A face oculta do movimento dos “Indignados” – por Octopus

 

 

Posted: 02 Nov 2011 07:29 AM PDT .

 

O movimento dos “Indignados” é visto como espontâneo, justo e simpático. Desde o início atraiu muitos cidadãos de boa fé, em especial os jovens. Na realidade o movimento poderá ocultar objectivos que nada têm de indignação. Nota importante: este texto não pretende, de forma alguma, desacreditar todos aqueles que participaram e apoiam de maneira genuína o movimento dos Indignados.

 

Alguns factos levantam algumas suspeitas:

 

 1º – O lançamento de um livro banal, mas que beneficiou de um marketing elaborado.

 

 Foi o livro, “Indignai-vos!” de Stéphane Hessel, que inspirou o nome do movimento. Trata-se de um pequeno livro de poucas paginas, de leitura fácil, e que mais parece um panfleto. Foi escrito com base nas várias declarações de Stéphane Hessel, de 93 anos, herói da Resistência francesa.

Este livro, escrito de uma forma muito simples, propõe a indignação como atitude legítima, mas é uma decepção quanto ao conteúdo e ás soluções que pura e simplesmente não são referidas. A única atitude clara que propõe é uma indignação pacífica. Este livro beneficiou de uma promoção mediática extraordinária e de uma rede de distribuição excepcional em todo o mundo, tendo sido vendidos milhões de exemplares. A pergunta que impõe é: porque é que um livro banal, extremamente fácil de ler, sem qualquer analise de fundo, beneficiou de tamanha publicidade? Quem está por trás desse marketing? Este verdadeiro manifesto parece ter sido escrito por especialistas em marketing com o objectivo de criar um movimento que se indigna, sim, mas que não apresenta soluções, apenas preconiza manifestações e ocupações pacíficas. No fundo, essas são óptimas panelas de escape para o povo que poder estabelecido agradece, evitando assim revoltas populares.

 

 2ª – A mediatização internacional de que este movimento beneficiou.

 

O livro de Stéphane Hessel beneficiou, além de uma promoção internacional pouco comum, de uma mediatização política e mediática extraordinária. Curiosamente, o movimento dos Indignados não se iniciou em França, como teria sido lógico, mas sim em Espanha, mas logo nos primeiros dias teve uma cobertura mediática internacional pouco habitual. Todos nós sabemos, que os movimentos que se opõem ao “Sistema” têm uma dificuldade extrema em ser tema de destaque nos media.

 

Mais uma vez, a pergunta que se põe é: como é que o movimento dos Indignados teve em poucos dias um acesso tão facilitado ao meios de comunicação social? Quem está por trás dessa mediatização?

 

3º – O movimento dos Indignados continua sem analisar profundamente os problemas e sem propostas concretas.

 

O movimento continua sem qualquer analise económica e política de fundo. Apesar de questionar o poder financeiro, o papel real dos Estados Unidos na crise e nas guerras em curso ou o papel determinante da NATO ou da União Europeia na política actual, não são postos em causa. Este movimento cultiva sobretudo o protesto pacífico e sugerem uma governação mundial para por fim aos problemas económicos e sociais actuais. A pergunta que se coloca é: quem é que tem mais interesse em cultivar um movimento pacífico que serve de escape ás possíveis revoltas populares? Quem é que tem interesse em desenvolver a ideia de uma governação mundial para “resolver” os problemas actuais? Um movimento consensual, até para as grandes fortunas.

 

Não deixa de ser preocupante o facto de pessoas como George Soros, Warren Buffet ou o CEO da General Electric apoiarem o movimento dos Indignados. Poderemos ter assim, milhares de participantes sinceros nestes movimentos que poderão estar a trabalhar, na realidade, para o contrário das ideias em que acreditam.

 

Por trás do movimento “15 outubro”

 

No dia 15 de outubro, o movimente estende-se a todo o planeta, pela primeira vez na história mundial mais de 15 milhões de pessoas, em mais de 60 países, desfilaram para uma mudança global.

 

O site oficial do movimento é:

 

 “http//15october.net/”

.

Se visitarmos o site “http//who.godaddy.com/”, a base de dados do registo de todos os sites no mundo, até ao dia 18 de outubro, o titular era: « Paulina Arcos 866 United Nations Plaza Suite 516 New York, New York 10017 United States » Quem diabo será Paulina Arcos? Esta é a mulher de Francisco Carrión Mena, representante permanente do Equador e presidente de um comité especial da ONU. Curioso, será que, a ONU está por trás deste movimento?

