Os epidemiologistas entre dois muros: o mundo biológico e o mundo financeiro – “Contra todas as probabilidades”: A verdadeira história de como os cientistas de três continentes produziram uma vacina contra o Ébola (1/2). Por Helen Branswell

Espuma dos dias cientistas entre dois mundos

Da história impensável da descoberta da vacina contra o Ébola ao Covid 19

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota

N.E. Dada a extensão deste texto, publicamo-lo em duas partes.

“Contra todas as probabilidades”: A verdadeira história de como os cientistas de três continentes produziram uma vacina contra o Ébola (1ª parte)

Helen Branswell Por Helen Branswell

Publicado por STAT News News em 07/01/2020 (ver aqui)

(1ª parte)

166 Epidemia 3 H Branswell Contra todas as probabilidades A verdadeira história como cientistas produziram vacina contra Ébola 1

Profissionais de saúde em vestuário de proteção falam com pessoas à espera de tratamento médico na sala de espera de internamento do Hospital Redemption, antigo centro de detenção do Ébola, em Monróvia, na Libéria, em 2015.JOHN MOORE/GETTY Images

 

Na Primavera de 2014, quando o Ébola explodiu em toda a África Ocidental, um cientista chamado Gary Kobinger estava a seguir atentamente as notícias a partir do Canadá.

Kobinger era o chefe da unidade de patogénicos especiais do Laboratório Nacional de Microbiologia em Winnipeg. Ele e a equipa que liderava tinham uma merecida reputação pelo seu trabalho sobre o Ébola e outras febres hemorrágicas virais; o próprio Kobinger tinha liderado o desenvolvimento de uma promissora terapia com o Ébola.

O laboratório Winnipeg também tinha trabalhado durante anos numa vacina contra o Ébola, uma vacina que parecia tremendamente eficaz em modelos animais. O laboratório tinha até produzido uma vacina de qualidade humana, na esperança de a testar em pessoas. Mas em Abril de 2014, isso ainda não tinha acontecido. A vacina nunca tinha sido implantada num surto. Nenhuma grande empresa farmacêutica tinha manifestado interesse em desenvolvê-la.

Com o Ébola a aparecer e a propagar-se rapidamente num país que não tinha qualquer experiência a tentar controlá-lo – a Guiné – Kobinger contactou a Organização Mundial de Saúde para oferecer a vacina.

A OMS recusou a oferta.

“Acharam que era prematuro avançar com ela”, recordou Kobinger, que disse ter-lhe sido dito que a Guiné não dispunha de infraestruturas para aprovar a utilização de uma vacina experimental. “Isso era verdade”, acrescentou ele.

A realidade era que, durante anos, os cientistas que estudaram o Ébola, que pertence a uma família de vírus chamada filovírus, tinham despendido os seus esforços duramente no trabalho de desenvolver vacinas e medicamentos para combater estes flagelos mortais. E, durante anos, viram um trabalho promissor esbarrar contra muros inultrapassáveis. Não havia potencial para os fabricantes de medicamentos recuperarem os custos de desenvolvimento; e, com surtos apenas esporádicos, havia poucas oportunidades de submeter vacinas experimentais a testes rigorosos.

Mas perante a perspetiva de vítimas do Ébola abandonadas nas ruas das cidades africanas – e a auto-consciencialização mundial de que o vírus que se espalhava pela África Ocidental provavelmente não ficaria por ali apenas – o equilíbrio acabaria por se alterar.

“Aquele grande surto foi uma mudança de jogo e lembrou às pessoas que este vírus exótico poderia tornar-se uma ameaça real para a saúde pública a nível regional, bem como numa perspectiva global”, disse o Dr. Heinz Feldmann, predecessor de Kobinger, que liderou o trabalho de desenvolvimento da vacina.

Em 2014, Feldmann há muito que tinha perdido a esperança de que a vacina – conhecida nos inúmeros estudos que ele e outros publicaram como rVSV-ZEBOV – fosse alguma vez produzida. Mas através de uma série improvável de reviravoltas, algumas fortuitas e não tão fortuitas, a vacina foi finalmente desenvolvida pela Merck, aprovada por agências reguladoras nos Estados Unidos e Europa no final do ano passado [2019], e utilizada no terreno para salvar vidas em África. É conhecida como Ervebo.

É uma proeza que se baseia no trabalho de cientistas de vários países em três continentes que trabalharam na obscuridade durante anos. E garantiu que, quando futuros surtos disparassem, os trabalhadores da saúde tivessem um novo instrumento crucial à sua disposição.

“Esta vacina … do princípio ao fim – nunca deveria ter acontecido. Em tantos níveis … contra todas as probabilidades, conseguiu-se”, disse Kobinger, agora director do Centro de Investigação de Doenças Infecciosas da Universidade de Laval, no Quebec.

Foi assim que aconteceu.

166 Epidemia 3 H Branswell Contra todas as probabilidades A verdadeira história como cientistas produziram vacina contra Ébola 2.jpg

A história da vacina contra o Ébola começou, como os avanços científicos frequentemente fazem, com uma boa ideia e um golpe de sorte.

