O bairro 25 de abril que inspirou o cantor José Afonso, que lhe dedicou a música “Os Índios da Meia Praia”… vai a abaixo

(Enviado por Manuel Simões)

 

O Bairro 25 de Abril é composto por cerca de 50 casas com vários anexos onde habitam mais de 200 pessoas, na sua maioria pescadores e os seus familiares, sendo uma parte significativa da segunda geração dos “Índios da Meia Praia”, designação dada àqueles moradores. Construído após o 25 de Abril de 1974, é um dos dois bairros SAAL (Serviço de Apoio Ambulatório Local) erguidos na Meia Praia, com dinheiros do Estado português a fundo perdido. A originalidade do bairro inspirou o cantor José Afonso, que lhe dedicou a música “Os Índios da Meia Praia”.

 

“Aqueles bairros SAAL não são os melhores postais turísticos para Lagos e o Plano de Urbanização da Meia Praia foi radical, no sentido de desativar, ou melhor, ir retirando esses bairros progressivamente à medida que as pessoas sejam realojadas”, destacou o presidente da Câmara de Lagos. “O plano não indica uma data para erradicar o bairro, mas sim a sua desativação progressiva e de acordo com os proprietários”, sublinhou Júlio Barroso.

 

O autarca acrescentou que, “o célebre bairro dos índios foi feito para 40 famílias, mas estavam já a morar cerca de 70, em casas e anexos de quintais, sem quaisquer regras, correndo o risco de se transformar numa favela”. “Já foram retiradas cerca de 20 famílias ao abrigo de programas de habitação e existem outras que vivem no bairro desde o seu início que já manifestaram interesse em abandonar o local”, revelou Júlio Barroso, assegurando que, de “cada família que sai, a casa vai abaixo”.

 

De acordo com o autarca, o Plano da Urbanização da Meia Praia, aprovado em julho de 2007, “veio impor regras e acabar com a bagunça que foi no passado”. “A construção de hotéis de quatro e cinco estrelas não é compatível com empreendimentos sem o mínimo de condições”, observou Júlio Barroso, acrescentando que investir na Meia Praia “obriga agora a fazerem-se muitas contas, pois não há lugar a investimentos ou intervenções avulsas”.

 

Júlio Barroso aponta como erros do passado “empreendimentos que foram implantados no meio do nada”. “Para se lá chegar anda-se por carreiros de cabras, porque nem os acessos foram salvaguardados, e, noutros casos, devido à falta de estruturas de saneamento básico, foram criadas fossas que muitas vezes eram despejadas para os terrenos dos vizinhos”, “Agora tudo isso acabou. Investir na Meia Praia é desejável, mas dentro do quadro estabelecido no Plano de Urbanização, que é muito rigoroso”, destacou o autarca. “A Meia Praia está consagrada no plano como zona turística de excelência”, concluiu.

 

 

 

1 Comment

  1. Assinem a Petição Pela Preservação e Requalificação do Bairro dos Índios da Meia Praia em Lagos. Pesquisar no site “Petição Pública”

Leave a Reply