 

Mas, as surpresas não ficam por aqui. A morada 866 United Nations Plaza New York também é a morada de Lucis Trust. O que é o Lucis Trust? No seu site oficial, descreve as suas actividades como sendo de promoção da educação do pensamento humano com vista a a por em prática valores e princípios espirituais para a construção de um a sociedade mundial estável e interdependente. Símbolo de Lucis trust New Age Lucis trust é uma empresa sem fins lucrativos, criada em 1920 em Nova Iorque, por Alice Bailey e o marido Foster, com a finalidade inicial de promover os 25 livros esotéricos escritos por Alice Bailey. Inicialmente a empresa chamava-se “Lucifer trust”, mas por razões óbvias, o nome foi mudado mais tarde para o actual: Lucis Trust.

 

Em 1932, essa empresa fundou o “Movimento Mundial da Boa Vontade”, este foi reconhecido pela ONU como uma ONG, e está presente nas sessões da ONU como membro do Conselho Económico e Social da ONU.

 

Quem está por trás do movimento “Occupy Wall Street”?

 

 

 

 

 

 Segundo jornalistas de investigação da agência Reuters, por trás de Occupy Wall Street estará, nada mais nada menos de que George Soros. Este homem de 81 anos possui a sétima maior fortuna dos Estados Unidos, avaliada em 22 mil milhões de dólares.

 

Apesar de negar qualquer intervenção nesse movimento, os jornalistas da Reuters descobriram que uma organização com sede no Canadá, Albusters, estava a preparar uma campanha extremamente sofisticada de uma “ocupação” pacífica de Wall Street, à semelhança dos movimentos das primaveras árabes. Adbuster é financiada por George Soros. Entre 2007 e 2009, este doou 3,5 milhões de dólares ao centro Tides, uma organização que serve de ecrã para a distribuição de fundos da qual faz parte Adbuster que terá então recebido nesse mesmo período 185 000 dólares. A ideia do movimento Occupy Wall Street terá sido preparada a partir do dia 13 de julho, segundo um dos fundadores de Adbuster, Kelle Lasn. Recentemente, Mikhail Gorbachev, personagem que se tornou extremamente influente na ONU e membro do Lucis trust, disse que Occupy Wall Street representava o sinal de uma Nova Ordem Mundial.

 

Mikhail Gorbachev é o fundador do chamado “Forum do Milénio” e a sede dessa organização situa-se no…866 United Nations Plaza, Suite 120, New York. Coincidência? Finalmente, mais um pormenor: o site do “movimento 15 outubro”mudou no dia 19 de outubro para: DomainsByProxy.com 15111 N. Hayden Rd.., Ste 160, PMB 353 Scottsdale, Arizona 85260 Estados Unidos Russell Simmons, milionário americano e Jimmy Wales, co-fundador de Wikipédia (mais uma coincidência) também apoiam o movimento Occupy Wall Street

 

http://www.lucistrust.org/

 http://infoguerilla.fr/?p=12365#more-12365

 http://15october.net/

 http://who.godaddy.com/

 http://www.ipsgeneva.com/directory/Detailed/142.html

 http://www.reuters.com/article/2011/10/14/us-wallstreet-protests-origins-idUSTRE79C1YN20111014

 

2 Comments

  1. Tudo isso pode ser verdade, ou não, mas desacreditarmos toda e qualquer movimentação popular por, supostamente estar infiltrada por serviços secretos ou operações de marketing tendentes a desviar-lhe os objectivos, também pode ter um efeito perverso: desmobilizar, de uma vez por todas, aqueles que, e certamente são a maioria nesses movimentos, reagem contra os poderes que estão a minar a vida de todos nós. A quem estaremos, então, também a servir quando pomos em causa o genuíno magma da revolta que sustenta este novo tipo de expressão a que os partidos de esquerda não souberam dar voz? Os movimentos são infiltrados? São, e de várias maneiras. Sobretudo quando acontecem em momentos de especial gravidade, muitos quadrantes deles querem tirar partido. Pessoalmente, não me perguntem porquê – mas já li análises bastante consistentes sobre a sua formação e a forma embrionária dum futuro que ainda não vislumbramos – acredito neles. E acredito mais do que acreditei na Wikileaks quando apareceu. Escrevi, na altura, um texto que o prova. Acredito que podem ser os tentáculos de um polvo cujo abraço, lentamente, triture o mal que assola a Humanidade .

  2. Els primers dies del moviment a Barcelona, vaig anar a la plaça Catalunya. Una televisió hi entrevistava un home que s’expressava amb notable eloqüència… Em vaig dir que “hi ha qui de seguida puja al carro i, si en té l’oportunitat, en pren les regnes”. Vaig fer un parell de fotos del personatge, amb el telèfon mòbil, i vaig continuar el recorregut.Al cap d’uns dies, després que la policia (els “mossos d’esquadra”) desallotgessin la plaça, vaig llegir al diari que els indignats presentaven una denúncia contra el Conseller d’Interior de la Generalitat pel desallotjament i “per la requisa de material informàtic”. En la fotografia de l’article s’hi veia el denunciant: era el mateix personatge que jo havia retratat a la plaça els primers dies de la revolta. Devia ser, per tant, un representant significat del moviment? L’article en donava el nom i en vaig poder cercar informació a la Xarxa. Era Àngel Badia, president del Partit Pirata a Catalunya, candidat a la presidència del Partido Pirata Español i, si més no a nivell personal, aspirant a la representació d’aquest partit polític en el Parlament Europeu.En la seva web personal i a la Xarxa es troben prou detalls de la seva biografia, els seus negocis en la Xarxa i les seves aspiracions polítiques. I també sobre el seu ego. Diu:“Soy Español de Nacimiento y Americano por Residencia. (…) Hace ya varios años me vine a vivir a Houston (Texas en los USA) (…) invitado por el Gobierno de USA que apoya a gente como yo (…) para que desarrolle sus facultades mentales en pro de un mejor bienestar de sus congeneres. (…) Vivo en las afueras de Houston con un permiso de residencia especial (…que) me fue concedido debido a mi capacidad intelectual. (…) estoy comprendido en el 5% de la poblacion mas inteligente del planeta. (…) realizo mi trabajo profesional con empresas -algunas de mi propiedad- (…) Hasta hace un tiempo me he dedicado a viajar con mi portatil bajo el brazo, entre varias partes del mundo, donde tenemos o interesaba tener relaciones comerciales.” (http://www.123people.es/ext/frm?ti=person%20finder&search_term=angel%20badia&search_country=ES&st=person%20finder&target_url=http%3A%2F%2Fwww.angelbadia.com%2F)Entre el material de què s’havia apoderat la policia hi havia el seu ordinador personal amb les dades de les persones que havien passat per la plaça de Catalunya i, simpatitzant amb el moviment, s’hi havien adherit. Així consta en la denúncia (http://www.nacionred.com/derechos-humanos/presentada-querella-contra-el-consejero-de-interior-de-la-generalitat-altos-mandos-y-agentes-de-los-mossos-desquadra). I, és clar, no ens podem deixar de preguntar què hi feien més de 30000 dades personals -donades de bona fe al moviment dels indignats- en el portàtil del membre destacat d’un partit polític determinat i empresari de negocis en xarxa.En la recerca d’informació sobre Àngel Badia hi vaig trobar una entrevista, de setembre del 2010 en el qual Badia expressava així quin titular voldria veure en els mitjans de comunicació la seva victòria: “(…) Es el comienzo de la verdadera Democracia Directa y en tiempo real para el pueblo.” I hi afegia: “Con la ayuda de todos los demás miembros de PIRATA, voy a realizar un cambio en la democracia Española, tan importante o más que el que ocurrió en 1975.” (http://www.nacionred.com/sociedad-civil-digital/entrevista-a-angel-badia-candidato-a-la-presidencia-del-partido-pirata-espanol). Era, potser, una premonició?Tot llegint l’article d’Octopus, he recordat el de Pilar Baselga: “De los vínculos entre el 15M, la derecha, los ultraneoliberales y el anarcocapitalismo” (http://www.pateandopiedras.com/2011/06/los-extranos-amigos-del-15-m-nombres-conexiones-e-incongruencias/).Aconseguirà el moviment del indignats canalitzar adientment la seva reflexió i tota la força i la raó que acumula, o bé sucumbirà a mans dels enemics externs i interns, dels que, des de fora, el volen ignorar i dels que, des de dins, el volen manipular?

Leave a Reply to Augusta Clara Cancel reply