocado com a política francesa que aconselha contra o uso de máscaras, falou em 13 de Março ao Director-Geral da Saúde, Jérôme Salomon. “Usar uma máscara não é um acto folclórico. Foi o que permitiu e permite controlar a propagação do vírus na Ásia, escreveu-lhe Julien através da plataforma do LinkedIn. O uso de uma máscara é obrigatório em muitos países asiáticos. […] Os resultados são convincentes. …] Na Europa, especialmente em França, o discurso sobre o uso de máscaras é irracional. As mentalidades também. Mudemo-las. »

 

O Diretor-Geral da Saúde respondeu no mesmo dia: “Deve ser dada prioridade ao equipamento dos profissionais de saúde, as existências são limitadas”, confirmando que a política de saúde francesa é, de facto, ditada pela escassez. Julien diz-lhe que a China impulsionou as suas taxas de produção, que atingem 110 milhões de máscaras por dia. “Não tão simples, garanto-vos que estamos a procurar por todo o lado”, responde Jérôme Salomon.

Julien propõe então ajudar tacitamente o Governo, mobilizando a sua rede na China. Jérôme Salomon encaminhou-o para Antoine Tesnière, conselheiro de Covid junto do Ministro da Saúde. Dois dias depois, em 15 de Março, enviou uma proposta pormenorizada e indicou que tinha encontrado fábricas capazes de fornecer 6 a 10 milhões de máscaras cirúrgicas por semana, incluindo 1 milhão de máscaras FFP2 , um produto de base raro. O seu e-mail foi encaminhado para o chefe da “célula da máscara”, Martial Mettendorff, e para a chefe da NWMO, Claire Landais.

Em 16 de Março, Julien conversa ao telefone com a assistente de Antoine Tesnière. Segundo ele, ela disse-lhe que a célula não precisa de ajuda porque tem a sua própria rede na China. Nas trocas de SMS que a Mediapart pôde consultar, os fornecedores chineses de Julien escreveram que não tinham sido contactados pelo Estado francês.

“Fiquei chocado, porque em três dias encontrei fábricas fiáveis que tinham capacidades, certificados e autorizações de exportação, mas eles estiveram-se nas tintas”, diz Julien. Em 16 de Março, um dos fornecedores que eu tinha contactado disse-me que tinha entregue 70 milhões de máscaras ao Cazaquistão, enviando-me um vídeo da operação. »

O Ministério da Saúde disse-nos que a oferta de Julien foi rejeitada por falta de “fiabilidade”.

Um membro da unidade de crise admite que o exame das ofertas dos importadores foi mal gerido, devido à falta de recursos humanos e a problemas organizacionais que atrasaram as operações da unidade durante as duas primeiras semanas. “Não fomos capazes de gerir este fluxo de e-mails, faltou-nos organização. Algumas pessoas não obtiveram uma resposta, apesar de terem sido propostas sérias. »

A partir de meados de Março, o mercado chinês tornou-se uma selva, o “Oeste selvagem”.

A oferta de um destes importadores, Jérôme*, que forneceu à Mediapart toda a sua correspondência com a célula, foi efetivamente considerada séria. Com efeito, o Estado pediu-lhe que apresentasse uma proposta pormenorizada para uma primeira encomenda de um milhão de máscaras produzidas na China, de acordo com e-mails obtidos pela Mediapart. Mas Jerome esperou uma semana antes de receber uma resposta, finalmente negativa por causa dos preços considerados demasiado elevados…

É certo que Jérôme fez a sua oferta na altura das mega-ordens anunciadas pelo Estado em 21 de março (ver infra). Mas este atraso na análise da proposta constitui um desafio, tendo em conta a emergência sanitária e a feroz concorrência dado o aumento de procura. “A procura é tal que, a cada dia que passa, a capacidade disponível dos meus fornecedores vai diminuindo. Um deles levou uma encomenda de 10 milhões de peças para outro país”, diz ele à Mediapart.

Na sua defesa, a célula tinha de agir  depressa e verificar a seriedade das ofertas para evitar os vigaristas. “A dificuldade era que havia também uma torrente de ofertas estrangeiras de empresas que não existiam, máscaras FFP2 oferecidas a preços loucos em comparação com os preços habituais, etc, diz-nos uma fonte interna.”. “As propostas fraudulentas abundavam.”, confirmou o Ministério da Saúde à Mediapart.

O gabinete de Olivier Véran respondeu que a unidade interministerial, composta por “profissionais experientes”, “recebeu muitas ofertas de compra ou doação que foram examinadas por ordem de prioridade”, e “seguiu todas as precauções necessárias para poder adquirir equipamento de qualidade reconhecida, a partir de fontes fiáveis”. O Departamento não pretende comentar a “totalidade das propostas apresentadas” ao Departamento, uma vez que não haveria “provas” de que os empresários que nos disseram que estavam a falar a sério, o estivessem  verdadeiramente a ser”.

 

Carregamento de uma carga de máscaras numa fábrica da  província de Jiangsu, na  Chine. © Mediapart

 

Parece também ter havido problemas de comunicação entre os serviços do Estado nas regiões e a unidade nacional. A história mais emblemática é a da empresa Prolaser, revelada pelo jornal diário Ouest-France.. Durante a semana de 16 de Março, esta PME, especialista em tinteiros reciclados, identificou fornecedores chineses capazes de entregar rapidamente 500.000 máscaras por dia, graças à sua rede local. A empresa aproxima-se dos serviços locais do Estado, sem sucesso. O Ministério da Saúde disse-nos que não tinha conhecimento desta proposta.

