EM COMBATE -150- por José Brandão

Em 1 de Junho foram lá colocados os capitães Monge e Caetano, para enquadrar os militares ali reunidos.

Em 2 de Junho foram recolhidos pela lancha Orion cerca de trezentos militares que se haviam refugiado nas bolanhas em redor de Gadamael, para escapar aos ataques.

Ainda neste dia desembarcou uma companhia de pára-quedistas e um pelotão de artilharia, passando o comando do COP5 para o comandante dos pára-quedistas.

Entre 3 e 4 de Junho caíram em Gadamael duzentas granadas, que provocaram mais dois mortos e quatro feridos. Em 4 de Junho, o PAIGC realizou uma emboscada a menos de um quilómetro do aquartelamento, causando quatro mortos e quatro feridos e capturando três espingardas G-3 e um emissor de rádio. O comandante do COP5 pediu autorização para retirar de Gadamael, o que não lhe foi concedido, recebendo ordem para defender a posição a todo o custo.

Em 5 de Junho, uma lancha da Marinha, botes dos fuzileiros e embarcações sintex do Exército evacuaram de Gadamael os mortos e os feridos, além de militares que não se encontravam em condições de combater, passando o COP5 a ser comandado pelo tenente-coronel Araújo e Sá. No mesmo dia ocorreu novo ataque com setenta granadas, que provocaram cinco feridos graves e cinco ligeiros.

A partir de 12 de Junho, foi colocada uma terceira companhia de pára-quedistas na região, ficando todo o Batalhão de Pára-Quedistas 12, empenhado no Sul, para «segurar» Gadamael.

As forças portuguesas sofreram nesta acção vinte e quatro mortos e cento e quarenta e sete feridos.

O PAIGC conseguira ocupar uma posição militar portuguesa e apresentar esse feito na conferência da OUA, lograra esgotar as reservas de forças de intervenção portuguesas (o Batalhão de Comandos mantinha-se inoperacional depois das baixas sofridas no ataque a Cumbamori de 19 de Maio) e limitara seriamente a acção aérea. Estavam, pois, reunidas as condições para se realizar uma grande acção política no interior do território, o que aconteceu em Madina do Boé, em Setembro, com a declaração unilateral da independência, na presença de numerosos convidados estrangeiros.

Os últimos dias

Era a seguinte a apreciação que o estado-maior de Bettencourt Rodrigues fazia da situação na Guiné em Abril de 1974 em relação à actividade do PAIGC:

«De referir a continuação da forte actividade deste nas zonas habituais do Norte (Guidage) e do Sul (Guilege), onde, em 1973, se haviam desenrolado duros combates. Também a ocupação da península do Cantanhez (Sul), decidida ainda por Spínola e que se iniciara no final do ano, sofreu forte reacção do PAIGC, com acções em Jemberém, Caboxanque e Bedanda. No ataque a esta última base portuguesa, foram referenciadas viaturas blindadas. De notar ainda neste período o disparo de um míssil antiaéreo contra um avião civil dos Transportes Aéreos da Guiné».

http://www.guerracolonial.org/home

Leave a Reply