No início dos anos 90, um cientista da Universidade de Yale chamado John “Jack” Rose estava a tentar descobrir uma forma de utilizar um vírus de gado chamado vírus da estomatite vesicular, ou VSV, como um sistema de entrega de vacinas. Embora possa infetar as pessoas, o VSV não se lhes pega. A resposta do sistema imunitário ao vírus é rápida e os níveis de anticorpos induzidos são surpreendentemente elevados.

Rose pensou que o vírus poderia ser uma base eficaz para uma vacina – se pudesse ser concebido para incluir genes de patogénios virais como a gripe ou o VIH. A ideia era que o vírus inofensivo iria ensinar o sistema imunitário a reconhecer potenciais invasores nocivos.

Mas ele e os estudantes no seu laboratório tentavam há cerca de seis anos manipular com sucesso o VSV para adicionar os genes de outros vírus. Uma muito boa aluna deixou o seu laboratório, recordou ele, porque ela concluiu que o trabalho nunca iria resultar.

Depois, em 1994, Rose soube que investigadores na Alemanha tinham tido sucesso onde ele tinha tido dificuldades – com um vírus da raiva. Usando a sua abordagem, foi capaz de recuperar vírus VSV modificados em poucos meses.

Segundo a sua própria estimativa, Rose partilhou o seu vetor VSV com pelo menos 100 laboratórios em todo o mundo. Um deles estava localizado numa cidade na Alemanha com um nome bastante auspicioso: Marburg.

Foi lá, em 1967, que trabalhadores de laboratório e pessoas relacionadas com eles adoeceram com o que mais tarde foi chamado o vírus Marburg. A fonte: primatas importados para fins de investigação. (Nove anos mais tarde, os cientistas descobririam um vírus relacionado, o Ebola).

Quando um cientista chamado Hans-Dieter Klenk se mudou para a cidade nos anos 80 para dirigir o Instituto de Virologia na Universidade Philipps de Marburg, não havia aí investigação sobre Marburg ou Ebola. Klenk decidiu que isso deveria mudar. Perguntou a um dos seus alunos, Heinz Feldmann, se queria continuar a trabalhar na gripe, ou mudar-se para filovírus como Marburgo. “Ele não pensou muito tempo”, disse Klenk. “Foi assim que começou”.

166 Epidemia 3 H Branswell Contra todas as probabilidades A verdadeira história como cientistas produziram vacina contra Ébola 3

John “Jack” Rose no seu laboratório em Yale. COURTESY

Com o vírus de Rose, a equipa de Klenk pôde estudar genes os Ebola individuais, colocando-os na base VSV. A beleza da abordagem era que podiam fazer o trabalho a níveis de bioconcepção inferiores àqueles em que a investigação do Ébola é normalmente conduzida, o que o tornava mais seguro, mais rápido e mais barato.

No início, a proteína na superfície do vírus VSV – conhecida como a glicoproteína ou proteína G – foi trocada e substituída pela glicoproteína Ebola. Mais tarde, o grupo fez um vírus VSV com a proteína G do vírus Marburg.

Klenk disse que, mesmo nessa altura, houve alguma discussão sobre se o vírus híbrido VSV poderia ser transformado em vacinas contra o Ébola ou o Marburg. Mas o grupo não tinha laboratórios de alta contenção onde fazer estudos com animais, pelo que não podia testar a teoria.

Do outro lado do Atlântico, no entanto, o Canadá estava a construir um novo laboratório nacional de microbiologia – um que incluía instalações de nível 4 de biossegurança, do tipo necessário para estudar o Ébola. Feldmann foi recrutado para liderar a equipa especial de agentes patogénicos ali existente. E quando deixou a Alemanha em 1999, perguntou a Klenk se podia levar consigo a construção do VSV, para poder continuar o seu trabalho. Klenk concordou.

“Esta tornou-se ‘a vacina canadiana’ – como era conhecida há muitos anos. Mas certamente que também tem raízes em Marburg”, disse Klenk.

Como Feldmann recorda, ele nem sequer pensava em usar a construção VSV de Rose como vacina quando esteve em Marburg. “Não tínhamos um programa de vacinas. Não tínhamos qualquer interesse em vacinas”, disse ele. “Utilizámo-lo basicamente como um sistema modelo para estudar a glicoproteína”.

Mas depois de se ter mudado para o laboratório canadiano, Feldmann e Tom Geisbert, um amigo e colaborador frequente, ouviram o Dr. Gary Nabel, então chefe do Centro de Investigação de Vacinas dos Institutos Nacionais de Saúde, proferir uma palestra sobre o Ébola. Ele argumentou que a glicoproteína foi a causa dos danos profundos que o Ébola causa quando infecta animais e pessoas.

Feldmann e Geisbert, um especialista em Ébola que estava então no Instituto de Investigação Médica de Doenças Infecciosas do Exército dos EUA, pensaram que Nabel estava errado e que podiam usar a construção do VSV para o provar.