Resultado: logo após a publicação do decreto de 20 de março que autoriza uma vez mais as instituições e as empresas a abastecerem-se, os conselhos departamentais da Vendée e do Maine-et-Loire aproveitaram a ocasião para encomendar 1,2 milhões de máscaras, em seu nome e em nome das comunidades das comunas do seu território. Em particular, serão entregues ao Ehpad e ao pessoal que ajuda os idosos em casa.

A Prolaser disse à Mediapart que garantiu 500.000 entregas por dia, tendo o primeiro avião aterrado na segunda-feira, 30 de março. O conselho departamental da Vendée confirma ter recebido no mesmo dia um primeiro lote de 30 000 máscaras, o que permitirá colmatar a falta enquanto se aguarda a “entrega pelo Estado”.

Por último, existem stocks de máscaras que não possuem o certificado CE europeu, mas cumprem as normas estrangeiras cujas características são muito semelhantes. Em 16 de Março, Henri(1), director de uma empresa importadora de artigos promocionais, referenciou  um stock chinês de 500.000 máscaras cirúrgicas chinesas com a norma não europeia EFB95, originalmente destinadas ao mercado brasileiro. Tem a ideia de os importar para França para os oferecer “a preço de custo”. “Estas máscaras eram conformes e de boa qualidade. O meu pensamento era que era melhor ter máscaras, mesmo sem a marcação CE, do que não ter máscaras”, diz ele.

Henri contactou a alfândega para perguntar se era possível uma importação. “Tudo o que precisavam era do acordo dos serviços de saúde, o que é compreensível”. Mas apesar de vários lembretes, não obtivemos qualquer reação da sua parte. Tivemos de libertar o stock, que foi para outros países”.

Tendo em conta a escassez, a Espanha decidiu, em 20 de Março, autorizar temporariamente a importação destas máscaras de acordo com normas estrangeiras. A França, por seu lado, optou por requisitar, a partir de 13 de Março, as máscaras sem marcação CE armazenadas no seu território, mas esperou até 27 de Março para autorizar as importações.

O Governo parece, portanto, ter perdido várias oportunidades de entrega em março, num contexto de escassez em que tanto os compradores públicos como os privados competem ferozmente com os fabricantes chineses. É uma guerra entre países para serem servidos “, disse um comprador de um grupo francês. Os embaixadores na China estão quase a dormir em paletes para garantir a segurança dos lotes. E, neste jogo, a França acordou tarde. »

 

Produção de máscaras cirúrgicas numa fábrica na província chinesa de Jiangsu. © AFP

 

Não é Renaud Muselier que vai dizer o contrário. Na terça-feira, 31 de Março, o presidente da Região Sul (antiga Provença-Alpes-Côte d’Azur) anunciou no canal russo RT que parte de uma encomenda francesa de 4 milhões de máscaras da China foi simplesmente desviada para os Estados Unidos no último minuto. “Na pista [do aeroporto], na China, uma encomenda francesa foi comprada pelos americanos em dinheiro e o avião que devia vir para França foi diretamente para os Estados Unidos”, denunciou o Presidente da Région.

Vários empresários  em contacto com o Estado disseram à Mediapart que tinham avisado a “célula das máscaras” de que o atraso nas encomendas seria oneroso. Pois a partir de meados de Março, o mercado chinês tornou-se uma “selva”, o “farwest “, de acordo com estas fontes.

Os industriais chineses apressaram-se a entrar no mercado de máscaras, que se tinha tornado o novo “ouro branco”, abrindo fábricas e vencendo para isso todos os obstáculos.  Em consequência, a qualidade diminuiu e tornou-se cada vez mais difícil encontrar reservas fiáveis. Os Países Baixos descobriram que um lote de 1,3 milhões de máscaras chinesas entregues em 21 de março apresentava defeitos.

Em França, a Assistance Publique-Hôpitaux de Paris (AP-HP) explicou, numa nota confidencial, que em 26 de Março, recebeu 700.000 máscaras “sem marcação CE”. Estas máscaras “são conformes”, insistiu a Região de Île-de-France, que fez a encomenda, e o ARS, que a verificou.

O ministério informou-nos que tinha encomendado 175 milhões de máscaras em 11 de Março, sem especificar se incluía os volumes adquiridos aos produtores franceses.

Independentemente do volume encomendado à  importação, foi tarde: nas três primeiras semanas de Março, a unidade interdepartamental conseguiu obter a entrega de menos de 20 milhões de máscaras adquiridas no estrangeiro.

O Departamento diz-nos que o seu “desempenho” deve ser avaliado no “contexto sem precedentes” que todos os países compradores enfrentaram, ou seja, a dificuldade de se abastecerem num contexto de oferta mundial insuficiente e de concorrência acrescida.

(continua)

__________

A parte II deste artigo será publicada amanhã em A Viagem dos Argonautas – Para a ler clique em:

https://aviagemdosargonautas.net/2020/05/19/crise-do-covid-19-e-a-incapacidade-das-sociedades-neoliberais-em-lhe-darem-resposta-xliii-as-mascaras-as-provas-de-uma-mentira-de-estado-por-yann-philippin-antton-rouget-e-marin/

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Leave a Reply

%d bloggers like this: