HÁ SUJIDADE POR TODA A PARTE NA AMÉRICA, TEMPOS TERRÍVEIS NA AMÉRICA, por EILEEN JONES

 

 

Everywhere Grime in America, Terrible Time in America, por Eileen Jones

Jacobin Magazine, 11 de Dezembro de 2021

Selecção e tradução por Júlio Marques Mota

 

Esqueça as paródias – West Side Story foi um musical épico sobre a violência dos gangues que foi tão incisivo  quanto espantoso.

Este ano marca o sexagésimo aniversário do filme West Side Story. Mesmo se  conhece este filme musical marcante apenas através das inúmeras paródias em sitcoms e comédias, está pelo menos vagamente consciente da forma como retratava os conflitos violentos de bandos de rua em guerra através de números de canções e danças. Vejam o falecido e grande Norm Macdonald na sátira “Cobras and Panthers” no Saturday Night Live, como apenas um dos muitos exemplos.

É evidente que algum grau de machismo motiva muitas destas paródias, simultaneamente com o declínio desde os finais dos anos 60 da outrora enorme popularidade do filme musical. Mas mesmo no seu apogeu, foi surpreendente – e, para alguns, fora de moda – encontrar questões de atualidade tão intensas a serem abordadas num género tido como o menos sério, mais ligeiro e mais romântico de todos eles. A equipa autora de sucessos de Rodgers e Hammerstein tinha vindo a progredir nesse sentido, abordando temas como o racismo em espetáculos como o South Pacific, já em 1949. Mas a versão de 1957 do “West Side Story” adotou uma abordagem muito mais radical, com o seu cenário de bairro de lata, representações da violência mortal dos gangues, e sátiras escarnecedoras do policiamento corrupto e racista.

Se nunca viu West Side Story, ou não o viu recentemente, pode não se aperceber de como nos atinge tão fundo. Ambos os bandos beligerantes que lutam pelo seu território  odeiam os polícias malvados que vigiam a vizinhança e recusam-se a cooperar com eles. Numa cena em que os gangues estão a planear um tumulto na pastelaria local, o fanático polícia Tenente  Schrank expulsa o gangue porto-riquenho, os Sharks, dizendo desdenhosamente: “Oh sim, claro, eu sei. É um país livre, e eu não tenho o direito. Mas eu tenho um distintivo. Tu o que tens?” Os Sharks partem, sardonicamente assobiando o hino “América”, cuja letra de abertura diz: “My country, ‘tis of thee, sweet land of liberty, of thee I sing…”

Schrank tenta então aliar-se ao bando rival dos Jets com base no fanatismo que partilham, e quando isso não funciona, ele volta-se também contra eles, chamando os adolescentes de descendência irlandesa, polaca e italiana os filhos da “escória imigrante”. Uma das várias cenas irresistíveis é quando ambos os bandos, identificando acertadamente a polícia como os seus opressores mais imediatos num sistema brutal, parecem por um momento serem capazes de ultrapassar a antipatia mútua para se unirem contra o seu verdadeiro inimigo.

Poderá estar mais familiarizado com a canção cómica “Gee, Officer Krupke”, cantada pelos Jets. Estão a gozar com a forma como os  “delinquentes juvenis” como eles próprios são vistos por juízes, psiquiatras e assistentes sociais, uma vez que se encontram ligados a um sistema estupidamente incompetente, a começar pelos seus inevitáveis encontros iniciais com a polícia. Mas o mais memorável é “America”, cantada  pelos Sharks  e as suas namoradas no telhado de um prédio de habitação.  Dirigidos  pela deslumbrante Rita Moreno como Anita e George Chakiris como Bernardo, as jovens mulheres defendem a sua nova pátria pelas liberdades e conforto que ela lhes  proporciona enquanto os jovens condenam a sua discriminação e as despesas que esta acarreta.

Por isso, participe no comentário cultural ainda acutilante, e fique para o brilhantismo da realização cinematográfica em geral. West Side Story, que se baseou livremente no Romeu e Julieta de Shakespeare, representa a genialidade no trabalho a todos os níveis. O guião de Ernest Lehman foi adaptado do livro de palco de Arthur Laurents, com  partitura de Leonard Bernstein e letra do jovem Stephen Sondheim. Jerome Robbins coreografou as danças, e foi considerado tão indispensável para as atuações que ficou como codirector do filme com Robert Wise, editor de Citizen Kane e um realizador lendário por mérito próprio.

Trabalhando com um elenco sensacionalmente talentoso, incluindo Natalie Wood e Richard Beymer como os jovens amantes, e Russ Tamblyn como líder dos Jets, Robbins teve de treinar não dançarinos  como Natalie Wood, mas também dançarinos de sucesso como Moreno, Tamblyn, e Chakiris – e fazer com que todos eles estivessem num bom nível. Robbins acabou por ser despedido   pelo seu extremo perfeccionismo, mas não antes de ter os seus bailarinos ensaiados exaustivamente em números que mesmo os mais experientes consideravam dificílimos dado o seu nível de complexidade.

Há tanta inovação brilhante em exibição que se pode ver  o filme West Side Story apenas para estudar um qualquer aspeto da mesma – o extraordinário esquema de cores, por exemplo, a que se chegou através de uma colaboração entre os realizadores, o designer de produção Boris Leven, o cineasta Daniel L. Fapp e a figurinista Irene Sharaff. Vai ser necessário esperar muito tempo para ver outro filme tão audaciosamente concebido como este, com cores furiosamente conflituosas aumentando a intensidade de cenas de raiva, angústia e ardor juvenil, com cenários vermelhos agitadores,  a escolha mais ousada. Os Sharks  ganham a batalha da cor, parecendo muito mais fantásticos em vermelhos saturados, laranjas, amarelos e roxos do que os Jets em tons de azul, verde e terra. Mas então, todos percebem que os Sharks  são mais frios. A lenda do ballet Mikhail Baryshnikov lembra-se de ter sido  um encorpado adolescente russo tão impressionado com a beleza do bailarino George Chakiris que imitou obsessivamente o fato preto e a  gravata fina de Bernardo  com a sua camisa roxa.

Mas são os efeitos mais simples no filme que fazem parte dos efeitos  mais assombrosos. Os primeiros planos  de helicóptero de Manhattan, acompanhados pelas poucas notas dos sinais de apito dos membros do bando, são inigualáveis em termos de  impacto dramático. E essa inspiração para o espetáculo musical num cenário de exterior  continua a ser um modelo, com alguns “estalos de dedos” a aumentar  de intensidade à medida que os Jets começam a andar de forma  ritmada no  recreio urbano de piso irregular, antes dos seus primeiros movimentos de dança, de braços abertos, que exigem espaço, expressando a liberdade que reclamam para si próprios num mundo apertado e fechado a cadeado por duras barreiras.

Há um remake de Steven Spielberg prestes a ser lançado este Natal. Ao ver o trailer, é claro que esta versão não é nenhum tipo de re-imaginação ousada – os Sharks e os  Jets não foram transportados para uma periferia  parisiense do século XXI ou qualquer coisa do género. Tal como o original,  o West Side Story de Spielberg  continua a ser representado nos cenários da  cidade de Nova Iorque nos anos 50.

É uma escolha bastante insana da sua parte. Porque invalida o que poderia ter sido uma razão convincente para fazer outra versão de West Side Story. Qualquer pessoa que tente fazer um remake direto deste icónico filme, que é conhecido pelo seu esplendor cinematográfico e brilhantismo musical, deve estar fora de si.


Leia o original deste artigo clicando em: 

Everywhere Grime in America, Terrible Time in America (jacobinmag.com)

 

Leave a Reply