Em Winnipeg, a equipa de Feldmann infectou ratos com o vírus VSV que continha a glicoproteína Ebola. Se a teoria de Nabel estivesse correta, a exposição à proteína deveria ter sido tóxica para os ratos.

Os roedores ficaram ilesos.

Como reflexão posterior, o grupo decidiu expor os ratos ao Ébola para ver o que aconteceria. Todos os ratos que tinham sido infetados com o vírus VSV portadores da glicoproteína estavam totalmente protegidos contra a doença; os ratos que não tinham sido expostos ao vírus VSV morreram todos.

“Acho que isso foi basicamente o início do projeto de vacina, embora eu não ache que tenhamos realmente logo atacado o assunto com muita prioridade”, disse Feldmann.

Em retrospectiva, essa resposta tardia pode parecer surpreendente. Mas na altura, o grupo Winnipeg enfrentou questões mais urgentes. Em 2003, uma nova doença alarmante – que veio a ser chamada síndrome respiratória aguda grave, ou SARS  – surgiu da China e alastrou a Hong Kong, Vietname, Singapura, e Toronto. A equipa especial de agentes patogénicos no laboratório canadiano juntou-se à busca para tentar determinar o que estava a causar a nova doença e como a conter. Qualquer outro trabalho foi colocado em espera.

Com a equipa de Winnipeg amarrada, Geisbert concordou em replicar o estudo dos ratos em primatas não humanos, considerado o melhor modelo animal para o que acontece quando os humanos são infetados com Ébola.

Tal como os ratos antes deles, os macacos que tinham sido expostos pela primeira vez ao rVSV-ZEBOV sobreviveram ao que deveria ter sido um desafio letal do Ébola. Um artigo sobre o estudo foi publicado na Nature Medicine em 2005 – e “rebentou as portas”, recordou Geisbert, que está agora com o ramo médico da Universidade do Texas em Galveston.

Ficou subitamente claro que o vector VSV modificado, carregado com a glicoproteína Ebola, não só era seguro, mas que podia ser utilizado como base de uma vacina eficaz.

Cientificamente falando, era entusiasmante. Mas, realisticamente, foi um não-começo. Estima-se que as vacinas custam cerca de mil milhões de dólares para serem desenvolvidas. A indústria farmacêutica não estava interessada em fazer um produto para proteger pessoas contra uma doença que só agora e de novo surgiu em países empobrecidos. Na altura, o Ébola tinha matado cerca de 1.300 pessoas ao longo dos quase 30 anos desde a sua descoberta.

“Sim, era emocionante, mas aonde conseguiria chegar com essa excitação?” disse Feldmann quando perguntado sobre os resultados. “Foi ao bar ao lado, bebeu uma cerveja e continuou a trabalhar”.

“Ninguém estava interessado no Ébola”.

Em 2008, Feldmann deixou Winnipeg para se tornar o chefe do programa de virologia nos Laboratórios Rocky Mountain do NIH, em Hamilton, Mont.

166 Epidemia 3 H Branswell Contra todas as probabilidades A verdadeira história como cientistas produziram vacina contra Ébola 4

Unidade móvel de biocontenção utilizada para monitorizar uma investigadora alemã que tinha perfurado o dedo com uma seringa contendo o vírus Ebola durante uma experiência em 2009.BERNHARD-NOCHT-INSTITUTE FOR TROPICAL MEDICINE

Em Março de 2009, uma crise súbita levou a uma decisão crítica.

Uma investigadora alemã picou o seu dedo com uma agulha contendo o vírus Ebola enquanto fazia uma experiência com ratos. A agulha penetrou em três camadas de luvas; e embora a ferida não tenha sangrado, a sua pele tinha sido perfurada.

O Centro Médico Universitário de Hamburgo, para onde ela foi levada, contactou investigadores do Ébola nos EUA e Canadá para ver se havia algo que pudesse ser feito.

Os peritos contactados – os investigadores e peritos de campo mais notáveis na área do Ébola na altura – concluíram que lhe devia ser oferecida a vacina VSV. Alguns testes em animais tinham demonstrado que ela tinha aumentado a sobrevivência quando administrada após a exposição, mesmo 48 horas depois – embora não estivesse claro se isso se traduzia num efeito semelhante nas pessoas.

O governo canadiano concordou em enviar a vacina – que não era um produto de qualidade humana, mas material que o laboratório tinha produzido para estudos com animais. Cerca de 48 horas após o acidente, a mulher, que não foi identificada publicamente, foi vacinada.

 

(continua)

_______________________________

A autora: Helen Branswell, jornalista canadiana, repórter de Stat News sobre doenças infecciosas e questões de saúde. Foi reporter médica na Canadian Press durante 15 anos. Cobriu as pandemias de Ébola, Zika, SARS e gripe suína, bem como da atual pandemia de coronavírus. É licenciada em literatura inglesa pela Universidade St. Thomas em New Brunswick, Canadá.

 

Leave a Reply

%d bloggers like this: